A Música Pirata Online | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/1/2003
A Música Pirata Online
Héber Sales

+ de 6400 Acessos

A "cyber-tribo" de trocas de MP3 vai muito bem no Brasil, obrigado, e não importa o quanto a ataquem ou a menosprezem. Como no resto do mundo, sua expansão acontece ao longo das redes da Rede, a internet, numa interminável brincadeira de gato e rato com a indústria fonográfica e as instituições anti-pirataria. Se encerram um programa para compartilhamento de arquivos (file-sharing, peer-to-peer ou simplesmente P2P), surge logo uma caterva de símiles melhorados; se fecham sites de download de MP3, sua audiência reúne-se nas listas ou grupos de discussão; se nada disso funciona, os piratas de áudio online voltam ao bom e velho bate-papo do IRC. E tem mais: usam instant messengers (leia-se ICQ, entre outros) e e-mail para encaminhar suas músicas favoritas para os colegas.

A inércia das grandes gravadoras brasileiras
Azucrinada pela máfia do CD pirata, que, segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD), abocanhou 53% do mercado em 2001, a indústria nacional pouco discute essa ameaça - para as grandes gravadoras é como se ela fosse virtual mesmo!

Razões para tal inércia não faltam. Primeiro, a pirataria online no Brasil é um fenômeno relativamente pequeno devido a baixa penetração da internet no país. Segundo dados do Ibope, o número de pessoas com acesso residencial à internet atinge um patamar de apenas 14,3 milhões de indivíduos, dos quais 7,4 milhões estiveram ativos em dezembro de 2002. Adicione-se a isso o fato de que o acesso de baixa velocidade predomina (quase 91% dos computadores), o que torna o download dos arquivos MP3 lentos e, conseqüentemente, caros, e chegamos a uma justificativa alentadora para não dar bolas para a música online ilegal. Além disso, os grandes selos brasileiros, praticamente todos multinacionais, andam a reboque da ação anti-pirataria de suas sedes através da RIAA (Recording Industry Asociation of America) e da IFPI (The International Federation of the Phonographic Industry). Quando fecham um fenômeno do P2P como o Napster, ou negociam o fim do download gratuito com o Audiogalaxy, ou processam o Kazaa, o líder mundial entre os programas para file-sharing, atingem duramente a pirataria online tupiniquim.

O sucesso dos programas de file-sharing no Brasil
De fato, o Kazaa é um sucesso no Brasil. Em 18/01/2003, o Superdownloads, um dos maiores sites brasileiros de download, informava que o Kazaa foi o software mais baixado na semana anterior. Detalhe: o mais baixado dentre todas as categorias! Abaixo dele naquele ranking, vieram programas bem conhecidos do público em geral - o ICQ, o Download Acellerator, o Adobe Acrobat Reader e o WinZip. Aliás, programas P2P são um sucesso no site. Consultando-se o TOP Geral do Superdownloads verifica-se que três dos dez softwares mais baixados são especializados em file-sharing - os outros dois são o Morpheus e o iMesh.

Mas o Kazaa parece estar com seus dias contados. Em 10/01/2002, um juiz norte-americano permitiu à RIAA e à MPAA (Motion Picture Association of America) processarem a empresa australiana proprietária desse programa, a Sharman Networks, de acordo com as leis dos EUA. Esse caso avulta-se em importância na medida em que pode envolver todos os programas que usam a rede FastTrack, a tecnologia por trás do Kazaa - entre eles o Grokster e o iMesh.

A persistência da pirataria de áudio online
A vitória contra o Kazaa e seus congêneres, se vier, não deve ser muito comemorada porém. A ameaça da pirataria online concorre em tantas frentes e com tanta força que o próprio presidente da RIAA, Cary Sherman, declarou recentemente à BBC que o download ilegal de música pode mesmo nunca chegar a ser erradicado.

A rendição em alguns casos adquire um tom de louvor a pirataria. O cantor britânico Robin Williams, detentor de um contrato de US$ 120 milhões com a EMI, tem dito que a pirataria de música online é uma grande coisa. Outro aliado de última hora é Craig Barrett, presidente da Intel, a maior produtora de microprocessadores do mundo. Ele simplesmente afirmou que o público deveria ter o direito de trocar arquivos na web gratuitamente.

A verdade é que os programas P2P adquirem configurações que os tornam cada vez mais inatingíveis pelo longo braço da justiça norte-americana. A RIAA e a MPAA podem matar o Kazaa, mas não conseguirão parar redes ainda mais descentralizadas como o Gnutella sem a ajuda de provedores de acesso à internet, operadores de cabo e companhias telefônicas. Ora, exigir a colaboração dessas indústrias produzirá um grande conflito institucional, uma vez que a saúde do negócio delas depende do respeito à privacidade e à liberdade de expressão de seus clientes. A propósito, matéria é assunto constitucional seriíssimo nos EUA, envolvendo princípios fundadores da própria sociedade norte-americana. A batalha será duríssima para as gravadoras e para Hollywood...

A desanimar ainda mais a indústria fonográfica nesse embate está a multiplicação de serviços de file-sharing mundo afora. Fechar uma ou duas redes, como foi feito ao Napster e ao Audiogalaxy, não extingue a energia dos programadores de aplicações P2P, que logo aparecem com uma pletora de alternativas - WinMX, eDonkey, Blubster, FileNavigator, etc.

As comunidades brasileiras de troca de MP3
No Brasil, além de todos esses recursos, há muitas outras opções para quem quer participar da mania de troca de MP3. Para os que mal lêem o inglês, há as versões em português do Kazaa Lite e do WinMX, além de produtos genuinamente nacionais como o M1A1 (conecta a rede Gnutella), o Troca de Arquivos e o GLT Poliane.

Fora do universo P2P, há um outro tanto de alternativas. Dentre elas, uma é de especial interesse para quem quer se aprofundar na cultura do MP3: as listas de discussão sobre o assunto na web. Elas podem ser encontradas facilmente em alguns dos grandes servidores nacionais - Meu Grupo, Grupos, Nosso Grupo, etc.

Para se ter uma idéia da dimensão do fenômeno, tome-se como exemplo o Yahoo!Grupos. Só neste serviço havia em 09/01/2003 nada mais nada menos do que 225 listas dedicadas ao assunto 'MP3' - a maior delas com 2.436 membros! Qual o tema principal das mensagens?! Troca de música. Um desses grupos usa um recurso particularmente curioso para disponibilizar faixas para seus usuários: o serviço de porta arquivos (ou back up) do Yahoo. A operação é simples. Seus membros gravam os arquivos MP3 no servidor do Yahoo!, comunicam aos colegas o endereço em que se encontram, e autorizam seu acesso. Tudo isso via web, o recurso mais amigável da internet - e mais usado também, depois do e-mail.

No IRC, um recurso mais difícil para o usuário médio da internet (exige o domínio de comandos específicos), há outra porção de brasileiros trocando MP3. Na manhã do dia 17/01/2003, havia, na Brasnet, a maior rede IRC do país, pelo menos duas dezenas de canais onde internautas trocavam músicas gratuitamente.

Um nicho promissor
A esta altura parece estar claro: a troca de MP3 na internet brasileira é um fenômeno. Um fenômeno relativamente pequeno, diriam alguns pesquisadores e muitos executivos da indústria fonográfica. Seu argumento seria aquele mesmo: a internet tem baixa penetração no país, e a conexão de banda larga (alta velocidade), um estímulo crucial para o download de músicas, então, nem se fala. Atendo-se a essa lógica, tais senhores parecem ignorar por completo o conceito de segmentação, tão caro ao marketing contemporâneo.

O que aqui chamamos de comunidade, uma categoria sociológica, pode muito bem ser visto como um segmento de mercado, ou, pelo menos, um nicho. E dos bons! A última versão do Kazaa disponibilizada no site Superdownloads em 08/11/2002 foi baixada 652.124 vezes desde então, e o novo modelo do Morpheus, agora um cliente Gnutella, 847.437 vezes entre 30/08/2002 e 24/01/2003. Considerando que esses dois programas usam redes diferentes, e que há dezenas de outros programas, pode se especular que o tal nicho reuniria de 847 mil a 1.5 milhão de pessoas para começar. Nada mal se lembrarmos que esses consumidores estão entre os cidadãos mais afluentes do país, aqueles privilegiados com acesso à internet, e são em sua maioria adolescentes e jovens que consumiram música por muitas dezenas de anos...

É,... pelo jeito há um mercado considerável para música online. Um mercado pirata!


Héber Sales
Salvador, 30/1/2003


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PEQUENO PRÍNCIPE
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
AGIR
(2003)
R$ 25,00
+ frete grátis



SOLO DE CLARINETA - 2 VOLS
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1976)
R$ 39,96



CARTAS PERSAS 2
MONTESQUIEU
ESCALA
(2006)
R$ 10,00



FAMILY ALBUM, U. S. A.
APEL
MAWELL MACMILLAN
R$ 60,00



BENCHMARKING - O CAMINHO DA QUALIDADE TOTAL
ROBERT C. CAMP
PIONEIRA
(1935)
R$ 10,00



GRUPOS, ORGANIZACOES E INSTITUICOES - COLECAO PSICOLOGIA SOCIAL
GEORGES LAPASSADE
VOZES
(2016)
R$ 71,64



POLÍTICA INTERNACIONAL COMPARADA - O BRASIL E A INDIA NAS NOVAS...
MARCOS COSTA LIMA (ORG.)
ALAMEDA
(2012)
R$ 24,22



HISTOIRE DES IDÉES POLITIQUES: TOMO I - DES ORIGINES AU XVIII
JEAN TOUCHARD E OUTROS (CAPA DURA)
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1959)
R$ 17,82



POÈMES DAMOUR DES XIIE ET XIIIE SIÈCLES
ANONYME; EMMANUELE BAUMGARTNER; FRANÇOISE F.
UNION GENERALE
(1983)
R$ 39,82



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE ABRIL DE 1963
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1963)
R$ 7,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês