As Memórias de Viktor Frankl | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Coletivo Mani Carimbó é convidado do projeto Terreiros Nômades em escola da zona sul
>>> CCSP recebe Filó Machado e o concerto de pré-lançamento do álbum A Música Negra
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Com ventilador, mas sem educação
>>> Nem capitalismo, nem socialismo, nem morte
>>> O blog do Luiz Schwarcz
>>> Do Surrealismo
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
Mais Recentes
>>> O processo da educação volume 126 de Jerome bruner pela Companhia Nacional (1987)
>>> Livro Infanto Juvenis E O Palhaço O Que É? Série Arca de Noé de Guto Lins pela Ftd (2007)
>>> Livro Psicologia Liberte Sua Personalidade de Maxwell Maltz pela Best Seller (1971)
>>> As Aventuras De Sherlock Holmes - Contos - Volume 1 de Arthur Conan Doyle ; Leslie S. Klinger pela Zahar (2010)
>>> Quatro gigantes da alma de Mira y Lopez pela Lte
>>> Livro História do Brasil O Regime de Vargas Os Anos Críticos 1934-1938 de Robert Levine pela Nova Fronteira (1980)
>>> Como Confiar Em Si e Viver Melhor de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1974)
>>> Livro Infanto Juvenis Lendas Negras de Júlio Emílio Braz, Salmo Dansa pela Ftd (2006)
>>> Livro A Economia Brasileira Em Marcha Forçada de Antonio Barros de Castro e Francisco Eduardo Pires de Souza pela Paz e Terra (1995)
>>> Homens São De Marte, Mulheres São De Vênus: Um Guia Prático Para Melhorar A Comunicação E Conseguir O Que Você Quer Nos Seus Relacionamentos de John Gray pela Rocco (1997)
>>> Livro Linguística Crise na Linguagem a Redação no Vestibular de Maria Thereza Fraga Rocco pela Mestre Jou (1981)
>>> The Battle of Britain - The Jubilee History de Richard Hough, Denis Richards pela Coronet Books (1990)
>>> Morte Invisível de Agnete Friis ; Lene Kaaberbøl pela Arqueiro (2015)
>>> The Traveller guide de Teresa Perez pela Suiça
>>> Gibis O Velho Logan Uma Nova Chance, Um Novo Recomeço... Volume 5 de Marvel pela Panini Comics (2016)
>>> Guia Turismo 10 São Francisco de Dk pela Publifolha (2007)
>>> Psicologia da Conduta de José Bleger pela Artes Médicas (1984)
>>> The Kamikazes - The Incredible Story of Japan's Most Desesperate Wartime Gamble de Edwin P. Hoyt pela Panther Books (1985)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Que Toda Criança Gostaria Que Seus Pais Soubessem de Dr. Lee Salk pela Record (1972)
>>> Guia Turismo 10 Roma de Publifolha pela Publifolha (2007)
>>> Pokémon Firered & Leafgreen Vol. 1 de Hidenori Kusaka - Satoshi Yamamoto Ilustração pela Panini Comics (2006)
>>> Hitler's Secret War in South America, 1939-1945 de Stanley E. Hilton pela Ballantine Books (1981)
>>> Os Impostores de Chris Pavone pela Arqueiro (2013)
>>> Livro Infanto Juvenis O Guarda-chuva Do Vovô de Carolina Moreyra pela Dcl (2008)
>>> Eldorado de Michael Pye pela Circulo do Livro (1983)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/5/2011
As Memórias de Viktor Frankl
Ricardo de Mattos
+ de 6100 Acessos

"O que é, então, um ser humano?(...) É o ser que inventou as câmaras de gás, mas é também aquele ser que entrou nas câmaras de gás, ereto, com uma oração nos lábios".

Entre os livros escritos pelo centenário escritor luso-brasileiro José da Silva Martins ― pai do pianista e maestro João Carlos Martins e do tributarista Ives Gandra da Silva Martins ― encontra-se a biografia do compositor Johann Sebastian Bach. A despeito de ter um filho especialista na obra do músico, Martins preferiu escrevê-la às escondidas, para que detalhes técnicos não interferissem no texto do admirador. Ora copiamos seu exemplo e queremos expressar nosso contentamento por ter conhecido a obra do psiquiatra vienense Viktor Emil Frankl.

Viktor Frankl nasceu em Viena, no dia cinco de março de 1905. Lá formou-se em Medicina e, por influência da Psicanálise, optou pela psiquiatria. Ainda estudante, correspondia-se com Sigmund Freud, a quem deve o encaminhamento e publicação, em 1924, de seu primeiro texto científico na Revista Internacional de Psicanálise. Posteriormente, houve o afastamento ideológico, mas Frankl afirma textualmente que a oposição teórica não diminuiu seu respeito por Freud.

Frankl também esteve ligado a Alfred Adler, fundador da Psicologia Individual. A divergência e afastamento entre os dois, contudo, foi mais evidente. A partir do afastamento de Frankl da Associação de Psicologia Individual, em 1927, Adler nunca fez questão de esconder seu ressentimento.

Os 32 livros escritos por Frankl já foram traduzidos para 27 línguas, entre as quais o japonês e o chinês. Do que existe em português, empreendemos a leitura sequencial e sistemática. Para esta coluna, extraímos diversas informações d'O que não está escrito nos meus livros, a última obra que escreveu e a de publicação mais recente entre nós. Antes, lemos Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Temos em mãos A presença ignorada de Deus e aguardamos a chegada de Um sentido para a vida. Felizmente há outros disponíveis como Sede de sentido, Logoterapia e análise existencial, Psicoterapia para todos... Bravo!

A grande experiência existencial do psiquiatra foi a passagem por campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Entre 1942 e 1945, passou por quatro: Theresienstadt, Auschwitz, Kaufering e Türkheim, este vinculado ao de Dachau. Sua família era constituída por pai, mãe, um casal de irmãos e pela esposa. Terminada a Guerra, sobrou-lhe apenas a irmã.

A experiência teve sobre o pensamento científico de Frankl o mesmo efeito da panela de pressão sobre certos alimentos. A pressão sofrida e testemunhada supera qualquer descrição, mas a base do que seria sua futura terapêutica estava pronta.

Ele propôs-se a dar à Psicologia, através da análise existencial, o sentido de "conscientizar o ser humano(...) de seu ser responsável, ou trazer perante sua consciência o caráter de responsabilidade da existência". Em suma, no indivíduo apresentado como um joguete de determinismos sociais e ambientais, movido por pulsos ou impulsos explicados de forma mecanicista e materialista, Frankl alertou sobe a necessidade de resgatar o ser espiritual.

Até onde chegamos, na leitura de sua obra, não encontramos sua definição de espírito. Caso isto ocorra, talvez explique-se por sua concepção de, como médico, não avançar o campo da teologia. Como cientista, reconhece a importância do espírito, mas delega ao teólogo a incumbência de defini-lo. Como médico, lembrou-se que um tratamento deve ser estendido a todos: crentes, ateus, materialistas, idealistas, espiritualistas e outras denominações mais que se queira encontrar. Todavia, lega-nos n'A presença ignorada de Deus o conceito de "inconsciente espiritual".

Sua teoria psicologica encontra sólido fundamento numa filosofia de cunho existencialista, por mais contraditório que isto possa parecer a quem não está familiarizado com a discussão. Si há pensadores dos séculos XIX e XX que pregaram a ausência de sentido para a existência, e culminaram no niilismo ― Nietzsche, Sartre ―, Frankl defendeu justamente o contrário e cuidou de pessoas baseado nesta convicção. Encontrado um sentido para a vida do paciente, todo o resto começa a "encaixar-se", conforme compreendemos até o momento. Na verdade, conforme vivenciamos até o momento.

Note-se que se falou acima em "um" sentido que acabe tendo finalidade terapêutica. Não se falou a respeito "do" sentido da vida. Para Frankl, a vida tem um sentido mais amplo que inclui, também, a doença, o sofrimento e a morte. O sentido de que ele fala é aquela meta que o indivíduo deseja alcançar e, por ela dispõe-se a suportar todas as dificuldades do caminho. Este sentido pode ser encontrado numa obra, no amor e no próprio sofrimento. Como dito, ele recorreu à própria experiência nos campos de concentração, onde sua teoria foi depurada.

Frankl encontrou sentido no trabalho, pois não queria "entregar os pontos" sem publicar um livro, o embrião d'A busca de sentido. Quanto ao amor, revelou que durante a lida forçada em canteiro de obras nos quais se aliavam o frio vários graus abaixo de zero e a gentileza dos oficiais e capatazes nazistas, sua sustentação vinha de diálogos imaginários travados com a esposa, presa em outro local. Já o sofrimento foi percebido como fonte de significado existencial, porque Frankl considerou desperdício passar por tudo o que passou e não extrair lições, não superar a dor e torná-la útil. Não seria pedir demais?

Quanto a isso, dois esclarecimentos podem ser encontrados em sua obra. Os prisioneiros que não encontraram sentido para resistir foram os que primeiro sucumbiram, seja por fraqueza, doença ou suicídio. O segundo é que não se trata de qualquer sofrimento, mas, sim, daquele que o indivíduo não pode escapar, como a doença grave, a deficiência irreparável ou a perda de alguém. Sofrer "voluntariamente", por inércia ou ignorância, perde o valor segundo Frankl.

"Ah, mas o que pode ser sofrimento para mim pode não ser para você". Certo. Então vá ler Crepúsculo, não os livros de Viktor Frankl. Creditamos este falso relativismo e precária visão de mundo à estimulada hipersensibilização contemporânea das pessoas. Parte de sua proposta é justamente ver o que nos causa dor, procurar o significado a ser extraído e eliminá-la, si não houver. De nossa parte, entendemos que a evolução faz o espírito encarar como dificuldade superável ― e até didática ― aquilo outrora lamentado como sofrimento doloroso. Há um Bem, e a capacidade de enxergá-lo é que varia.

As Memórias parecem ser o livro mais simples quanto à escrita, mas nele encontramos a palavra final de Frankl a respeito de questões abertas em outros textos. O volume de Em busca de sentido, por exemplo, possui dois anexos teóricos a respeito da Logoterapia, a chamada "terceira escola vienense de psicoterapia". Na autobiografia, Frankl reafirma sua preocupação em livrar o tratamento psicoterápico do que ele chamou "psicologismo" que parece mais um exercício de compreensão teórica e validação prática de doutrinas e afasta-se da função originária de ajudar. Citamos até exemplo ocorrido recentemente. Uma colega reclamou de coceira no anular direito, onde usa a aliança de noivado. O jargão veio pronto à mente: "manifestação psicossomática da rejeição inconsciente ao compromisso representado pelo anel". Tudo certo quanto ao jargão, mas dito em voz alta, quem lucraria com ele?

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 30/5/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Das construções todas do sentir de Elisa Andrade Buzzo
02. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
03. A nova classe média de Jardel Dias Cavalcanti
04. O ladrão incendiário de Ana Elisa Ribeiro
05. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Dois Escritores Húngaros - 26/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Poetas Romanticos Brasileiros - Gonçalves Dias - 2 Volumes
Gonçalves Dias
Waldré



As Melhores Histórias Americanas
O. Henry; Saroyan; Faulkner; Hemingway
Saga
(1969)



Coleção 5 Livros História de Parana Questão de Honra + Conquista Pacífica de Guarapuava + Glotildes ou Marias Verberação dos Demônios
F. R. Azevedo Macedo; Domingos Pellegrini; Etelvina M. de Castro Trindade
Fundação Cultural; Quem de Direito
(2000)



Marília de Dirceu (Poesia Brasielira)
Tomás Antonio Gonzaga
L&PM
(1998)



Beauty Beleza - A Sua Coleção Definitiva de Beleza
Vários autores
Cedic
(2011)



Livro Literatura Estrangeira Convergente Uma Escolha Vai te Definir Série Divergente III
Veronica Roth
Rocco Jovens Leitores
(2014)



Hierarquias, Raça e Mobilidade Social
Org. Célia Cristina da Silva Tavares, Rogério de Oliveira Ribas
Contra Capa
(2010)



Livro em Box A Mulher Ruiva
Orhan Pamuk
Companhia das Letras / Tag
(2020)



A Dieta do Abdômen
David Zinczenko
Sextante
(2005)



A Chave do Teatro a Porta da Frente 367
Blandina Franco
Sem





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês