As Memórias de Viktor Frankl | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/5/2011
As Memórias de Viktor Frankl
Ricardo de Mattos
+ de 5100 Acessos

"O que é, então, um ser humano?(...) É o ser que inventou as câmaras de gás, mas é também aquele ser que entrou nas câmaras de gás, ereto, com uma oração nos lábios".

Entre os livros escritos pelo centenário escritor luso-brasileiro José da Silva Martins ― pai do pianista e maestro João Carlos Martins e do tributarista Ives Gandra da Silva Martins ― encontra-se a biografia do compositor Johann Sebastian Bach. A despeito de ter um filho especialista na obra do músico, Martins preferiu escrevê-la às escondidas, para que detalhes técnicos não interferissem no texto do admirador. Ora copiamos seu exemplo e queremos expressar nosso contentamento por ter conhecido a obra do psiquiatra vienense Viktor Emil Frankl.

Viktor Frankl nasceu em Viena, no dia cinco de março de 1905. Lá formou-se em Medicina e, por influência da Psicanálise, optou pela psiquiatria. Ainda estudante, correspondia-se com Sigmund Freud, a quem deve o encaminhamento e publicação, em 1924, de seu primeiro texto científico na Revista Internacional de Psicanálise. Posteriormente, houve o afastamento ideológico, mas Frankl afirma textualmente que a oposição teórica não diminuiu seu respeito por Freud.

Frankl também esteve ligado a Alfred Adler, fundador da Psicologia Individual. A divergência e afastamento entre os dois, contudo, foi mais evidente. A partir do afastamento de Frankl da Associação de Psicologia Individual, em 1927, Adler nunca fez questão de esconder seu ressentimento.

Os 32 livros escritos por Frankl já foram traduzidos para 27 línguas, entre as quais o japonês e o chinês. Do que existe em português, empreendemos a leitura sequencial e sistemática. Para esta coluna, extraímos diversas informações d'O que não está escrito nos meus livros, a última obra que escreveu e a de publicação mais recente entre nós. Antes, lemos Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Temos em mãos A presença ignorada de Deus e aguardamos a chegada de Um sentido para a vida. Felizmente há outros disponíveis como Sede de sentido, Logoterapia e análise existencial, Psicoterapia para todos... Bravo!

A grande experiência existencial do psiquiatra foi a passagem por campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Entre 1942 e 1945, passou por quatro: Theresienstadt, Auschwitz, Kaufering e Türkheim, este vinculado ao de Dachau. Sua família era constituída por pai, mãe, um casal de irmãos e pela esposa. Terminada a Guerra, sobrou-lhe apenas a irmã.

A experiência teve sobre o pensamento científico de Frankl o mesmo efeito da panela de pressão sobre certos alimentos. A pressão sofrida e testemunhada supera qualquer descrição, mas a base do que seria sua futura terapêutica estava pronta.

Ele propôs-se a dar à Psicologia, através da análise existencial, o sentido de "conscientizar o ser humano(...) de seu ser responsável, ou trazer perante sua consciência o caráter de responsabilidade da existência". Em suma, no indivíduo apresentado como um joguete de determinismos sociais e ambientais, movido por pulsos ou impulsos explicados de forma mecanicista e materialista, Frankl alertou sobe a necessidade de resgatar o ser espiritual.

Até onde chegamos, na leitura de sua obra, não encontramos sua definição de espírito. Caso isto ocorra, talvez explique-se por sua concepção de, como médico, não avançar o campo da teologia. Como cientista, reconhece a importância do espírito, mas delega ao teólogo a incumbência de defini-lo. Como médico, lembrou-se que um tratamento deve ser estendido a todos: crentes, ateus, materialistas, idealistas, espiritualistas e outras denominações mais que se queira encontrar. Todavia, lega-nos n'A presença ignorada de Deus o conceito de "inconsciente espiritual".

Sua teoria psicologica encontra sólido fundamento numa filosofia de cunho existencialista, por mais contraditório que isto possa parecer a quem não está familiarizado com a discussão. Si há pensadores dos séculos XIX e XX que pregaram a ausência de sentido para a existência, e culminaram no niilismo ― Nietzsche, Sartre ―, Frankl defendeu justamente o contrário e cuidou de pessoas baseado nesta convicção. Encontrado um sentido para a vida do paciente, todo o resto começa a "encaixar-se", conforme compreendemos até o momento. Na verdade, conforme vivenciamos até o momento.

Note-se que se falou acima em "um" sentido que acabe tendo finalidade terapêutica. Não se falou a respeito "do" sentido da vida. Para Frankl, a vida tem um sentido mais amplo que inclui, também, a doença, o sofrimento e a morte. O sentido de que ele fala é aquela meta que o indivíduo deseja alcançar e, por ela dispõe-se a suportar todas as dificuldades do caminho. Este sentido pode ser encontrado numa obra, no amor e no próprio sofrimento. Como dito, ele recorreu à própria experiência nos campos de concentração, onde sua teoria foi depurada.

Frankl encontrou sentido no trabalho, pois não queria "entregar os pontos" sem publicar um livro, o embrião d'A busca de sentido. Quanto ao amor, revelou que durante a lida forçada em canteiro de obras nos quais se aliavam o frio vários graus abaixo de zero e a gentileza dos oficiais e capatazes nazistas, sua sustentação vinha de diálogos imaginários travados com a esposa, presa em outro local. Já o sofrimento foi percebido como fonte de significado existencial, porque Frankl considerou desperdício passar por tudo o que passou e não extrair lições, não superar a dor e torná-la útil. Não seria pedir demais?

Quanto a isso, dois esclarecimentos podem ser encontrados em sua obra. Os prisioneiros que não encontraram sentido para resistir foram os que primeiro sucumbiram, seja por fraqueza, doença ou suicídio. O segundo é que não se trata de qualquer sofrimento, mas, sim, daquele que o indivíduo não pode escapar, como a doença grave, a deficiência irreparável ou a perda de alguém. Sofrer "voluntariamente", por inércia ou ignorância, perde o valor segundo Frankl.

"Ah, mas o que pode ser sofrimento para mim pode não ser para você". Certo. Então vá ler Crepúsculo, não os livros de Viktor Frankl. Creditamos este falso relativismo e precária visão de mundo à estimulada hipersensibilização contemporânea das pessoas. Parte de sua proposta é justamente ver o que nos causa dor, procurar o significado a ser extraído e eliminá-la, si não houver. De nossa parte, entendemos que a evolução faz o espírito encarar como dificuldade superável ― e até didática ― aquilo outrora lamentado como sofrimento doloroso. Há um Bem, e a capacidade de enxergá-lo é que varia.

As Memórias parecem ser o livro mais simples quanto à escrita, mas nele encontramos a palavra final de Frankl a respeito de questões abertas em outros textos. O volume de Em busca de sentido, por exemplo, possui dois anexos teóricos a respeito da Logoterapia, a chamada "terceira escola vienense de psicoterapia". Na autobiografia, Frankl reafirma sua preocupação em livrar o tratamento psicoterápico do que ele chamou "psicologismo" que parece mais um exercício de compreensão teórica e validação prática de doutrinas e afasta-se da função originária de ajudar. Citamos até exemplo ocorrido recentemente. Uma colega reclamou de coceira no anular direito, onde usa a aliança de noivado. O jargão veio pronto à mente: "manifestação psicossomática da rejeição inconsciente ao compromisso representado pelo anel". Tudo certo quanto ao jargão, mas dito em voz alta, quem lucraria com ele?

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 30/5/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre a literatura de Evando Nascimento de Jardel Dias Cavalcanti
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
03. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
04. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
05. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Livros da Fuvest Unicamp I (veja os Titulos na Relação) Vestib
Varios
Objetivo
(2009)



Cresça e Apareça
Luiz Alberto Alves dos Santos
Semente
(1996)



Coleção Frajola e Piu-piu - a Maldição do Nilo. Looney Tunes
Sid Jacobson
Babel
(2011)



Moderna Plus Literatura Tempos, Leitores e Leituras Unico Aluno
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



The "early Times" Book of Unsolved Mysteries
Keith Brumpton(illustrator)
Puffin Books
(1993)



Abc de Castro Alves
Jorge Amado
Martins



Mangá Blade 26
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Asas Brancas
Carlos Queiroz Telles
Moderna
(1997)



A Linguagem do Bebê
Lynne Murray e Liz Andrews
Publifolha
(2004)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês