Comentários do IP 200.184.182.2 | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Itinerário de leituras on-line
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
Mais Recentes
>>> Dicionário Oxford Escolar Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Oxford University pela Oxford (2009)
>>> Breve história de sete assassinatos de Marlon James pela Intrínseca (2017)
>>> Carmen Portinho - Coleção Perfis do Rio de Ana Luiz Nobre pela Relume Dumará (1999)
>>> Relações Humanas Interpessoais nas Convivências Grupais e Comunitárias de Silvino José Fritzen pela Vozes (1987)
>>> Perdas Necessárias de Judith Viorst pela Melhoramentos (1988)
>>> Acima de Qualquer Suspeita - Presumed Innocent de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Para Gostar de Ler 27 - Histórias Sobre Ética de La Fontaine Machado de Assis e Outros pela Ática (2003)
>>> Dia dos Mortos de Marcelo Ferroni pela Globo (2004)
>>> Kota de Richar Forsithe pela Nova Cultural (1989)
>>> O que é Arte? A polemica visão do Autor de Guerra e Paz de Tolstoi pela Ediouro (2002)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo e Walter Ms. Tuche pela Rocco (2001)
>>> Valsa Negra de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (2003)
>>> Um Fio de Esperança de Nancy Guthrie pela Mundo Cristão (2008)
>>> Oblomov de Ivan Alexandrovitch Gotcharov pela Germinal (2001)
>>> O Apanhador no campo de centeio de Jorio Dauster; Antonio Rocha; Alvaro Alencar pela Do Autor (2012)
>>> Auto-sentimento de Norberto R. Keppe pela Proton (1977)
>>> A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins de Roberto Atkins pela Círculo do Livro (1972)
>>> Fé e Liberdade - O Pensamento Eco. da Escolástica de Alejandro A. Chafuen pela Lvm (2019)
>>> Serenidade e Paz pela Oração de Rafael Llano Cifuentes pela Do Autor (2002)
>>> Trilogia de Cinquenta tons de cinza. Vol.1 , Vol. 2 e Vol. 3 de E L James; E L James; Maria Carmelita Padua Dias pela Intrinseca (2012)
>>> Quando Tudo Não é o Bastante de Harold S. Kushner pela Nobel (1999)
>>> Febre de Enxofre de Bruno Ribeiro pela Penalux (2016)
>>> Grandes e novas Invenções de Não informado pela Knorr
>>> No Início - Contos de Adriana Griner pela Biblioteca Pública do Paraná (2014)
>>> Parâmetros Curriculares Nacionais - Vol 6 de Não informado pela Arte (1997)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> Namoro blindado: O Seu Relacionamento à Prova De Coração Parido EAN: 9788578607654 de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2016)
>>> Navegar é preciso de Anaína Amado; Ledonias Franco Garcia pela Atual Didáticos (1989)
>>> Conte-me seus sonhos de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Globo/Klick (1997)
>>> O poder das afirmações positivas - Coleção Autoestima EAN: 9788575421680 de Louise Hay pela Sextante (2005)
>>> As Melhores Histórias de Princesas de Monica Rodrigues da Costa e Lidia Chaib Adaptação pela Publifolha (2000)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 24. Crônicas 3º Volume (1871 - 1878) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 23. Crônicas 2º Volume (1864 - 1867) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> A Viola Enluarada De Zequinha Piriri EAN: 9788526231771 de Rosana Rios pela Scipione (1997)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 22. Crônicas 1º Volume (1859 - 1863) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 21. Contos Fluminenses II de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 20. Contos Fluminenses I de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 19. Teatro de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 18. Poesias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 17. Relíquias Da Casa Velha 2º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 16. Relíquias Da Casa Velha 1º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 15. Páginas Recolhidas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> O melhor de Hagar o horrível – vol. 3: 441 EAN: 9788525412195 de Dik Browne pela L&PM Pocket (2007)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 14. Várias Histórias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Dicionário Ilustrado da Língua Portuguesa 7 volumes de Antenor Nascentes pela Bloch (1972)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 13. Histórias sem Datas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 12. Papeis avulsos de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 11. Histórias Românticas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 10. Histórias da Meia Noite de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 20/11/2002
Comentários
200.184.182.2


Debater como, meu Deus do céu?
Quanto ao prof. Helion e a Irã Dudeque, faltam-lhes os requisitos morais mínimos para a participação num debate. O prof. Helion, esse mestre da novilíngua, gasta a maior parte de seus comentários queixando-se da "truculência" e da "hipocrisia" de seus interlocutores, distraindo o leitor da verdadeira motivação de seus comentários, revelada em frases cautelosamente isoladas e breves, mas constantes: ora se mostra frustrado com o que chama de "pensamento (quase) único" do Digestivo Cultural, ora parabeniza o editor Júlio Daio Borges pela "limpeza étnica" supostamente dirigida aos colunistas "de direita", ora cobra do mesmo editor uma definição para a "situação esquizofrênica" em que vive este jornal, afirmando antes que este site "só tem a ganhar" com a saída desses colunistas... Prof. Helion, da próxima vez, iguale-se ao menos a Salomé: seja franco e direto ao pedir a cabeça de Alexandre Soares Silva. Restou o inacreditável Irã Dudeque, cujo comentário mais relevante foi a divulgação dos resultados de seu teste de Rorschach, apagado pelo editor do site - que percebeu, melhor do que o comentarista, que suas projeções mentais em forma de pirulito eram de interesse exclusivo do autor e de seu psicólogo. Sem conhecimento e boa-fé, não houve e não haverá qualquer debate de idéias neste fórum - apenas esta interminável e chatíssima festa de insultos, às vezes quebrada por uma ou outra mensagem honesta ou bem-humorada.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Felipe Ortiz
20/11/2002 à
01h52 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Debate de idéias? Mas como?
Inicialmente disposto ao debate de idéias, dele desisti completamente assim que meu interlocutor Marcelo Barbão iniciou sua "argumentação" chamando Aristóteles de babaca. O projeto de vida contemplativa a que me referi, dezenas de comentários atrás, como o modo de vida liberal por excelência, é o da "Ética a Nicômaco" (livro X, cap. 8), sumariamente desclassificado pelo sr. Marcelo Barbão como um conjunto de "baboseiras nas quais ninguém acredita". É interessante lembrar que é justamente este filósofo grego - e exatamente esta obra (livro V, cap. 5) - que Karl Marx cita logo no capítulo I (!), seção 3, letra A, subitem 3 ("A Forma Equivalente") do "Capital", dedicando ao Estagirita adjetivos como "grande" e "genial", raramente arrancados de sua pena. Aristóteles era, na opinião de Marx, o maior de todos os pensadores antigos, maior ainda do que Heráclito (Carta a Ferdinand Lassale, 21 de dezembro de 1857). Para mim, isto é perfeitamente compreensível. Afinal, Marx ainda era um filósofo - perdido em equívocos fundamentais, mas ainda um filósofo, e não dos menores, perfeitamente capaz de reconhecer-se entre os seus. Se ele entendeu bem Aristóteles é outra história, mas ele ao menos o leu, com atenção. Já seus seguidores, como o jornalista Marcelo Barbão, são apenas ideólogos. Recuso-me a acreditar que, se Marcelo Barbão tivesse passado das primeiras páginas do "Capital" e estudado as idéias e autores que Marx considerava importantes, ele teria feito os ridículos comentários que me afastaram daqui. (E depois somos nós quem não lemos ou não compreendemos os autores que admiramos, como Francis, no nosso caso.) Recuso-me ainda mais a crer que nossos interlocutores de esquerda, ignorantes de seu próprio pensamento, conheçam o pensamento liberal e estejam em condições de discuti-lo.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Felipe Ortiz
19/11/2002 às
23h28 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
preciso fazer uma correção
Já falei muito mais do que convinha, mas me perdoem: preciso fazer uma correção. Eu disse aí em cima que todas as ditaduras de direita apontadas pelo Marcelo eram falsamente liberais. Fui injusto. Quase todas. É que algumas não tinham nem o mero discurso liberal. Ah, Marcelo, não tente empurrar para o nosso lado os revolucionários mexicanos do PRI, Saddam Hussein, Muammar Kadhafi, o Khmer Vermelho (juro que não acreditei quando li...), Yasser Arafat e os terroristas palestinos em geral, que isso não vai colar não. Esses pratos foram vocês que sujaram. Quer discutir? Vamos discutir; mas sem insultos à inteligência e à memória, por favor.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Felipe Ortiz
16/11/2002 às
13h54 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Literatura e Política
Alexandre, meu caro, muito obrigado pela generosa referência ao meu blog, ao lado de tão boas companhias. As influências de Paulo Francis e de Olavo de Carvalho sobre nós são um excelente assunto. Mês que vem, quando eu tiver um pouco mais de tempo, vou escrever umas considerações pessoais a respeito. Outro assunto que também vale um artigo são as correlações entre política e literatura que você rastreou, e que o leitor Marcelo (que, segundo entendi, é o colunista Marcelo Barbão) questionou. Minhas impressões são as seguintes: não tenho dúvidas de que a esquerda, no Brasil pelo menos, é politicamente muito mais bem organizada do que a direita. Nisso o Marcelo tem toda razão. Considerem a disciplina tática de um PT, que enfim elegeu seu candidato à Presidência após uma persistente campanha de quase vinte anos (Lula é, aberta ou veladamente, o candidato oficial e permanente do PT desde as Diretas-Já). E comparem com a inconsistência de um PFL, há várias eleições sem candidato próprio, mais comprometido com esquemas patrimonialistas do que com as bandeiras liberais - e para tanto disposto inclusive a compor, durante oito anos, com um partido de esquerda moderada como o PSDB. É claro que o socialismo petista é sincero, ao contrário do liberalismo pefelista. E essa sinceridade tem sido o motor do permanente crescimento do PT na política nacional. Acontece que as razões desse fiasco político do liberalismo são diferentes das que o Marcelo aponta. O verdadeiro motivo são as diferenças de valores. Um esquerdista vê na igualdade o valor fundamental. Essa igualdade não pode surgir de forma espontânea nas relações sociais, que se dão entre pessoas não só conjunturalmente desiguais, pelas suas heranças, mas também naturalmente desiguais por seus talentos e méritos; as relações livres entre desiguais tenderão portanto a premiar e perpetuar essa desigualdade. A igualdade só pode ser imposta pela coerção estatal. É compreensível, portanto, que os esquerdistas tendam a ser tão interessados pela participação política, pela "construção" de partidos e "movimentos sociais" e pela tomada e manutenção do poder. Tirem de um esquerdista todas as possibilidades de ascensão ao poder e de reforma do mundo conforme seus planos igualitários e vocês verão um ser angustiado, destituído do sentido de sua vida, talvez propenso ao suicídio. Um liberal tem uma tábua de valores completamente diferente. Para ele, fundamental é a liberdade. Que se manifesta no exercício de seus atributos pessoais - ou, em outras palavras, no uso, fruição e disposição de sua propriedade (o termo é aceitável se o empregamos num sentido mais vasto, abrangendo todas as possibilidades de ação de um indivíduo que tenham a si próprio como fim). Um liberal, portanto, está ocupado essencialmente com a atualização de suas potências e com a persecução de seus próprios fins, com seus próprios meios. Daí podemos deduzir a existência de dois tipos de liberal: aquele que preocupa-se essencialmente com os fins - o uso de sua "propriedade" - e aquele que prefere dedicar suas energias aos meios - acumular mais e mais "propriedade", não raro às expensas dos outros. É claro que este último não é propriamente um liberal, mas um simples e imaturo egoísta. Este provavelmente gosta de política, um ótimo meio de se expropriar as outras pessoas. É o pefelista de carteirinha típico, sem dúvida um patrimonialista ardoroso - nessa categoria recaem todas as ditaduras supostamente "liberais" que o Marcelo mencionou. Já o primeiro é um liberal no sentido próprio do termo. Não quer expropriar ninguém, só não admite ser expropriado. Despreza a política e o poder. Importante para ele é "fruir sua propriedade" - por exemplo, mantendo blogs na Internet, dedicando-se à filosofia, à literatura, à história, às ciências puras, à arte, a tudo aquilo que seja atualização pura das potências propriamente humanas. É esse o ponto. Um esquerdista vê um liberal aprimorando seu estilo num blog, ensaiando os livros que futuramente escreverá - e só consegue enxergar nele um frívolo, um simples contemplador inerte e incapaz de impulsionar um "novo estágio das forças produtivas". O liberal devolve o olhar ao esquerdista, que está todo afobado com os mil e um compromissos políticos ativos que este assumiu - e se compadece desse pobre-diabo, tão crente de que pode "transformar a realidade", e que não compreendeu que a contemplação é o fim último da vida e o único modo de vida propriamente humano. Aí está o conflito: nos valores. Cada um dos dois faz - e tende a fazer bem - aquilo que lhe parece essencial. É compreensível, portanto, que tenhamos ótimas mentes táticas e revolucionárias em partidos de esquerda cada vez mais ativos - e brilhantes mentes contemplativas em blogs "de direita" cada vez melhores, à medida que seus autores amadurecem suas idéias e seu estilo. Nesse rumo, não é impossível que o futuro do Brasil seja uma espécie de União Soviética, uma máquina feroz (e, no curto e médio prazos, eficiente) de controle ditatorial da vida individual, movida pela busca obstinada por igualdade - e descrita, "ad perpetuam rei memoriam", nos romances e poemas de brilhantes gerações de escritores, todos exilados e todos "de direita". Os novos Nabokovs e Soljenitsins talvez estejam nascendo nos blogs da Internet brasileira. Tal como os nossos Stalins e Brejnevs já estão no ventre dos PT, do PSTU, do MST e de outros movimentos do tipo. Para finalizar esse enorme comentário, uma dica: uma maravilhosa exposição do liberalismo (e que por isso mesmo quase não fala de política, mas de valores) está no livrinho "O Saber dos Antigos", do filósofo italiano Giovanni Reale, Ed. Loyola. Estou recomendando-o para todo mundo: não custa nem vinte reais e marca fundo qualquer consciência. Esse, sim, é "revolucionário": pode mudar uma vida.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Felipe Ortiz
16/11/2002 às
12h35 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Quanta vulgaridade
"Válido" no sentido de razoável ou correta, como em "acho válido esse seu comentário". "Pegar" no sentido de considerar ou pensar. "Vamos pegar o exemplo do livro". "Encaminhamento" em vez de programa. "O encaminhamento do seminário de hoje vai ser o seguinte..." O uso de termos que enfraquecem a veemência com que se defende uma idéia, por medo de parecer arrogante, ou de não soar relativista como todo mundo. Por exemplo: sempre dizer que "acha" alguma coisa, mesmo quando se tem certeza. "Li tudo o que encontrei sobre o assunto, e eu acho que Fulano estava mesmo certo." Ou chamar uma idéia de "proposta". "A discussão estava num impasse, quando vieram Fulano e sua proposta." O uso do adjetivo "revolucionário" como um elogio. Ou para qualificar coisas que, afinal, não são tão "revolucionárias" assim. "Filme revolucionário". "Descoberta revolucionária". E, claro, "proposta revolucionária", que é especialmente aplicado a artistas. "Potencial" no sentido de capacidade. Geralmente precedido do imperativo "acredite". "Acredite no seu potencial". "Vocês precisam acreditar no potencial do nosso Brasil". "Estratosférico" para designar qualquer coisa grande ou alta. "Juros estratosféricos". "Poderes estratosféricos". Ao leitor José Maria da Silveira: "mulher" no sentido de "cônjuge do sexo feminino" é perfeitamente recomendável. O termo é abundantemente usado no Código Civil brasileiro de 1916, redigido por Clóvis Beviláqua e Rui Barbosa, numa época em que as leis ainda eram modelos de expressão portuguesa. "Esposa", rigorosamente, é a noiva e não a mulher.

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por Felipe Ortiz
4/11/2002 à
00h14 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Bravo.
A cada quinze dias, venho aqui, basicamente para ler a coluna do Alexandre. Sempre é bom ou muito bom, mas alguns trechos me dão a sensação de estar lendo o último dos clássicos. Ando procurando seu livro "A Coisa Não-Deus". (Infelizmente não é muito fácil de achar.) Um grande abraço e parabéns.

[Sobre "Lula Já É Um Coitado"]

por Felipe Ortiz
22/10/2002 às
16h08 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Aberto grupo de discussão
O grupo de discussão que eu pretendia fundar (ao qual me referi no comentário 35) já está aberto. Os interessados queiram visitá-lo em http://br.groups.yahoo.com/group/projetousp. A inscrição é muito simples: basta enviar um e-mail para [email protected]

[Sobre "Festa na floresta"]

por Felipe Ortiz
18/9/2002 às
14h45 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Um apelo em prol da USP
Prezado Eduardo, Não conhecia sua coluna até há poucos dias e quem me chamou a atenção para seu texto foi meu amigo Evandro Ferreira. Percebi, entre perplexo e maravilhado, que perdi muito tempo não o conhecendo. Agradeço a mais essa dica preciosa do Evandro e aviso você que vou tratar de acompanhá-lo todas as semanas e também de ler suas crônicas anteriores. Eduardo, você mexeu numa caixa de marimbondos. Sou aluno da USP há sete anos (fiz cinco anos de Direito, formando-me em 2000, e estou agora no segundo ano de Economia, campus de São Paulo) e, apesar de tudo, amo aquela Universidade. Amo-a porque tive o privilégio de contar com alguns grandes professores, bibliotecas muito boas e amigos que compartilham comigo a paixão pelo saber e com os quais mantive conversações das mais prazerosas. Mas estou muito preocupado com o destino da USP. Há longo tempo e com poder crescente, uma espécie de aliança ignóbil entre a mediocridade e a politização ameaça a Universidade e avança sobre ela como um tumor. Não são incomuns situações como: a) professores muito piores do que a opinião pública imagina que haja naquela Universidade, geralmente tida como a melhor do País (a vida acadêmica, dos concursos docentes à aposentadoria, infelizmente é muito menos exigente do que deveria ser); b) alunos de nível igualmente baixo, sem ao menos o domínio da língua pátria ou da matemática elementar, não só desabituados como hostis à leitura e à reflexão (e profundamente insatisfeitos com quaisquer exigências dos professores que requeiram essas habilidades), contribuindo para a perpetuação das deficiências de vários cursos (o que demonstra as falhas de um exame vestibular que, geralmente tido como muito difícil, na verdade está longe de ser suficientemente rigoroso); c) a exploração dessas deficiências por grupos políticos que se usam delas para fins inteiramente alheios aos da Universidade. Desejosos de saltar para uma carreira político-partidária após concluírem seus cursos (ou até antes disso), ou ainda de usar a Universidade como laboratório para experiências de táticas revolucionárias, esses grupos (quase invariavelmente esquerdistas - às vezes moderados, às vezes radicais, mas quase todos de esquerda) dominam as organizações de representação de estudantes, professores e funcionários. O debate sobre excelência científica e acadêmica sofre uma indevida politização que dificulta, cada vez mais, a solução das mazelas que a USP sofre. Eu pretendo ser professor e pesquisador da USP um dia e gostaria de poder trabalhar numa instituição que prezasse a qualidade como valor fundamental. Uma Universidade que cumprisse adequadamente seu papel social primordial - que é simples e precisamente o de oferecer aos interessados os meios e o ambiente adequados para a formação de uma elite intelectual madura, no sentido aristotélico do termo. Mas não encontro interlocutores nos Centros Acadêmicos, no DCE ou em qualquer outro órgão ou movimento representativo dos alunos. Eles estão preocupados em fazer da Universidade um trampolim para sua atividade política (freqüentemente revolucionária) e estão envolvidos demais na sua "militância" para se preocuparem com excelência. Eles nem têm uma noção clara dos fins da instituição universitária. Ou, quando a têm, concebem-na como um centro de formação de militantes para a transformação revolucionária da sociedade. Sua obra efetiva, porém, é a transformação da nossa USP em uma floresta, como você notou. O mínimo que deveria ter sido feito, diante de uma infâmia como essa festa em homenagem a Osama bin Laden, era um ato silencioso em memória das vítimas do atentado terrorista, em frente do local da festa e no mesmo horário, com a devida cobertura da imprensa universitária e extra-universitária. No entanto os representantes dos alunos, titulares dos meios e da obrigação moral de organizar uma reação como essa (ou qualquer outra), não querem saber de nada que possa dar a entender que a USP não está "unida" em torno da condenação ao "imperialismo ianque", "culpado pelos atentados". E assim eles se dedicam é à organização de barbáries como essa festa. Apelo a todos os membros da comunidade USP (alunos, professores e funcionários) que não concordam com esse estado de coisas a me escrever. Penso em montar um grupo de discussão para debatermos e refletirmos o que podemos fazer a respeito. Sei que não sou o único a se preocupar com excelência na Universidade. Também sei que não sou o único liberal-conservador que sente desagrado diante do evidente uso político da USP para propósitos de grupelhos esquerdistas. Quem estiver disposto a trocar idéias em torno de uma espécie de "Projeto USP", destinado a restabelecer a excelência e o pluralismo (sim, pois o tal "pensamento único" da Universidade é de esquerda), favor entrar em contato comigo. Antes que a aliança entre a mediocridade e a politização acabe definitivamente com qualquer possibilidade de reação na USP. Meu e-mail é [email protected] Motivos de escassez de tempo podem dificultar uma pronta resposta - não entendam isso como desconsideração da mensagem, por favor. Uma última palavra, que não consigo sufocar: li várias besteiras (e também, felizmente, muita sensatez) nos comentários acima, mas há pessoas que rompem todos os limites do bom-senso e da civilidade. Como advogado, eu informo a todos os freqüentadores deste Digestivo, os sérios como os engraçadinhos, que aquilo que o tal de Pablo-FFLCH escreveu está tipificado no art. 139 do Código Penal e chama-se difamação. Dá cadeia, de três meses a um ano, e multa. Também gera direito à indenização por danos morais, no juízo civil. E é bom que se saiba que, apesar de ele ter velhacamente omitido seu e-mail, ele não está tão anônimo assim, uma vez que seu TCP/IP está registrado e publicado.

[Sobre "Festa na floresta"]

por Felipe Ortiz
15/9/2002 às
22h05 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Tudo é uma questão de opnião
Tenho 12 anos, e nunca gostei desse lixo do tipo: Backstreet Boys, KLB, ou seja, o mundinho pop. Gosto muito do bom e velho rock que nunca morre! Eu curto demais o Aerosmith, Black Sabbath, U2, Legião Urbana, amo Paula Abdul, Michael Jackson (músicas antigas), Cazuza, etc. . Não é porque nasci na geração da depredação da boa música que terei que gostar dela. Acho que a boa música é aquela que passa uma mensagem aos que ouvem!

[Sobre "Nostalgia"]

por Marianne
23/6/2002 às
22h45 200.184.182.2
Marianne no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GOOGLED A HISTÓRIA DA MAIOR EMPRESA DO MUNDO VIRTUAL - 9234
KEN AULETTA
AGIR
(2011)
R$ 10,00



LARGADA PARA O INFINITO A HISTÓRIA DE CABO CANAVERAL
WILLIAM ROY SHELTON
FUNDO DE CULTURA
(1963)
R$ 10,00



RIR AINDA É O MELHOR REMÉDIO
ROBERT HOLDEN
BUTTERFLY
(2005)
R$ 10,00



GRANDE DICIONÁRIO BRASILEIRO DE CONSULTAS E PESQUISAS ILUSTRADO VOL VI
NÃO INFORMADO
NOVO BRASIL
(1979)
R$ 10,00



HOW TO LEARN A FOREIGN LANGUAGE
GRAHAM E. FULLER
S/N
R$ 10,00



PLANTAS QUE CURAM - CUIDE DA SUA SAUDE ATRAVES DA NATUREZA
FREDERICO MOREIRA
HEMUS / LEOPARDO
(2000)
R$ 10,00



KAFKA PARA SOBRECARREGADOS
ALLAN PERCY
SEXTANTE
(2012)
R$ 10,00



CONFEITARIA DUKAN - AS SOBREMESAS DO MÉTODO DUKAN - 3188
DR. PIERRE DUKAN
BEST SELLER
(2013)
R$ 10,00



GLOBALIZAÇÃO PARA TODOS
MARCOS ANTONIO MACEDO CINTRA, GIORGIO ROMANO SCHUTTE E ANDRÉ REGO VIANA
IPEA
(2010)
R$ 10,00



MATERIALISMO HISTÓRICO E CRISE CONTEMPORÂNEA
OTTO ALCIDES OHLWEILER
MERCADO ABERTO
(1985)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês