De repente, a Argentina | Mauricio Pereira

busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 5/6/2006
De repente, a Argentina
Mauricio Pereira

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Ilustração por Fernando de Almeida

Desde que o Corinthians contratou o argentino Tevez, o caráter argentino anda mais presente na minha cabeça. Tem um espírito deles que ficou mais consciente aqui pra mim.

Sempre eu achei estranho o tanto que o Brasil não cruza com os vizinhos. Eu até entendo que a Bahia ou a Amazônia ficam longe de Buenos Aires (até mesmo culturalmente, se a gente for pensar), mas pra a gente aqui do Sudeste e do Sul tem uma proximidade razoável. Mesmo assim, parece longe. Se você for ver, não tem TV nenhuma do Mercosul na grade da TV a cabo. Acho cruel. Do mesmo jeito, se eu estivesse em Roraima queria ter acesso às coisas da Venezuela, do Caribe. Sei lá: mera geografia, penso eu (desculpem eu estar raciocinando analógico num tempo tão on-line, tão sem-fronteiras: juro que não é preconceito nem saudosismo, só tou matutando).

De todo modo, eu queria falar da Argentina.

Foi o primeiro país que eu vi fora do Brasil, em 1972. Meu pai levou a gente. Depois fui mais umas várias vezes, dos mais diferentes jeitos, até de trem...

Um país estrangeiro, aqui do lado (tou em SP), Buenos Aires um lugar bem diferente, tinha metrô, e, se eu bem me lembro, em algum momento tinha democracia (porque nessa época a ditadura aqui tava no auge), eu lembro de ver muitos tipos de revistas de tendências diferentes na banca de jornal, coisa que no começo dos 70 não tava rolando aqui de jeito nenhum. Eles falando aquele espanhol meio italiano, paletós aos montes, sempre tratando a gente meio mal, num primeiro momento (até a conversa engatar, só depois de um tempo, quando dava tempo, é que começava a troca de figurinha).

E as trocas: uma vez que eu fui lá tava tocando muito Ney Matogrosso (“Bandido”), eles adoravam Toquinho e Vinícius, Gal, eu lembro de ouvir muita música brasileira lá. E, de vez em quando eles se queixando que a gente não ouvia nada argentino. Na música não tem jeito, a gente tem a auto-estima muito alta. Por outro lado, eu lembro também quando era adolescente de ver em entrevista o Piazzola se queixando que era mais compreendido no Brasil que na Argentina. Outra coisa da gente aqui com música é não ter medo do diferente (tou falando do povo, não das gravadoras...).

E era raro ter notícia deles nos anos 60/70. Alguma Mafalda chegou depois na minha mão (foi assim que eu aprendi um pouquinho de espanhol), algum tango em algum restaurante regional ou boate ou rádio AM de madrugada. Tinha também um tal de Trio Galleta (eu tinha o compacto “I’m so happy”).

Mas, principalmente era o futebol que me dava uma idéia, mesmo sendo criança, do que fosse a arte argentina (é bom lembrar que eu nasci muito depois do velho tango, e ainda era muito novo e alheio pra entender – ou gastar um tempo com – aquelas pirações do Borges, do Cortázar). Tinha uns tantos jogadores argentinos aqui, sempre muito especiais, se movendo noutra velocidade, noutra língua, noutro pathos. É, pathos. Porque o futebol tem pathos, e o argentino traz ele à flor-da-pele. Eu via aqueles jogadores muito branquinhos (negritude zero na pele e no espírito…) sempre com a bola grudada no pé, pensando curvilíneo, chutando curvilíneo, olhando curvilíneo, um certo garbo, uma certa indisciplina (não aquela que é irmã da violência, mas aquela que é irmã da arte, que por sua vez é irmã da agressividade, não daquela que é irmã da violência, mas daquela que é irmã da inquietude, do tesão, da criatividade, do amor pelo diferente, da curiosidade), tipo: ganhar é bom, mas se divertir é melhor... E o Corinthians não contratava estrangeiros, então ver um argentino jogar se enchia mais ainda de mística, porque jogavam em times cujo pathos eu não dominava... E também aquela coisa guerreira. Na escola os professores começavam a ensinar a gente que aqui nunca teve muita revolução, quase sempre as coisas se resolviam no conchavo, no gabinete, no café-com-leite. E eles sempre lá, na Plaza de Mayo, batendo panela, ou no Maracanã, chutando sem dó a nossa canela.

E em comum, tanto futebol, tanta ditadura, e os Estados Unidos sempre em algum lugar da História da gente. Da cabeça da gente (pro bem e pro mal).

Bom, o fato é que a Argentina sumiu da minha cabeça, sumiu da minha frente por muitos anos, também não fui mais lá. Só aparecia de vez em quando, futebol, o Galvão Bueno metendo o pau neles, ou então no noticiário por causa de alguma megacrise econômica em que eles chegavam ao fundo de algum poço.

Até que começou a chegar filme argentino aqui. Pombas, que cinema bárbaro eles fazem... Filmes maravilhosos com orçamento baixo, histórias fortes, atores fabulosos com cara de gente comum, imagens simples e surpreendentes: soco no estômago. Que nem poesia. Alguns desses filmes que passaram por aqui nos últimos anos me fizeram respirar melhor, oxigenam, espantam. O tanto que o futebol deles é curvilíneo e negaceante e enreda a gente, o cinema é direto, latino, sangrento (não o sangrento que é irmão da violência, mas o sangrento que quer dizer sangue quente nas veias, o coração se expressando sem muita frescura). E esse cinema que chega (pelo menos pra mim) passa a sensação de um povo se revendo: tomou porrada, embarcou em muita onda, entrou pelo cano, que se autoa-nalisa com algum humor e crueza, catando caco, mostrando coragem.

Enfim, o argentino baixinho do Corinthians e os poucos filmes que chegam aqui me fizeram abrir o olho pra a poesia do vizinho. Uma civilização diferente da gente (e põe diferente nisso), mas no mesmíssimo barco que a gente (e põe mesmo barco nisso).

Em suma, a gente tem assunto que não acaba mais...

Post Scriptum 1
Sobre pathos argentino, confiram no SporTV, sexta de noitão, o programa do Maradona La Noche del 10. Sem julgamento, só confiram: pathos...

Post Scriptum 2
Um belo site sobre cinema argentino que eu encontrei tentando descobrir mais sobre os atores, filmes, diretores, confere: Cinenacional.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no site Gafieiras.


Mauricio Pereira
São Paulo, 5/6/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A primeira Rolling Stone de Antônio do Amaral Rocha
02. Como fomos tratados pela bíblia dos cinéfilos de Sérgio Augusto


Mais Mauricio Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/6/2006
15h35min
...e de repente as cabeças e os corações corintianos descobriram que a Argentina existia e estava viva e que a rivalidade futebolística e' uma ficção artificial, e conveniente 'a TVGlobo, que a estimulada via o medíocre Galvão Bueno. Nada como os gols do "Carlito" para nos aproximar. Sim, senhores, isto é diplomacia feita desde a planície, de baixo pra cima e tão necessária. Me transferi pra o Brasil há 46 anos e mantenho um sotaque platino e o coração verde-amarelo. Voltei pra Argentina, muito poucas vezes e sempre a passeio. Gosto de Buenos Aires e gosto da Patagônia, gosto também como a sociedade argentina está esculpindo a moderna democracia ao som de panelas que conseguem abafar e ultrapassar políticos e militares. Gosto, também, quando os cidadãos da rua cospem os torturadores dos anos de chumbo. Se gosto de tudo isto, por outra parte, confesso que não gosto... (continua)
[Leia outros Comentários de Rodolfo Felipe Neder]
6/6/2006
15h40min
Se gosto de tudo isto, por outra parte, confesso que não saberia, hoje, morar numa outra cidade que não seja a paulicéia. Curto muito desta cidade de contradições e de belezas ocultas como diz Caetano. Gosto e como cidadão naturalizado da participação e de estar presente 'as discussões nacionais. Gosto da língua portuguesa e do castelhano e de um infinito de coisas que nos une. Porque não curtir isso? Ao longo de todo este tempo, 46 anos (repito), sempre quis saber das "razões" das rivalidades. Nunca ninguém, absolutamente ninguém, me deu uma explicação que fizesse sentido. Olha, que indaguei pessoas de alta consideração intelectual... O silencio ou encaminhamento para o futebol foram as respostas mais freqüentes. Interessante que o Mauricio Pereira levante a poeira do debate, vamos conversar sobre isso, sim, sobre o que nos une e nos separa. Não vamos deixar esse diálogo só com os vendedores de geladeiras da Fiesp e com os idiotas da Union Industry.
[Leia outros Comentários de RfN]
4/7/2006
22h56min
Imagine, Maurício, quantas coisas desperdiçadas perdemos em função dessa falta de convivência com a Argentina... O cinema deles, por exemplo: de acordo com o Jean Claude Bernadet, é sério e profundo. E o que dizer da literatura? Pena não trocarmos nada com essa fonte.
[Leia outros Comentários de Zuleica Brito Fische]
5/7/2006
14h29min
Terra de Borges. Só isso já dava pra encher um livro (se bem que o próprio Borges já fez exatamente isso). Tem outro pensador, um abalo sísmico, meio desconhecido, mas esse eu não vou citar. A Argentina é linda. Tem poetas que se irmanam com a extraordinária poesia de todas as Américas. Os desenhistas argentinos são feras. É o melhor desenho (vide histórias em quadrinhos) da América do Sul. Buenos Aires é uma das mais carismáticas cidades desse planeta. Eu gosto da Argentina, esse país meridional do Novo Mundo, austero, austral, em sua silenciosa solidão.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAIXÃO E COVARDIA
FRANK YERBY
DO BRASIL
R$ 8,65



O NOVIÇO
MARTINS PENA
KLICK
R$ 14,50



A PEQUENA SEREIA
BLU EDITORA
BLU
(2014)
R$ 11,60



UMA LONGA FILA DE HOMENS MORTOS
LAWRENCE BLOCK
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 10,00



PARLAMENTARISMO OU PRESIDENCIALISMO ? REPÚBLICA OU MONARQUIA ?
JOSÉ SERRA E OUTROS
CONTEXTO
(1993)
R$ 5,00



LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA COMPILADA
IVAN LUCAS DE SOUZA JÚNIOR
OBCURSOS
(2009)
R$ 6,00



INTRODUCTION TO OPERA
MARY ELLIS PELTZ (EDITOR)
BARNES & NOBLE
(1957)
R$ 24,28



CIÇO NA GUERRA DOS REBELDES
FLÁVIO PAIVA ILUSTRAÇÃO DE ANGELO ABU
CORTEZ
(2014)
R$ 60,40



COLETÂNIA DE DIREITO INTERNACIONAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL MINI-CÓDIGOS
VALÉRIO DE OLIVEIRA MAZZUOLI
RT
(2015)
R$ 9,80



ARQUIVOS BRASILEIROS DE MEDICINA NAVAL Nº 1
DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA
MINISTÉRIO DA MARINHA
(1992)
R$ 27,82





busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês