A droga da felicidade | Sérgio Augusto

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/8/2002
A droga da felicidade
Sérgio Augusto
+ de 12200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Sejamos francos: a televisão não foi feita para pessoas como eu e você. Digo isso sem o menor constrangimento e com a certeza absoluta de que a razão está do meu lado. Ouço uma voz me xingando de "reacionário". Deve ser alguém que, de algum modo, vive à custa daquilo que Sérgio Porto apelidou de "máquina de fazer doido". Ou seja, um xingamento interessado, corporativista. A crítica de televisão de um jornal paulistano não qualificou José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, de reacionário, só porque ele dissera, numa entrevista à TV Cultura, que "o perfil do telespectador brasileiro é triste", que "a massa é desinformada, portanto, fácil de iludir", que "a maior parte do público não tem idéia do que está fazendo na frente da TV"? Temos provas diárias disso tudo. Somos uma nação de videotas. Mas não a única. A videotice é uma doença mundial. A televisão, ao contrário do que disse a fina flor dos Ponte Preta, não enlouquece, emburrece. Não falo da TV ideal, mas da que existe ou, se quiserem, da hegemônica.

Se rejeito a pecha de reacionário, a de elitista aceito de bom grado, pois elite, registram os dicionários, é "o que há de melhor numa sociedade ou num grupo". Se você também dá preferência ao que a cultura tem de melhor, se gosta de Mozart e Pixinguinha, por exemplo, e considera Sandy & Junior uma excrescência musical (ou seriam duas?), cuidado: você não passa de um deslavado elitista. Agora faça um exame de consciência e tente se lembrar de quantos programas de TV aberta costuma ver com regularidade e satisfação. Dá para contar nos dedos da mão, não dá? E de um maneta, confere? Das duas novidades que Assis Chateaubriand ofereceu ao país, sou mais o Masp do que a pioneira TV Tupi, seu regalo para as massas, quanto mais não fosse porque outro empresário qualquer acabaria implantando a televisão nestas bandas, e um museu de arte, bem, acho que não preciso entrar em detalhes sobre o desprezo que o nosso empresariado, com honrosas exceções (Moreira Salles, Mindlin), devota à cultura.

Tecnicamente falando, sou um apocalíptico, no sentido que Umberto Eco deu à palavra. Mesmo reconhecendo que se trata de um invento prodigioso, tanto quanto a morfina a televisão teve o seu uso degenerado: virou balcão de negócios, o paraíso do merchandising, o passatempo exclusivo de mentes rombudas e bússola de seu gosto, uma usina de mitos sem pedigree, ubíquos e pateticamente narcisistas. Poderia, e às vezes consegue, ser a prometida "janela para o mundo". Mas só às vezes. Basta consultar a programação ou passar um dia zapeando pelos canais: o lixo impera.

A televisão costuma idiotizar até quem nela aparece. Segundo Millôr, só um idiota se comporta com a maior naturalidade diante de uma câmera de TV. Daí a preferência pelo estilo algo bufônico entre os comentaristas de assuntos ponderosos e profundos, como, para citar só dois casos bem-sucedidos, Paulo Francis e Arnaldo Jabor. Eles precisam ser um pouco atores, um pouco clowns para chamar a atenção para si próprios e tornar interessante o que dizem, pois a TV não suporta conversa mais séria, profunda, consistente. Natural, portanto, que tudo nela descambe para o circo, para a camelotagem de idéias, para o show business. As ordens que os diretores de talk shows transmitem com mais freqüência aos seus entrevistadores são: "Muda de assunto", "Baixa a bola". Claro que o Jô Soares não precisa de tais advertências.

Se você é daqueles que já se cansaram até das entrevistas do Jô e acreditam que a TV por assinatura é um oásis, cuidado, pois muitos oásis não passam de simples miragens – e são cada vez mais fortes os indícios de que a NET & sucedâneos se enquadram nessa categoria. Faz tempo que aboli do meu cotidiano os canais abertos. Cada vez mais, nada de útil ou relevante me ofereciam, o que me impede, por exemplo, de acompanhar a guerra entre o Domingão do Faustão e o programa do Gugu, mas não de lamentar que a imprensa se deleite com as sucessivas tundas que o primeiro tem levado do segundo, mesmo sabendo que a vitória, aparentemente inevitável, do segundo nenhum benefício trará ao veículo. Ao contrário, só forçará o Faustão a baixar ainda mais o nível de seu programa, o que, por sua vez, aumentará a taxa de apelação do show do Gugu, acelerando uma corrida desatinada cuja reta de chegada ninguém sabe onde fica. Pelo fedor, deve estar perto.

Lá fora a TV por assinatura revelou-se um oásis. Tivemos o azar de implementá-la com atraso, sem o Boni no timão global e com a populista Marluce Dias da Silva na boléia de um trator downsizing. Suspeito que, se inaugurada uns cinco ou seis anos antes, quando Boni ainda gastava o que precisa e merece ser investido numa televisão de alto nível, sem concessões, com profissionais do primeiro time e muito bem remunerados, os canais a cabo do sistema Globosat, ao menos estes, teriam usufruído do necessário tempo para se impor como uma alternativa de peso, criando um público cativo e suficientemente numeroso para resistir aos recentes revertérios da economia e sobretudo ao avanço dos brucutus cujo gosto duvidoso ameaça nortear o seu padrão de qualidade.

Nas primeiras pesquisas internas da NET, seus programas de maior audiência eram os jornalísticos, em especial os do GNT, com destaque para Manhattan Connection. Nas duas últimas, a babá eletrônica (Cartoon Network), os esportes (SportTV, ESPN), a sacanagem (Sexytime, o canal da Playboy) e os filmes de porrada (AXN, Telecine Action) tomaram a dianteira. Nessa batida, os canais por assinatura só se diferenciarão dos abertos por serem pagos, transmitidos por cabo (ou satélite) e mais numerosos. Filmes com legendas? Até estes já perigam. Num recente Vitrine, da TV Cultura, uma reportagem, exageradamente isenta, sobre dubladores de filmes entrevistou três ou quatro deles, todos eufóricos com as perspectivas abertas pela TV por assinatura. Um deles chegou a prever este pesadelo: os canais a cabo dominados por filmes dublados. Aos analfabetos, as batatas.

Há quem torça para que a crise de energia imponha alguma profilaxia à videotia, limitando o consumo televisivo, como se vício fosse hábito domesticável e curável compulsoriamente. Só ingênuos como Jerry Mander, autor de Four Arguments for the Elimination of Television, pensam ser possível aboli-la. Ou abrandar sua dependência, como duas vezes, nos anos 70, tentaram em vão os habitantes de Farmington (Connecticut), mantendo seus televisores desligados durante 24 horas. Terminado o turnoff, não deu outra: clique! Na mesma proporção anterior.

A televisão é a cocaína do povo. Onipresente e subliminarmente impositiva, é mais poderosa que os políticos e a Igreja (o que seria dos evangélicos sem as suas emissoras?). Aldous Huxley, e não George Orwell, acertou na pinta: a televisão não é um veículo tirânico, ela apenas nos mata de prazer. A televisão é o soma, a "droga da felicidade", da imbecilização satisfeita, de Admirável mundo novo. Melhor título o apocalíptico Neil Postman não poderia ter dado à sua célebre diatribe contra o veículo: Amusing Ourselves to Death.

O que fazer para compensar sua lavagem cerebral e espiritual? Educar, inocular ou pelo menos atenuar os efeitos do soma, popularizar outras formas de entretenimento e fontes alternativas de prazer e oxigenação mental não seja, como tantas coisas por aqui, um privilégio de poucos. Precisamos democratizar o elitismo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo!, em julho de 2001.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 19/8/2002
Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
03. O frenesi do furo - 22/4/2002
04. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2002
19h09min
Caro Sergio Augusto, vamos pensar a televisão como útil para aquele horário em que estamos muito cansados (das 21 até às 23 horas). Neste caso há meio termo entre o lixo da TV aberta, o canal AXN e programas jornalísticos. West Wing, Sex and the City, CSI, The District, Becker, Frazier, Boston Public e 24 horas dão para encarar nesse horário. Tem até uns franceses ingênuos, como Julie Lescaut (treinar o francês é bom) e tinha Navarro. Dá para desviar para Globo News Painel (quase sempre bom), Millenium e documentários como os Amores de Picasso e o documentário do Ken Burns, sobre jazz. Tem a TV Senado e algumas coisas na TV5. Não é pouco para quem chega em casa em estado catatônico. Mesmo Telecione Action tem uma ou outra coisa razoável. Assim vai. O problema é que se a audiência desses canais for pequena, vão colocá-los no pacote para "esnobes e pentelhos", a 200 reais por mês. Há uma clara percepção da queda de qualidade da programação. Mas não seria somente em razão do fato de que agora as classes excluídas têm acesso à televisão?
[Leia outros Comentários de José Maria]
14/9/2010
13h56min
A causa não é a universalização da TV, mas a falta de universalização da Cultura e da Educação! O culpado de tudo isso é outro, o Capitalismo Selvagem, que mira a programação para o que gera mais lucro, e privatiza a educação para empresas que treinam alunos para passar em provas.
[Leia outros Comentários de Levy SantAnna]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês