Onde moram as crônicas | João Evangelista Rodrigues

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/12/2007
Onde moram as crônicas
João Evangelista Rodrigues
+ de 7400 Acessos
+ 6 Comentário(s)

É nos jornais que moram as crônicas. Pelo menos é onde deveriam. Entre notícias importantes e notas frívolas. Entre reportagens, gráficos, fotos e infografias. Entre anúncios de desaparecidos, de empregos, de produtos de limpeza e uma infinidade de artigos de luxo. Bugigangas. Lixos, na maior parte das vezes. Costumam ficar, ainda, próximas das colunas sociais, entre damas e cavalheiros bem vestidos, decorados para lançamentos de livros, vernissages, campanhas políticas, festas de etiqueta e beneficentes. Pura vaidade e ostentação de senhoras e senhores muito respeitáveis. Puro sinal de prestígio. Podem aparecer, de vez em quando, encostadas ao editorial ou artigo de fundo, igualmente assinadas, assumidas por seus escrevinhadores.

Ficam ali, esquecidas, à mercê de algum leitor mais sensível e menos pragmático. Desses que, em noites de lua cheia, ainda bebem conhaque e olham para cima abismados com a beleza da dita cuja moça de olhos grandes e frios. Leitores cansados de ler sobre nadas, sobre crimes, tráficos de drogas e de influências. De ouvir a mesma cantilena política, demagoga e estéril. Embora o jornal seja seu santuário preferido, as crônicas não se misturam nem se perdem em meio a esses mundos marcados pela objetividade, imparcialidade e neutralidade. Pelos menos assim o querem os que o fabricam e decidem sobre o conteúdo e a forma do jornal.

Crônicas não sabem ser neutras. Lúdicas e irônicas, muitas vezes. Perfeitas, dificilmente, já que são essencialmente vivas e humanas e como tais podem defender idéias e valores. Escritas com frases curtas e orações coordenadas, ganham mais elegância e agilidade. A subordinação dificulta a escrita e a leitura. Mostra-se, na maioria das vezes, em regimes autoritários e impositivos, mesmo quando se trata de estilo.

Crônicas são assim: singelas, quase inocentes. Parecem pássaros de formas estranhas em paisagem insólita, linear, centímetro por centímetro planejadas. Mercantilizadas. Por isso mesmo, as crônicas se destacam por sua originalidade, simplicidade e leveza. Por sua exatidão poética e lingüística. Claro, por não serem rígidas, permitem exercícios estilísticos, experiências verbais, incursões não acadêmicas ou pouco usuais pelo jargão duro e formal do jornalismo diário. Nelas os tempos e as pessoas se misturam. Falam do dia-a-dia, mas são livres em indignações, imaginação e fantasia. Talvez agradem mais ao leitor por isso mesmo.

É gênero híbrido. Não é gênero maior, ainda bem, "graças a Deus", escreveu certa vez Antonio Candido, o crítico a quem a literatura brasileira deve belíssimos ensaios. É por isso que ficam "perto de nós", sem empáfia, afirma. Na sua despretensão, humaniza, e essa humanização lhe permite, como compensação sorrateira, recuperar com a outra mão uma certa profundidade de significado e um certo acabamento de forma, que, de repente, podem fazer dela uma inesperada, embora discreta, candidata à perfeição.

A crônica é subjetiva e pessoal. Geralmente impressionista e lírica. Nem sempre clara como mandam o método e o estilo jornalísticos. Fala a que veio, sem alardes nem enunciações óbvias. São mais sutis. Artificiosa no dizer, feito aos antigos contadores de histórias, de semelhante aos narradores de causos dos interioríssimos brasileiros. Há quem diga que a crônica é filha do jornal. Outros, que é o seu antídoto contra o próprio veneno que o jornal produz todos os dias, invariavelmente, em seu ofício antiliterário.

Moram no jornal, mas por sua oralidade de origem, podem muito bem sobreviver no ambiente provisório e fluido do rádio. Na televisão, ganhariam outros atrativos. Encarnariam imagens corporificadas de cores e movimentos. Crônicas lidas, no rádio, são uma delícia. Quem não se lembra? Sorrateiras em si mesmas, em sua forma aparentemente natural, escondem suas intenções. De verdade, fingem não tê-las.

Assim, deixam se levar pelo estilo tipo um assunto puxa outro. Escorregam entre os dedos, entre os dentes e a língua. Paladar especial o dos cronistas. Necessário é aprender saboreá-las toda manhã, feito se faz com o café fumegante e o pão-de-queijo ainda quente, recém-saído do forno.

E por falar em crônicas, quem se não lembra de Machado de Assis, Rubem Braga, Carlos Drummond, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rachel de Queiroz, o Veríssimo e muitos outros, todos paradigmas da narrativa moderna. Cronistas por excelência. Todos os cronistas, herdeiros da tradição oral, da sabedoria popular, dos homens e mulheres, dos meninos e meninas dos interiores perdidos em si mesmos, em seus longes, guardados de memória.

Os olhos do cronista, segundo Davi Arrigucci Jr., são treinados no jornal para o flagrante do cotidiano. Afeitos à experiência do choque inesperado em qualquer esquina, estão preparados, em meio à vida fragmentária, aleatória e fugaz dos tempos modernos, para a caça de instantâneos.

É assim que os cronistas povoam os jornais de humanidade e de súbita iluminação. Arte da visão, imagens da vida em suas infinitas crispações. Epifania. Revelação. Retrato urbano, desenhado com pedaços de tempo e de espaço, pela dessacralização da vida moderna, ou pós. Pequenos peixes nas malhas da rede virtual, as crônicas brilham neste emaranhado de signos que é o jornal. Feliz quem as descobre, por querer manifesto ou por acidente de leitor descuidoso. No mais, é deixar que o "formoso assunto" nos assalte, nos alimente de esperança, nos encha a boca e o espírito.

Nota do Editor
João Evangelista Rodrigues, jornalista e escritor, é autor do blog ViaLaxia.


João Evangelista Rodrigues
Arcos, 17/12/2007
Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Marcas do Tempo de Ryoki Inoue
02. Dizem que a crítica acabou; só se foi quando o verão chegou de Luís Antônio Giron


Mais João Evangelista Rodrigues
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2007
13h23min
Se não for distração minha, creio ser a sua estréia no Digestivo. Parabéns pelo texto! Sou um leitor crônico de crônicas. Vejo que você escreve de Minas e Minas ressoa em mim com muita força. Vivi em Uberlândia por 18 anos. E agora no Natal rumo para Três Marias. Seu texto menciona o nosso Antonio Candido. Num de seus ensaios ele escreveu que os cronistas são "cães vadios, livres farejadores do cotidiano". Não é perfeito? Agora vem você e diz que os cronistas estão preparados "para a caça de instantâneos". Perfeito também. Seu blog já está adicionado aos meus favoritos. Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
19/12/2007
23h46min
Engraçado. Se você tiver o ponto de vista popular, de que o jornal traz apenas informação e não uma sujeira literária construída através de inúmeros jogos de interesse e, constantemente, com tamanha ficção que assombra, o texto faz sentido, especialmente pela carência de inovação lingüística. Seriam então as crônicas uma luta pela mentira, ou ficção assumida, diante da hipocrisia declarada, ou nem tanto?
[Leia outros Comentários de Wendell]
21/1/2008
09h34min
João: que bons ventos o trazem a esse sítio? Fiquei comovido ao vê-lo, homem de sete talentos (mais que Mário de Andrade!) proseando no Digestivo. Arrebentando os rótulos com os quais quiseram enjaulá-lo, tais como "poeta da falação", de autoria da falação, você, João, é um apóstolo provinciano (por enquanto) de Fernando Sabino, Carlos Drummond e outros! Evoé, João Evangelista, Juliano de uma imprensa pagã, bandeirante dos Arcos mineiros!
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
21/1/2008
10h44min
Adoro crônicas. Quero aprender como fazer. São perfeitas...
[Leia outros Comentários de Crônicas...]
21/1/2008
18h17min
Encontro no Digestivo o mesmo João que escreve no "Pergaminho", jornal de circulação diária em toda a região centro oeste de Minas, editado em Formiga, cidade vizinha de Arcos. Aqui moro e participo de encontros com esse grande cronista que enriquece e estimula os que pretendem a carreira literária. É grande e humilde, esse jornalista e poeta sonhador. É bom vê-lo afinal reconhecido entre tantos outros literatos brasileiros! Visitar seu blog é delicioso. Parabéns a ele e ao Digestivo que o acolheu!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Silveira]
3/2/2008
13h39min
A crônica não deveria se afastar de uma boa análise de manifestações que assolam o homem. Ela prende a atenção e se relaciona com casos históricos apimentando a si mesmo e o leitor, obtendo uma "contra-transferência". Nada se iguala a isso.
[Leia outros Comentários de calypso escobar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Principios de Liderança de Jack Welch
Jeffrey A. Krames
Sextante
(2006)



Ecologia Em Debate
Marcia Kupstas Organizadora
Moderna
(1997)



A Caminho de um Novo Ser
José Luiz Teixeira
Naós
(2005)



Curso de Direito Constitucional
Manoel Gonçalves Ferreira Filho
Saraiva
(1971)



O Melhor do Pior
Evandro Santo
Matrix
(2013)



Qualquer Semelhança É Mera Coincidênciaa Máquina de Fatasias
Mauricio de Sousa
Mauricio D Sousa
(2018)



A Economia do Insumo-produto (1986)
Wassily Leontief
Nova Cultural
(1986)



100 Segredos das Pessoas Felizes
David Niven
Sextante
(2001)



O Meio Ambiente para as Crianças
Philippe Paraire
Scipione
(1991)



Bíblia as Grandes Narrações do Antigo Novo Testamento
B. Marchon
Scipione
(1994)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês