Onde moram as crônicas | João Evangelista Rodrigues

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
>>> Conselhos para o Ceo - Como Lidar Com a Mídia de J. Holstein pela Campus (2008)
>>> Matemática. Ciência e Aplicações Ensino Medio - Volume 2 de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce, David Degenszajn, Roberto Périgo, Nilze de Almeida pela Atual (2010)
>>> Cem Dias Entre Céu e Mar de Amir Klink pela José Olympio (1986)
>>> Santos Dumont - Sim, Sou Eu, Alberto de Marleine Cohen pela Globo (2006)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> A Magia das Estrelas de Chiang Sing pela Renovar (1985)
>>> Manual de Cinesiologia Estrutural de R.T Floyd pela Manole (2011)
>>> Sonho Grande de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O ABC da Fisioterapia Respiratória de George Jerre Vieira Sarmento pela Manole (2009)
>>> A Filha de Galileu - um Relato Biográfico de Ciência, Fé e Amor de Dava Sobel pela Companhia das Letras (2000)
>>> Religião Para Ateus de Alain de Botton pela Intrinseca (2011)
>>> Política Urbana no Brasil de Michael L. Conniff pela Relume Dumará (2006)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/12/2007
Onde moram as crônicas
João Evangelista Rodrigues

+ de 7000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

É nos jornais que moram as crônicas. Pelo menos é onde deveriam. Entre notícias importantes e notas frívolas. Entre reportagens, gráficos, fotos e infografias. Entre anúncios de desaparecidos, de empregos, de produtos de limpeza e uma infinidade de artigos de luxo. Bugigangas. Lixos, na maior parte das vezes. Costumam ficar, ainda, próximas das colunas sociais, entre damas e cavalheiros bem vestidos, decorados para lançamentos de livros, vernissages, campanhas políticas, festas de etiqueta e beneficentes. Pura vaidade e ostentação de senhoras e senhores muito respeitáveis. Puro sinal de prestígio. Podem aparecer, de vez em quando, encostadas ao editorial ou artigo de fundo, igualmente assinadas, assumidas por seus escrevinhadores.

Ficam ali, esquecidas, à mercê de algum leitor mais sensível e menos pragmático. Desses que, em noites de lua cheia, ainda bebem conhaque e olham para cima abismados com a beleza da dita cuja moça de olhos grandes e frios. Leitores cansados de ler sobre nadas, sobre crimes, tráficos de drogas e de influências. De ouvir a mesma cantilena política, demagoga e estéril. Embora o jornal seja seu santuário preferido, as crônicas não se misturam nem se perdem em meio a esses mundos marcados pela objetividade, imparcialidade e neutralidade. Pelos menos assim o querem os que o fabricam e decidem sobre o conteúdo e a forma do jornal.

Crônicas não sabem ser neutras. Lúdicas e irônicas, muitas vezes. Perfeitas, dificilmente, já que são essencialmente vivas e humanas e como tais podem defender idéias e valores. Escritas com frases curtas e orações coordenadas, ganham mais elegância e agilidade. A subordinação dificulta a escrita e a leitura. Mostra-se, na maioria das vezes, em regimes autoritários e impositivos, mesmo quando se trata de estilo.

Crônicas são assim: singelas, quase inocentes. Parecem pássaros de formas estranhas em paisagem insólita, linear, centímetro por centímetro planejadas. Mercantilizadas. Por isso mesmo, as crônicas se destacam por sua originalidade, simplicidade e leveza. Por sua exatidão poética e lingüística. Claro, por não serem rígidas, permitem exercícios estilísticos, experiências verbais, incursões não acadêmicas ou pouco usuais pelo jargão duro e formal do jornalismo diário. Nelas os tempos e as pessoas se misturam. Falam do dia-a-dia, mas são livres em indignações, imaginação e fantasia. Talvez agradem mais ao leitor por isso mesmo.

É gênero híbrido. Não é gênero maior, ainda bem, "graças a Deus", escreveu certa vez Antonio Candido, o crítico a quem a literatura brasileira deve belíssimos ensaios. É por isso que ficam "perto de nós", sem empáfia, afirma. Na sua despretensão, humaniza, e essa humanização lhe permite, como compensação sorrateira, recuperar com a outra mão uma certa profundidade de significado e um certo acabamento de forma, que, de repente, podem fazer dela uma inesperada, embora discreta, candidata à perfeição.

A crônica é subjetiva e pessoal. Geralmente impressionista e lírica. Nem sempre clara como mandam o método e o estilo jornalísticos. Fala a que veio, sem alardes nem enunciações óbvias. São mais sutis. Artificiosa no dizer, feito aos antigos contadores de histórias, de semelhante aos narradores de causos dos interioríssimos brasileiros. Há quem diga que a crônica é filha do jornal. Outros, que é o seu antídoto contra o próprio veneno que o jornal produz todos os dias, invariavelmente, em seu ofício antiliterário.

Moram no jornal, mas por sua oralidade de origem, podem muito bem sobreviver no ambiente provisório e fluido do rádio. Na televisão, ganhariam outros atrativos. Encarnariam imagens corporificadas de cores e movimentos. Crônicas lidas, no rádio, são uma delícia. Quem não se lembra? Sorrateiras em si mesmas, em sua forma aparentemente natural, escondem suas intenções. De verdade, fingem não tê-las.

Assim, deixam se levar pelo estilo tipo um assunto puxa outro. Escorregam entre os dedos, entre os dentes e a língua. Paladar especial o dos cronistas. Necessário é aprender saboreá-las toda manhã, feito se faz com o café fumegante e o pão-de-queijo ainda quente, recém-saído do forno.

E por falar em crônicas, quem se não lembra de Machado de Assis, Rubem Braga, Carlos Drummond, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rachel de Queiroz, o Veríssimo e muitos outros, todos paradigmas da narrativa moderna. Cronistas por excelência. Todos os cronistas, herdeiros da tradição oral, da sabedoria popular, dos homens e mulheres, dos meninos e meninas dos interiores perdidos em si mesmos, em seus longes, guardados de memória.

Os olhos do cronista, segundo Davi Arrigucci Jr., são treinados no jornal para o flagrante do cotidiano. Afeitos à experiência do choque inesperado em qualquer esquina, estão preparados, em meio à vida fragmentária, aleatória e fugaz dos tempos modernos, para a caça de instantâneos.

É assim que os cronistas povoam os jornais de humanidade e de súbita iluminação. Arte da visão, imagens da vida em suas infinitas crispações. Epifania. Revelação. Retrato urbano, desenhado com pedaços de tempo e de espaço, pela dessacralização da vida moderna, ou pós. Pequenos peixes nas malhas da rede virtual, as crônicas brilham neste emaranhado de signos que é o jornal. Feliz quem as descobre, por querer manifesto ou por acidente de leitor descuidoso. No mais, é deixar que o "formoso assunto" nos assalte, nos alimente de esperança, nos encha a boca e o espírito.

Nota do Editor
João Evangelista Rodrigues, jornalista e escritor, é autor do blog ViaLaxia.


João Evangelista Rodrigues
Arcos, 17/12/2007

Mais João Evangelista Rodrigues
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2007
13h23min
Se não for distração minha, creio ser a sua estréia no Digestivo. Parabéns pelo texto! Sou um leitor crônico de crônicas. Vejo que você escreve de Minas e Minas ressoa em mim com muita força. Vivi em Uberlândia por 18 anos. E agora no Natal rumo para Três Marias. Seu texto menciona o nosso Antonio Candido. Num de seus ensaios ele escreveu que os cronistas são "cães vadios, livres farejadores do cotidiano". Não é perfeito? Agora vem você e diz que os cronistas estão preparados "para a caça de instantâneos". Perfeito também. Seu blog já está adicionado aos meus favoritos. Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
19/12/2007
23h46min
Engraçado. Se você tiver o ponto de vista popular, de que o jornal traz apenas informação e não uma sujeira literária construída através de inúmeros jogos de interesse e, constantemente, com tamanha ficção que assombra, o texto faz sentido, especialmente pela carência de inovação lingüística. Seriam então as crônicas uma luta pela mentira, ou ficção assumida, diante da hipocrisia declarada, ou nem tanto?
[Leia outros Comentários de Wendell]
21/1/2008
09h34min
João: que bons ventos o trazem a esse sítio? Fiquei comovido ao vê-lo, homem de sete talentos (mais que Mário de Andrade!) proseando no Digestivo. Arrebentando os rótulos com os quais quiseram enjaulá-lo, tais como "poeta da falação", de autoria da falação, você, João, é um apóstolo provinciano (por enquanto) de Fernando Sabino, Carlos Drummond e outros! Evoé, João Evangelista, Juliano de uma imprensa pagã, bandeirante dos Arcos mineiros!
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
21/1/2008
10h44min
Adoro crônicas. Quero aprender como fazer. São perfeitas...
[Leia outros Comentários de Crônicas...]
21/1/2008
18h17min
Encontro no Digestivo o mesmo João que escreve no "Pergaminho", jornal de circulação diária em toda a região centro oeste de Minas, editado em Formiga, cidade vizinha de Arcos. Aqui moro e participo de encontros com esse grande cronista que enriquece e estimula os que pretendem a carreira literária. É grande e humilde, esse jornalista e poeta sonhador. É bom vê-lo afinal reconhecido entre tantos outros literatos brasileiros! Visitar seu blog é delicioso. Parabéns a ele e ao Digestivo que o acolheu!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Silveira]
3/2/2008
13h39min
A crônica não deveria se afastar de uma boa análise de manifestações que assolam o homem. Ela prende a atenção e se relaciona com casos históricos apimentando a si mesmo e o leitor, obtendo uma "contra-transferência". Nada se iguala a isso.
[Leia outros Comentários de calypso escobar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Abc da Metodologia
Paulo Leandro Maia
Leud
(2007)



A Polícia por Dentro: o Humorismo É a Caricatura da Vida
Aureo Araújo
Lerfixa (rj)
(1992)



Do Direito Constitucional ao Meio Ambiente Equilibrado
Paulo Natalicio Weschenfelder
Educs
(2012)



A Controvérsia Estruturalista - as Linguagens da Crítica
Richard Macksey e Eugenio Donato
Cultrix
(1976)



Uma Delicada Transição: Adolescência, Anorexia e Escrita;
Revista Latinoamericana Psicopatologia, Nº 4
Ass Univ Pesq Em Psicopatologi
(2012)



Prazos no Direito Processual Civil
Rubens B. Minguzzi (capa Dura)
Resenha Universitária
(1976)



@praserfeliz
Lisete Frohlich
Literare Books International
(2015)



Inovaçao e Sociedade - uma Estrategia e Sociedade
Joao Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(1994)



Des Textes a Loeuvre Français 2de
Nicole Laguigne
Hachette
(2000)



O Oficial de Justiça na Prática - Guia de Atuação
Luis Cláudio de Jesus Silva
Forense
(2004)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês