As noites do Cine Marachá | Antônio do Amaral Rocha

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Pedra do Feitiço - Reportagens Africanas de Ferreira da Costa pela Len Pôrto (1945)
>>> Processo Decisório de Max Bazerman pela Elsevier (2014)
>>> Livro As Grandes Obras Politicas De Maquiavel A Nossos Dias Jean Jacques Chevallier 1998 de Jean-jacques Chevallier pela Fisicalbook (2001)
>>> Manual De Prática Jurídica Civil. Para Graduação E Exame Da Oab de Nehemias Domingos De Melo pela Atlas Juridico - Grupo Gen (2008)
>>> Drummond de Andrade Poesia e Prosa Volume Único de Carlos Drummond de Andrade pela Nova Aguillar (1979)
>>> Contos Chineses de Paulo Bazaglia - Coordenação pela Paulus (2024)
>>> Edith Head's Hollywood de Edith, Calistro, Paddy Head pela Angel City Press (2008)
>>> Neagle. Vivendo Um Sonho Nos Estados Unidos de Victor Trindade pela Astral Cultural (2017)
>>> Celso Furtado E O Brasil de Nd Perseu Abramo pela Fundaçao Perseu Abramo (2000)
>>> A Vida Contemplativa de Alan Watts pela Record (1971)
>>> Paula de Isabel Allende pela BestBolso (1994)
>>> O Cavaleiro da Mão de Ferro de Goethe pela Ultramar (1945)
>>> Energia Programada de José Amorim pela Centro Redentor (1996)
>>> A Magia das Velas de Eddie Van Feu pela Escola (2008)
>>> Camões Médico ou Medicina dos Lusíadas e do Parnaso de Afrânio Peixoto pela Aillaud e Bertrand
>>> Basic Grammar In Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1993)
>>> Dossie‚ Peixotinho de Palhano Junior, Lamartine, Neves, Walace Fernando, Lins, Francisco Peixoto pela Lachatre (1997)
>>> Clavigo de Goethe pela Melhoramentos
>>> Por Toda Parte 9 de Solange Utuari pela Fisicalbook (2016)
>>> Impact 4 de Thomas Fast pela Cengage Elt (2016)
>>> Algebra Para Leigos ( For Dummies ) de Mary Janesterling pela Alta Books (2009)
>>> Alice No País Das Maravilhas de Lewis Carrol pela Scipione (2002)
>>> Protesto Extrajudicial de Domingo Pietrangelo Ritondo pela Campus (2015)
>>> The Official Guide To The Gre General Test de Educational Testing Service pela Mcgraw Hill (2016)
>>> O Livro De Dinaer de Jorge Tavares pela Novo Século (2006)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/6/2008
As noites do Cine Marachá
Antônio do Amaral Rocha
+ de 8300 Acessos

São Paulo já teve cinemas de público cativo. Aliás, ir ao cinema era um hábito, uma obrigação, uma necessidade. Estou falando de cinemas de rua. E vou me lembrar de alguns deles. Na parte "podre" da rua Augusta, da mancha que vai da Paulista até a Martinho Prado, para quem desce, tinha, na década de 70, três salas de cinema que fizeram história. O Cosmos 70 que deve ter encerrado as suas atividades em 1973, 74; o Majestic que tinha cara de cinemão, exibia filmes comerciais e era muito freqüentado aos domingos; e mais abaixo, no número 780, o indescritível Marachá e sua insólita programação. Era uma sala que ficava meio às moscas durante o dia, mas à noite era um burburinho só, com programações temáticas. Às quartas-feiras apresentava as famosas sessões à meia-noite. Chamava-se Sessão Insólita e ficava apinhado de habitués, era programado por Álvaro de Moya, e só passava filmes cult e malditos de terror. Era um cinema de arte.

Foi lá que assisti ao impressionante Matou a família e foi ao cinema, de Júlio Bressane, Lílian M. Relatório Confidencial, de Carlos Reichenbach... Lembro-me também de Tragam-me a cabeça de Alfredo Garcia, de Sam Peckinpah, entre dezenas de outros. Era mais fácil encontrar um colega de faculdade na sala de espera do Marachá do que na própria sala de aula. Às sextas-feiras, a Sessão Maldita (nome derivado, certamente, do universo de Zé do Caixão), também à meia-noite, era das mais concorridas, talvez porque no dia seguinte não havia a necessidade de se acordar cedo para o batente. Não me lembro bem, se na Sessão Insólita ou na Sessão Maldita, mas tem um acontecimento que na minha vaga lembrança parece que durou uma temporada enorme, e disso não tenho certeza.

Alguém já pensou que um cinema pudesse ser local apropriado para uma batucada? Imagino que tenha sido na Sessão Insólita das quartas. Pois é, isso acontecia no Marachá. Talvez, derivado do hábito de batucar na almofada antes de começar a sessão ― uma variação do bater o pé, das nossas esperas no matinê da infância ―, uma dupla de amigos corajosos inaugurou o hábito. Na semana seguinte alguém trouxe um pandeiro, alguém lembrou de um tamborim e já dava pra incomodar um pouco. E isso foi crescendo, crescendo, a ponto de, em algumas semanas, sempre nessas sessões, adentravam o cinema e sentavam na primeira fila pessoas que formavam uma verdadeira escola de samba, com surdo, pandeiro, tamborim, repique, surdão e tudo a que tinham direito. Era uma performance. Batucavam até o momento de começar a projeção e não eram incomodados pela direção do cinema. Acho que até incentivavam, pois virou uma atração a mais.

Não me lembro a quantidade de pessoas que formavam essa "escola de samba", mas, pelo barulho que faziam, não deviam ser poucas. Não me lembro se cantavam e sei que ao apagar as luzes a batucada era suspensa, para ser retomada na saída. Nesse momento podíamos ver quem eram esses anônimos batuqueiros, mas não ligávamos, pois já faziam parte dos programas daquelas noites, e como atitude blasé nos misturávamos àqueles batuqueiros na saída e tomávamos o rumo de casa ou de uma esticada até o Piolin que permanecia aberto de madrugada. Mas, de todas essas noites ― que hoje me parecem eternas ― lembro de uma em especial e que parece se repetiu por diversas quartas-feiras.

Era a projeção de Myra Breckenridge, de Michael Sarne, com Rachel Welch e Mae West. O Marachá tinha o hábito de repetir o mesmo programa, semanas seguidas, nas suas programações temáticas. E Mira deve ter ficado em cartaz por muito tempo. E essa foi uma Sessão Maldita ou Insólita especial. Talvez instigado pelo próprio filme, o grupo da batucada achou que deveria ajudar na trilha sonora e em diversos momentos batucavam durante a projeção e ninguém reclamava, já que neste cinema tínhamos também o costume de conversar e fumar durante as sessões e também ninguém reclamava. E se fumava de tudo. Devo dizer que essa batucada, me parecia, já naquela época, algo bastante conservador, até como atitude, pois não era o tipo de "música" que eu ouvia. Eu estava entupido de rock. Mas valia como performance transgressora.

Estive presente em diversas projeções desse filme e o fato insólito sempre se repetiu. Naqueles idos de 1973, 1974, uma geração de estudantes, ainda meio perdida, abafada pela ditadura que iria recrudescer ainda mais dali pra frente, tinha nas sessões das quartas e sextas do Marachá, um alento, um respiro das agruras daquele tempo sombrio...

Post Scriptum
Depois de pronto, mandei este texto para um amigo ― que veio a se tornar meu amigo depois ― que também havia participado daquelas noites memoráveis. "Ah, você também estava lá?", me disse alguns anos depois desses acontecimentos. A resposta dele agora me esclarece algumas lacunas e confirma o conteúdo. Disse-me: "É bem isso mesmo... lembro-me de coisas muuuito loucas naquelas sessões mas, infelizmente, estava sempre tão drogado que misturo as coisas (como disse Joe Cocker: dizem que Woodstock foi muito legal, não me lembro de nada... eheheeh) mas, voltando: lembro-me de uma sessão do Myra que tinha um cara tocando um... sino! um puta sino! lembro da batucada... de muita gente fumando... fumada... olha, cara, falar daquilo tudo é muito perigoso. Não sei o que era real e imaginário. Agora mesmo me vem na cabeça a razão de eu ter saído no meio de uma sessão: uma cena do Laurel & Hardy carregando uma tábua que, por trucagem, não parava de passar na tela. Lembro-me claramente da cena e do acesso de riso que tive. Só. Tive que sair em busca de oxigênio (e alguma lucidez...) Wow... que tempos hein, brô?"

Nota do Editor
Leia também "A Geração Paissandu".


Antônio do Amaral Rocha
São Paulo, 9/6/2008
Mais Antônio do Amaral Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boas Vendas! Como vender mais e melhor no varejo
Vários Autores
Sebrae
(2007)



O cartaz
Abraham Moles
Perspectiva
(2005)



Einstein e o Universo Relativístico
José Cláudio Reis e outros
Atual
(2000)



O Processo do Trabalho e o Paradigma Constitucional Processual
Artur Torres
Ltr
(2012)



Trilogia o Século
Ken Follett
Arqueiro
(2010)



O Profeta
Sholem Asch
Companhia Nacional
(1958)



La Reina Jezabel
Jean Plaidy
Ediciones B
(2007)



Conheça e Defenda Seus Direitos
Nova Cultural
Nova Cultural
(2010)



Livro Literatura Estrangeira Assassins Creed 1 Renascença
Oliver Bowden
Galera Record
(2014)



O Brincar & A Realidade
D. W. Winnicott
Imago
(1975)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês