Como excrever bem | Ivan Lessa

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/11/2008
Como excrever bem
Ivan Lessa

+ de 7100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Exemplo errado ― Escrever é um verbo escrito e conjugado com S e não com X. O título desta croniqueta está totalmente errado. Tão errado quanto o uso abusivo dos advérbios em mente.

Exemplo certo ― O jornal que eu compro todos os dias passou uma semana anexando à sua edição normal, feito um brinde, uma pequena brochura de 24 páginas sobre o título geral de Como Escrever. Ou How To Write, em inglês. Li todos eles. Textos lúcidos e bem organizados sobre ficção, poesia, comédia, peças e roteiros cinematográficos, memórias e biografias, jornalismo e, por fim, literatura infantil.

Excelente leitura. Nada aprendi. Muito me diverti. História de minha vida.

Volta e meia, acompanho pelas nossas folhas uma discussão infindável que me persegue, e a muita gente boa aí também. Qual seja, se o jornalismo pode ser ensinado e se o jornalista praticante deve apresentar ou não diploma.

Não tenho a menor idéia. Não pretendo, a essa altura do campeonato, apresentar opinião a respeito. Sei que não freqüentei aula de jornalismo, não tenho diploma, destituído também sou das prendas extradomésticas e além-bar do tal do jornalismo. Tudo que escrevo é um exemplo claro de que estou por fora. Ou que fui-me embora. Ir embora implica em muitas ― mas muitas mesmo ― perdas. O diploma é um deles. Não é uma má.

Tenho livro publicado. Ficção. Mais ou menos fictícia. Não freqüentei aula. Matá-las e ir ver treino do Botafogo era muito mais interessante.

Li à beça. No tempo em que eu reunia a curiosidade e a paciência para ler tudo que me caísse às mãos. Sei de umas poucas noções básicas sobre, por exemplo, o que deve ser um romance. E.M. Forster me emprestou uma frase que sintetizo dizendo que sim, que um romance deve contar uma história. O importante é que Forster, danado de inteligente, bom de bola e chutando com as duas, iniciava a ponderação absoluta com uma ressalva muito a seu estilo e equivalente a um suspiro: "Oh, dear!" E prosseguia: "Yes, it must tell a story."

Isso aí. Duro. Mas um romance tem que contar uma história. Com começo, meio e fim. Não necessariamente nessa ordem, como deixaram bem claro Joyce, Proust e algumas centenas de inovadores merecidamente obscuros.

Há que haver, ainda, estilo. Muito estilo. Romancista, jornalista, roteirista. Toda essa gente tem que ter um estilo. Uma voz. Desafinada, mas pertencente ao divulgador da notícia. Notícia que pode ser romance, nota de jornal, peça de teatro, roteiro de cinema.

O que é estilo? Temos que recorrer a Fats Waller (ou Louis Armstrong, dependendo de quem conta a história) que, quando perguntado por uma dama da melhor sociedade o que era o jazz, respondeu, "Se tem que perguntar para saber, não adianta eu explicar que a senhora não vai entender."

Feito samba, estilo não se aprende no colégio. Mas há que se virar e rebolar, rebolar, rebolar até encontrar um dando sopa. Ou depois de se quebrar muita pedra. Sem estilo nada acontece. Com estilo, tudo é possível.

Segundo o jornalista (aliás mais para o ensaísta) Simon Jenkins, a coleção, no pequeno volume dedicado ao jornalismo, dedica algumas palavras valiosas, para passivos e ativos da nada nobre arte de praticar o que sai nos periódicos. Diz ele que o jornalismo se expressa mediante a palavra escrita, embora essa não seja a sua essência.

Sempre segundo Jenkins, jornalismo pode ser ensinado, sim, senhor. Deve, inclusive, fazer parte de qualquer currículo. Com um senão, ou adendo, dos mais importantes: antes de mais nada, há que haver, naqueles que o praticam, uma intensa curiosidade pelo mundo e um profundo amor pela palavra escrita.

Falou e disse, comento mentalmente, no meu melhor, ou pior, cafajestês.

Acrescento apenas que jornalismo é sobre contar para as pessoas coisas que elas não sabiam antes. Ou que pensavam que sabiam.

Tão sabendo? Moraram? Isso aí.

Nada aprendi e tudo esqueci. Mesmo a coleção que o jornal se deu ao louvável trabalho de produzir e distribuir como brinde. Até o início dessa digitação toda destas linhas. Num lembro. Não sou, nunca fui, nunca quis ser, jornalista.

Apenas, como um moleque de praia, ou vigoroso lateral direito da várzea, bater uma bola, dar meus pontapés, alijar da peleja (e escrever é renhida disputa) os perigosos dianteiros da equipe adversária.

Time adversário? A vida. Vocês. Todo mundo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site da BBC Brasil, em 29 de setembro de 2008.


Ivan Lessa
Londres, 10/11/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontro com Kurt Cobain de André Forastieri
02. O jornal no iPad é uma frustração de Paulo Rebêlo
03. As Marcas do Tempo de Ryoki Inoue
04. Um estranho incidente literário de Moacyr Scliar
05. Volpi, Beckett e Mendes da Rocha de Daniel Piza


Mais Ivan Lessa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2008
11h12min
Bravo, Ivan Lessa! Texto divertido e instrutivo ("_ Li à beça"). Leitura: de fundamental importância! Além do estilo! Ivan, você me fez lembrar Gustave Flaubert, o desespero do romancista francês em busca do estilo: quando as palavras lhe faltavam, Flaubert saía pelas ruas de Paris a gritar: "_Le mot, le mot, le mot...!" - Flaubert exasperado, em busca do próprio estilo, esta coisa esquisita que beira o biológico (Roland Barthes). Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
12/11/2008
08h56min
Estou começando a publicar os textos que escrevo e, sinceramente, não me senti melhor depois que li este texto. Parece que sou uma criança de quatro anos perto do Ivan Lessa, acho que não li nem um décimo das coisas necessárias para escrever bem e ter meu estilo próprio. Tomara que um dia chegue ao caminho certo...
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
12/11/2008
14h18min
Ivan, sua origem genética e cultural falam por você. Tendo como precursores a editoria do Pasquim, a criação do ratinho Sig, juntamente com Jaguar, alem da herança literária dos seus pais e avô, você é único e, mesmo não querendo, é um jornalista, pois vive nos contando coisas que não sabemos.
[Leia outros Comentários de Rosangela Friedrich]
12/12/2008
10h06min
Para acrescentar mais um ponto à interminável discussão "é possível ensinar alguém a ser jornalista/escritor?", sugiro o livro "Para ler como um escritor", de Francine Prose. Não sei se é possível aprender a escrever bem, mas é possível aprender muitas coisas com esse livro, sendo a principal delas, a meu ver, a enxergar com mais clareza a genialidade dos gênios. Uma leitura mais atenta dos grandes clássicos da literatura pode revelar camadas inesperadas de significado e estilo, e render momentos de renovado prazer: o prazer de ler algo magistralmente escrito!
[Leia outros Comentários de Giovana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONFISSÃO DE UMA HARPISTA
JOSÉ CARLOS LEAL
CELD
(2002)
R$ 13,80



UM MUNDO OU NENHUM
DEXTER MASTERS, KATHARINE WAY
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 23,00



POÇOS DE CALDAS - GUIA DE RUAS - COM MAPA DA CIDADE
DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ELETRICIDADE
DME
(1996)
R$ 18,00



O DIA EM QUE O MUNDO MUDOU
RONALD CREAGH
RONALD CREAGH
(2001)
R$ 20,00



O GAÚCHO - 2 VOLUMES
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1963)
R$ 11,00



IACOCCA - UMA AUTOBIOGRAFIA
LEE IACOCCA; WILLIAM NOVAK
LIVRARIA CULTURA
(1985)
R$ 15,00



A NOVA CONSTITUIÇÃO PAULISTA PERSPECTIVAS
GOVERNO DE SP
FUNDAP
(1989)
R$ 5,00



SECRETS OF THE UNIVERSE: PAST, PRESENT, FUTURE
SCIENTIF AMERICAN, VOL 23 - Nº 3
SCIENTIF AMERICAN
(2014)
R$ 46,28



CRISTÓVÃO COLOMBO
ANTÔNIO JOSÉ LUCAS CAMARGO
MODERNA
(1992)
R$ 5,00



SUPERINTERESSANTE EDIÇÃO 264 MEMÓRIA POR QUE ESQUECEMOS CADA VEZ MAIS?
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês