O que aprendi | Nelson Pereira dos Santos

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
ENSAIOS

Segunda-feira, 1/6/2009
O que aprendi
Nelson Pereira dos Santos

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu tinha 20 anos e fui a Paris de navio com uma bolsa do governo francês para estudar cinema. O cargueiro italiano demorou tanto para chegar que acabei perdendo o prazo da matrícula. Fiquei por lá quatro meses e ia toda tarde à Cinemateca assistir filmes. Foi minha melhor escola de cinema, um curso completo de realismo francês dos anos 30. Me formei em direito. Já trabalhava com cinema e só faltava uma matéria para eu pegar o diploma: direito processual civil. O professor da prova oral me disse para escolher sobre o que falar. Ele sacou que eu não era do ramo. Perguntou o que eu queria da vida e falei do cinema. Me fez jurar que eu nunca seguiria a carreira de direito. Em troca, me aprovou na hora. Depois, quando as coisas davam errado, me lembrava da promessa feita ao professor e nunca desisti do cinema. O dinheiro do aluguel garanti como jornalista e professor.

Minha mãe é a pessoa mais importante da minha vida. "Se não comer tudo, não vai ao cinema." Domingo, a sessão começava à uma da tarde e ia até as sete da noite: dois filmes, mais um seriado, desenho animado e trailer do filme seguinte. Eu era moleque e não queria perder nada, detestava me atrasar e perder o começo do filme. A macarronada era servida ao meio-dia em ponto. Eu engolia rápido e limpava o prato. Meus pais eram fanáticos por cinema. A palavra cinéfilo nem existia, mas era isso que eles eram.

Meu desafio como diretor é escolher o ator certo. Depois de escolhido, o negócio é com ele. Saímos juntos, vamos a um botequim e conversamos sobre o filme. O ofício do ator é sagrado e interfiro o mínimo possível. É meu jeito de trabalhar. Admiro a coragem dos atores.

Saí do Partido Comunista em 1956, depois que fui a um festival em Praga com Rio, 40 Graus. Lá, o movimento antistalinista crescia com a publicação do Relatório Kruschev, que denunciava os crimes do Stálin. Mas o pessoal do partido no Brasil dizia que era intriga da imprensa burguesa. Eu simplesmente caí fora daquele subterrâneo e não me arrependo. Nunca mais me filiei a nenhum partido político.

Como Era Gostoso o Meu Francês foi proibido por causa da nudez frontal do Arduíno Colasanti. Mais tarde, o Jarbas Passarinho, ministro da Cultura, quis liberar o filme e mostrou para os bispos da CNBB. Umas freiras assistiram e disseram que a única coisa imoral do filme era a cena em que um francês mata o outro.

Ficam dizendo que nos filmes que fiz em Parati só rolava droga, mas o que tinha mesmo era cachaça depois da filmagem. Não dá para fumar maconha e trabalhar, comandar equipe, enquadrar um plano. Maconha se fuma para ficar numa boa. Minha equipe tem liberdade de fazer o que bem quiser, mas não me venha atrapalhar a filmagem.

Fui convidado a fazer um longa sobre a dupla sertaneja Milionário e José Rico, Estrada da Vida. A ideia era fazer um filme tipo Nashville, uma visão irônica da música caipira, mas me lembrei de como meu pai gostava dessas músicas e decidi fazer um filme respeitoso. Recomendei à minha equipe ouvir música sertaneja até acostumarem os ouvidos. Eram jovens vindos da USP e só queriam rock. Na estreia, os camaradas de esquerda não acreditaram. O filme foi exibido num festival na Itália. Cheguei no final da sessão. Na saída, um amigo uruguaio me viu e atravessou a rua para não cruzar comigo. Em plena ditadura, não me perdoaram por fazer um filme sem ideologia política.

Carlos Vereza é disciplinado em todos os detalhes. No primeiro dia de filmagem de Memórias do Cárcere, estávamos prontos para rodar: centenas de figurantes, os integralistas, os estudantes, a polícia. Me chega o assistente de direção ao pé do ouvido: "Vereza não vai filmar." Reclamava que o figurino estava incompleto. Exigia cueca samba-canção, apesar de aparecer completamente vestido em cena. Pedi que arrumassem um pijama qualquer. Cortamos a calça na altura da coxa e fizemos a bainha. Meu pai era alfaiate. Minha mãe era filha de alfaiate.

Quando Memórias do Cárcere foi exibido em Cannes, o escritor francês Le Clézio, que ganhou o último Nobel de Literatura, escreveu um ensaio de seis páginas na revista Le Nouvel Observateur exaltando o filme. Ele circulava pelo festival incógnito e entrava numa sessão aleatoriamente.

Namoros, mulheres, atrizes? Essa eu pulo. Me casei muito cedo, aos 20 anos. Mas não foi um problema, pelo contrário. O casamento me deu mais liberdade para trabalhar em paz, para criar meus filmes, cuidar das minhas coisas. Eu e minha mulher tivemos algumas rusgas, separações temporárias, mas nossa união prevaleceu por 50 anos, até a morte dela.

Há muita mitologia com a parafernália do cinema. Para mim, cinema é quadro: em cima, embaixo, esquerda e direita. Você tem que combinar tudo dentro desse espaço. Se o cinema evoluiu, não foi pela tecnologia, mas pela linguagem inovadora. O filme era mudo e sem cor, depois ficou sonoro e colorido. Isso não torna um filme mais interessante em sua essência. Mas quando os italianos vieram com o neorrealismo, ou quando os franceses criaram a Nouvelle Vague, aí, sim, foi um marco. A evolução se deu no nível das ideias, da concepção do filme, e não dos equipamentos. A literatura não melhorou por causa do computador.

Nunca saí na porrada em set de filmagem. Não deixo ninguém brigar comigo. Se eu não fosse cineasta, seria diplomata. Estou ficando um pouco ranzinza, não suporto mais frescurinhas, marcação de foco, muita gente em volta, longas esperas.

O maior filme de todos os tempos? A obra do Buñuel como conjunto, ou qualquer filme dele.

Eu diria a um garoto que está começando: tenha a pretensão de transformar as coisas sem se submeter a uma filiação partidária, como fez a minha geração. Isso embaça a visão.

Acredito em Deus de vez em quando, ou quando pega fogo no motor do avião. Não me chateio com bobagem porque o tempo é curto.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista piauí de novembro de 2008.


Nelson Pereira dos Santos
Rio de Janeiro, 1/6/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O jornal no iPad é uma frustração de Paulo Rebêlo
02. Ponto de ruptura no jornalismo de Charles Cadé
03. Balzac S/A de Cezar Bergantini
04. Fim da Web como Terra Prometida de Tiago Dória
05. Haydn: 200 anos da morte de Irineu Franco Perpetuo


Mais Nelson Pereira dos Santos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/7/2009
10h39min
De manhã, café, Digestivo Cultural e o texto do Nelson... Tomou-me de assalto esta paixão pelo cinema desde os tempos em que a palavra cinéfio inexistia. Nelson é um exemplo máximo de persistência e superação, porque sabemos bem como os filmes produzidos no Brasil foram vistos ao longo dos anos. Para os que pensam que a arte - literaturas, textos, produções fílmicas - não tem valor em sociedades subalternas, como a nossa, Nelson traz uma resposta categórica, no entanto, não sei se todos saberão lê-la... O trabalho do cineasta é incrível, um legado para as futuras gerações e para os que escrevem sobre cinema. Algumas de suas obras funcionam como um monumento de pedra, que resguarda a memória do povo brasileiro, em outras palavras, nosso Estado-Nação, indicando a prática de um trabalho minucioso, criterioso e com o profissionalismo de um apaixonado pela sétima arte. É uma alegria para nós, cinéfilos, a presença de Nelson Pereira, no circuito cinematográfico brasileiro.
[Leia outros Comentários de Flávio A. Nantes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês