A Princesa Hijab e o BBB11 | Paulo J. P. de Resende

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/1/2011
A Princesa Hijab e o BBB11
Paulo J. P. de Resende

+ de 4800 Acessos

O metrô de Paris tem sido assolado por uma ameaça que não tem nada a ver com os protestos dos trabalhadores contra as reformas trabalhistas e nem com o fantasma de uma crise econômica: trata-se da autointitulada "Princesa Hijab", que faz incursões nas galerias subterrâneas para promover intervenções estéticas nos cartazes publicitários.

Hijab cobre os corpos dos modelos com tinta, formando véus negros pesados que só deixam à mostra os olhos e eventualmente as mãos. Mais do que um simples ato de vandalismo, ela (ou ele, não se sabe sua identidade verdadeira) promove uma reflexão sobre algo que, de tão vulgarizado, já nem faz parte do nosso vocabulário: privacidade.

A arte tem o poder de usar a vida como suporte para trazer aos holofotes elementos relevantes, estejam eles em voga ou esquecidos, ou mesmo considerados como "naturais", inerentes à civilização moderna, há algum tempo. Assim é com a violência, a fome, a indiferença e com outros fenômenos tão presentes na sociedade contemporânea. A Princesa Hijab atribui às peças de propaganda uma privacidade involuntária, faz com que lembremos que há significado na decisão de mostrar ou cobrir.

Por que isso merece a atenção do leitor? Porque a regra, hoje é em dia, é vivermos sob um regime exatamente contrário. Estamos cada vez mais expostos, cada vez mais à mostra para quem quiser ver. Não há mais privacidade, com tantas câmeras e tanto monitoramento, com os celulares e as webcams ansiosas pelo ato compulsivo de captar e transmitir...

Por mais que cada um de nós tente se esconder, levar uma vida tranquila, todos corremos o risco de, de uma hora para a outra, nos tornarmos o centro das atenções de milhares de pessoas, mas justamente em nossas ações ou pensamentos mais íntimos, naquilo que deveria ser somente nosso e de mais ninguém. Quando isso ocorre por conta de uma ação deliberada, tudo bem. Mas nem sempre é o caso.

Vivemos hoje o modelo do "veja o quanto puder": o Big Brother Brasil, um reality show mais do que conhecido, chega à sua décima primeira edição sendo fiel ao conceito original: exposição, exposição, exposição... e testes de aceitação pelo público.

A cada temporada, celebridades instantâneas são trazidas aos espectadores que, por meio de votos e manifestações de apoio ou repúdio a cada candidato (no final das contas, diferentes formas de "consumir" o mesmo produto), dão fôlego ao programa e justificam a sua longevidade. Mais do que isso, o Big Brother foi de certa forma o precursor de dezenas de tantas outras atrações que hoje povoam canais de TV aberta e por assinatura. O sucesso de atrações como essas dá indícios de que ainda poderemos assistir ao BBB12, BBB13 etc.

Uma ação subversiva como a da Princesa Hijab nos força a uma reflexão sobre o "mostrar ou cobrir": depois de uma escalada da liberalização do comportamento de homens e mulheres, da quebra das barreiras das censuras impostas em nações espalhadas pelo globo, e da hipertrofia da exposição da realidade nua e crua a despeito da nossa vontade de ver ou não, é providencial rediscutirmos o espaço da privacidade individual.

Não estou aqui defendendo o anacronismo, o retorno ao tempo em que tornozelos à mostra causavam rubor e protestos, mas o resgate do valor da decisão individual quanto a exibir ou não cada parte de nosso corpo e de nossa intimidade. Em tempos nos quais tudo é publicado, escrachado, pode ser saudável o exercício de cobrir.

A Princesa Hijab tem tido razoável sucesso na sua estratégia de mostrar e esconder: entre outras coisas, permanece livre e atuando nas mesmas galerias há mais de um ano. Seus contatos com o imprensa são agendados e ela se limita a falar daquilo que diz respeito à sua produção, e não de si. E sua verdadeira identidade continua uma incógnita, a despeito das especulações.

Entre os mistérios de Hijab e as exibições do BBB11, devemos trilhar o nosso próprio caminho. Há quem se sinta confortável em mostrar tudo a todos, a ponto de transitar de forma desinibida e desnudada nas ruas, na mídia e na internet. E há quem não suporte a ideia de compartilhar sequer os pensamentos mais banais com quem quer que seja. Mais do que optar por um extremo ou outro, devemos ter em mente que essa decisão é exclusivamente nossa, quando o que está em jogo é a intimidade.

Nota do Editor
Paulo Resende é especialista em políticas públicas, inovação e empreendedorismo. Fotógrafo por paixão, usa seu olhar aguçado para observar o mundo. (Leia também "A Brasilianização do Mundo".)


Paulo J. P. de Resende
Niterói, 24/1/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembrando a Tribo de Millôr Fernandes
02. Do maior e do melhor de Flávio Moreira da Costa
03. Macunaíma, de Mário de Andrade de Miguel Sanches Neto
04. Carne Viva e Paulo Francis de Michel Laub
05. Como Proust mudou minha vida de Daniel Piza


Mais Paulo J. P. de Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RECORDAÇÕES DO ESCRIVÃO ISAÍAS CAMINHA
LIMA BARRETO
PUBLIFOLHA
(1997)
R$ 6,99



EL CID O HERÓI DA ESPANHA
PAULO REGINATO (ADAPTAÇÃO EM PORTUGUÊS )
SCIPIONE
R$ 15,00



ABORTO UM DIREITO OU UM CRIME?
MARIA TEREZA VERARDO
MODERNA
(1987)
R$ 6,99



SOLDADOS CIDADÃOS - DO DESEMBARQUE DO EXÉRCITO AMERICANO...
STEPHEN E AMBROSE
BERTRAND BRASIL
(2001)
R$ 17,00



DIREITO ADMINISTRATIVO PERANTE OS TRIBUNAIS
JOSÉ CRETELLA JÚNIOR
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(1994)
R$ 23,33



MORTE EM VENEZA
THOMAS MANN
FOLHA DE SÃO PAULO
(2003)
R$ 14,00



ILHAS GEODETETIVE
PHILIP STEELE
SCIPIONE
(1998)
R$ 6,90



AMÉRICA LATINA EVOLUÇÃO OU EXPLOSÃO?
MILDRED ADAMS
ZAHAR
(1964)
R$ 5,00



OLHANDO PRO NADA, LEMBRANDO DE TUDO
BRUNO BRAGA
MOINHOS
(2018)
R$ 35,00



PORTUGUÊS LINGUAGENS 5ª SÉRIE
WILLIAM ROBERTO CEREJA
ATUAL
(2006)
R$ 9,77





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês