A Princesa Hijab e o BBB11 | Paulo J. P. de Resende

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> PS, Eu te amo de Cecelia Ahern pela Novo Conceito
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafon pela Objetiva
>>> Os Milionarios de Brad Meltzer pela Record
>>> O Jogo de Brad Meltzer pela Record
>>> Leviatã de Boris Akinin pela Objetiva
>>> Moquecas de Marido de Betty Mindlin pela Paz & Terra
>>> O Arqueiro de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Condenado de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Ultimo Reino de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Tigre de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> O Triunfo de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> Sharpe em Trafalgar de Bernand Cornell pela Record
>>> Os Fuzileiros de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> A Pedra da Bencao de Barbara Wood pela Best Seller
>>> A vizinha de Barbara Delinssky pela Bertrans Brasil
>>> Desejos - Trilogia da Esperanca - Vol.3 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Encantos - Trilogia da Esperanca - Vol.2 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Sonhos - Trilogia da Esperanca - Vol.1 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> O Homem de Montana de Barbara Delinsky pela Harlequin
>>> A felicidade mora ao lado de Barbara Delinsky pela Bertrans Brasil
>>> O Mundo dos Vampiros de Arieni Dissenha Daniel Portes pela Novo Seculo
>>> Os Incas - A Luz de Machu Picchu - Vol.3 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - O Ouro de Cuzco - Vol.2 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - A Princesa do Sol - Vol.1 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Sangue e Ouro de Anne Rici pela Rocco
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/1/2011
A Princesa Hijab e o BBB11
Paulo J. P. de Resende

+ de 5000 Acessos

O metrô de Paris tem sido assolado por uma ameaça que não tem nada a ver com os protestos dos trabalhadores contra as reformas trabalhistas e nem com o fantasma de uma crise econômica: trata-se da autointitulada "Princesa Hijab", que faz incursões nas galerias subterrâneas para promover intervenções estéticas nos cartazes publicitários.

Hijab cobre os corpos dos modelos com tinta, formando véus negros pesados que só deixam à mostra os olhos e eventualmente as mãos. Mais do que um simples ato de vandalismo, ela (ou ele, não se sabe sua identidade verdadeira) promove uma reflexão sobre algo que, de tão vulgarizado, já nem faz parte do nosso vocabulário: privacidade.

A arte tem o poder de usar a vida como suporte para trazer aos holofotes elementos relevantes, estejam eles em voga ou esquecidos, ou mesmo considerados como "naturais", inerentes à civilização moderna, há algum tempo. Assim é com a violência, a fome, a indiferença e com outros fenômenos tão presentes na sociedade contemporânea. A Princesa Hijab atribui às peças de propaganda uma privacidade involuntária, faz com que lembremos que há significado na decisão de mostrar ou cobrir.

Por que isso merece a atenção do leitor? Porque a regra, hoje é em dia, é vivermos sob um regime exatamente contrário. Estamos cada vez mais expostos, cada vez mais à mostra para quem quiser ver. Não há mais privacidade, com tantas câmeras e tanto monitoramento, com os celulares e as webcams ansiosas pelo ato compulsivo de captar e transmitir...

Por mais que cada um de nós tente se esconder, levar uma vida tranquila, todos corremos o risco de, de uma hora para a outra, nos tornarmos o centro das atenções de milhares de pessoas, mas justamente em nossas ações ou pensamentos mais íntimos, naquilo que deveria ser somente nosso e de mais ninguém. Quando isso ocorre por conta de uma ação deliberada, tudo bem. Mas nem sempre é o caso.

Vivemos hoje o modelo do "veja o quanto puder": o Big Brother Brasil, um reality show mais do que conhecido, chega à sua décima primeira edição sendo fiel ao conceito original: exposição, exposição, exposição... e testes de aceitação pelo público.

A cada temporada, celebridades instantâneas são trazidas aos espectadores que, por meio de votos e manifestações de apoio ou repúdio a cada candidato (no final das contas, diferentes formas de "consumir" o mesmo produto), dão fôlego ao programa e justificam a sua longevidade. Mais do que isso, o Big Brother foi de certa forma o precursor de dezenas de tantas outras atrações que hoje povoam canais de TV aberta e por assinatura. O sucesso de atrações como essas dá indícios de que ainda poderemos assistir ao BBB12, BBB13 etc.

Uma ação subversiva como a da Princesa Hijab nos força a uma reflexão sobre o "mostrar ou cobrir": depois de uma escalada da liberalização do comportamento de homens e mulheres, da quebra das barreiras das censuras impostas em nações espalhadas pelo globo, e da hipertrofia da exposição da realidade nua e crua a despeito da nossa vontade de ver ou não, é providencial rediscutirmos o espaço da privacidade individual.

Não estou aqui defendendo o anacronismo, o retorno ao tempo em que tornozelos à mostra causavam rubor e protestos, mas o resgate do valor da decisão individual quanto a exibir ou não cada parte de nosso corpo e de nossa intimidade. Em tempos nos quais tudo é publicado, escrachado, pode ser saudável o exercício de cobrir.

A Princesa Hijab tem tido razoável sucesso na sua estratégia de mostrar e esconder: entre outras coisas, permanece livre e atuando nas mesmas galerias há mais de um ano. Seus contatos com o imprensa são agendados e ela se limita a falar daquilo que diz respeito à sua produção, e não de si. E sua verdadeira identidade continua uma incógnita, a despeito das especulações.

Entre os mistérios de Hijab e as exibições do BBB11, devemos trilhar o nosso próprio caminho. Há quem se sinta confortável em mostrar tudo a todos, a ponto de transitar de forma desinibida e desnudada nas ruas, na mídia e na internet. E há quem não suporte a ideia de compartilhar sequer os pensamentos mais banais com quem quer que seja. Mais do que optar por um extremo ou outro, devemos ter em mente que essa decisão é exclusivamente nossa, quando o que está em jogo é a intimidade.

Nota do Editor
Paulo Resende é especialista em políticas públicas, inovação e empreendedorismo. Fotógrafo por paixão, usa seu olhar aguçado para observar o mundo. (Leia também "A Brasilianização do Mundo".)


Paulo J. P. de Resende
Niterói, 24/1/2011

Quem leu este, tambÚm leu esse(s):
01. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
02. Manual do Publicitário de André Barcinski
03. O fim do editor de livros de Raphael Vidal
04. Meu vizinho conversa com Deus de André Barcinski
05. Twitter versus Facebook de Ricardo Freire


Mais Paulo J. P. de Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ze Ninguem Tito na Rua
Alberto Serrano Tito
Janeiro
(2015)



Bar Doce Lar
J. R. Moehringer
Nova Fronteira
(2006)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Do Autor



Oratória para Advogados e Estudantes de Direito - Lacrado
Reinaldo Polito
Benvira
(2012)



A Voz dos Meninos - Projeto Educação Com Arte: Oficinas Culturais
Ana Maria Cavalcanti Lefevre (org.)
Cenpec
(2014)



Numerologia Cármica: Conhecendo Sua Missao de Vida - 1ª Edição
Sueli Lucchi Di Leo
Nova Senda
(2016)



A culpa é das estrelas
John Green
Intriseca
(2012)



Leituras Complementares de Direito Constitucional
Marcelo Novelino
Podivm
(2008)



Psicologia da Reconciliação
Mario Pereyra
Cedisau
(1990)



Psicologia Escolar
M. Helena Novaes
Vozes
(1972)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês