Digestivo nº 244 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 16/9/2005
Digestivo nº 244
Julio Daio Borges

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Teatro >>> Um Jogador
Dostoiévski está na moda no Brasil? Os russos estão na moda no Brasil? São duas perguntas que, com propriedade, se colocam. A primeira por causa das traduções da Editora 34 – que, merecidamente, são um marco; e deveríamos estar felicíssimos se entrou na moda, por aqui, o autor de Crime e Castigo. Já a segunda questão faz sentido por causa de algumas traduções da Cosac Naify (Tostoi e Tchecov) e pela capa de revistas como a EntreLivros. (Também por conta da Osesp tocando Korsakov e Shostakovitck – vale igualmente lembrar). E se em toda moda tem de ter sempre algo de pejorativo, de modismo, nesta não vimos nada ainda. E, dentro dela, por que não alegremente incluir Sonho de um homem ridículo, peça inspirada num conto de Dostoiévski, que marca o retorno aos palcos do nosso ex-secretário municipal, da cultura, Celso Frateschi? Frateschi fez uma adaptação livre e conseguiu quase o impossível: encenar o autor dos Irmãos Karamazov. Impossível porque, embora tenhamos sido iludidos muitos anos por traduções a partir do francês, estamos descobrindo que Dostoiévski era muito mais verborrágico e muito menos elegante do que gostaríamos. Se o seu texto costuma atormentar almas jovens, logo num primeiro contato, atormenta indefinidamente as adultas (como um Kafka avant la lettre). Celso Frateschi traz exatamente de volta essa sensação: a sensação inebriante da falta de direção, da tormenta e da meditação arrebatadora passada toda a tempestade. Sem ser um catedrático em matéria do autor de Memórias do subsolo, Frateschi resumiu, como poucas vezes se viu nos palcos daqui, o universo dostoievskiano. Falaram que ele encarna “um” Dostoiévski de fato, e pode até ser que ele encarne, mas isso não é importante (o dado biográfico não é importante). A pergunta que fica (e que deve ficar) é: como é que o autor poderia tirar, de dentro de si, tantos demônios? E depois da peça, para o espectador: como é que Frateschi conseguiu encarnar (e suportar) todos esses mesmos demônios? Sonho de um homem ridículo é o exercício virtuosístico para sublimar a secretaria da cultura – e para provar que o artista não morreu na política; saiu dela fortalecido. [Comente esta Nota]
>>> Sonho de um homem ridículo - Celso Frateschi - Instituto Cultural Capobianco
 



Internet >>> Minutos de sabedoria
Fred Leal era mais um blogueiro entre tantos. Escrevia, era lido, conhecia gente influente na blogosfera, era citado. Mas nunca atingiu o panteão, como atingiu, por exemplo, sua amiga Cecilia Giannetti, que participou até de coletânea de novos autores do Rio de Janeiro. Fred Leal estava na dele; até o podcast... Então – entre os poucos podcasters brasileiros que valiam a pena – todo mundo, de repente, sabia quem ele era: Fred Leal era aquela voz por trás do É Batatao podcast, para muitas pessoas, depois da indicação de Alexandre Inagaki (cujo Pensar Enlouquece, Pense Nisso funciona como uma espécie de portal entre os bloggers). Para a sua própria surpresa e (seu) espanto, no podcast, Fred Leal estava, pela primeira vez, no seu elemento. E imediatamente a audiência começou a responder... E ele – a reagir a ela. Subitamente, novas versões do É Batata brotaram para quem acompanhava. Se o programa inteiro, que até merece numeração, continha múltiplas seções, vinhetas, seleção musical vasta, revelações, entrevistas e piadas, muitas piadas, as suas variantes revolucionavam o “formato”. O Batata Palha, por exemplo, continha apenas duas músicas, com breves comentários – supostamente diários – entre uma e outra; já o Batata Frita funcionava como uma espécie de Manhattan Connection da era do podcasting, onde Fred Leal e sua famosa amiga Cecilia Giannetti (sim, ela se rendeu à coisa) teciam considerações sobre o fim de semana anterior (“quando você – espectador – estava perdido entre uma balada e outra, entre uma ressaca e outra...”). Nessa, Fred Leal entrevistou o Cardoso, do CardosOnline, na Flip 2005 (quando nem era moda ainda entre os podcasters); contrapôs João Paulo Cuenca ao seu ídolo Bob Dylan (assim, ele nem soava tão antipático quanto diziam as más línguas); e, por fim, forjou uma maneira própria, divertida, malandra, de (se) podcastear – que certamente fará escola. Hoje, Fred Leal é reconhecido (pela voz) na rua, embora seu irmão menor nem ouça o programa. É a vida: num tempo em que o Google – e os blogs, e os podcasts agora – dominam o mundo, e a imprensa brasileira nem noticia, Fred Leal entra pra História, mas, como a nossa dor, não sai no jornal. [Comente esta Nota]
>>> É Batata
 



Literatura >>> A Educação Sentimental
Na Casa do Saber, Milton Hatoum não gostava de se assumir como um dos “grandes” escritores brasileiros da atualidade; preferia dizer que era apenas “bom”... Também relutou um pouco em falar da própria obra, nesse seu “Seminário sobre o Romance”, série de quatro encontros (que se estenderam até cinco), para discutir esse gênero onívoro... Milton Hatoum partiu de uma exposição brilhante, diferenciando inicialmente o romance do conto e da novela, para desembocar nas suas três realizações – Relato de um Certo Oriente, Dois Irmãos e o recentíssimo Cinzas do Norte (todos pela Companhia das Letras) –, passando por alguns mestres seus: Machado de Assis, Euclides da Cunha, Joseph Conrad, William Faulkner e, claro, Gustave Flaubert. Como durante décadas palmilhou, em suas aulas e em suas leituras, as Palmeiras Selvagens de Faulkner, o Coração das Trevas de Conrad, os Três Contos de Flaubert, as narrativas curtas de Machado e uma croniqueta de Euclides, os grandes momentos ficaram por conta das brechas em que o Milton Hatoum-autor transcendia o Milton Hatoum-professor e sua obra pessoal, de escritor, estabelecia intercâmbios com as peças desses gigantes. Como, entre a audiência da Casa do Saber, todo mundo parecia sentir o mesmo, o desejo foi unânime no sentido de que Milton reservasse uma aula exclusiva, ou um encontro exclusivo, para tratar desses assuntos (temas dos quais se esquivava elegantemente, com medo de transformar o “Seminário” num “divã”, conforme colocou). Quem esteve lá, teve a chance de entender um pouco como o arquiteto da FAU dos anos 70 se transformou no escritor – primeiro de um romance político (e memorialístico), abandonado; depois, do Relato... Teve também a oportunidade de penetrar na composição de Dois Irmãos; e na repercussão tão custosa para seu corajoso autor, que se viu rompido com um dos ramos da família oriunda de Manaus... E pôde conhecer, em primeira mão, a gênese das Cinzas do Norte; do conflito entre o artista que vai e o que fica; entre o que capitula e o que se entrega à mundanidade... Milton Hatoum não tinha, naturalmente, uma conclusão para a sua própria trajetória. Quando confrontado com a fatídica pergunta “valeu a pena?”, tergiversava... Talvez porque, como bom discípulo de Flaubert, lhe bastasse contemplar o quadro. Que assim seja então. [Comente esta Nota]
>>> Casa do Saber | Milton Hatoum na Casa do Saber (Blog) | Milton Hatoum na Livraria Cultura
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* Cultura Musical - Rubem Prates
(Qui., 19/9, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* O Investidor em Ação - Luiz Francisco Rogé Ferreira
(Ter., 20/9, 19h30, VL)
* A Tributação do Software no Brasil - Renato Lima Gonçalves
(Qui., 22/9, 18h30, CN)
* Duas Praças - Ricardo Lísias
(Qui., 22/9, 19hs., CN)
* O Publicitário Legal - Roberto Schultz
(Sex., 23/9, 19hs, VL)

>>> Shows
* Pocket Show - Simple Plan
(Seg., 19/9, 18hs., VL)
* Le Hot Club de Paris - Traditional Jazz Band
(Sex., 23/9, 19hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/11/2006
11h02min
Comentando num texto de mais de um ano, mas... quem se importa? O É Batata é foda, e o Fred (tenho o prazer de conhecê-lo pessoalmente) é gente boa pra cacete!
[Leia outros Comentários de Jorge Wagner]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO - VOL. 1
JOSÉ CARLOS BARBOSA MOREIRA
FORENSE
(1977)
R$ 39,90
+ frete grátis



ATITUDES VENCEDORAS
CARLOS HILSDORF
SENAC
(2003)
R$ 6,50



GUIA PRÁTICO PLANTAS AROMÁTICAS CULINÁRIAS MEDICINAIS COSMÉTICAS
LESLEY BREMNESS
CIVILIZAÇÃO
(1993)
R$ 41,77



O RIO DE JANEIRO DO MEU TEMPO - VOL. 1
LUIZ EDMUNDO
IMPRENSA NACIONAL
(1938)
R$ 90,00



O MANUAL DA CRISE
JOÃO CARLOS M. FERRAZ
ALFA-OMEGA
(2009)
R$ 40,00



UM DIA DAQUELES
BRADLEY TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2004)
R$ 6,00



PSICOLOGIA ATUAL E DESENVOLVIMENTO
PIERRE VAYER E CHARLES RONCIN
MANOLE DOIS
(1990)
R$ 50,00



TELENOVELA, CONSUMO E GÊNERO
HELOÍSA BUARQUE DE ALMEIDA
EDUSC
(2003)
R$ 28,00



RESIDENTIAL SPACES OF THE WORLD, V. 4
IMAGES PUBLISHING GROUP
IMAGES PUBLISHING
(2001)
R$ 70,00



MASCULINO / FEMININO: TENSÃO INSOLÚVEL
MARIA ISABEL MENDES DE ALMEIDA
ROCCO
(1996)
R$ 6,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês