Digestivo nº 299 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31067 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Coleção de arte sacra é destaque em leilão virtual
>>> Nova voz do samba, Thais Duran revela compositores paulistanos em seu primeiro disco
>>> Jornalistas da Rede Record debatem sobre "O que falta para o Brasil decolar?
>>> Yoga é tema de série de atividades no Sesc Belenzinho, entre 24 e 27 de agosto
>>> Grupo Palimpsesto homenageia Violeta Parra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Se está ruim para todos, seja melhor que os outros
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Não sei se ronco ou se babo
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Os 25 anos do SBT
>>> The rock'n'roll of our time
>>> Sobre o Jabá
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Hells Angels
Mais Recentes
>>> Teologia à caminho: fundamentação para o diálogo ecumênico
>>> Ao lado dos pobres: Teologia da Libertação
>>> Chega junto - Mauro Israel Moreira
>>> Watchaman nele ( O homem espiritual v. 1. 2. E 3)
>>> Empresas feitas para vencer
>>> Casamento Blindado
>>> O Que é Questão Agrária
>>> Iniciando uma Pequena Empresa Com Sucesso
>>> Redes Locais - o Estudo de Seus Elementos
>>> Introdução À Macroeconomia
>>> Introdução À Psicologia
>>> Morcegos Negros
>>> Programação e Métodos Computacionais Volume 1
>>> Hepatite C - Guia Prático para o Convívio Diário Com a Doença
>>> Memórias Anapolino de Faria - Histórias e Estórias
>>> Aventura Poética 1987-1988
>>> Que Nome Darei ao Meu Filho?
>>> Duas Opções - a Vida de um Pequeno Fazendeiro Num País Subdesenvolvido
>>> Até Que a Morte nos Separe
>>> O Fim dos Tempos
>>> Vito Grandam
>>> Beleza Negra (autobiografia de um Cavalo)
>>> Os Computadores! da Mesa de Areia ao Cérebro Eletrônico
>>> Parece Que foi Ontem - Global Juvenil
>>> Haidi - a Filha das Montanhas
>>> Filho da Liberdade
>>> Sigismundo do Mundo Amarelo - 8ª Edição
>>> Os Sete Ladrões de Bagdá/a Bela e a Fera/...
>>> Caçadas na África
>>> Ben-hur
>>> Encanto e Verdade
>>> Paraíso Infantil - Em 3 Volumes -1ª Edição
>>> A Verdade por Trás de o Código da Vinci
>>> Servir sem Medir
>>> Contos e Encontros
>>> Já Estava Escrito
>>> Um Santo, Esculpido pela Vida, Lapidado pela Dor
>>> A Sombra de Schumann
>>> Cinco Anos sem Chover
>>> Um Gosto de Quero Mais - 2ª Edição
>>> Minha Vida Como um Burrito Amassado Com Molho Extra de Pimenta
>>> Taras Bulba
>>> O Velho Carro e o Sonho
>>> Glorinha e o Mar - Coleção Jovens do Mundo Todo
>>> Filho da Rua
>>> Histórias do País de Ali-babá
>>> Álbum das Crianças
>>> Álbum das Crianças
>>> Uma Aventura na Idade Média (ficção:usos e Costumes de uma Época)
>>> O Guarany
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 6/10/2006
Digestivo nº 299
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Cinema >>> Tempos de glamour
No final dos anos 1960, no Brasil, era avant-garde afirmar que, em termos de MPB, “os Mutantes eram demais”. O grupo se dissolveu nos anos 1970 e levou a pecha de genial, por causa do trio-parada-dura de Rita Lee e dos irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista. Dos dois últimos, um se mudou para a Europa, entretendo-se com música instrumental e trilhas sonoras; o outro gravou álbuns “viajandões”, despirocou, e virou cult – a exemplo (sem qualquer intenção maldosa) de Syd Barrett, do Pink Floyd. Verdade seja dita: Rita Lee, que buscou caminhos para a música brasileira – no Brasil – terminou menos “festejada”, afinal de contas, santo de casa, que ainda por cima fica em casa, não faz milagres. “Aqui, ali e em qualquer lugar”, o CD recém-lançado pela moça dos cabelos vermelhos, chega portanto para extirpar qualquer dúvida acerca do talento, igualmente genial, de Rita Lee Jones. O disco contém regravações dos Beatles, em arranjos originalíssimos de Roberto de Carvalho, que, junto com a sua senhora, lançou as primeiras versões genuinamente brasileiras das canções dos Fab Four. A crítica vai implicar com as letras reescritas em português (coisa que os músicos previram, incluindo as faixas equivalentes – e intactas – em inglês). Não há como negar, porém, as surpresas, ao ouvir, por exemplo: “With a little help from my friends”, convertida em bossa nova; “All my loving”, em pura inspiração jobiniana, com piano minimalista de João Donato; “She loves you”, transformada em samba; “I want to hold your hand”, transfigurada em forró. Mesmo quando não mexe em “nada”, Rita Lee trata de recriar hits executados à exaustão, acrescentando nuances vocais e instrumentais, como em “Michelle” e “Lucy in the sky with diamonds”. Resumindo: é um CD impecável, que merecia vender feito pão quente. (Ainda que isso não aconteça, fica registrado que Rita Lee Jones é muito mais que a moça que, nos Mutantes, tocava pandeirinho vestida de noiva.) [Comente esta Nota]
>>> Um filme é para sempre
 



Literatura >>> Diversos instantes del reino
No final dos anos 1960, no Brasil, era avant-garde afirmar que, em termos de MPB, “os Mutantes eram demais”. O grupo se dissolveu nos anos 1970 e levou a pecha de genial, por causa do trio-parada-dura de Rita Lee e dos irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista. Dos dois últimos, um se mudou para a Europa, entretendo-se com música instrumental e trilhas sonoras; o outro gravou álbuns “viajandões”, despirocou, e virou cult – a exemplo (sem qualquer intenção maldosa) de Syd Barrett, do Pink Floyd. Verdade seja dita: Rita Lee, que buscou caminhos para a música brasileira – no Brasil – terminou menos “festejada”, afinal de contas, santo de casa, que ainda por cima fica em casa, não faz milagres. “Aqui, ali e em qualquer lugar”, o CD recém-lançado pela moça dos cabelos vermelhos, chega portanto para extirpar qualquer dúvida acerca do talento, igualmente genial, de Rita Lee Jones. O disco contém regravações dos Beatles, em arranjos originalíssimos de Roberto de Carvalho, que, junto com a sua senhora, lançou as primeiras versões genuinamente brasileiras das canções dos Fab Four. A crítica vai implicar com as letras reescritas em português (coisa que os músicos previram, incluindo as faixas equivalentes – e intactas – em inglês). Não há como negar, porém, as surpresas, ao ouvir, por exemplo: “With a little help from my friends”, convertida em bossa nova; “All my loving”, em pura inspiração jobiniana, com piano minimalista de João Donato; “She loves you”, transformada em samba; “I want to hold your hand”, transfigurada em forró. Mesmo quando não mexe em “nada”, Rita Lee trata de recriar hits executados à exaustão, acrescentando nuances vocais e instrumentais, como em “Michelle” e “Lucy in the sky with diamonds”. Resumindo: é um CD impecável, que merecia vender feito pão quente. (Ainda que isso não aconteça, fica registrado que Rita Lee Jones é muito mais que a moça que, nos Mutantes, tocava pandeirinho vestida de noiva.) [Comente esta Nota]
>>> Alfaguara
 



Música >>> Assai agitato
No final dos anos 1960, no Brasil, era avant-garde afirmar que, em termos de MPB, “os Mutantes eram demais”. O grupo se dissolveu nos anos 1970 e levou a pecha de genial, por causa do trio-parada-dura de Rita Lee e dos irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista. Dos dois últimos, um se mudou para a Europa, entretendo-se com música instrumental e trilhas sonoras; o outro gravou álbuns “viajandões”, despirocou, e virou cult – a exemplo (sem qualquer intenção maldosa) de Syd Barrett, do Pink Floyd. Verdade seja dita: Rita Lee, que buscou caminhos para a música brasileira – no Brasil – terminou menos “festejada”, afinal de contas, santo de casa, que ainda por cima fica em casa, não faz milagres. “Aqui, ali e em qualquer lugar”, o CD recém-lançado pela moça dos cabelos vermelhos, chega portanto para extirpar qualquer dúvida acerca do talento, igualmente genial, de Rita Lee Jones. O disco contém regravações dos Beatles, em arranjos originalíssimos de Roberto de Carvalho, que, junto com a sua senhora, lançou as primeiras versões genuinamente brasileiras das canções dos Fab Four. A crítica vai implicar com as letras reescritas em português (coisa que os músicos previram, incluindo as faixas equivalentes – e intactas – em inglês). Não há como negar, porém, as surpresas, ao ouvir, por exemplo: “With a little help from my friends”, convertida em bossa nova; “All my loving”, em pura inspiração jobiniana, com piano minimalista de João Donato; “She loves you”, transformada em samba; “I want to hold your hand”, transfigurada em forró. Mesmo quando não mexe em “nada”, Rita Lee trata de recriar hits executados à exaustão, acrescentando nuances vocais e instrumentais, como em “Michelle” e “Lucy in the sky with diamonds”. Resumindo: é um CD impecável, que merecia vender feito pão quente. (Ainda que isso não aconteça, fica registrado que Rita Lee Jones é muito mais que a moça que, nos Mutantes, tocava pandeirinho vestida de noiva.) [Comente esta Nota]
>>> Concertos Itaú Personnalité
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* O processo criativo na arquitetura - Apresentação do livro 'Samuel Kruchin'
Samuel Kruchin
(Seg., 09/10, 19h00, VL)

>>> Autógrafos
* Educação e Cooperação Internacional na Proteção do Meio Ambiente
- Liliana Allodi Rossit
(Sex., 06/10, 190, VL)
* Marcelino por Claudia - Claudia Matarazzo
(Ter., 10/10, 19h00, CN)
* Redução da Inadimplência no Setor da Educação
- Dorival dos Santos Machado
(Ter., 10/10, 18h30, MP)
* A Arte da Fraude - Maurício Ricardo Tinello
(Ter., 10/10, 19h30, VL)

>>> Shows
* Marcas de ayer - Adriana Mezzadri
(Sab., 07/10, 17h00, MP)
* Andarilho - Projeto B
(Dom., 08/10, 18h00, VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** Livraria Cultura Market Place Shopping Center (MP): Av. Chucri Zaidan, nº 902
**** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/10/2006
14h07min
Parece que os espanhóis não estão mesmo pra brincadeira. E quem ganha são os leitores. Seja bem-vinda, Alfaguara!
[Leia outros Comentários de Julio Cesar Corrêa]
8/10/2006
20h06min
Olá, ainda não li o livro do Ruy, mas sou de uma geração que passou bons momentos diante da tela da tv assistindo clássicos no Corujão, da Globo. Alguns diriam que foram tempos alienantes e uma perda preciosa de tempo. De certa forma, é isso mesmo. O cinema tem estas possibilidades: perder ou ganhar um tempo precioso; alienar ou conscientizar. E mesmo, apenas gozar... Seja como for, não há mesmo como entender esse fascinante século XX sem o cinema. Apenas para exemplificar: quer algo mais representativo desta sociedade neoliberal do que "O corte", de Costa-Gravas?
[Leia outros Comentários de Silvia Nogueira]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PENSAMENTO POLÍTICO DOS CONSTITUINTES ESTADUAIS DE 1975
LUIS EDUARDO REZENDE
ALERJ
(2000)
R$ 12,00



DISCIPLINA - LIMITE NA MEDIDA CERTA
IÇAMI TIBA
INTEGRARE
(2006)
R$ 35,00



PÁSSARO SEM ASAS
NEUSA OLIVEIRA CAMPOS E ELI SILVEIRA CAMPOS
DO AUTOR
R$ 10,00



SKETCHUP PRO 8
CLEBER REIS
VIENA
(2014)
R$ 12,00



PARA ENTENDER PIETRO UBALDI
JORGE DAMAS MARTINS E OUTROS
LACHATRE
(2012)
R$ 26,90



TEX OURO Nº 46
SERGIO BONELI
MYTHOS
(2010)
R$ 8,00



ADMINISTRAÇÃO HOLÍSTICA - A INTUIÇÃO COMO DIFERENCIAL
SUELY BRAZ COSTA
MARTIN CLARET
(2003)
R$ 13,00



O TEATRO NO BRASIL - J. GALANTE DE SOUSA (2 VOLUMES)
J. GALANTE DE SOUSA
MEC/INL
(1960)
R$ 90,00



DEUSES DE DOIS MUNDOS - O LIVRO DA MORTE
PJ PEREIRA
DA BOA PROSA
(2015)
R$ 55,50



HISTÓRIA DAS CRENÇAS E DAS IDEIAS RELIGIOSAS - TOMO I
MIRCEA ELIADE
ZAHAR
(1978)
R$ 33,30





busca | avançada
31067 visitas/dia
1,1 milhão/mês