Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
38108 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Punk 77: Tributo aos 40 anos do Punk com shows gratuitos em SP (29/7)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina de teatro e artes integradas para jovens e crianças na Bela Vista
>>> A artista Claudia Malaguti participa de coletiva no Centro Cultural Light
>>> MAIOR EXPOSIÇÃO DE POESIA DO BRASIL PROMOVE SARAUS NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO
>>> 2º Festival Cine Inclusão abre inscrições para oficinas de capacitação em cinema para idosos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
>>> Raízes II
>>> ITINERÁRIO (Poemeto kafkiano)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
>>> A revista Bizz
>>> Retratos da ruína
>>> A essência do sabor
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> Amar la Trama, de Jorge Drexler
>>> Com intervalos de música séria
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Para ler o Pato Donald
Mais Recentes
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Porta de entrada (Vol. I)
>>> O mercador de tapetes
>>> O Sári Vermelho
>>> Contos De Todos Os Cantos - Projeto Literário 2013
>>> Quem é Quem na Bíblia
>>> Bíblia Deus Conosco: Introdução à Bíblia
>>> Deus. Onde estás?. Uma introdução prática à Bíblia
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber
>>> Quem Mexeu No Meu Queijo?
>>> Química - Volume Único - 7ª ed. reformulada
>>> Diário de um Banana
>>> O Arco Íris De Feynman
>>> Meios de Comunicão e Democracia: Além do Estado e do Mercado
>>> Diário de um Banana, Rodrick é o cara
>>> A Escada Dos Anos
>>> A Quinta Estação
>>> O Teorema Katherine
>>> Nenê Bonet
>>> Greenwich Village 1963
>>> A Elite
>>> Pós Modernismo: A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio
>>> A Seleção
>>> Quando Nietzsche chorou
>>> Estudo da Filosofia Espírita
>>> Nietzsche para estressados
>>> O Degustador de Pamonhas
>>> Fronteiras do medo, quando Hollywood refilma o horror japonês
>>> O mundo de Sofia
>>> Casablanca, a criação de uma obra-prima involuntária do cinema
>>> Era Uma Vez no Spaghetti Western: o Estilo de Sergio Leone
>>> Maretenebrae: a queda de Sieghard
>>> O Menino que Perdeu a Magia
>>> Mundo de Fantas
>>> O Reino Dourado: Em Nome de Fanom
>>> Delírio, poesia e morte: a solidão de Álvares de Azevedo
>>> Livraria Limítrofe
>>> As HQs dos Trapalhões
>>> E Cuidado com o Sal
BLOG

Quinta-feira, 10/1/2008
Blog
Redação

 
crenças e contradições

Por que a gente nunca fica feliz por completo? Queria entender. Saber explicar. E tentar mudar. É que uma hora eu quero. Quero muito. Mas, logo em seguida, não quero mais. E isso é chato, meio complicado. Porque eu nunca sei direito o que eu quero e o que eu não quero. Então, a minha vontade é ficar parada. Sem querer e não-querer nada. Mas é até meio sem graça isso. E é nessas horas em que eu passo a achar tudo assim. Ao contrário de ontem. Onde a graça era maior que todos os maiores possíveis de se existir nesse universo que a gente conhece e no que a gente desconhece também. É uma inconstância que me trás traz umas dores, uns sentimentos que eu queria encarar como banais. Queria fechar os olhos e fingir não enxergá-los. Mas não há empecilho nada que os contenha. Eles não têm a dureza da minha pouca força. Da minha forçada determinação para mudanças. Eu preciso esquecer. Preciso lembrar. Preciso correr. Preciso ter calma. Quero um abraço. Quero abraçar. Queria me odiar um pouquinho menos. Porque eu me odeio muito, muito, muito. Porque eu não aceito as minhas perdas e nem acredito nas minhas conquistas. Como pode alguém ser feliz assim? O pior é que eu tenho a consciência plena... De tudo, ou quase tudo. De bastante coisa. Sabe o que eu faço pra mudar? Nada! Nadinha. Nada-nada-nada. E então eu me odeio mais ainda. Com as forças que tenho e com as que não tenho. Parece até que eu me realizo ao saborear esse gosto. Mas não é. E isso me faz odiar-me ainda mais. As minhas aparências para mim mesma. As minhas dúvidas de mim mesma. As minhas suspeitas de mim mesma.(...)

Giselle Lucena, no seu blog, que, claro, linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
10/1/2008 à 00h39

 
Japão: Um perto distante


Ninguém sabe ― Fátima Lima

O ano nem bem começou, mas já foi dada a largada para as homenagens ao Centenário da Imigração Japonesa, a ser comemorado em junho. Um exemplo é a exposição "JAPÃO: Um perto distante", no Espaço Nossa Caixa Arte e Cultura. Com curadoria de dois artistas japoneses, André Oliveira e Sheila Oi, que também apresentam obras na exposição, ela é composta por 13 jovens artistas e 17 obras que abordam a terra do sol nascente e a segunda maior economia do mundo.

Apesar de envolvidas pela mesma temática, elas apresentam influências distintas. São fotografias, xilogravuras, impressões digitais, lápis de cor, grafite, estêncil e cerâmicas que reúnem elementos da cultura japonesa contemporânea e tradicional. O mais interessante é quando conseguem fundi-las em uma mesma obra, como os leques, de Fátima Lima, um com uma leitura oriental (Ninguém sabe) e o outro ocidental (Continuam sem saber), ambos com kanjis em sua composição para mostrar o diálogo entre as duas culturas. As figuras de gueixas que se encontram em meio ao conflito entre desejos e deveres são influenciadas por gravuras e o teatro japonês. No leque com leitura oriental, não há uma estrutura narrativa, mas um ciclo. No outro, temos uma história e a evolução de sentimentos, tão conhecida por nós.


Ni gen sei ― Sheila Oi

Já o detalhado conjunto de peças de cerâmica Preto e Branco, de William Iamazi Ferro, é uma homenagem a dois personagens de um clássico do Mangá criado por Taiyo Matsumoto. As duas figuras se completam em uma referência ao Yin Yang. Como na obra original, retrata dois meninos de rua inseparáveis que moram em um cenário urbano dominado por gangues, sendo o Preto racional e, eventualmente, violento por necessidade. Já o Branco representa a inocência e tem uma mentalidade infantil e fantasiosa. A história de de Mtsumoto trata de amizade e equilíbrio entre o bem e o mal, na sociedade e dentro de nós, um dos pontos fundamentais da filosofia nipônica.

Outra obra interessante é História do mendigo, de Shin Moromisato, que é atravessada por outra narrativa, Corredor de Pedestres. A técnica utilizada chama atenção: o cliche-verre, confecção de negativo a partir da raspagem de uma superfície preparada, usando técnicas de grafismo ou frotage. O artista também utilizou a Van Dyk e cianotipia, técnicas de revelação e impressão de negativos a partir de misturas de compostos químicos fotossensíveis, relacionadas com o Mangá.

Para ir além
"JAPÃO: Um perto distante" ― Espaço Nossa Caixa Arte e Cultura ― Rua Álvares Penteado, 70, 2º mezanino ― Centro, São Paulo ― Até 11 de janeiro de 2008 ― De segunda a sexta, das 10h às 16h ― Entrada Franca ― Informações ― Tel.: (11) 3244-6838 ou 3244-6839

[Comente este Post]

Postado por Marília Almeida
9/1/2008 às 12h23

 
Esses foram dias felizes

Como numa casa de campo, passei meus dias de repouso. Casa cheia, cheiro de comida aguçando os sentidos o tempo todo. Ah, e a cerveja, a cerveja regada ao bem dará como os Deuses pedem. A paz e o silêncio existiam mesmo em meio a degladiações das incansáveis línguas. Lá, meus amigos, discos e livros faziam compania perfeita ao corpo cansado de seus limites. O anfitrião, soberbo de si, orgulhoso do lar construído, bigode anos oitenta, coração anos sessenta, talvez outrora um hippie desprendido da família em busca de aventura, agora um comandante do lar de mão cheia. A mãe era a mãe, bastava dizer isso, mulher de coração e alma, entregue ao bel prazer do lar, divertida e diversão. O cara, puro coração, uma flor no pantâno paulistano e, por quê não, mundial no qual nos encontramos. Não tão falador ou tão chamativo, porém de presença magnética. A caçula, meiga... a caçula, dona do encanto mistérioso que cerca esse tempo já distante nas brumas do passado, a caçula foi uma grata surpresa.

João, no seu blog, que linca pra nós.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
9/1/2008 à 00h08

 
Previsões para 2008



John "The Search" Battelle, em depoimento imperdível a Robert Scoble, sobre a internet em 2008.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
8/1/2008 à 00h21

 
Cicular

De volta das férias, retomo os posts. Um ótimo 2008 para todos.

Ricardo Lombardi, no seu blog, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
7/1/2008 à 00h36

 
7 bilhões e um réveillon

Após o natal, vem a tranqüilidade da capital mineira. Tranqüilidade que se estende até a quarta-feira de cinzas e toma forma de um enorme marasmo, capaz de fazer os mais nostálgicos sentirem falta do trânsito infernal, da poluição na Avenida Amazonas e daquela quantidade de gente fervilhando nas ruas.

De repente, todo mundo desaparece e BH volta ao que era há vinte anos. Num domingo desses, dá até para descer a Afonso Pena em carrinho de rolimã, ou comer pipoca no Pirulito da Praça Sete.

A cidade conta, oficialmente, com 2,3 milhões de habitantes. Nosso metrô é de fazer dó e, a cada dia, mais gente prefere arrumar um carro para ficar, confortavelmente, preso no engarrafamento, enquanto emite gás carbônico às pampas.

Todos os dias eu acordo e penso que somos muitos no mundo. Todos os meses, faço meu irmão (um douto demógrafo preocupado com a sociedade e o ser humano, ao contrário da irmã) relatar os índices do ibope em pormenores: quantos já somos? A quantos chegaremos em 10 anos? E em 50? Quando começaremos a ser menos? E faço os cálculos de mortes anuais no trânsito. Adiciono os 6 mil brasileiros mortos de tuberculose por ano, 3 milhões ao todo no mundo, mais um tanto por desastres naturais (furacões, tsunamis, terremotos e por aí vai) e chego à conclusão de que a natureza é sábia.

Meu irmão me diz que já chegamos aos 7 bilhões de pessoas em todo o globo. A expectativa caiu, graças a Zeus, nos últimos anos e não chegaremos a 12 bilhões como se acreditava, mas talvez a 10 bi. Ainda acho muito. Mesmo que me digam que a aceleração já parou e que, em 50 anos, o número começará a cair. Ainda assim, às vezes tenho pesadelos e imagino onde e como esses 3 bilhões de pessoas que estão por chegar se acomodarão. Os 3 bilhões de carros que vão querer ter, as casas que terão que ser construídas, a água que deverão usar, a energia e todos os benefícios a que qualquer pessoa deveria ter direito.

Nunca fui boa de números e menos ainda de distribuição espacial. Acabo tendo meus pesadelos, imaginando 3 bilhões de pessoas no meu quarto, dividindo não apenas o espaço, como também o ar que respiro. E me sinto sufocada.

Já convivo com 2 pessoas que se multiplicam exponencialmente durante férias, feriados, sábados e domingos. Após uma semana de convívio, começo a sentir uma comichão, uma vontade de me enclausurar na minha toca espaçosa de 12 metros quadrados. Sozinha. Não sei como conseguiria conviver com mais 3 bilhões de pessoas no mundo.

As pessoas precisam de um mínimo de distância para não enlouquecerem umas às outras. Até essa típica overdose familiar mineira irrita. E como irrita! Família é bom. Mas é melhor ainda quando há distância porque a gente passa a sentir falta e, quando encontra, não tem tempo para brigar.

Ok, nenhum homem é uma ilha. É verdade que depois de 8 meses de isolamento e falta de um abraço ou aperto de mão em país frio e franco, voltei ao Brasil com uma estranha e bizarra vontade de "me jogar para a galera". Nunca fui muito de futebol, mas realizei meu grande desejo num clássico com 80 mil pessoas no Mineirão: Cruzeiro e Flamengo em... 2003? Naquele ambiente único em que o contato físico é tão intenso que a gente sai do lugar sem precisar por o pé no chão. Flutuei, literalmente, enquanto a massa de torcedores me levava para a arquibancada. E, nessas horas, a "sobaqueira" toda vira perfume de rosas orvalhadas aos primeiros raios de sol da manhã. O suor da classe operária, dos trabalhadores braçais e dos intelectuais esportivos de domingo... Nunca pensei que pudesse cheirar tão bem. Como diria o Peter Gabriel, I have the touch.

Depois de saciada a necessidade tátil, voltei à condição sociopata, à ojeriza de atitudes pegajosas e a fugir de viagens de ônibus em horário de rush acebolado.

Sendo assim, eu deveria adorar a situação desértica de BH nesta entressafra de feriados e ficar por aqui. Por isso mesmo, não consigo entender essa tentação de passar o réveillon em meio a 2 milhões de criaturas que se estapearão nas areias de Copacabana ao som de fogos de artifício, mandingas e pedidos de paz e tranqüilidade.

Devo ser masoquista.

Masoquista ou não, feliz 2008 para todos, um abraço e... chega, já tá bom. Agora arreda um pouquinho prá lá, por favor.

[5 Comentário(s)]

Postado por Pilar Fazito
27/12/2007 à 00h31

 
O problema do escritor

Em O escritor e seus fantasmas Ernesto Sabato diz que o principal problema do escritor "Talvez seja o de evitar a tentação de juntar palavras para fazer uma obra. Disse Claudel [imagino que Camille, e não seu irmão] que não foram as palavras que fizeram a Odisséia, mas o oposto."

Sem querer de maneira alguma diminuir a questão levantada por Sabato, eu diria que o maior problema do escritor é a queda de energia. Acabei de perder um post, pois o estava escrevendo no Bloco de Notas. É que não gosto de escrever no Word. Na verdade, nem no micro, gosto mesmo é de escrever no papel. Mas, a partir de agora, usarei o Word, quando estiver escrevendo no pc.

Assim, colocaria o "evitar a tentação de juntar palavras" em segundo lugar na lista de problemas do escritor.

[1 Comentário(s)]

Postado por Rafael Rodrigues
26/12/2007 às 03h08

 
Ria, periferia!

"A princípio, acho que nós, da periferia, somos tratados como se morássemos em outro país, um país considerado menor, na visão dos seus colonizadores. Somos a Palestina Brasileira. E como palestino me sinto no direito de lutar pelo meu território. Com pedras e poemas."

Sérgio Vaz, em entrevista a Danilo Siqueira, no Le Monde diplomatique-Brasil.

[Comente este Post]

Postado por Elisa Andrade Buzzo
25/12/2007 às 10h08

 
Surdão no monge

"Quando ele se inclinou aproximando a cabeça careca e brilhante um pouco mais perto de minha órbita, saltei de repente e dei um tapão na sua orelha com a palma da mão esquerda. Ela estava levemente dobrada em forma de concha, para proporcionar o máximo de energia ao impacto. Um volume isolado de ar é conduzido subitamente pela trompa de Eustáquio até o meio do cérebro em velocidade quântica, provocando dor, medo e insulto extremo ao tecido.

O monge cambaleou de lado e gritou, segurando a cabeça, agoniado. Depois caiu no chão e me xingou. 'Seu porco!', berrou. 'Por que me bateu e arrebentou meu tímpano?'"

Hunter S. Thompson, em Reino do medo (meu presente de Natal para mim mesmo), dando um surdão num monge, depois de um questionamento filosófico.

[Comente este Post]

Postado por Rafael Rodrigues
25/12/2007 às 06h12

 
Papai Noel de saco cheio

Em outubro, quase novembro, vi na TV uma propaganda com temas natalinos. Custei a crer. Será possível? Cheguei a conferir a data no relógio. Meu Jesus Cristinho, nem bem atravessamos a primavera e as lojas já começam a fazer a cabeça do consumidor. Nem vou tocar no assunto "religiosidade". Não vale a pena. O negócio é mesmo o consumo.

De outubro para cá, o número de cenas de árvores de Natal só aumentou na telinha. Meu filho, que não sabe bem do que se trata (ainda), pensa que Natal é sinônimo de luzes piscantes. Chama qualquer lanterna estragada de Natal. Por mim, tudo bem. Mas já andou perguntando sobre Papai Noel. Na dúvida, alimentei a fantasia. Qualquer coisa que ele peça, inclusive comer leite condensado na colherzinha, é atribuição do Papai Noel.

O shopping mais próximo da minha casa é bem na frente da obra da Linha Verde. Chegar até lá é uma cruzada cheia de aventuras. Atravessar a avenida leva alguns minutos, bastantes minutos, diga-se. E entrar naquele lugar é uma festa para os sentidos: cheiro de perfume nacional, coxinha e empada, decibéis acima do suportável, engarrafamento nos banheiros, preços nas alturas. As lojas novas já aparecem dos cantinhos mais improváveis. Ampliação do shopping bem na época do Natal, claro.

Mas Natal é muito chato. Ninguém mais acha não? Pois eu me regalo é com outras épocas do ano. Para quem não curte confusão e programa tosco, Belo Horizonte é o melhor lugar para se estar no Réveillon e, especialmente, no Carnaval.

As festas de família pipocam e as estatísticas de roubo de carros e arrombamentos vão ao auge nestas épocas. No Natal, muita festinha na varanda, muita bebedeira no quintal, muito acionamento de seguro, essas coisas. As famílias gastam alguns encontros definindo o amigo oculto, faixa de preço de 30 reais, bolsa de oncinha, carteira de couro sintético, CD do Calypso, não é? Comelança, como diz um amigo. Detesto comida salgada misturada com doce. Não como passas no arroz à grega. Dá um trabalhão separá-las no canto do prato. Azeitona preta me dá azia. Não suporto nem o cheiro do panetone. Come, come, bebe, bebe. E eu que não tomo cerveja de nenhuma espécie? O jeito é participar, bater papo e não ligar muito. Torcer para o dia passar, aí vem o réveillon. Fogos de artifício e meu filho morrendo de medo. Medo de foguete, acho.

Presente meia boca, declarações de amor insossas, até mesmo falsas. Viagens de férias para disputar sombrinha na areia de alguma praia. Aventura no deserto. E BH mais nossa. Cinema à vontade, vaga para parar o carro na rua, até os flanelinhas vão para Cabo Frio. As moças compram biquínis caros e fazem marquinhas de bronzeamento na altura da anca. Uma graça.

Papai Noel deve estar de saco cheio. Meu filho só pensa em Hot Wheels. Tudo é carrinho. Não pode ver uma linha atrás da outra que diz que é pista. Não pode abrir a porta de casa que quer ver carro batido. Impressionante. E a gente compra Maisto pra ele pensando que engana. É que nem quando minha mãe me deu um Bamba no lugar de um All Star. Pensou que enganava minha sede de consumo da marca bacana, dos tênis de cano alto, mas se deu mal. Ou eu é que me dei mal. Não é que Bamba fosse ruim, o nome é até mais bacana, mas é que a grife não era aquela norte-americana. Não é não?

E lá vou eu comprar presentes. A família cresceu em 2007. São irmãos e seus pares, filhos, enteados, tios bacanas, retribuição de favores. Lá vou eu procurar bagulhos bacanas pra marcar esta data. Todo mundo louco pra ver 2007 pelas costas. Não foi um ano bom para muita gente. Demissão, assalto, seqüestro, é isso aí, mas deu pra esconder uma graninha dos bandidos que entraram em casa. A mensalidade da escolinha aumentou. Ano que vem serão 15 reais a mais por mês. Por enquanto. Lá vou eu. Mas eu bem que gosto de ir às feiras de artesanato chique. Lá eu compro presentinhos mais baratos e exclusivos para as pessoas de que realmente gosto. Há outras tantas que bem mereciam um presente, mas a grana está curta, não dá pra sair da intenção tão cedo.

Natal é isso aí. O trabalho dá um tempo, a escola pára, não tem correria pra levar criança para a escola, a tia e a avó vêm do interior, a cidade fica intransitável. Papai Noel pede demissão a qualquer momento.

[1 Comentário(s)]

Postado por Ana Elisa Ribeiro
24/12/2007 à 00h25

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CINCO NOVELAS EXEMPLARES - MIGUEL DE CERVANTES (LITERATURA ESPANHOLA)
MIGUEL DE CERVANTES
ARTE E LETRA
(2012)
R$ 18,00



RASTRO DA FÉ
MARTHA HUMBARD
BETÂNIA
(1980)
R$ 49,90
+ frete grátis



O TERRAÇO E A CAVERNA
MAURÍCIO LIMEIRA
FUNDAÇÃO CULTURAL DO ESTADO DO PARÁ
(2016)
R$ 27,00
+ frete grátis



MACHADO DE ASSIS - MELHORES CRÔNICAS
MACHADO DE ASSIS
GLOBAL
(2003)
R$ 20,00



DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E O VATICANO II
LUIZ GONZAGA SCUDELER
PAULUS
(2014)
R$ 17,00



REVELAÇÕES - ASSASSIN'S CREED
OLIVER BOWEN
GALERA
(2013)
R$ 12,00



A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - OS 2174 DIAS QUE MUDARAM O MUNDO
MARTIN GILBERT
CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 35,00



TRABALHO CORPORAL INTUITIVO
LOIL NEIDHOEFER
SUMMUS
(1994)
R$ 14,00



O LIVRO DAS ATITUDES
SÔNIA CAFÉ
PENSAMENTO
(1992)
R$ 15,75
+ frete grátis



HAMLET - ADAPTAÇÃO DE LEONARDO CHIANCA
WILLIAM SHAKESPEARE
SCIPIONE
(2002)
R$ 27,90





busca | avançada
38108 visitas/dia
862 mil/mês