Hilda Hilst | Helena Vasconcelos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O tempo de Paulinho da Viola
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
Mais Recentes
>>> Resgate Cultural - Estrada Real de Sebrae Minas Geraes pela Sebrae/ Mg (2006)
>>> A Biografia Kelly Slater Pipe Dreams de Kelly Slater - Jason Borte pela Gaia (2004)
>>> Dossiê Iphan 1 de Círio de Nazaré pela Iphan (2006)
>>> Ilhas do mundo - volta aos paraísos de Paulo Ferreira pela Volta ao mundo (1997)
>>> Os Últimos Dias de Stefan Zweig de Laurent Seksik pela Gryphus (2015)
>>> 40 Anos uma sinfonia em verde de Varios Autores pela Keren kayameth lelsrael (1960)
>>> Marketing no Varejo de Eliane Doin e Edson Paes Sillas pela Ibpex (2010)
>>> O Investimento Português no Brasil - História e Atualidade de Henani Donato e Luiz Felipe Lampreia pela Camara Portuguesa de Comercio (2003)
>>> Zum 11 -revista de fotografia de Ims pela Ims (2016)
>>> The Last Whole Earth Catalog de Stewart Brand pela Random House (1971)
>>> Segredos De Pai Para Filho- Como a perseverança a ousadia e a Fe Podem.. Administração de Reinaldo Morais pela Connect (2019)
>>> O Egito dos Grandes Faraós de Christian Jacq pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Whole earth epilog de Vários autores pela Point (1974)
>>> Ideias Para Revolucionar Sua Vida -Admistração de Alan G. Robinson e outro pela Gente (2005)
>>> 5 S Praticando os Cinco Sensos - Administração de Reginaldo P. Lapa e outros pela Qualitymark (2012)
>>> Lição de Vida de Paulo Alexandre Barbosa pela Canção Nova (2010)
>>> Geração de Valor - Compartilhando Inspiração - Administração de Flavio Augusto da Silva pela Sextante (2014)
>>> Guia dos Parques Municipais de São Paulo de Assessoria de Comunicação Svma pela Prefeitura Municipal Sp (2010)
>>> A escolhida (O Doador de Memórias – Livro 2) de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Orbita del ballet nacional de cuba/1948-1978 de Miguel cabrera pela Orbre (1978)
>>> Passaporte Para O Inferno de Célhia de Lavarène pela Francis (2008)
>>> Apoliom - O destruidor está Solto de Tim Lahaye & Jerry B Jenkins pela United Press (2000)
>>> Histoire générale des religions - introduction générale primitifs ancien orient indo - européens de Maxine Gorce e Raoul Mortier pela Maxine Gorce e Raoul Mortier (1951)
>>> Recursos Minerais da região amazônica de Clara Martins Pandolfo pela Spvea (1955)
>>> Pérola Imperfeita: A História e as Histórias na Obra de Adriana Varejão de Lilia Moritz Schwarcz pela Companhia das Letras (2014)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/4/2004
Hilda Hilst
Helena Vasconcelos

+ de 4200 Acessos

Hilda Hilst morreu e com o anúncio da sua passagem chegou a primeira edição portuguesa de uma das suas obras, Cartas de um Sedutor, tornando assim possível o seu descobrimento, a revelação de um corpo de escrita feito de esplendor e estranheza. Embora fosse personagem controversa com estigmas de provocadora, obscena e amaldiçoada, Hilst é um monstro sagrado no Brasil e o seu desaparecimento provocou um pesar genuíno e intenso entre os seus múltiplos amigos e admiradores.

Hilst nasceu em Jaú, Estado de S. Paulo, a 21 de Abril de 1930. O seu pai, o poeta, ensaísta, jornalista e fazendeiro Apolónio Prado Hilst - filho de um emigrante oriundo da Alsácia-Lorena - foi, segundo as palavras da poeta, o seu "único grande amor", aquele a quem ela dedicou Do Amor e cuja imagem atravessa como um anjo meteórico as suas múltiplas páginas mais ardentes. Apolónio tornou-se desde muito cedo um ser emblemático para Hilda, apesar de (ou por causa de) os pais se terem separado logo após o seu nascimento. A mãe, Bedecilda Vaz Cardoso, de ascendência portuguesa, levou-a consigo e ao meio irmão Ruy Vaz Cardoso, filho de um casamento anterior, para Santos, onde Hilda passou os primeiros anos de vida. Foi aos quatro anos que recebeu a primeira visita do pai, ao qual, no ano seguinte, foi diagnosticada uma esquizofrenia paranóica. Foi aos sete anos, quando ingressou no Colégio interno Santa Marcelina em S.Paulo que a mãe lhe revelou a doença e a situação do pai, entretanto internado num hospício. Em 1945 mudou-se para um apartamento com Marta, a governanta, e iniciou estudos na área dos clássicos na Escola Mackenzie onde conheceu Gisela Magalhães, futura arquitecta e amiga de toda a vida. Foram tempos de preparação, de descoberta: visitou o pai na Fazenda Olhos d'Água em Jaú e em Carta ao Pai escreveu mais tarde, lembrando o encontro: "Só três noites de amor, só três noites de amor", implorava o pai, sim, o pai, ele nunca fizera uma coisa como essa, sim, era Jaú, interior de São Paulo, um dia qualquer de 1946, sim, a filha deslumbrante, tremendo em seus 16 anos, sim, o pai a confundia com a mãe, a mão dele fechada sobre a dela, sim, o pai a confundia com a mãe, a confundia, sim?..."

Aquele desejo intenso, o grito desesperado de um homem que via nela a imagem de um amor perdido nas sombras da solidão e da demência, o objecto de um sonho mau teve um efeito devastador e simultaneamente libertador do seu ardor poético. De volta a S.Paulo matriculou-se na Faculdade de Direito e deixou-se envolver pela vida boémia e artística da capital. Hilda era de uma beleza assombrosa e despertava inúmeras paixões com o seu temperamento que contrariava as regras da boa sociedade paulista. A cidade fervilhava de actividade artística e Hilda a todos encantava com a sua fogosidade e descomprometimento. Vinicius de Moraes foi um dos poetas que se deixaram arrastar pelos encantos dessa jovem que parecia conter toda a essência da mulher e da escritora. Nos anos que se seguiram publicou os seus primeiros livros, Presságio (1950) e Balada de Alzira (1951) e foi escolhida, entre os alunos da sua Faculdade para saudar Lygia Fagundes Telles, quando esta lançou o livro de contos O Cacto Vermelho no Salão de Chá da Casa Mappin onde decorria, também, uma homenagem à poeta Cecília Meirelles. Hilda e Lygia tornaram-se amigas e este encontro (1949) que antecedeu por pouco tempo a sua estreia como autora pode ter influenciado a jovem, embora seja quase certo que Hilda já estava segura das suas opções, pelo menos no que diz respeito à escrita. Aliás, Lygia Fagundes Telles recorda-se que Hilda se apresentou da seguinte forma: "Sou poeta."

A mulher deslumbrante em que se tornara passou os anos seguintes numa vertigem de amores turbulentos que faziam parte de uma vida social intensa. Apesar de ter terminado a Licenciatura em Direito e de ter trabalhado num escritório de advocacia, cedo compreendeu a sua feroz incompatibilidade com uma carreira dedicada às leis. Optou por viajar, primeiro para a Argentina e Chile com uma amiga Théa Müller Carioba e depois, em 1957, para a Europa, novamente com amigas. Permaneceu seis meses em Paris, namorou com Dean Martin e tentou conquistar Marlon Brando, fazendo-se passar por jornalista. De volta ao Brasil continuou a sua vida de contacto com o mundo artístico. Publicou poesia, Roteiro do Silêncio e Trovas de muito amor para um amado senhor que chamaram a atenção de gente da MPB que andava às voltas com as cadências de sambas e novas arremetidas da música brasileira. O primo de Hilda, José António de Almeida Prado compôs "Canção para Soprano e piano" mas foram cantores populares como Adoniran Barbosa e Gilberto Mendes que foram buscar a sua inspiração aos versos meio tristes e sensuais de Hilda. Barbosa vinha do popular bairro italiano de Bexiga em S. Paulo e tornara-se famoso pelas cantigas que celebravam na rádio a vida da gente da rua. A sua carreira levou-o ao contacto com intelectuais como Hilst e o fascínio que ela exercia levou-o a compor sambas-choro a partir de textos da autora, tais como "Quando te achei" e "Quando passas por mim". Mendes, que compôs a peça Trova I era diferente, um erudito que estudara no Conservatório de Santos, fora discípulo de Villas-Lobos e estudara composição na Europa com Henri Pousseur, Pierre Boulez e Stockhausen. Esta referência tem importância para entender como o canto de Hilst impregnava os vários sectores artísticos do seu país, fascinando todos os que com ela privavam. Anos mais tarde em Alcoólicas (1990) escreverá: "É crua a vida/ Alça de tripa e metal/ Nela despenco: pedra mórula ferida/É crua e dura a vida. Como um naco de víbora." Um reflexo, talvez, da sua insatisfação nesse momento, simultaneamente embriagador e perigoso.

A partir de 1962 operou-se uma mudança na vida de Hilda. A consagração surgiu com o Prémio Pen Clube de S. Paulo. Frequentava o Clube dos Artistas onde se reunia a inteligentsia da cidade e onde conhece o físico nuclear e crítico de arte Mário Schemberg, um homem de esquerda que ela chegou a esconder em sua casa quando ele se encontrava em perigo de ser preso por oposição à ditadura militar. Mas foi o seu amigo, o poeta português Carlos Maria de Araújo que lhe ofereceu um livro que mudou o curso da sua existência. Tratava-se de Cartas a El Greco de Nikos Katantzakis, uma obra que a impressionou tão fortemente que a levou a tomar a decisão de abandonar S. Paulo. Conheceu o escultor Dante Casarini, com quem se casou alguns anos depois, e com ele refugiou-se na Fazenda S. José, em Campinas, iniciando nessa propriedade que pertencia a sua mãe, a construção da futura Casa do Sol, onde viveu o resto dos seus dias. Em 1966 morreu-lhe o pai e a sua vida virou-se inteiramente para a escrita e para os amigos que a visitavam e passavam largas temporadas em sua casa. Em 1967 iniciou a sua produção teatral, onde se incluem A Empresa (A Possessa) e O Rato no Muro, As Aves da Noite, O Verdugo, A Morte do Patriarca. Escrevia na recentemente construída "Casa da Lua", uma outra habitação na praia, onde passa algum tempo, sempre rodeada de seus muitos cães e gatos que sempre a acompanharam até à morte. Em 1970 publicou o seu primeiro livro de ficção Fluxo-floema, reconhecido como obra totalmente inovadora, e dedicou-se durante uns anos à pesquisa - instigada pela leitura de Telefone para o Além do pesquisador sueco Friedrich Jurgenson - de sons (vozes) inexplicáveis para a ciência que ela registava num gravador. Comunicou as suas descobertas aos Físicos César Lattes e Newton Bernardes, ambos seus amigos. E continuou a escrever, sucedendo-se as publicações e os Prémios. A sua poesia evoluiu para uma linguagem simultaneamente metafísica e sensual feita de fúria e de ternura magoada. Quando, numa das raras entrevistas que deu lhe perguntaram se a sua Poética sempre foi a do desejo, Hilda respondeu: "Daquele suposto desejo que um dia eu vi e senti em algum lugar. Eu vi Deus em algum lugar. É isso que quero dizer". Mas, para a poeta Deus era, também, um "sádico imperfeito" que lhe proporcionava epifanias deslumbrantes e as maiores torturas. Essa ânsia que perpassa os seus versos feita de corpo, carne, dor e poder delirante dos sentidos é sempre atravessada por uma persistente dúvida filosófica sobre o Tempo, a Morte, o Amor, o Medo e a Angústia. A sua reflexão passava pelas meditações taoistas, pelos labirintos das ficciones borgeanas e pelas visões miltoneanas, enquanto se deslumbrava com a lírica camoneana do amor. Ela procurava um "silêncio" no meio do tumulto e a escrita era um "trabalho" - como ela própria lhe chama - que consubstanciava essa refrega. Alcir Pécora, que prefaciou as reedições (iniciadas em 2001) da obra de Hilst, escreveu: "A elocução hilstiana passa pelos lugares poéticos do tempus fugit e do ubi sunt. mas não são eles que articulam os principais sentidos dos cantares. Nestes, o tempo do efémero revela tinturas de sangue; presságios de golpes dolosos, instrumentos de corte, alusões a tortura.; tensionam e assombram o lugar que nunca é ameno. Tal é o campo de batalhas do Ódio-Amor, assentado em vasto repertório da tradição lírica ibérica. Pode-se tentar defini-lo como um desejo de sublime que esbarra com outro, cego, furioso, que é, também, por vezes, arquitecto de armadilhas, emboscadas e redes". (Cantares, Globo, 2002).

"Se não fosse a morte, quem sabe não teríamos o nosso sexo assim como ele é, nosso sexo seria uma flor azul belíssima sobre a fronte", escreveu Hilda. Em 1985 divorciou-se de Dante Casarini que, no entanto, continuou a viver na Casa do Sol, amigo eterno e cúmplice. Hilda bebia, escrevia e continuava a publicar a um ritmo intenso. Em 1991 conheceu o escritor e crítico literário Edson Costa Duarte (que prontamente se mudou para a Casa do Sol) e, em 1994, ganhou o Prémio Jacubi. No mesmo ano os seus Contos de Escárnio foram traduzidos para francês, pela Gallimard. Em 1995 o Centro de Documentação do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp adquiriu o seu arquivo pessoal e, em 1999, Hilda inaugurou sua página na Internet, idealizada pelo amigo escritor e crítico Yuri Vieira Santos.

Durante os últimos anos, Hilda gostava de ver novelas (apesar de dizer detestar o "pieguismo"), passava o tempo com os seus múltiplos animais e sofria de uma esquémia cerebral. A cultura popular apoderou-se da sua figura excêntrica e a reedição em 2000 de Cascos & Carícias, um volume de crónicas, tornou-a acessível a um público mais vasto que se divertiu com o seu humor corrosivo e sua inteligência sarcástica. "In dog we trust" foi uma das suas divisas que ficou a marcar um imaginário burlesco, tão acutilante como um bisturi que destruía de vez os lugares comuns de uma maioria bem pensante. "Livrai-me, Senhor, dos abestados e atoleimados" assim termina A Obscena Senhora D. Um perfeito epitáfio para Hilda Hilst, senhora de muitos cantares e de liberdade na Terra. Mas foi ainda o pai que lhe disse, um dia: "A perfeição é a morte".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente na Revista Storm, editada por Helena Vasconcelos em Portugal. (Foi mantida intacta também a grafia original.)


Helena Vasconcelos
Lisboa, 12/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Restos, por Mário Araújo de Ricardo de Mattos
02. O brilho do sangue de Rafael Rodrigues


Mais Helena Vasconcelos
Mais Acessadas de Helena Vasconcelos
01. Mary McCarthy - 18/12/2002
02. A autobiografia de Gabriel Garcia Márquez - 28/4/2003
03. Marguerite Yourcenar: a última aristocrata - 5/5/2003
04. George Sand faz 200 anos - 25/5/2004
05. Francis Bacon - 26/2/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Pública
Barreto Guimarães (dedicatória)
Cepe (recife)
(1974)



Xvii Salão Carioca de Humor
Diversos Autores
Casa de Cultura Laura Alvim



Reforma Agrária
André Carvalho e Jussara Gonçalves
Fae
(1988)



Muito Mais Que Cinco Minutos
Kefera Buchmann
Paralela
(2015)



Coelho Criação Caseira
Irineu Fabichak
Nobel
(2004)



Vademecum del Test de Rorschach
Ewald Bohm (capa Dura)
Morata (madrid)
(1972)



Carlos Gardel, Lunfardo e Tango
José Lino Grünewald
Nova Fronteira



Iv Congresso do Centro de Arbitragem da Câmara de Comércio e Indu
Antonio Menezes Cordeiro e Outros
Almedina (coimbra Portugal)
(2011)



Armas, Etnias, Terrorismo, Estado
Política Externa Vol 13 Nº 1 Agosto de 2004
Paz e Terra (sp)
(2004)



Santa Juana de Arco - Tercera Edicion
Jose Barbanza (capa Dura)
Editorial Atlantida
(1950)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês