Leitura-tartaruga | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cabelo faz finissage no BNDES Rio
>>> Palombar realiza temporada gratuita em Cidade Tiradentes durante o mês de Junho.
>>> VIVA NANÁ! homenageia o saudoso percussionista pernambucano Naná Vasconcelos no Sesc 24 de Maio
>>> Nesta quinta-feira, consumidores da capital poderão adquirir milhares de produtos com descontos
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
>>> Links & Links
>>> A suprema nostalgia
>>> O mundo aos olhos de um pescador
>>> A vingança dos certinhos
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
Mais Recentes
>>> Tá Gravando. E Agora?
>>> Via Pulchritudinis. O Caminho da Beleza
>>> O Conto da Ilha Desconhecida
>>> O Pomar das laranjeiras
>>> O Vendedor de Sonhos - O chamado
>>> Deus que Vem ao Homem. Da Aparição ao Nascimento de Deus. Aparição - Volume 2
>>> Descuidos Anacronismos e Equívocos
>>> Efficient Economic Growth
>>> O Cão Fantasma
>>> Brida
>>> A Foca Branca
>>> Quem Mexeu no Meu Queijo
>>> Hobbes. Coleção Passo-a-Passo Filosofia
>>> Capoeira
>>> Depressão!?!?!
>>> Viagem
>>> Matadouro 5
>>> Infância
>>> Memórias do Cárcere - 02 vols.
>>> O diário de
>>> Philobiblon
>>> Alexandre e outros heróis
>>> Insônia
>>> Vidas Secas
>>> Viventes das Alagoas
>>> Unidos Para Sempre
>>> Textos Clássicos de Português Contemporâneo
>>> Debates Sociais 63/64 Desafios - Araxás 30 Anos Depois
>>> Mandado de segurança - Técnica Processual - VOl. 3
>>> Análise Económica e Financeira de Projectos
>>> Cravo e Canela
>>> Luxúria
>>> Echos de Paris
>>> Tijolo de Segurança
>>> Amar, Verbo Intransitivo
>>> O Continente- Tomo 1
>>> Sebastiana Quebra-Galho
>>> As Origens da Cabala
>>> O Simbolo Secreto
>>> O Simbolo Secreto
>>> Deus Não Está Morto
>>> Die Botschaft der Nahrung
>>> Asterix e os Normandos
>>> Asterix na Hispania
>>> Rio Bossa Nova
>>> 1001 Livros Para Ler Antes de Morrer
>>> Dom Quixote
>>> Casa-grande & senzala
>>> Os Clássicos da Política 2
>>> Os Clássicos da Política 1
COLUNAS

Quarta-feira, 27/4/2005
Leitura-tartaruga
Daniela Sandler

+ de 3200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Numa das muitas cenas memoráveis do documentário Derrida (2002), o filósofo francês Jacques Derrida mostra às câmeras sua biblioteca particular: estantes apinhadas de livros, livros escorrendo pelos cantos. Teria o filósofo lido todas essas obras tão complexas? Não, diz Derrida. "Eu li apenas uns dois ou três livros. Mas os livros que eu li, eu li muito, muito bem." É claro que Derrida leu mais do que três livros - é claro também que ele leu muito mais livros do que a maioria das pessoas. E, sem dúvida, leu todos com atenção e profundidade. Mas, com a mistura de ironia e enigma que permeia também seus escritos, a declaração do filósofo não era uma asserção literal. Era, sim, um comentário sobre a superficialidade e a ligeireza com que se pratica a "leitura" atualmente.

Quantos de nós paramos para ler a resenha de três páginas do "Mais!", a coluna de quinze parágrafos do Digestivo, os tomos de história ou filosofia na prateleira, o clássico esperando na cabeceira da cama? Não é culpa apenas da falta de tempo, de preguiça ou cansaço, ou do "estresse da vida moderna" (como se a vida antiga, com guerras e escravidão e barbarismo, não tivesse seus estresses também!). Para cada matéria esparramada do "Mais!," a Folha publica cem outras materinhas curtas ou curtíssimas. Como em quase todos os jornais e revistas, o tamanho das notícias diminui no curso dos anos, perdendo espaço para anúncios, imagens, e até mesmo margens em branco. A filosofia? Não assustar o leitor com um mar infindável e nebuloso de letras. Os nossos olhos desacostumados provavelmente achariam engraçado, até desatino, o comprimento dos textos dos jornais de cem anos atrás. A notícia, hoje, vem empacotada no primeiro parágrafo - diz o ibope que a maioria dos leitores não passa da manchete.

Ler na diagonal

O pouco espaço dos jornais ecoa o parco tempo das reportagens televisivas e a parcimônia de boletins on-line. Se a prática condiciona nossos hábitos, então estamos sendo treinados a ler sobre cada vez mais assuntos cada vez mais rápido cada vez menos. A pressa não é exclusiva à cultura cotidiana do jornalismo e da publicidade. Até mesmo nos redutos onde poderíamos ter a chance de nos aprofundar, de nos demorar sobre um texto - nas salas de aula, nas universidades, nos seminários e conferências - a regra é a leitura dinâmica.

É comum um curso de graduação norte-americano pedir que os alunos leiam de cem a trezentas páginas por semana, obras complexas de literatura, filosofia, sociologia, história. Juntando todos os cursos que um aluno faz por semestre, o volume pode ser três ou quatro vezes maior. As duas ou três horas de aula por semana não são suficientes para a discussão de todos os textos lidos. Os professores justificam: os alunos precisam aprender a fazer leitura dinâmica. A "ler diagonalmente" (read diagonally). A "dar uma olhada superficial" (skim). Isso se aplica não só a alunos de graduação - que, muitas vezes, querem apenas um diploma profissional e nada mais com a academia -, mas também a pós-graduandos, cuja vocação é o mergulho na pesquisa e teoria. Fazer um doutorado, segundo alguns professores, é aprender a fazer leitura dinâmica. Senão, de que outra maneira se pode dar conta do imenso volume de textos e obras publicados no campo estudado? É preciso, afinal, mostrar domínio do campo, autoridade sobre o conhecimento; é preciso mostrar que se sabe e que o que se escreve não é igual a nenhum outro texto já publicado. O caso é que "domínio do conhecimento," aqui, equivale a quantidade, e não conteúdo.

Não admira, então, que nós, pesquisadores ou não, tenhamos esta atenção tão curta. Como disse antes, não por preguiça, mas para dar conta da torrente de informação e idéias e publicações que avança e se acumula ao nosso redor. Há, sim, obras compridas na lista de mais vendidos - mas são em geral a leitura fácil de humor, auto-ajuda, panfleto político de Michael Moore ou diário feminino. Como disse Derrida tão sinteticamente, o problema não é a quantidade ou a extensão do livro, mas o modo como lemos.

Com mais delongas

Eu às vezes me sinto tão antiga e empoeirada como livro em canto de sebo. Teimo em refletir sobre cada parágrafo diante de meus olhos em vez de galopar sobre a página. Insisto em reler certas frases tantas vezes quantas forem necessárias para desencavar seu sentido. Faço questão de vagar meu pensamento, conectando o autor que tenho em mãos com outros autores lidos no passado. Regresso a páginas viradas para cotejar as diversas partes de um texto e compreender a estrutura e a progressão da obra toda. Não deixo escapar nenhuma palavrinha, uma vírgula que seja ou nota de rodapé. Anoto nos cantos, sublinho, marco páginas, transcrevo longas citações. Nesse meio tempo, meus colegas já dominaram três livros, dois artigos científicos e dois periódicos semanais. Chocados, incrédulos, tentam entender o que é que eu faço que consigo ler apenas uma média de dez páginas por hora - isso, nos dias em que estou muito veloz. Meu recorde? Trinta, na época de muita prática. E eu, que nunca tinha parado para contar até então...

Mas essa coisa de querer entender muito, muito bem um livro não funciona na nossa cultura por atacado. Eu temo, por exemplo, que se pular partes de um livro talvez perca uma passagem fundamental, uma declaração útil, ou uma idéia que muda ou nuança todo o resto. Na hora de a gente se referir às idéias de outros autores, usando palavras alheias fora de seu contexto, é fácil afinal deturpar o sentido original. Mas para que tanta preocupação? Afinal, o que quer que seja que eu escreva, a maioria dos leitores não prestará muita atenção. Na leitura dinâmica, diagonal (o que quer que seja isso!), o uso espúrio de uma idéia provavelmente não será percebido. Se apressamos a leitura, apressamos também o pensamento e a escrita; e o ciclo se repete, se multiplica. Pessimismo? Digo de minha experiência fazendo checagem de livros prestigiosos de autores mais ainda: é de pasmar a quantidade de trechos mal-citados, transcrições erradas, títulos alterados, páginas inexistentes e idéias mal-interpretadas - para não dizer de plágio mais ou menos velado que passa batido porque ninguém se dá ao trabalho de conferir os originais.

Fora da universidade também

Essa desilusão poderia ser apenas com a cultura acadêmica ultracompetitiva que se baseia no número e volume de páginas publicadas, mais do que na qualidade de cada idéia. Mas a tal "cultura acadêmica" não existe num vácuo. Reverbera e reflete a cultura ao redor. Derrida não estava se dirigindo apenas a seus colegas filósofos ou a seus estudantes - falava ao público, e do público em geral (assim como o documentário, aliás, que é de interesse para muito além dos especialistas; é envolvente, claro e relevante). Em tudo, em todos os lugares, somos bombardeados pela mesma lógica: mais coisas, mais rápido. Tentamos "ficar em dia com os acontecimentos", assistir ao filme mais novo em cartaz, freqüentar o mais recente bar da moda, usar a roupa ou o penteado da última estação, saber sobre a celebridade da hora, falar na gíria do momento. Não à toa, uma das doenças psiquiátricas de nossa época (mais um modismo, talvez?) é a tal da "desordem do déficit de atenção" (Attention Deficit Disorder, ou ADD). A sucessão de novas coisas não pára, e nem deve parar. O que questiono é a ansiedade de engatar na sua carreira desabalada.

Derrida leu um montão de livros muito, muito bem, e escreveu um montão de outros. Sua crítica não é sobre o número de páginas, ou o tamanho de textos produzidos. Afinal, nem todos nós podemos, mesmo que quiséssemos, devotar nossa vida a transformar a filosofia ocidental. Mas talvez encontremos valor e prazer - e algo de nós mesmos - se nos alongarmos sobre um livro, uma idéia, uma pintura, uma conversa, ou a vista da janela. É tentador, nessa nossa época de relativismo generalizado, diluir as fronteiras da arte e da cultura de massa, e acusar a distinção entre elas de "elitismo". Talvez seja, de uma forma. Mas, de outra forma, temos muito a ganhar e a aprender com o cultivo da pausa e da reflexão. No mesmo documentário, em outro trecho igualmente antológico, Derrida aparece sendo entrevistado por uma norte-americana. Ela faz referência ao conceito de pós-modernismo que muitos associam com o filósofo, mais especificamente a idéia de fragmentação e ironia. A entrevistadora então dá um exemplo que tem se tornado popular, descrevendo o seriado Seinfeld - com sua justaposição de situações díspares, cômicas e absurdas, sua coleção de referências paródicas a elementos da cultura contemporânea, e a ausência de um sentido ou narrativa básica - como encarnação do pós-modernismo e da filosofia de Derrida. O filósofo solta um olhar como a dizer, "De que raios você está falando?", e conclui: "Eu acho que vocês deveriam é ver menos televisão, e ler mais."

O retorno das Cruzadas II

Há algumas semanas eu publiquei uma coluna sobre o recrudescimento do conservadorismo ideológico e do fundamentalismo religioso. Gostaria que meu texto tivesse sido apenas exagero pessimista. Mas, na semana passada, o cardeal alemão Joseph Ratzinger foi escolhido como novo papa - entre os candidatos, talvez o mais linha-dura possível. Ratzinger segue o conservadorismo de João Paulo II em assuntos como o uso de preservativos e a pesquisa científica com células-tronco; no passado, condenou a Teologia da Libertação, ignorando sua importância na luta contra severas condições de opressão social; e escreveu textos defendendo a idéia de que o catolicismo é melhor do que todas as outras religiões. Não qualquer catolicismo, mas o catolicismo rígido e retrógrado que ele prega. Ratzinger tem, é claro, todo o direito de acreditar no que quiser. Tem até mesmo o direito de pregar seus valores. Mas, na condição de líder espiritual do mundo cristão, deveria ao menos demonstrar mais diplomacia (senão sensibilidade e tolerância) diante da polarização e do conflito crescentes entre fundamentalistas islâmicos e cristãos. Em vez de aproximação ecumênica ou tentativa de paz, Ratzinger parece querer radicalizar ainda mais o confronto, e atiçar seus fiéis.


Daniela Sandler
Riverside, 27/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2005
01. Festa ou casamento? - 16/3/2005
02. Uma outra moda - 30/3/2005
03. E depois, perder-se também é caminho - 8/6/2005
04. Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois - 2/2/2005
05. Eu não sei blogar - 25/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/4/2005
13h51min
Ah, Daniela, li seu texto numa pausa (roubada) de uma leitura que estou tendo de fazer... na diagonal! Os motivos são os que vc cita, uma carga imensa de leituras... Com base num texto (que, esse, sim, li direito), estou pescando conceitos na fonte primária... Melhor do que usar só a secundária, mas ainda assim... Senti culpa e me desculpei lendo sua coluna. O que a gente vai fazer? Eu penso igual a vc, fico com "medo" de entender errado pq pulei e, assim, fazer uma apropriação leviana de algum conceito... Mas, como vc diz tb, é o que "todo mundo" acaba fazendo e "ninguém" vê! E eu, que me impressiono de como os meus colegas conseguem ler mais do que eu! Ainda bem que não estou sozinha! Bom, essa conversa daria muito pano pra manga. "Affaire a suivre"...
[Leia outros Comentários de Francesca ]
28/4/2005
15h25min
"Profundidade é para os trouxas". É assim que muitas pessoas pensam, na maioria das vezes inconscientemente. É comum ouvir: "Adoro conhecer novas pessoas". Mas quem procura conhecer profundamente alguém que já conhecemos? Hoje quase ninguém quer. Se com pessoas é assim, o que dirá com os livros? Trabalho na área de tecnologia, onde esse comportamento é mais evidente. Sinto-me um estranho no ninho. Recomendo o seguinte livro: "A Auto-Estima de Seu Filho". Li depois que meu filho nasceu. É ótimo. Um conceito descrito no livro é o "encontro autêntico". Adorei esse conceito. Hoje procuro ter encontros autênticos com meu filho, com a minha esposa, com os meus amigos, com os meus livros, com as músicas que eu gosto e comigo mesmo também. É um ótimo exercício para realizar coisas com PROFUNDIDADE. Daniela, gosto dos seus textos.
[Leia outros Comentários de Antonio]
29/4/2005
08h42min
Cara Daniela, obrigado pelo texto. É bom que sempre nos lembrem de nossos erros. Já sofri muito com essa "ansiedade de informação" (alguém já escreveu sobre isto). O que fiz? Desestressei! Hoje separo minhas leituras em dois grupos: as de puro entretenimento descartável, em que não me imponho a obrigação de guardar nada; e as de conhecimento, em que procuro algo que de fato me deixe... algo. Para ambas, sou cada vez mais seletivo. Paulo Coelho? Não li e ponto. Dan Browm? Não li e ponto. Não me importo se na rodinha só se fala nisso. E ponto! Abraços. Bernardo B Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
2/5/2005
09h09min
Estou lendo pela primeira vez "Em busca do tempo perdido". Como ler na diagonal um livro onde cada frase guarda raciocínios extensos e, muitas vezes, complexos? Imagine se eu tivesse escrevendo uma tese! Essa coisa de quantidade é para norte-americanos, economistas e professores universitários empobrecidos. Nós, o povo, lemos devagar e compreendemos cada vez mais devagar, se é que compreendemos algo.
[Leia outros Comentários de Flávio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOITES DO BONFIM
MARCELO CARNEIRO DA CUNHA
MERCADO ABERTO
(1987)
R$ 10,00



MANUAL DO ESCULACHO GERAL
VANDERLEI DE SOUZA
MADELON
(2009)
R$ 15,00



ENSAIO FILOSÓFICO SOBRE A DIGNIDADE. ANTROPOLOGIA E ÉTICA DAS BIOTECNOLOGIAS
BERNARD BAERTSCHI
LOYOLA
(2018)
R$ 34,00



O ESPIÃO QUE SAIU DO FRIO
JOHN LE CARRÉ
ABRIL
(1980)
R$ 4,90



NINGUÉM É DE NINGUÉM
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2006)
R$ 13,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
PARMA
(1973)
R$ 5,00



EI ! TEM ALGUÉM AÍ ?
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2015)
R$ 7,00



HOMEM CINDERELA
JEREMY SCHAAP
OBJETIVA
(2007)
R$ 30,00



APRENDA FÁCIL VIOLÃO - VOL. 02-03-04-05
EDITORA
ESCALA
R$ 25,00



O TESOURO ESCONDIDO NO SOFRIMENTO
M. BASILEA SCHLINK
IRMANDADE EVANGÉLICA DE MARIA
(1994)
R$ 24,00





busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês