A filosofia mínima de Luís Augusto Fischer | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> War is peace; freedom is slavery; ignorance is strength
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Infeliz Dia dos Namorados
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nota Bene
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Comer é viver
>>> Sugerido para adultos?
>>> Ação e Romance
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Plotinus - ennead, v.5 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb-Harvard University P (1984)
>>> O mar de monstros (PercyJackson e os olimpianos - livro 2) de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> Colóquio Artes, número 36, março 1978 de Elena Calas, René Micha, Eduardo Lourenço e outros, pela Fundação Calouste Gulbenkian (1978)
>>> As lágrimas da girafa de Alexander McCall Smith pela Companhia das Letras (2003)
>>> Paul Rudolph 1946-1974 de Vários pela A+U Publishing (1977)
>>> Lições de Economia Política de Temperani Pereira pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Tudo Que Eu Devia Saber na Vida Aprendi no Jardim-de-Infância de Robert Fulghum pela BestSeller (1988)
>>> Documentos do Arquivo da Casa dos Contos de José Afonso Mendonça de Azevedo (Org.) pela Do Autor
>>> Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia das Letras (2011)
>>> Liberte a Intuição! de Roy H. Williams pela Futura (2003)
>>> O anjo azul de Josef von Sternberg ( um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Jules e Jim uma mulher para dois de François Trufaut (um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Dinâmicas de Leitura Para Sala de Aula de Mary Rangel pela Vozes (1990)
>>> Força Interior - Ensinamentos práticos para uma vida melhor de Carlos França pela Circulo do Livro (1988)
>>> Castas, estamentos e clases sociais de Sedi Hirano pela Alfa-Omega (1974)
>>> Word Perfect vocabulary for fluency de Mark Harison pela Nelson (1990)
>>> Plotinus Ennead III de Plotinus; A.H.Armstrong pela Loeb (1967)
>>> Volar Sobre El Pantano - novela de valores para superar la adversidad y triunfar de Carlos Cuauhtémoc Sánchez pela Selectas Diamante (1995)
>>> 200 Sonetos de Luis Vaz de Camões pela Lepm (2001)
>>> Academia Goiana de Letras - História e Antologia de Coelho Vaz pela Kelps (2008)
>>> O Poder Infinito da Oração - Descoberta da força capaz de produzir milagre de Lauro Tevisan pela Mente
>>> Não Mato por Prazer de John Godey pela Nova Época (1974)
>>> A Outra América: Pobreza nos Estados Unidos de Michael Harrington pela Civilização Brasileira (1964)
>>> O Vôo da Borboleta de Morah Lofts pela Melhoramentos (1987)
>>> Encontros Com Homens Notáveis de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (1980)
>>> A Morte no Japão de Ian Fleming pela Globo (1965)
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/7/2011
A filosofia mínima de Luís Augusto Fischer
Marcelo Spalding

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Contavam os meus professores que no tempo em que eles estavam na faculdade se lia muito. E se lia em livros comprados ou retirados da biblioteca. Livros inteiros, alguns lembram mesmo das famigeradas fichas de leituras, outros das punições severas aplicadas pelo professor a quem chegasse à aula sem a leitura. Tempos outros, esses.

Luís Augusto Fischer, um dos meus professores mais brilhantes e dos poucos com apurado senso crítico marxista, certamente é desse tempo. Sem dúvidas leu os clássicos, confrontou-os com seus mestres, comprou muitos livros, é possível que em algum momento tenha estudado latim e decorado versos de Camões (ou pelo menos de Pessoa, vá lá). Mas não foi nada disso que o tornou o professor brilhante (embora tenha contribuído com seu saudável senso crítico), e sim uma capacidade fantástica de acompanhar o tempo, adaptar-se a ele, pegar as ondas acadêmicas sem demasiado conservadorismo.

Fischer é doutor que não ostenta o título, autor de diversos livros que vão do Dicionário de Porto-Alegrês a Machado e Borges - e outros ensaiso sobre Machado de Assis, passando por belas ficções como Quatro Negros. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, articulista de Zero Hora e organizador do famoso Sarau Elétrico, tem se notabilizado ao longo dos anos por estrapolar o ambiente acadêmico, angariando simpatias e muchochos.

Dessa experiência vasta, dessa personalidade forte e controvertida, o mínimo que você pode esperar são boas histórias e muitas reflexões, histórias e reflexões que não querem deixar você no mesmo lugar, querem desajustar, questionar, ampliar. E são essas histórias e reflexões que compõem o mosaico de Filosofia Mínima: ler, escrever, ensinar, aprender (Arquipélago, 2011, 336 p.), o mais recente lançamento de Fischer.

O livro reúne textos publicados entre 2006 e o início de 2011 em jornais e revistas (especialmente Zero Hora e ABC Domingo). A edição, fundamental para dar alguma unidade aos textos, dividiu-os em quatro partes com os interessantíssimos títulos “Ler”, “Escrever”, “Ensinar”, “Aprender”, que não por acaso foram parar no subtítulo.

O livro se dirige ao leitor universitário contemporâneo, esse tirador de xerox, e para esse público o tamanho dos textos e o tom entre o informal e o acadêmico está bem adequado. Talvez nós, leitores de mais fôlego, tivéssemos gostado de ler um ensaio mais profundo sobre os temas prometidos no subtítulo, e com certeza Fischer poderia tê-lo feito, e quem sabe ainda o fará para próximas edições.

A primeira parte fala sobre a leitura, e Fischer traz uma categoria interessante, que de certa forma legitima a exigência que se faz por algumas leituras canônicas de alunos de um curso, por exemplo, de Letras: o leitor profissional. Temos, aí, uma questão importante sobre o papel da universidade na formação de leitores, papel que outrora foi da família e ainda é assumido corajosamente pelas escolas.

“As universidades não têm sabido oferecer momentos de formação para os leitores potenciais que são os alunos universitários. Em tese eles deveriam ser já leitores, em qualquer especialidade de estudo em que estejam mergulhados, mas na realidade poucos são os que sobrevivem àquele acachapante ensino médio, em que foram adestrados para ser respondedores de perguntas de vestibular, não leitores. Pois bem: a vida universitária precisa assumir essa tarefa de proporcionar bibliotecas com bom acervo, ambientes de leitura, cursos de leitura, sessões de palestras e conversar relativas à leitura dos clássicos, como forma de recuperar o tempo perdido.”

A segunda parte, sobre o escrever, é um tanto ampla, cabendo ali conselhos e sugestões para a escrita de ficção, de tese ou de texto jornalístico (há, inclusive, um texto com o ousado título de “Verdades gerais sobre escrever”). Para essa seção foi designada, por exemplo, a interessante história da “Morte do Curdo”, que passei a citar em minhas aulas e oficinas. É uma releitura de uma velha sabedoria sobre a arte da necessidade do particular, do específico, para comover o leitor. Depois de contar sobre a indiferença que temos sobre notícias de TV referente ao Iraque com seus números de mortos e feridos, e Fischer inclui-se nisso, ele escreve:

“Em meio àquele mesmo noticiário sobre a desgraça dos curdos, ouço nitidamente o repórter relatar o seguinte: que, no meio daquela legião de famintos e desesperados, um curdo, especificamente um e apenas um daqueles curdos em fuga, havia morrido porque uma caixa de alimentos, jogada de um avião em missão humanitária da ONU, havia caído sobre ele. E este curdo, muito longe de salvar-se com aquela comida, morreu. Para mim, então, o mundo todo parou; os milhares de miseráveis deixaram de existir; nada mais demandava atenção: aquele curdo morrendo com um golpe de caixa de comida, caída do céu ainda, me fez parar o garfo no ar. Um homem como eu, querendo alimentar-se como eu, morria, a milhares de quilômetros do meu conforto; e eu entendia, naquele momento, a dor daquele homem”.

A terceira parte, “Ensinar”, é muito escrita pelo professor Fischer, claro, mas também pelo pai tardio (e tri faceiro, como diríamos aqui no Sul, pois Fischer foi pai pela primeira vez perto dos 50 anos). Aliás, talvez Fischer em breve nos brinde com o livro sobre a experiência de ser pai, temática um tanto clichê, mas que se renova a cada dia e não parece perder nem um pouco sua complexidade existencial (aqui não estamos falando em trocar fraldas, evidentemente, mas em educar, educar-se, dividir espaços, controlar ansiedades e por aí vai).

Para o leitor mais interessado na experiência do professor, aqui temos algumas categorizações que tornam-se muito úteis para a visão de conjunto, como a feita em “Não confunda análise com interpretação”: “São três as dimensões relevantes de um texto para fins de crítica: uma, o tema, o assunto, a coisa que fala – e este é o patamar mais apreciado pelo leitor comum, em se tratando de narrativa, é o patamar do barato conteudístico; (…) duas, a linguagem, ou melhor, o significante – e este é o plano predileto pelo leitor de poesia; (…) e três, a estrutura, o modo de construção – e este é o mundo predileto pelos que gostam de interpretação, em sentido estrito. (…) A virtude do crítico, aqui, tem a ver com sua capacidade analítica, isto é, de separar as três dimensões, para poder apreciá-las adequadamente.”

Há nessa parte, ainda, um belo texto sobre o “Leitor comum”, uma espécie de oposição, ou complementação, à categoria do leitor profissional que sublinhamos lá em cima.

Já “Aprender”, a quarta parte, é a mais irregular, onde cabem mais temas, inclusive um belo ensaio, polêmico, sobre “Ser professor”. Neste, são nove teses e o viés predominante é o marxista, associando o professor a um sujeito de classe média. Vejamos a segunda:

“Ser de classe média tem lá suas limitações. Em regra, como vários sociólogos já disseram, o sujeito de classe média tende a pensar com autonomia restrita. Tem medo de cair socialmente ou de ser confundido com os de baixo, e por isso não costuma afrontar os poderes constituídos, especialmente os poderes intelectualmente fortes. De outro lado, admira e teme os de cima: admira porque vê neles um ideal de vida, teme porque percebe que eles sabem distinguir entre os que realmente são de cima e os que apenas parecem ser de cima, como o sujeito de classe média gosta. Os que vivem neste curto-circuito naturalmente sofrem a ação direta da ideologia, são escravos dela: uma das pontas visíveis desse jogo se encontra na moda. O professor: um enredado na armadilha da ideologia.”

Quem conhece Fischer, das aulas ou dos textos, não se surpreende com essa análise de classe, à Cândido ou Schwarz, hoje tida por muitos como anacrônica e, por outros tantos, como preconceituosa (“como assim os de cima e os de baixo?”, dizem). Mas vale lembrar, e é isso que Fischer faz ao colocar sua lupa nessa direção, que ignorar o conceito de classe social é extremamente útil apenas para os que pretendem manter o status quo, a chamada elite, tenha ela o nome e a largura que tenha.

Talvez seja exatamente esse olhar crítico (outrora diríamos dialético) que torna as filosofias de Fischer sempre tão particulares, ainda que mínimas. E permita que o autor amplie sua biografia para áreas tão díspares, sempre com um quê original e despertando interesses que vão além dos bancos curriculares.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 8/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Corno em Série de David Butter
04. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo de Jardel Dias Cavalcanti
05. A música clássica ensurdece a democracia caótica de Wellington Machado


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/7/2011
16h25min
Na universidade, existe uma busca da universalidade a partir de um aprofundamento temático. E isto não forma leitor. E nem crítico, a formação é quase um trabalho de debate ao longo do tempo, não podemos parar pra respirar, mas ler e refletir. Sempre.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAÇADAS DE PEDRINHO
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1997)
R$ 16,00



O DESAFIO DE AMAR
STEPHEN & ALEX KENDRICK
BV BOOKS
(2009)
R$ 18,00



HISTÓRIAS REAIS E FANTÁSTICAS: CRÔNICAS E ENSAIOS SOBRE A POLÍTICA CON
MARIA CLEIDE BERNAL
TABA CULTURAL
(2010)
R$ 25,28



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA + SUPLEMENTO DE LEITURA
LIMA BARRETO
ATICA
(2006)
R$ 5,50



ELITE ONTEM, HOJE E SEMPRE
MARIA DILECTA GRIEG
OLHO DÁGUA
(2006)
R$ 8,90



DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS (DII)
DAISY MALDAUN
EXCEÇÃO
(2015)
R$ 85,00



FOTOGRAFIA DIGITAL MASTERCLASS TOTALMENTE ATUALIZADO 5562
TOM ANG
ALTA BOOKS
(2014)
R$ 91,00



OS DESTEMIDA. OLHOS DO DRAGAO - VOLUME 1
NATALIE JANE PRIOR
FUNDAMENTO
(2006)
R$ 9,90



VORAGEM POESIA
MARCELO CARDOSO
SCORTECCI
(1995)
R$ 7,56



SAMURAI GIRL: THE BOOK OF THE SWORD - BOOK ONE
CARRIE ASAI
SIMON PULSE
(2003)
R$ 19,82





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês