De volta às férias I | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36819 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/6/2005
De volta às férias I
Eduardo Carvalho

+ de 7300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Voltei de viagem com sete guias novos, de Budapeste a Paris, de estilos e com objetivos diferentes: uns para os melhores restaurantes, por exemplo, e outros para não me perder no metrô de uma cidade desconhecida. É bobagem dispensar guias, achando que é melhor descobrir tudo por acaso, ou que só a ajuda dos amigos basta para nos orientar em Varsóvia, digamos. Nem o Rough Guide nem o Navigator, da Wallpaper, condenam seu passeio às obviedades mais turísticas, e depende de você, sempre, escolher a galeria mais bacana para passar uma tarde em Londres ou o melhor esqui na Áustria. E guias podem até ser um antídoto às viagens convencionais - mesmo quando as recomenda. Assim, você pode evitar a visita ao castelo de Praga e, em vez disso, ir caçar javalis no subúrbio da cidade. Os roteiros para as mesmas cidades não precisam ser nem um pouco parecidos.

Eles se ajustam, na verdade, conforme a disposição e os interesses de quem viaja. Do final de dezembro ao começo de março, praticamente livre de obrigações - a não ser em janeiro, em Oxford -, passei uma semana na Bélgica, um mês na Inglaterra, uma semana entre Madrid e Barcelona, outra em Berlim, e na última, com problema em dois vôos e no ônibus de Munique para Budapeste, fiquei quase sempre administrando reservas de passagens para e hotéis em Libiuana e Zurique. Revi cidades, descobri hotéis, fiz esporte, li bastante. Montei um roteiro meio em cima da hora, com logística incompreensível, incluindo mais de 10 vôos - além dos trens, carros, ônibus, etc. Essa estruturação espontânea e solitária da viagem me ajudou a aproveitar e perceber vários interesses, que às vezes estão confusos, abafados, quando estamos presos a lugares ou idéias desinteressantes. Mas, apesar da flexibilidade do meu programa, também não foi nada tão solitário e espontâneo assim. Na verdade, foi como se fosse várias viagens dentro de uma só - e recebi e visitei amigos em quase todos os lugares por onde passei.

O primeiro foi a Bélgica: fiquei novamente em Knokke e visitei mais uma vez Bruxelas, Genth, Brugges. A Bélgica é um dos meus três paises favoritos na Europa. Passei o réveillon em Antuérpia, no veleiro do meu amigo que, em outra época, recebeu Thatcher e Gorbachev - e depois foi palco de um assassinato misterioso, envolvendo agentes secretos, charutos e multinacionais. Não conto essa história, nem outras que, mais engraçadas, aconteceram na noite do dia 31 de dezembro, enquanto procurávamos o melhor lugar para sair. É melhor preservar o silêncio sobre certos assuntos. A descrição desta viagem, na verdade, é o resumo dos seus melhores momentos - que foram muitos, e não cabem todos aqui. Preciso escrever com pressa para citar alguns, e mesmo assim superficialmente. Eu poderia escrever páginas sobre a sensação de visitar, em Brugges, uma fábrica de chocolates funcionando, sobre todas as variedades de bombons que experimentei em seu estoque, mas precisarei escrever simplesmente isto - e ponto. Vai ser mais importante o conjunto de experiências descritas com velocidade do que mergulhar em cada uma profundamente.

Sobre a Bélgica e Oxford, na verdade, já escrevi antes duas colunas. Mas faltaram algumas coisas: como a assustadora descrição que ouvi do Congo, um país que, desde 1998, está afundado na maior guerra do mundo - um desastre maior do que o Iraque e Tsunami juntos. E, mesmo assim, seus habitantes não se desgrudam do telefone celular, enquanto vendem bananas na rua. E, na Bélgica, onde velejar é o esporte preferido, foi bacana trocar idéias sobre a volta ao mundo solitária de veleiro, uma vontade que me persegue. E que me parece cada vez mais praticável. Gosto, aliás, das comparações entre a Bélgica e a Holanda, que são parecidos de longe mas, de perto, são tão diferentes como o Brasil e a Argentina: e nem preciso dizer que, em vários aspectos, na Bélgica - na região flamenga, pelo menos - se aproveita muito melhor a vida.

E de Knokke fui, no dia 4 de janeiro, para Paris, onde passei três dias antes de ir para Oxford. Minhas expectativas com relação a Oxford - a cidade e a universidade - eram enormes. E foram todas superadas. O ambiente de uma cidade pequena, com atmosfera cosmopolita, permite que você se retire da confusão para pensar, sozinho, sobre assuntos decisivos, numa época de transição. Era o que eu precisava. E tudo acontece, em Oxford, num nível bem mais alto, muito superior a outros lugares do mundo. E o exemplo mais evidente disso é o tipo de literatura que se consome na cidade. O estilo de gente que, em outras lugares, estaria restrita ao circuito academia-loja-balada, em Oxford está lendo e anotando Longfellow, sentada no café. E quem mora em São Paulo tem dificuldade de imaginar meninas tão lindas, tão elegantes, concentradas em Maupassant. As conversas, por isso, são estimulantes, e você não se sente um alienígena porque está lendo Evelyn Waugh. Num papo com amigos no bar do Oriel College - onde estudou, aliás, Sir Walter Raleigh -, os assuntos estavam tão variados e às vezes eruditos (Shakespeare, Segunda Guerra, Ruanda, aviões, etc.), que já imaginei alguém inconveniente quebrando o ritmo e dizendo: "Ai, gente, que papo chato! Vamos falar de coisas mais legais!" - como costuma acontecer em São Paulo, por exemplo.

E passei mais de um mês em Oxford numa rotina deliciosa. Neste período, fiz três descobertas literárias maravilhosas: Evelyn Waugh, Henry James e Samuel Johnson. Aprendi sobre a Inglaterra, suas tradições e excentricidades, com Waugh. Henry James me ajudou a entender melhor as mulheres - e a separar as que merecem das que não merecem ser entendidas. E Samuel Johnson explica o mundo e a vida com uma simplicidade, com tanta clareza, que fica bem mais fácil e agradável viver depois de ler os seus ensaios. Combinei essas leituras com meu interesse por novos negócios. Assisti aulas de finanças e contabilidade na Said Business School e fui a um seminário de angel e venture capitalists num centro de empreendedorismo em Oxfordshire. No meio tempo, freqüentei provavelmente todos os cafés da cidade, o parque, o cinema, os museus, as livrarias. E acabei fazendo várias comparações entre Oxford e Cambridge - que é mais calma, mais countryside -, onde estive, por dois meses, há uns oito anos.

E foi bom também visitar Londres nos finais de semana. É curioso como a London School of Economics, em vários aspectos, se parece com a Fundação Getulio Vargas, em São Paulo, onde estudei - mas na FGV fazem falta a quadra de squash e a biblioteca projetada por Norman Foster. Atravessando a rua, quase em frente à LSE fica o headquarter da BBC World, que presta serviço de notícias em mais de 30 línguas, e é onde trabalham Ivan Lessa e Rafael Gomes (ou Arcano9, para os leitores do Digestivo). Um tour pela BBC - por onde passaram, entre vários, George Orwell e Vinicius de Moraes - é praticamente uma volta ao mundo. Londres, aliás, é incomparável para comidas exóticas - como um suco tailandês gelado de feijão. E é fascinante para fine arts: é na National Galley que está exposto um dos meus quadros preferidos, que até usei para ilustrar uma coluna; e a coleção de tempestades de Thurner, na Tate Gallery, é sempre marcante.

Não sei direito se gosto ou não gosto de Londres. É uma sensação parecida com a que sinto por São Paulo. Acho que Londres também é uma cidade que varia entre extremos. Pode ser encantadora ou entediante, dependendo do tempo ou do bairro, da companhia ou do restaurante. Claro que isso acontece em todos os lugares, em Viena ou em Cairo, mas acho que essa diferença é mais forte, mais evidente em Londres - onde se encontra o melhor e o pior de tudo, mas escondido. A cidade mais óbvia, aberta aos turistas e iniciantes, é entediante. E a rua e o metro estão lotados do que, em bom português, a gente chama de white trash, um conceito que muitos brasileiros deveriam aprender antes de sair de casa. É patético ver estudantes brasileiros na Inglaterra imitando esse estilo. Aprendi bastante sobre o assunto, aliás, em Warwik, onde passei um fim de semana com outro Rafael, o Azevedo.

A Universidade de Warwick atrai vários alunos ingleses tipo FAAP, e é exemplo, hoje, de uma universidade inglesa bem administrada - atraindo vários alunos internacionais. A cidade ao lado, Coventry, onde moram a maioria dos alunos, foi um dia o pólo de produção da Jaguar e da Land Rover, mas agora é triste, decadente. Warwick mesmo, porém, compensa a visita: eu já tinha ido no castelo, mas aproveitei e visitei, à noite, o centro histórico, quando estava vazio - e fiquei com uma impressão de um ambiente tranqüilo, simpático, com um aspecto quase medieval. Foi bacana escolher entre os seus bares depois de assistir ao coral na catedral da cidade.

Meu circuito Oxford-Londres se encerrou no começo de fevereiro. Antes disso, fui a concertos de Mozart e Shostakovsky, no Barbican e no Festival Hall, como uma espécie de despedida da cidade. Para pegar o avião e, da Inglaterra, voar para Madri. Comecei na Espanha esta terceira fase da viagem - depois do réveillon entre França e Bélgica e, depois, a temporada em Oxford. Foi uma viagem acelerada. Mas bem diferente do espírito backpacker, que é o menos recomendável para se viajar na Europa. Escrevo sobre Madri, Barcelona, Berlim, Munique, Budapeste e Zurique, portanto, na próxima coluna.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
05. Um Oscar para Stallone de Luís Fernando Amâncio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2005
15h06min
Grande, Edu. Estava com saudades dos seus textos. Parabéns. Abraços, Felipe.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
22/6/2005
2. !
13h24min
Welcome back!
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroude]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PRIMEIRA AGUIA
TONY HILLERMAN
ROCCO
(2001)
R$ 8,94



QUEM MATOU PAPAI NOEL ?
JULIO EMÍLIO BRAZ
SALESIANA
(2009)
R$ 9,90



O PODER COMPETITIVO DA CRIATIVIDADE
CLAY CARR
MAKRON BOOKS
(1997)
R$ 8,30



ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES
DANIEL A. MOREIRA
PIONEIRA
(1998)
R$ 30,60



MEDICINA
DO ABORTAMENTO CRIMINOSO PRINCIPALMENTE EM SÃO PAULO
IRMAOS FERRAZ
(1927)
R$ 122,50



BIOLOGIA - VOLUME ÚNICO 2ª EDIÇÃO - BANCO DE QUESTÕES
ARMÊNIO UZUNIAN E ENERSTON BIRNER
HARBRA
(2004)
R$ 20,00



IDEIAS GENIAIS - DESCOBERTAS POR ACIDENTE
SURENDRA VERMA
GUTENBERG
(2016)
R$ 24,00



HISTORIA GERAL
CLÁUDIA VICENTINO
SCIPIONE
(2006)
R$ 70,00



MENSAGENS DE ESPERANÇA - BOX COM 6 LIVROS 
ELLEN G. WHITE
CPD
(2014)
R$ 39,00



POESIA PARA QUÊ? A FUNÇÃO SOCIAL DA POESIA E DO POETA
CARLOS FELIPE MOISÉS
UNESP
(2019)
R$ 38,90





busca | avançada
36819 visitas/dia
1,4 milhão/mês