James Bond na nova ordem mundial | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/12/2006
James Bond na nova ordem mundial
Marcelo Miranda

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Bond

Já está nos cinemas a nova aventura do agente James Bond. 007 - Cassino Royale, na verdade, se vende como a primeira grande missão do personagem, até por se inspirar no romance que o apresentou ao mundo, em meados dos anos 50. O inglês Ian Fleming criou Bond na literatura, mas foi no cinema que o espião ganhou a glória e protagoniza, ainda hoje, a mais longeva série de filmes no universo das grandes produções. Só que, como qualquer produto do gênero, precisa ser renovado de acordo com os novos tempos. Foi o que motivou a recauchutagem de James Bond, depois dos quatro capítulos estrelados por Pierce Brosnan.

Na verdade, Bond não podia mais ser um espião lutando contra dominadores de mundo. Já escrevi aqui mesmo no Digestivo sobre a reação do cinemão norte-americano à política de combate ao terrorismo. Filmes como A lenda do Zorro e Batman Begins, entre tantos outros, elegeram o terror como o inimigo a ser enfrentado. Não dá mais para Hollywood deixar de lado os perigos da nova ordem mundial. A questão, agora, é "brincar" com essa nova ordem inserindo antagonistas que se aproximem do que se vê diariamente nos noticiários. Não é por outro motivo que Zorro enfrenta, em plena Guerra da Secessão, um francês aspirante a terrorista. É o cinemão dando seu recado a quem quiser entender.

Jason Bourne, Ethan Hunt, Jack Bauer, Sidney Bristow, todos são agentes secretos que não medem forças para proteger seus governantes e a população de seus países. Do outro lado, o do "mau", nada de planos mirabolantes de dominação planetária. O interesse é sempre a vingança contra as superpotências, ou alguma tentativa de se enriquecer às custas justamente dos ricos. O que filmes como A supremacia Bourne e Missão Impossível e séries como 24 Horas e Alias pregam é a defesa irrestrita do próprio território e o embate entre "invasores" e "invadidos". Em praticamente todos estes casos, nem sempre os "invadidos" são heróis e os "invasores", vilões. Às vezes, muito pelo contrário - vide o comportamento contestável e controverso de Jack Bauer em muitas das situações vividas pelo personagem. Na geopolítica do novo século, não há mais espaço para maniqueísmo. A autocrítica e o alerta para os perigos da defesa irrestrita da autonomia da nação são comuns nessas mídias todas.

James Bond não poderia ficar de fora, sob o risco de envelhecer. Já era o que acontecia desde 007 - O mundo não é o bastante (1999), quando a franquia apontou sinais de esgotamento. A impressão explodiu com 007 - Um novo dia para morrer, que em pleno ano de 2002 aparentava não ter olhos para a realidade ao seu redor - afinal, os atentados ao World Trade Center ocorreram no ano anterior. Enquanto isso, Bond corria em carros invisíveis e invadia grandes mansões de gelo atrás de um vilão asiático disfarçado de milionário por conta de uma radical cirurgia plástica. Os espectadores, em especial dos EUA e Inglaterra, não pareceram aceitar tanta ficção com facilidade. Por mais que o mundo precisasse de fantasia num momento como aquele, era impossível deixar de lado o que ocorria fora do universo do agente britânico.

Os produtores, nada bobos, entenderam o recado. Não podiam mais fazer filmes cheios de traquitanas, deboches e cenas meramente ilustrativas. Era preciso renovar, dar outra cara e adequar o personagem aos novos tempos. Era preciso recomeçar. E foi o que fizeram, literalmente: buscaram no primeiro romance de Fleming em que Bond aparecia a chave rumo ao renascimento. Tiraram Pierce Brosnan da equação, convocaram um semidesconhecido para o papel principal (Daniel Craig, de Munique e Nem tudo é o que parece) e assumiram postura diferenciada. Iriam apresentar Bond quase como um aprendiz. Cassino Royale retrata a "origem" do espião, ou como ele conseguiu a famosa licença para matar. No lugar dos maquiavélicos lunáticos, agora a batalha é contra um financiador do terror planeta afora que consegue dinheiro jogando pôquer nos cassinos mais grandiosos do mundo. Equipamentos surreais, muitas mulheres e conquistas, planos bem elaborados? Nada disso. James Bond está começando a carreira de agente "00", e como todo iniciante ainda tem muito a aprender - e a errar, para acertar depois.

Bond
Daniel Craig é James Bond em 007 - Cassino Royale

A fórmula de linguagem da cinessérie de já somados 20 filmes oficiais (excetuando o recente Cassino Royale) é fartamente conhecida: um prólogo seguido da abertura musical, a apresentação do perigo que o agente vai enfrentar, a explicação de sua missão, o desenvolvimento e os meandros da espionagem, o enfrentamento final com o vilão (e no meio, muita bebida e mulheres). Pois na tal ânsia de renovar o clima da franquia, Cassino Royale já distorce a fórmula logo no começo. Em vez do famoso alvo "localizando" James Bond e focando o enredo, o filme abre com um plano externo; em vez da cor, o preto-e-branco; o tiro em direção ao espectador precisa esperar mais alguns instantes.

A nova produção tem como principal objetivo, desde este prólogo, a modificação quase total dos caminhos que os filmes anteriores seguiam. James Bond, agora sim, é um autêntico espião do século XXI, inserido no mundo pós-11 de Setembro. O diretor Martin Campbell - que já tinha dado outra cara à série há alguns anos, em 007 contra GoldenEye, e igualmente questionado, na época, a real "função" de um agente do governo cujo objetivo é completar sua missão à base de mortes e mais mortes - arma todo o seu filme em torno desse renascimento, da idéia de que o espectador assiste a um primeiro sopro de um personagem que ainda está se formando em todos os aspectos.

Há um sentido de urgência quase adolescente nas ações do novo Bond. Ele desobedece à superiora, viaja sem autorização, rouba informações, cria incidentes diplomáticos. A inconseqüência torna-se característica do espião, mas não como era nos filmes anteriores, em que ele fazia tudo de forma meio amalucada tendo um caminho certeiro. Agora, o ímpeto de quebrar regras é menos por convicção e mais por pura imaturidade ("acho que te promovemos cedo demais", comenta M, a superiora). Bond, por mais calculado que seja, não parece medir seus atos, e nem suas conseqüências.

Adequando-se a este olhar específico, Campbell movimenta a câmera na busca pelos ângulos que mais transmitam a noção de desespero e afobação de Bond. Junto ao montador Stuart Baird, há excelente escolha de planos e contraplanos - de toda a decupagem, aliás - que, por mais que haja movimentos contínuos, jamais deixa o foco desaparecer. Não há, aqui, aquela mania irritante de cortes e mais cortes típica de alguns modernos filmes de ação e terror, cujas seqüências mais parecem um grande emaranhado de imagens montadas numa "estética de trailer".

A combinação da forma e conteúdo, aliada à preocupação em colocar o espião numa realidade muito próxima da nossa (por mais que as situações vividas por ele sejam exageradamente fictícias) dá um surpreendente frescor à recente aventura de James Bond. O ator britânico Daniel Craig, tão defenestrado quando escolhido para substituir Brosnan, mistura o melhor de cada um dos principais atores a terem interpretado o espião: há o jeito irônico e seco de Sean Connery; o deboche de Roger Moore; a violência brutal e o estilo de crueza de Timothy Dalton; e o lado meio bonachão e mais romantizado de Pierce Brosnan. Ainda assim, neste caldeirão, Craig cria um Bond único e muito particular, que já marca a franquia desde as cenas iniciais. Ao final de Cassino Royale, é Craig quem fica na mente, e não aqueles a quem ele referencia. Temos, enfim, um James Bond finalmente adequado ao mundo global. Pelo menos por enquanto.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 18/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
03. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
04. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
05. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2006
14h47min
Legal. O problema com esses atores novos é a cara de capitão de time de rugby. São um pouco atléticos demais, braços tensos, tensa musculatura e gestos bruscos. Sem falar na máscara facial estacionada numa espécie de limbo. Sean Connery tinha charme, que implica numa expressão corporal mais fluida e numa certa aparência de intelectualidade, coisa que Pierce Brosnam também tem, mas esse último aparenta uma fragilidade meio incompatível com o personagem. Também acho perigoso mexer na auto-suficiência de 007. Faz parte do seu carisma o fato de que ele domina seu universo, ele sempre sabe o que está fazendo. Pelo menos é o que o público espera. Se esse novo James Bond tiver um certa tendencia para Mr. Bean (mas sem o humor), a fórmula pode não funcionar. Antigos fãs podem torcer o nariz. Mas talvez a idéia (e a necessidade) seja conquistar novos fãs. Veremos. A crítica do Marcelo tá excelente, como sempre.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês