James Bond na nova ordem mundial | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Curitiba
>>> O Leitor Apaixonado, livro de Ruy Castro
>>> Carta de um jovem contestador
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
Mais Recentes
>>> Flamengo - o Vermelho e o Negro de Ruy Castro pela Ediouro (2005)
>>> The Importance of Being Earnest + 2 Cds de Oscar Wilde pela Macmillan Readers (2020)
>>> A Roupa e a Moda - Uma História Concisa de James Laver pela Companhia das Letras (1996)
>>> Photoshop para Fotografia Digital - Guia sem Mistério de Scott Kelby pela Ciência Moderna (2005)
>>> Supernatural: o Livro dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alexander H. Irvine pela Gryphus (2010)
>>> Maria da Glória - A Princesa Brasileira Que Se Tornou Rainha de Portugal de Isabel Stilwell pela Octávio (2012)
>>> Nunca é Tarde para Mudar de Mônica de Castro pela Academia (2018)
>>> A Senhora - Gracia Nasi e a Saga dos Judeus no Século XVI de Catharine Clément pela 34 (2001)
>>> 1968 o Ano Que Não Terminou de Zuenir Ventura pela Objetiva (2013)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação 2ªed. de Celso Dos S. Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> A Prática Educativa Como Ensinar de Antoni Zabala pela Artmed (1998)
>>> Masculino e Feminino no Imaginário Católico de Zaíra Ary pela Annablume (2000)
>>> A Bíblia A História de Deus e de Todos Nós de Roma Downey / Mark Burnett pela Sextante (2014)
>>> O sujeito da educação - Estudos Foucaultianos de Tomaz Tadeu Da Silva pela Vozes (2002)
>>> A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente pela Mestre Jou
>>> Fundamentos de Matemática Elementar Volume 2 Logaritmos de Gelson Iezzi / Osvaldo Dolce / Carlos Murakami pela Atual (2004)
>>> As Estruturas da História de Christopher Lloyd pela Jorge Zahar (1995)
>>> Introdução à Filosofia História e Sistemas de Roberto Rossi pela Loyola (1996)
>>> A Felicidade Paradoxal de Gilles Lipovetsky pela Companhia das Letras (2007)
>>> Consiência e Cosmos de Menas Kafatos / Thalia Kafatou pela Teosófica (1994)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 3 Sistemas Lineares e Combinatória de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 2 Trigonometria e Progressões de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Aventuras no marxismo de Marshall Berman pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Cartas do Cárcere 4ªed. de Antonio Gramsci pela Civilização Brasileira (1991)
>>> Resumo dos cursos do collège de france 1970-1982 de Michel Foucault pela Jorge Zahar (1997)
>>> Socialismo - Impasses e Perspectivas de César Benjamin e outros pela Scrita (1992)
>>> Revolting Rymes N1 - de Roald Dahl pela Puffin Books (2015)
>>> O Avesso do Trabalho de Ricardo Antunes/ Maria A. Moraes Silva (Orgs.) pela Expressão Popular (2004)
>>> Odisseia de Homero de Ana Maria Machado pela Atica (2015)
>>> Iracema -Lenda do Ceara de Jose de Alencar pela Sol-no final do livro traz questionario e respostas - coleção vestibular (2010)
>>> Divinas desventuras outras historias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das letrinhas (2009)
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Metamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/12/2006
James Bond na nova ordem mundial
Marcelo Miranda

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Bond

Já está nos cinemas a nova aventura do agente James Bond. 007 - Cassino Royale, na verdade, se vende como a primeira grande missão do personagem, até por se inspirar no romance que o apresentou ao mundo, em meados dos anos 50. O inglês Ian Fleming criou Bond na literatura, mas foi no cinema que o espião ganhou a glória e protagoniza, ainda hoje, a mais longeva série de filmes no universo das grandes produções. Só que, como qualquer produto do gênero, precisa ser renovado de acordo com os novos tempos. Foi o que motivou a recauchutagem de James Bond, depois dos quatro capítulos estrelados por Pierce Brosnan.

Na verdade, Bond não podia mais ser um espião lutando contra dominadores de mundo. Já escrevi aqui mesmo no Digestivo sobre a reação do cinemão norte-americano à política de combate ao terrorismo. Filmes como A lenda do Zorro e Batman Begins, entre tantos outros, elegeram o terror como o inimigo a ser enfrentado. Não dá mais para Hollywood deixar de lado os perigos da nova ordem mundial. A questão, agora, é "brincar" com essa nova ordem inserindo antagonistas que se aproximem do que se vê diariamente nos noticiários. Não é por outro motivo que Zorro enfrenta, em plena Guerra da Secessão, um francês aspirante a terrorista. É o cinemão dando seu recado a quem quiser entender.

Jason Bourne, Ethan Hunt, Jack Bauer, Sidney Bristow, todos são agentes secretos que não medem forças para proteger seus governantes e a população de seus países. Do outro lado, o do "mau", nada de planos mirabolantes de dominação planetária. O interesse é sempre a vingança contra as superpotências, ou alguma tentativa de se enriquecer às custas justamente dos ricos. O que filmes como A supremacia Bourne e Missão Impossível e séries como 24 Horas e Alias pregam é a defesa irrestrita do próprio território e o embate entre "invasores" e "invadidos". Em praticamente todos estes casos, nem sempre os "invadidos" são heróis e os "invasores", vilões. Às vezes, muito pelo contrário - vide o comportamento contestável e controverso de Jack Bauer em muitas das situações vividas pelo personagem. Na geopolítica do novo século, não há mais espaço para maniqueísmo. A autocrítica e o alerta para os perigos da defesa irrestrita da autonomia da nação são comuns nessas mídias todas.

James Bond não poderia ficar de fora, sob o risco de envelhecer. Já era o que acontecia desde 007 - O mundo não é o bastante (1999), quando a franquia apontou sinais de esgotamento. A impressão explodiu com 007 - Um novo dia para morrer, que em pleno ano de 2002 aparentava não ter olhos para a realidade ao seu redor - afinal, os atentados ao World Trade Center ocorreram no ano anterior. Enquanto isso, Bond corria em carros invisíveis e invadia grandes mansões de gelo atrás de um vilão asiático disfarçado de milionário por conta de uma radical cirurgia plástica. Os espectadores, em especial dos EUA e Inglaterra, não pareceram aceitar tanta ficção com facilidade. Por mais que o mundo precisasse de fantasia num momento como aquele, era impossível deixar de lado o que ocorria fora do universo do agente britânico.

Os produtores, nada bobos, entenderam o recado. Não podiam mais fazer filmes cheios de traquitanas, deboches e cenas meramente ilustrativas. Era preciso renovar, dar outra cara e adequar o personagem aos novos tempos. Era preciso recomeçar. E foi o que fizeram, literalmente: buscaram no primeiro romance de Fleming em que Bond aparecia a chave rumo ao renascimento. Tiraram Pierce Brosnan da equação, convocaram um semidesconhecido para o papel principal (Daniel Craig, de Munique e Nem tudo é o que parece) e assumiram postura diferenciada. Iriam apresentar Bond quase como um aprendiz. Cassino Royale retrata a "origem" do espião, ou como ele conseguiu a famosa licença para matar. No lugar dos maquiavélicos lunáticos, agora a batalha é contra um financiador do terror planeta afora que consegue dinheiro jogando pôquer nos cassinos mais grandiosos do mundo. Equipamentos surreais, muitas mulheres e conquistas, planos bem elaborados? Nada disso. James Bond está começando a carreira de agente "00", e como todo iniciante ainda tem muito a aprender - e a errar, para acertar depois.

Bond
Daniel Craig é James Bond em 007 - Cassino Royale

A fórmula de linguagem da cinessérie de já somados 20 filmes oficiais (excetuando o recente Cassino Royale) é fartamente conhecida: um prólogo seguido da abertura musical, a apresentação do perigo que o agente vai enfrentar, a explicação de sua missão, o desenvolvimento e os meandros da espionagem, o enfrentamento final com o vilão (e no meio, muita bebida e mulheres). Pois na tal ânsia de renovar o clima da franquia, Cassino Royale já distorce a fórmula logo no começo. Em vez do famoso alvo "localizando" James Bond e focando o enredo, o filme abre com um plano externo; em vez da cor, o preto-e-branco; o tiro em direção ao espectador precisa esperar mais alguns instantes.

A nova produção tem como principal objetivo, desde este prólogo, a modificação quase total dos caminhos que os filmes anteriores seguiam. James Bond, agora sim, é um autêntico espião do século XXI, inserido no mundo pós-11 de Setembro. O diretor Martin Campbell - que já tinha dado outra cara à série há alguns anos, em 007 contra GoldenEye, e igualmente questionado, na época, a real "função" de um agente do governo cujo objetivo é completar sua missão à base de mortes e mais mortes - arma todo o seu filme em torno desse renascimento, da idéia de que o espectador assiste a um primeiro sopro de um personagem que ainda está se formando em todos os aspectos.

Há um sentido de urgência quase adolescente nas ações do novo Bond. Ele desobedece à superiora, viaja sem autorização, rouba informações, cria incidentes diplomáticos. A inconseqüência torna-se característica do espião, mas não como era nos filmes anteriores, em que ele fazia tudo de forma meio amalucada tendo um caminho certeiro. Agora, o ímpeto de quebrar regras é menos por convicção e mais por pura imaturidade ("acho que te promovemos cedo demais", comenta M, a superiora). Bond, por mais calculado que seja, não parece medir seus atos, e nem suas conseqüências.

Adequando-se a este olhar específico, Campbell movimenta a câmera na busca pelos ângulos que mais transmitam a noção de desespero e afobação de Bond. Junto ao montador Stuart Baird, há excelente escolha de planos e contraplanos - de toda a decupagem, aliás - que, por mais que haja movimentos contínuos, jamais deixa o foco desaparecer. Não há, aqui, aquela mania irritante de cortes e mais cortes típica de alguns modernos filmes de ação e terror, cujas seqüências mais parecem um grande emaranhado de imagens montadas numa "estética de trailer".

A combinação da forma e conteúdo, aliada à preocupação em colocar o espião numa realidade muito próxima da nossa (por mais que as situações vividas por ele sejam exageradamente fictícias) dá um surpreendente frescor à recente aventura de James Bond. O ator britânico Daniel Craig, tão defenestrado quando escolhido para substituir Brosnan, mistura o melhor de cada um dos principais atores a terem interpretado o espião: há o jeito irônico e seco de Sean Connery; o deboche de Roger Moore; a violência brutal e o estilo de crueza de Timothy Dalton; e o lado meio bonachão e mais romantizado de Pierce Brosnan. Ainda assim, neste caldeirão, Craig cria um Bond único e muito particular, que já marca a franquia desde as cenas iniciais. Ao final de Cassino Royale, é Craig quem fica na mente, e não aqueles a quem ele referencia. Temos, enfim, um James Bond finalmente adequado ao mundo global. Pelo menos por enquanto.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 18/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro
04. Discos de Jazz essenciais de Jardel Dias Cavalcanti
05. Algumas notas dissonantes de Guga Schultze


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2006
14h47min
Legal. O problema com esses atores novos é a cara de capitão de time de rugby. São um pouco atléticos demais, braços tensos, tensa musculatura e gestos bruscos. Sem falar na máscara facial estacionada numa espécie de limbo. Sean Connery tinha charme, que implica numa expressão corporal mais fluida e numa certa aparência de intelectualidade, coisa que Pierce Brosnam também tem, mas esse último aparenta uma fragilidade meio incompatível com o personagem. Também acho perigoso mexer na auto-suficiência de 007. Faz parte do seu carisma o fato de que ele domina seu universo, ele sempre sabe o que está fazendo. Pelo menos é o que o público espera. Se esse novo James Bond tiver um certa tendencia para Mr. Bean (mas sem o humor), a fórmula pode não funcionar. Antigos fãs podem torcer o nariz. Mas talvez a idéia (e a necessidade) seja conquistar novos fãs. Veremos. A crítica do Marcelo tá excelente, como sempre.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BARACK OBAMA
A ORIGEM DOS MEUS SONHOS
GENTE
(2005)
R$ 100,00



AMIGOS, AMANTES E OUTRAS INDISCRIÇÕES
FIONA NEILL
RECORD
(2013)
R$ 22,00



CURITIBA 3-D
JOSÉ PAULO FAGNANI
NATUGRAF
(2002)
R$ 20,00



OASIS NA MATA
ORÍGINES LESSA
LIVRARIA INDEPENDÊNTE
(1956)
R$ 100,00



RUBÁIYÁT
OMAR KHÁYYÁM
JOSE OLYMPIO
R$ 26,00



HONDA - DO SONHO AO SUCESO MUNDIAL
CARSTEN HEIL
53, 00
(2012)
R$ 50,00



FELICIDADE CRÔNICA
MATHA MEDEIROS
L&PM
(2015)
R$ 8,90



SEM MEDO DE SABER
ILAN GORIN
SEXTANTE
(2007)
R$ 10,00



100 MAGIAS PARA CONHECER MELHOR OS MENINOS
DISNEY; ANDRÉ JOÃO RYPL (TRAD)
EDELBRA
(2003)
R$ 15,00



ANITA GARIBALDI
PAULO MARKUN
SENAC
(2009)
R$ 40,00





busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês