Norman Mailer, Copacabana e as Badalhocas | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 24/4/2001
Norman Mailer, Copacabana e as Badalhocas
Rafael Lima

+ de 5000 Acessos

No livro Canibais e Cristãos, tem um artigo de Norman Mailer sobre a arquitetura moderna, criticando a nudez dos arranha céus que estavam construindo na Ilha de Manhattan. O texto data do começo da década de 60, e as visões que se tinham do urbanismo no futuro eram as mais apocalípticas possíveis. A própria capa do livro é uma enorme construção feita com Lego.

Tem um filme do Steve Martin, L.A. Story, em que ele passa grande parte do tempo batendo papo com um letreiro luminoso, um daqueles painéis de leds que se combinam entre acesos e apagados para formar frases ou figuras, que nem o painel eletrônico do Maracanã. Acho que é o exemplo mais claro de como se dá a comunicação numa cidade. Não existe espaço (ou tempo), nem representatividade para o papo lado a lado, a conversa telefônica. A comunicação acontece em escala ciclópica: outdoors, telas digitais, letreiros de cinema, logotipos em néon de lojas, relógios colossais, sinos de igreja, um ultra-leve rebocando uma faixa na orla, um dirigível no céu da cidade. Tudo isso está relacionado com o que os arquitetos e urbanistas entendem por "mobiliário urbano".

O mobiliário urbano seria o conjunto de todos os móveis e utensílios que compõe, em conjunto, a paisagem urbana (mesmo que nem sempre tão úteis e nem sempre tão em conjunto assim): latas de lixo, bancos de praça, pontos de ônibus, placas de ruas, postes de luz. Coisas de presença mais sutil e mais intensa do que se pensa, porque, como as árvores, estão sempre ao redor, e estamos sempre à procura delas. Muito do espírito de uma cidade pode ser entendido a partir de seu mobiliário urbano. Os bancos em pontos de ônibus de Los Angeles tem formato de meia-cana, para impedir os mendigos dormirem neles. Em San Francisco os assentos giram em torno de um pino quando não tem ninguém sentado. Londres sempre foi lembrada pelas herméticas cabines de telefone vermelhas. Os "orelhões" do Rio, em Recife tem formato de côco ou berimbau. Não espanta que o prefeito Cesar Maia e o arquiteto Conde tenham recebido tantas críticas quando decidiram remodelar as ruas com o projeto Rio Cidade. Estavam mexendo com algo mais sério do que decoração: as referências urbanas.

Substituir antigos latões de metal por caixas alaranjadas, verdes e azuis para coleta seletiva de lixo não exemplifica apenas uma renovação estética; mais do que isso, explicita claramente a preocupação dos habitantes com lixo, reciclagem, ou a facilidade de coleta que um mero trilho de metal permite.

Espanta, sobremaneira, a atitude - comum em centros urbanos - de roubo de referências públicas. Uma vez li que a CET Rio substitui uma percentagem considerável de cones de sinalização - aqueles listrados em laranja e branco - porque eles são roubados. Me pergunto quem são os sujeitos que surrupiam essas coisas, e para que? Decorar um quarto, ou uma festa, sei lá. Um amigo me conta que conheceu um sujeito que arrancou um telefone público antigo, dos de ficha, pouco antes deles serem substituídos pelos de cartão. Existe esse sentimento meio autofágico de tentar preservar no lar - o privado - a cidade afetiva - o público - por meio de relíquias, ou aquilo que Carlos Leonam chamou de badalhocas.

É impressionante o apego que os cidadãos urbanos demonstram para com os maiores absurdos do meio urbano, agressões estéticas, ecológicas ou visuais. Outdoors espalhados nas margens de vias expressas, tapando a paisagem, são renovados a cada mês, funcionando como uma espécie de jornal para quem passa ali todo dia. Construções estranhas viram referências de localização, como a antena da Paulista, a pirâmide Transamérica ou o obelisco de Ipanema. E no entanto não passam de agressões ao meio urbano, aberrações, por mais que se as empreste valor afetivo.

Ás vezes esse sentimento se institucionaliza. Uma loja em San Francisco vende placas idênticas às que se encontra nas ruas da cidade. Dependendo da intensidade da relação, os próprios cidadãos se preocupam em preservar referências, que vão sendo consumidas pelo predatismo imobiliário, pelos delírios dos governantes, pelas mudanças que o tempo traz. Alguns moradores da Ipanema dos anos 60 guardam em suas casas o néon do Jangadeiros ou as pegadas em cimento da calçada da fama do Antônio's. Tenho certeza que se fosse possível alguém teria levado o bonde da General Osório para casa...

Tudo isso formula 2 ou 3 princípios: primeiro, a difícil tarefa de se separar o que é referência e o que é lixo urbanóide, sob o risco de daqui a pouco a gente se transformar em paródia de Blade Runner, marcando encontro nos escombros 4H, junto do desastre de carros C. Segundo, a atenção com a diversidade e a riqueza arquitetônica, onde reside parte da personalidade da cidade. Caixotes envidraçadas sem parapeitos podem ser extremamente funcionais e até ecologicamente corretos, mas continuam irritantemente inócuas. E a padronização se alterna entre a falta de opções da arquitetura socialista ao "pesadelo com ar condicionado" dos condomínios do Show de Truman. Terceiro, a verdadeira guerrilha que os moradores tem que manter contra quimeras imobiliárias, poluição visual e prostituição turística, eternos inimigos da vizinhança. Nada mais terrível do que aconteceu com Copacabana na década de 50, ou Ipanema dez anos depois. Ou, como resume a placa na entrada do abandonado e mal planejado Berkeley's People's Park: "where we took up a parking lot and put up a paradise".

O meio urbano por si só já é suficientemente neurotizante para que a gente o piore.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 24/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
02. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
03. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
04. Regras de civilidade (ou de civilização) de Julio Daio Borges
05. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CASA DO GIRASSOL VERMELHO E OUTROS CONTOS
MURILO RUBIÃO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 18,90



AURÉLIO - O DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA - EDIÇÃO ESPECIAL
AURÉLIO
POSITIVO
(2007)
R$ 31,92



O ENIGMA DOS MAGOS E DAS PROFECIAS
ALOISIO SANTOS
A GAZETA MAÇÔNICA
(1998)
R$ 12,00



A TORMENTA DE ESPADAS. AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO. LIVRO TRÊS
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2011)
R$ 20,00



A SERRA DO MAR E A BAIXADA
SAMUEL MURGEL BRANCO
MODERNA
(1992)
R$ 8,00



PERESTROIKA
MIKHAIL GORBACHEV
BEST SELLER
(1987)
R$ 8,00



A HISTÓRIA VAZIA DA GARRAFA VAZIA - 567
JONAS RIBEIRO
DO BRASIL
(2004)
R$ 10,00



MAGIA Y SABIDURIA DE LOS SACERDOTES HIEROFONTES DEL ANTIGO EGIPTO -
ROLLAND - 8051
R&V
R$ 14,00



OS JUDEUS
JACQUES MARITAIN PAUL CLAUDEL E OUTROS
JOSÉ OLYMPIO
(1947)
R$ 70,00



FERNANDO DA GATA E OUTROS CONTOS
ROBERTO DE CASTRO NEVES
OUTRAS LETRAS
(2015)
R$ 8,11





busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês