Norman Mailer, Copacabana e as Badalhocas | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS

Terça-feira, 24/4/2001
Norman Mailer, Copacabana e as Badalhocas
Rafael Lima

+ de 4900 Acessos

No livro Canibais e Cristãos, tem um artigo de Norman Mailer sobre a arquitetura moderna, criticando a nudez dos arranha céus que estavam construindo na Ilha de Manhattan. O texto data do começo da década de 60, e as visões que se tinham do urbanismo no futuro eram as mais apocalípticas possíveis. A própria capa do livro é uma enorme construção feita com Lego.

Tem um filme do Steve Martin, L.A. Story, em que ele passa grande parte do tempo batendo papo com um letreiro luminoso, um daqueles painéis de leds que se combinam entre acesos e apagados para formar frases ou figuras, que nem o painel eletrônico do Maracanã. Acho que é o exemplo mais claro de como se dá a comunicação numa cidade. Não existe espaço (ou tempo), nem representatividade para o papo lado a lado, a conversa telefônica. A comunicação acontece em escala ciclópica: outdoors, telas digitais, letreiros de cinema, logotipos em néon de lojas, relógios colossais, sinos de igreja, um ultra-leve rebocando uma faixa na orla, um dirigível no céu da cidade. Tudo isso está relacionado com o que os arquitetos e urbanistas entendem por "mobiliário urbano".

O mobiliário urbano seria o conjunto de todos os móveis e utensílios que compõe, em conjunto, a paisagem urbana (mesmo que nem sempre tão úteis e nem sempre tão em conjunto assim): latas de lixo, bancos de praça, pontos de ônibus, placas de ruas, postes de luz. Coisas de presença mais sutil e mais intensa do que se pensa, porque, como as árvores, estão sempre ao redor, e estamos sempre à procura delas. Muito do espírito de uma cidade pode ser entendido a partir de seu mobiliário urbano. Os bancos em pontos de ônibus de Los Angeles tem formato de meia-cana, para impedir os mendigos dormirem neles. Em San Francisco os assentos giram em torno de um pino quando não tem ninguém sentado. Londres sempre foi lembrada pelas herméticas cabines de telefone vermelhas. Os "orelhões" do Rio, em Recife tem formato de côco ou berimbau. Não espanta que o prefeito Cesar Maia e o arquiteto Conde tenham recebido tantas críticas quando decidiram remodelar as ruas com o projeto Rio Cidade. Estavam mexendo com algo mais sério do que decoração: as referências urbanas.

Substituir antigos latões de metal por caixas alaranjadas, verdes e azuis para coleta seletiva de lixo não exemplifica apenas uma renovação estética; mais do que isso, explicita claramente a preocupação dos habitantes com lixo, reciclagem, ou a facilidade de coleta que um mero trilho de metal permite.

Espanta, sobremaneira, a atitude - comum em centros urbanos - de roubo de referências públicas. Uma vez li que a CET Rio substitui uma percentagem considerável de cones de sinalização - aqueles listrados em laranja e branco - porque eles são roubados. Me pergunto quem são os sujeitos que surrupiam essas coisas, e para que? Decorar um quarto, ou uma festa, sei lá. Um amigo me conta que conheceu um sujeito que arrancou um telefone público antigo, dos de ficha, pouco antes deles serem substituídos pelos de cartão. Existe esse sentimento meio autofágico de tentar preservar no lar - o privado - a cidade afetiva - o público - por meio de relíquias, ou aquilo que Carlos Leonam chamou de badalhocas.

É impressionante o apego que os cidadãos urbanos demonstram para com os maiores absurdos do meio urbano, agressões estéticas, ecológicas ou visuais. Outdoors espalhados nas margens de vias expressas, tapando a paisagem, são renovados a cada mês, funcionando como uma espécie de jornal para quem passa ali todo dia. Construções estranhas viram referências de localização, como a antena da Paulista, a pirâmide Transamérica ou o obelisco de Ipanema. E no entanto não passam de agressões ao meio urbano, aberrações, por mais que se as empreste valor afetivo.

Ás vezes esse sentimento se institucionaliza. Uma loja em San Francisco vende placas idênticas às que se encontra nas ruas da cidade. Dependendo da intensidade da relação, os próprios cidadãos se preocupam em preservar referências, que vão sendo consumidas pelo predatismo imobiliário, pelos delírios dos governantes, pelas mudanças que o tempo traz. Alguns moradores da Ipanema dos anos 60 guardam em suas casas o néon do Jangadeiros ou as pegadas em cimento da calçada da fama do Antônio's. Tenho certeza que se fosse possível alguém teria levado o bonde da General Osório para casa...

Tudo isso formula 2 ou 3 princípios: primeiro, a difícil tarefa de se separar o que é referência e o que é lixo urbanóide, sob o risco de daqui a pouco a gente se transformar em paródia de Blade Runner, marcando encontro nos escombros 4H, junto do desastre de carros C. Segundo, a atenção com a diversidade e a riqueza arquitetônica, onde reside parte da personalidade da cidade. Caixotes envidraçadas sem parapeitos podem ser extremamente funcionais e até ecologicamente corretos, mas continuam irritantemente inócuas. E a padronização se alterna entre a falta de opções da arquitetura socialista ao "pesadelo com ar condicionado" dos condomínios do Show de Truman. Terceiro, a verdadeira guerrilha que os moradores tem que manter contra quimeras imobiliárias, poluição visual e prostituição turística, eternos inimigos da vizinhança. Nada mais terrível do que aconteceu com Copacabana na década de 50, ou Ipanema dez anos depois. Ou, como resume a placa na entrada do abandonado e mal planejado Berkeley's People's Park: "where we took up a parking lot and put up a paradise".

O meio urbano por si só já é suficientemente neurotizante para que a gente o piore.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 24/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
03. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
05. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês