A novela América e o sensacionalismo de Oprah | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> No rala-rala
>>> Guerra de Egos
>>> Duas noites, dois momentos culturais
>>> Falta alguma coisa ali no meio
Mais Recentes
>>> Creative Divorce de Mel Krantzler pela A Signet Book (1975)
>>> Letras de Músicas Cavc Idiomas 2º Semestre 1999 de Vários Autores pela Cavc Idiomas (1999)
>>> Cinquanta sfumature di rosso de E L James pela Mondadori (2012)
>>> Diccionario de Bolsillo Portugués - Español - Español - Portugués de Lexicon Sopena pela Ramón Sopena (1978)
>>> Hausbuch fur die deutsche familie de Frankfurt pela Standesamtswesen (1956)
>>> Um Cidadão do Mundo que Ama a Paz de Sun Myung Moon pela Parma Gráfica (2012)
>>> Rainer Maria Rilke de J. F. Angelloz pela Nymphenburger Verlagshandlung - munchen (1955)
>>> Seleções de Livros 3 em 1 de Varios autores pela Reader's Digust
>>> Deutsch Fur Auslander 2 de Hermann Kessier pela Leichte (1955)
>>> Die jungfrau von orleans de Schiller pela Reclam (1961)
>>> Spider's Web de Agatha Christie pela Samuel French (2011)
>>> Elelal all - Uenekus de José Nicolau Gregorin Filho pela Falenica Book (1967)
>>> Venha até nós de Corporation of the president of the church of jesus christ pela Corporation of the president of the church of jesus christ (1988)
>>> Vinte Suratas do Alcorão de Samir El Hayek pela Samir El Hayek
>>> Our perfomance in 2010 de Ubs pela Ubs (2010)
>>> Ano acadêmico de 1984 de Faculdade de teologia nossa senhora da assunção pela Faculdade de teologia nossa senhora da assunção (1984)
>>> Sidur para Minchá e Cabalat Shabat Zichron Nissim de Vários Autores pela Sinagoga de moema
>>> Sujeito: da sintaxe ao discurso de Eunice Souza Lima Pontes pela Ática (1986)
>>> Comentários sobre purim e Meguilat Ester transliteraria de Congregação Mekor Haim pela Congregação Mekor Haim
>>> O Novo Testamento de Nosso Senhor Jesus Cristo de Os Gideões Internacionais pela Os Gideões Internacionais (1987)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 7 de Vários Autores pela Amorc
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 5 e 6 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Cidade dos ossos de Cassandra Clare pela Galera (2021)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 1,2 3 e 4 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Novo Testamento de Ave-maria pela Ave-maria (1992)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/9/2005
A novela América e o sensacionalismo de Oprah
Marcelo Maroldi

+ de 17000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Dias atrás, em uma aula de mestrado em filosofia, ouvi de um importante filósofo brasileiro que as novelas são um dos moldes da cultura brasileira. Nessa mesma semana, em um jornal local aqui da minha cidade, havia uma enquete sobre como promover educação ambiental e uma cidadã disse que era necessário que as novelas ensinassem isso. Tudo bem, mas, certamente, essas afirmações não serviriam para a novela América, a pior novela brasileira da história. Antes de prosseguir, porém, devo dizer que, embora a mulher repetisse o que ouvira de pessoas supostamente mais intelectualizadas, sou obrigado a discordar. Desde quando novela deve ensinar algo a alguém? Novela é diversão, apenas. Se alguém quiser se instruir não vai assistir novela! Faça isso de outro jeito. Novela é um canal de comunicação de massa, verdade, mas, não foi inventada para isso. Mas esse é outro assunto...

A novela América (segunda a sábado, TV Globo) tem um enredo, digamos, pitoresco. Há o quarentão que namora a menininha, o homossexual que não se assume, o cego ativista, o programa (metaprograma!) politicamente correto para portadores de deficiências, o médium que recebe espíritos, a viúva com o galã, o boi celebridade, o médico que faz especialização nos EUA mas trabalha como motorista, a vagabunda enrustida, o filho bastardo, o pedófilo que se aproveita do menino que conheceu na internet, o escritor pobre, a moça que vai tentar a sorte nos EUA, tem de tudo! É uma muvuca, meus amigos! Se na novela dizem, a toda hora, que os EUA é a terra das oportunidades, eu digo que a novela é a terra de ninguém. Para usar um termo popular, diria que sua autora quer abraçar o mundo. É desastroso.

Tudo bem, tudo bem... você está perguntando por que eu vejo a novela então? Ora, eu assisto para ver as meninas bonitas, é lógico!, principalmente as do núcleo da discoteca chique em Miami, que, além de só ter brasileiros, tem beldades dançando (algumas também se prostituem! Aliás, é a negra a prostituta...curioso isso!). Felizmente uma delas, Débora Secco, não dança mais, até onde eu vi estava presa... Falando nela, esses dias vi uma entrevista em que essa atriz dizia que seu marido (Falcão, vocalista do Rappa) era muito culto e inteligente e ela não entendia as coisas que ele dizia, pois eram muito difíceis! Certamente ela cresceu assistindo novelas...e leu muito pouco (calma, não é tão ruim assim, a ex-spice girl Victoria, que é esposa do jogador Beckham, disse semanas atrás que jamais leu um único livro em toda a sua vida. Importante destacar que seu marido tem duas biografias publicadas). Ah, mas esse parágrafo foi apenas para me justificar, vou retomar o assunto no próximo, caro leitor.

Além de ter um enredo de literatura fantástica, essa novela peca pelos temas que aborda. Ainda que a TV Globo esteja tentando empurrar goela abaixo, por exemplo, os rodeios, isso não está agradando. É muito rodeio, meu Deus! Como cansa falar de bois, caprichar no sotaque e não citar nenhum livro, nenhuma peça, nenhum filme, nada inteligente. Não digo que não há inteligência neste universo de rodeios, mas, se tem não está sendo retratado. É só dança e paquera (como nos rodeios reais, certo?). Outro ponto: forçam a barra sobre o assunto dos portadores de deficiências! Já foi divulgado inúmeras vezes na mídia que o ibope cai quando se inicia o programa dentro da novela. Se querem mostrar essa realidade, não vai ser enfiando um programa por semana dentro de América que a massa noveleira vai se educar. Finalmente, a questão da emigração para os EUA. Isso já cansou, e faz tempo! E a Globo ainda insiste, exibindo no Globo Repórter o mesmo assunto. Até o Gugu mostra isso, que coisa chata! A propósito, o programa do Gugu está morto e esqueceram de enterrar. Só não é pior que essa novela terrível, sem graça, cheia de gente bonita e história nenhuma!

Além dessa novela desagradável cheia de garotas seminuas, nesses dias passados assisti o programa da Oprah (The Oprah Winfrey Show, GNT, diariamente). A Oprah é a mais bem-sucedida apresentadora de TV americana, é Hebe do Tio Sam. Bom, eu assisti porque a chamada dizia que o programa falaria sobre o Katrina em Nova Orleans. Fiquei curioso! A Oprah é aquela apresentadora que na segunda faz um programa sobre mulheres que emagreceram fazendo a dieta da lua egípcia e na terça faz outro programa falando sobre mulheres que não conseguem fazer sexo com seus maridos porque foram estupradas pelos pais e tios. Você liga a TV e não imagina o que pode encontrar... pode ser qualquer coisa. Pode ser um sensacionalismo absurdo ou pode ser uma futilidade estupenda, é realmente impressionante o poder criativo dos diretores do programa (aliás, lembrei-me do Gugu de novo, mas deixa pra lá).

Mas, enfim, lá estava eu vendo o programa da Oprah (que, infelizmente, é no mesmo horário do programa do Leão Lobo... que pena!). Bom, só assisti ao primeiro programa (foram dois). Aquilo sim foi sensacionalista, mas, nada que já não cansamos de ver por aqui. E, acredite, eu fiquei com vontade de chorar. Não, eu não consegui ficar com vontade de chorar, eu chorei mesmo. Eu não estou envergonhado por assumir isso, afinal, não importa a abordagem que se use, ver uma negra de 60 anos chorando pelos filhos mortos me emociona. Nova Orleans está realmente destruída. As coisas não estão boas por lá. É uma África dentro dos EUA, uma África onde a Sol da novela América não está... O programa mostrou celebridades fazendo caridades pela cidade, e alguns lugares onde as pessoas se protegiam. Abrigos onde, dias antes, as crianças eram estupradas ao irem aos banheiros, e, portanto, de onde muita gente fugia, encarando mais facilmente o furacão do que a estupidez humana ali presente.

Duas realidades tão distingas a apenas alguns números do controle remoto. Eu fiquei pensando, para este caso, o que eu queria da minha vida televisiva: um programa que não acrescentasse nada a minha pessoa - mas que também não me estressasse - ou um programa que se utilizasse das emoções das pessoas para se sustentar - mas que é vida real. Sensacionalista é um termo que ouço os falsos intelectuais de plantão criticarem todos os dias. Descem a lenha nas Oprah's da televisão. É como se apenas o povo ignorante, como eu, assistisse a esse tipo de programa por mais de 3 minutos. Como se apenas os despreparados pudessem se emocionar com algo que, sabem eles, é preparado para emocionar, um pacote feito para levar as pessoas às lágrimas. Pessoas inteligentes não se emocionam com isso, com essa armação (mesmo que o sofrimento seja verdadeiro, pois quem estraga tudo é o espetáculo da TV, correto?). Mas eu nem sei porque falei isso... pessoas inteligentes não assistem televisão e não vêem nem América e nem Oprah. Eu vejo, mas, caro leitor, é porque a minha vó (que não é uma falsa intelectual) quer assistir, e só temos uma televisão na minha casa... e eu não gosto de deixá-la sozinha vendo TV.

A imbecilidade humana não tem limite

Hoje, meu carro, que estava parado em uma rua praticamente deserta, foi jogado longe por um veículo desgovernado que continha 3 bêbados em seu interior. Nenhum deles conseguia parar em pé, e, certamente, só saberão o que ocorreu depois que o álcool sair do seu sangue. O que dirigia, inclusive, tinha 70 anos de idade, e fedia pinga em uma quinta-feira às 14hs. Isso não tem nada a ver com a minha coluna, sabe?, mas é que poderiam ser crianças na calçada ao invés do meu carro... Eu até lembrei da frase que inventei e que fez muito sucesso no meu blog: o trânsito é a maneira mais eficiente que o ser humano encontrou para demonstrar o quanto é imbecil. No caso, o problema aqui era a bebida, mas poderia não ser. Poderia ser só um racha, um garoto que pegou o carro do pai escondido, qualquer coisa assim. É, a imbecilidade humana não tem limite mesmo... e isso independe de assistir a novela ou não.

Marcelo Maroldi
São Paulo, 19/9/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um brasileiro no Uzbequistão (VIII) de Arcano9


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/9/2005
20h44min
Como lhe disse, consegui ler seu texto sobre um tema que não me diz a mínima e lê-lo até o fim com prazer. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Claire]
25/9/2005
02h28min
achei muito interessante o seu texto, fez-me lembrar de um texto que apresentei na faculdade sobre o BBB ;)
[Leia outros Comentários de FBA]
26/9/2005
14h13min
Marcelo do Céu! Eu assisto "América" todos os dias porque ainda não consigo acreditar que Globo pôs uma novela como aquela no ar. Mais surrealista, impossível. Acho que você perdeu a parte em que Sol aparece na casa do Ed dentro de uma caixa. Nunca, em toda a literatura fantástica latino-americana houve fato semelhante. Nem as borboletas que anunciavam a vinda de Maurício Babilônia para Meme ou a subida de Remédios Buendía aos céus foi tão inverossímil. Assistirei até o final, ainda não pude me convencer que algo tão absurdo esteja passando na TV. E, ah, adorei seu lado "comentarista" de televisão. Você precisa fazer isso mais vezes, ri sozinha em muitos momentos.
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
5/10/2005
13h08min
América é o fim da picada porque jogaram fora tudo que podia ser animador em uma novela, e montaram um monte de refrões e clichês – que, por via das dúvidas, não é como é a Vida Dos Brasileiros nos EUA... Bom, mas brasileiro aprende por novela, do mesmo jeito que intelectual do nosso país pensa por osmose... Quanto à Oprah, foi o maior escândalo o tal programa de Nova Orleans, porque ela "armou" cenas lacrimosas durante o desastre. Ela e o Geraldo, by the way. O que me espanta é que as pessoas precisam desse tipo de coisa para derramar lágrimas... Será que é tão difícil derramar lágrimas por "O Idiota", de Dostoievski, ou por uma lua bonita, ou por se despedir de um amigo que vai morar longe, ou por ver os filhos crescerem, ou porque a namorada conquistou alguma coisa, ou porque o padeiro está sofrendo com a doença do pai, ou porque o vizinho se sente só, ou porque se tem saudade do mar? Os seres humanos modernos se empatizam com a televisão, mas transformam a vida real numa plastificação surreal... Choram pela Oprah de Nova Orleans, mas quando caminham na rua do seu bairro, não sentem a menor vontade de perguntar à aquela garota do ônibus porque ela chora e simpatizar com ela... Homo Insanus.
[Leia outros Comentários de Ram]
20/10/2005
17h36min
Nós daqui dos EUA estamos morrendo de medo de vir para cá depois da novela... hahaha. Ups, ou eu já vim e foi para o lugar errado? Após 11 anos e assistir ao espetáculo America estou até me questionando. Que bom encontrar pessoas que dizem o que pensam como você fez agora. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Vanessa Leonetti]
26/10/2005
08h27min
Caro: Sobre o fato de o Glauco namorar menina nova o ridículo está na diversidade de mundos em que ambos vivem e não na idade de ambos. Carne novinha é bom e todo mundo gosta. Mas a Globo parece mesmo ter um compromisso com a homossexualidade, que agora está caminhando para ser quase "compulsória" no Brasil. No afã de posar de "progressista" e de discutir o preconceito contra a homossexualdade, a Globo está caindo no outro extremo, a ponto de sutilmente estar começando a surgir no Brasil um outro preconceito contra o qual ninguém fala: o preconceito contra os heterossexuais. Outro dia, o cartunista de um jornal de minha cidade fez uma "charge" notável, em que colocava um papo entre o Júnior e o Tião. O Júnior dizia: "Ih, Tião. Você deve ser 'tarado'. Só pensa em mulher. Nunca pensei que você fosse tão 'careta'". É isto aí. Gostar de mulher hoje é sinônimo de caretice. Será que o pro-homossexualismo global tem a ver com o desregramento em que vivem diariamente os artistas nos estúdios da Globo? Não são poucas as pessoas conhecidas minhas que trabalharam lá e que reafirmam que os bastidores da "utopia" global são piores do que Sodoma e Gomorra. H. Carvalho, Petrópolis - RJ
[Leia outros Comentários de hamilton carvalho]
4/11/2005
23h46min
Chega ao fim a saga de Glória Perez. E não podia deixar de expressar a indignação que sinto ao assistir produções como essa. América, o entorpecente em gotas! Será que alguém pode me dizer o que tinha a autora em mente ao escrever uma história dessas? A "Solfredora" feliz com seu filho e amor no Brasil. Casamentos, festas, um aspirante a estilista convidado gentilmente a viajar pelo mundo. Todos devidamente alimentados, aquecidos e felizes. Um boi que se desmaterializa!!! Pequenas punições para Miss May e Alex. Aliás que cena foi aquela de Camila Morgado se derramando em prantos no aeroporto? Que vida bela e mundo justo os de América! A manifestação mais explícita da indústria cultural. A tentativa de ser formar uma ponte de cumplicidade espectador-personagem e todos acreditarem qe os "maus" serão punidos e todos terão gotas de felicidade no fim "senão não é o fim"!!! Que harmonia positivista! Fogueira, Glória Perez! E cuidado pra não se perder no limbo das três dimensões!!!
[Leia outros Comentários de Priscila Martins]
16/5/2006
20h57min
Infelizmente nao concordo com o que foi falado sobre a novela. Achei super interesante a ficcao, e achei a novela muito inteligente tambem. Gloria Perez fez um trabablho muito valioso ao mostrar uma realidade que existe, sim. Acho que as novelas ensinam mais do que os livros no Brasil, porque as pessoas nao tem dinheiro para comprar os ultimos. As novelas sao importantes fontes de ensinamento. Um abraco, Milton Laene Araujo
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
5/8/2007
17h37min
eu não concordo com o que foi dito, adorei esta novela e até meu pai, que não gosta de novelas, gostou...
[Leia outros Comentários de Maristela Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Saxofone e Flauta Escalas e Acordes 1
J. C. Prandini
Zimbo
(1983)



Messe - Poesias
Vidalino Torrano
Voz do Oeste
(1987)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Almanaque 02 Neurônio Guia da Mulher Superior
Jô Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso
Record
(2002)



Primate Evolution and Human Origins
Russell L. Ciochon e John G. Fleagle
Aldine de Gruyter
(1987)



Doenças do Pulmão Correlaçao Radiologica e Patologica
Nestor L. Muller / Ricard S. Fraser
Revinter
(2005)



Retalhos de uma República
Nelson Valente
Panorama
(1999)



Vade Mecum Prática Oab - Tributário
Guuilherme Sacomano Nasser e Outro
Revista dos Tribunais
(2013)



O Rio de Janeiro no Tempo dos Vice-Reis (1763 a 1808)
Luís Edmundo
Senado federal
(2000)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês