Pelas curvas brasileiras | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
Mais Recentes
>>> Michael Jackson
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida
>>> Biblia evangelho lucas
>>> Escola Frankfurt
>>> Pimentos & Compahia
>>> Cozinha Saudavél
>>> Beer Ultimate Word Tour
>>> The Great Wines Of France
>>> Viagem Pitoresca Do Brasil
>>> 100 Canetas de Sempre
>>> Fra Agélico
>>> O Prazer de Viver Ligjht
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Master of french Art
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> A Concepção Materialista da História
>>> Garbo
>>> Sucos Para a Saúde
>>> Whitney Houston
>>> Mecanismos Internos
>>> 1001 Discos para Ouvir Antes de Morrer
>>> Kyoto
>>> Tom Cruise - Biografia Não-Autorizada
>>> A Origem e o Retorno
>>> Nelson Rodrigues Na Tv
>>> As Naus
>>> As Mulheres de Meu Pai
>>> Edições de Planeta - Ramakrishna - O Louco de Deus
>>> Great Escapes Africa
>>> O escolhido legado
>>> O Pintor Da Vida Moderna
>>> Turner
>>> 30 Sabores receitas de Ensopados
>>> Os cadernos de Dom Rigoberto
>>> Tantra - Arte e Refinamento do Amor
>>> Amanhecer
>>> Mito e Religião Na Grécia Antiga
>>> O Gigante em Você
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> A cidade de cada um - coleção Vera cruz vol.46
>>> Armadilha ao Contrário
>>> Rimas Da Vida E Da Morte
>>> Carmo
>>> O Próximo
>>> Meu pequeno São-paulino
COLUNAS

Terça-feira, 11/7/2006
Pelas curvas brasileiras
Tais Laporta

+ de 7500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

flor
Ilustra by Tartaruga Feliz

Por que as esquinas possuem contornos arredondados? Por que geladeiras e elevadores têm a forma de cubos gigantes? Sob olhares desatentos, essas perguntas não merecem explicação. Mas os amantes do design as respondem com apenas dois nomes: beleza e funcionalidade. Sim, o design está em tudo, ainda que não percebamos, e ainda que ele exista para harmonizar as relações entre o humano e o resto do mundo. Com a intenção de explorar as raízes desse conceito no Brasil, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e o Movimento Brasil Competitivo (MBC) inauguraram a I Bienal Brasileira de Design, aberta para visitação até 6 de agosto no espaço da Oca, Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

A mostra destaca a inventividade e multiplicidade da produção brasileira, e ressalta que sua origem vem antes de Cabral ter aportado nestas terras: os índios, nossos primeiros designers, foram os responsáveis por aliar o despudor do corpo ao artesanato. "Os artefatos criados ao longo de cinco séculos revelam projetos de design implícitos ou evidentes: noções de função, uso e padrões estéticos vigentes", aponta a socióloga Elizabeth De Fiore. Essa intuição natural ajudou a moldar a identidade do design nacional, que concebeu cores, formas e texturas pelas mãos de pessoas anônimas, representantes da cultura regional. Por esse motivo, não se pode dizer que a Bienal é somente uma exposição artística, mas, sobretudo, de objetos cotidianos, necessários e atuais.

Mobiliários dos anos 50

Nessa linha, a mostra faz um passeio pelas décadas do século XX, com destaque para objetos artesanais e industrializados, cujos projetos seguiram conceitos semelhantes dentro de sua época. Para as gerações mais antigas, uma verdadeira sensação de déjà-vu diante de móveis, eletrodomésticos e utensílios que não se vê há muito tempo. Para completar a ala histórica, duas figuras ilustres recebem homenagem no mesmo espaço: Rui Barbosa (o primeiro a defender a importância do desenho na arte industrial) e Santos Dummont, que além de grande inventor, soube aliar forma e função - o relógio de pulso, por exemplo, é uma criação atribuída a ele.

A designer francesa Charlotte Perriand, uma das mais importantes do século XX, também recebe, post-mortem, um espaço dedicado ao seu trabalho no último piso da Oca. O andar traz uma ampla visão de sua trajetória, seus projetos e idéias, assumidamente inspirados na paixão que nutria pelo Brasil, onde viveu por muitos anos. Nessa estadia, conviveu com grandes designers e arquitetos brasileiros, que foram fortemente influenciados por sua obra. "Devemos observar aqui essa disposição, a presença de um alto índice de invenção, na busca de peculiaridades que ainda podem ser exploradas", observa o designer Aloísio Magalhães.

Projeto de Charlotte Pierrand


Outro piso da Oca é dedicado às novas funções do design contemporâneo, transformado radicalmente pela tecnologia e pelo mercado. Os centros urbanos merecem destaque pela nova necessidade de uma interferência planejada, a exemplo dos projetos de sinalização brasileiros, que ganharam repercussão internacional. Também destacam-se as logomarcas brasileiras, as capas de livros e CDs e - um objeto que, para os brasileiros, vai além da função de locomoção - os automóveis. "O design de carros no Brasil sempre interessou aos estrangeiros, da Europa à África. O Fox, por exemplo, é o primeiro projeto nacional com presença mundial", ressalta Fábio Magalhães, curador geral da mostra. De fato, a partir dos anos 50, com a implantação da indústria automobilística por aqui, a produção de carros transformou a cara do Brasil. E o Brasil transformou a cara dos automóveis.

"As sandálias da marca Havaianas são outro fenômeno de produto popular que é consumido pelas classes A e B dos países desenvolvidos", lembra Magalhães, ressaltando que a tecnologia proporcionou uma facilidade extraordinária para produzirmos, em larga escala, um design com identidade própria, sensualidade e paixão pelo arredondamento. Sem sombra de dúvida, nada representa melhor o Brasil do que a curva, presente nos relevos disformes, nas vegetações tropicais e, claro, nas formas humanas. É uma geometria aconchegante e receptiva, que faz o estrangeiro se sentir em casa. Nessa brecha, entra a diferença entre arte e design - a relação do pensar com o fazer - como lembra o curador geral da exposição. "O artesanato é ligado à tradição, já o design exerce uma função de ruptura, sempre à procura de novos caminhos, ainda que sua fonte de inspiração seja sempre a cultura brasileira".

Minimalismo estético dos anos 90


Faça um teste: repare nos objetos à sua volta, perceba suas formas, espessuras, peso e movimento. Tente encontrar algo que não tenha sido concebido para o fácil manuseio e o conforto. Desde os grandes projetos de arquitetura aos objetos mais simples, todos incorporam a anatomia do corpo humano. O século XX, especialmente o que sucede o modernismo, deixou de lado os detalhes desnecessários e aderiu ao minimalismo. Essa limpeza varreu os adornos barrocos e neoclássicos para dar lugar ao útil e simples. Ou seja, nos ares futuristas, o belo deixa de ser prioridade e passa a brilhar ao lado do funcional. Ninguém mais quer a estética no caos do desconforto.


Tais Laporta
São Paulo, 11/7/2006


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2006
01. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
02. Pelas curvas brasileiras - 11/7/2006
03. Ninguém segura Lady Macbeth - 2/8/2006
04. Sem cortes, o pai do teatro realista - 17/5/2006
05. Confissões de uma ex-podcaster - 20/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/7/2006
02h52min
Muito bem lembrado. Penso que uma das melhores coisas que a modernidade fez por nós foi banir o raio do rococó. A simplificação para a funcionalidade é uma coisa boa que os tempos trouxeram. Só tem uma coisa que complicou mais do que a gente supunha ser possível: controle remoto. Você tem seu DVD, sua TV, seu Surround, seu antigo VHS e o corolário disso são vários controles remotos somando centenas de botões, a maioria absolutamente indecifrável, cujas funções misteriosas são diretamente proporcionais ao tamanho das letras e símbolos impressos no centro, dos lados, abaixo e acima de cada um deles, de preferência traçados como minúsculas ranhuras que rapidamente se enchem de sujeira e somem contra um fundo negro. Coisas de uma mente maligna. Isso é o que há de mais excessivo no barroco rococó, deslocado de sua antiga área formal, ressuscitado e invadindo a funcionalidade das coisas.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GIBI EDIÇÃO MARAVILHOSA Nº 89 - CANGACEIROS ( EBAL-1ª SÉRIE-1954
JOSÉ LINS DO REGÔ
EBAL
(1954)
R$ 50,00
+ frete grátis



LAGARTAS ESPERTAS - COL. SURPRESAS COLORIDAS
WENDY MCLEAN & DEE TEXIDOR
TODOLIVRO
(2005)
R$ 25,00



A CIDADE ILHADA
MILTON HATOUM
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



A ARTE CAVALHEIRESCA DO ARQUEIRO ZEN
EUGEN HERRIGEL
PENSAMENTO
(1979)
R$ 19,87



A LEI DE MURPHY SEGUNDA PARTE
ARTHUR BLOCH
RECORD
(1997)
R$ 10,00



ABBA - QUANDO A VIDA É UMA FESTA!
ABBA
ESCALA
(2012)
R$ 15,90



O MONTE CINCO
PAULO COELHO
OBJETIVA
R$ 4,90



O BRASIL DOS SERTÕES
ALEXANDRE BARROSO
DUNAS RACE
(2016)
R$ 5,40



ADOLPHE MONOD'S FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
R$ 35,00



HISTÓRIAS DE VIDA
LOUISE L. HAY
MADRAS
(2012)
R$ 17,50





busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês