Receita para se esquecer um grande amor | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
70779 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Gabriel García Márquez (1927-2014)
Temas
Mais Recentes
>>> Concurso literário, caminho para a publicação
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> O Público Contra Yayoi Kusama
>>> O africano e o taubateano
>>> Fake na art e a pet humana
>>> O caso Luis Suárez
>>> Brasil brochou na Copa
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Cidade-sinestesia
>>> A firma como ela é
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Trágico e Cômico, o debate
>>> A volta do 'louco da plateia'
>>> Ascensão e queda:lançamento
>>> Bruna Beber no Sesc Palladium
>>> Ubaldo no Roda-Viva
>>> Ubaldo no Digestivo
>>> Beethoven, Perlman e Barenboim
>>> Alberto Dines sobre a Copa
>>> Imagina Depois da Copa
>>> Badzil vs. Germazing
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
Mais Recentes
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro
>>> Varela entrevista Tas
>>> Teatro em 2006
>>> Como parecer culto
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
LIVROS
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais
>>> Millôr 100 + 100 - Desenhos e Frases
>>> Medeias Latinas
>>> Poesia Completa de Raul Bopp
>>> O Guerreiro Pagão
>>> Introdução à Tragédia de Sófocles
>>> Tragédias
>>> Hamlet e o Filho do Padeiro
>>> Nigellissima - Inspiração Italiana Instantânea
>>> Caçando carneiros
>>> Brotos - Receitas da Culinária Viva
>>> Brincadeiras
>>> O Beijo
>>> Assassins's Creed - Barba Negra
>>> Anatomia radiológica aplicada
>>> O Amor Não É Para Mim
>>> Amizade Zumbi
>>> O 6º Continente
>>> 360 graus de influencia
>>> Caninos Brancos
>>> Fernando Pessoa - O Livro das Citações
>>> Máquina de Contar Histórias
>>> O Livro do Pão
>>> A Lista de Brett
>>> Lembranças de Lennon
>>> Ldb/1996 Contemporânea - Contradições, Tensões, Compromissos
>>> O Jogo Infinito
>>> Jararaca: Um Homem Com Nome de Cobra
>>> O Inverno de Frankie Machine
>>> Incendeia-me
>>> In My Shoes
>>> Idênticos
>>> Homero - Aventura mitologica
>>> Animais Selvagens - Minha Maletinha
>>> Animais Marinhos - Minha Maletinha
>>> Animais da Floresta - Minha Maletinha
>>> Minha maletinha - Animais da Fazenda
>>> A História das Copas
>>> Guia Para Donas de Casa Desesperadas
>>> Graça radical
>>> Glória roubada
>>> Lonely Planet - França
>>> Fique Onde Está e Então Corra
>>> Final do Jogo
>>> Filosofia no Ensino Médio
>>> Cidade do Fogo Celestial
>>> Felizes Para Sempre?
>>> Dead Kennedys: Fresh Fruit For Rotting Vegetables
>>> Felicidade roubada
COLUNAS

Quinta-feira, 3/8/2006
Receita para se esquecer um grande amor
Marcelo Maroldi

+ de 389100 Acessos
+ 113 Comentário(s)

Às vezes eu fecho os olhos, inspiro e procuro sentir a presença de quem já não está por perto. É um método que eu inventei tempos atrás..., e uso sempre quando o amor se transforma em saudade.

Os grandes amores existem. As grandes paixões existem. Eles existem. Eles simplesmente existem. Eu desejo que todo ser humano possa sentir o que eu um dia já senti. Somente uns poucos minutos daquele entorpecimento juvenil, daquela inundação de sentimentos que enlouquecem, daquela loucura toda que te envolve, te amedronta, aquela confusão monstruosa que vivi quando amei. E quando fui amado. Uma paixão avassaladora que me fez acreditar que eu ainda permanecia vivo. Vivo e amando. E amado. Mas, agora, eu fecho os olhos para dormir. A cama cresceu tanto de tamanho, o meu peito cada vez está menor. E muito mais vazio. Ninguém a me ninar. A minha mão não encontra a sua. Quem foi que viu a minha Dor chorando?! (Augusto dos Anjos, "Queixas Noturnas". Mas, no meu caso, diurnas também). Eu quero uma receita para se esquecer um grande amor, o senhor tem aqui para vender? O preço não me interessa, eu só quero poder seguir em frente. Nem precisa ser em frente..., basta seguir. Porque A minha vida sentou-se/ E não há quem a levante (Mário de Sá-Carneiro, "Serradura").

E o vazio logo aparece, não dá um minuto de folga (“meter a cara no trabalho” é algo que também não tem funcionado). O telefone não toca naquela hora, a minha caixa de e-mails não tem pena de mim, já não tem novidade boa a me contar. Uma sensação leve e prematura de derrota logo se apodera da gente. Depois ela cresce. Já não é mais sensação, é derrota mesmo. Eu não tenho mais para quem escrever os meus defeituosos poemas, a quem dedicar meus pensamentos, quem vai me acalmar quando a agonia aparece sem avisar? Eu me sinto tão sozinho. Por vezes eu nem me sinto. Meus olhos não vertem lágrimas, o meu coração não dispara. Será mesmo que estou vivo? Ainda nem maldisse toda a minha sina e mazela, nem afoguei minhas (agora) crônicas mágoas na cachaça libertadora, também não há outro perfume no meu corpo. Viver é amar, um dia me explicaram direitinho. Eu era inocente e acreditei. Só inocentes e tolos crédulos aprendem isso, eu tive o azar de ser um deles. Nem ouso reclamar.

Quando acordei foi em você que eu pensei. Provavelmente pensei em ti durante toda a noite também, mas dessa vez tive a sorte de não recordar. Não importa como minha vida esteja seguindo, é sempre em seu sorriso que meus pensamentos se convergem. Não há fuga nem plano B. Eu aprendi que não é te esquecendo que irei me livrar de você. Não importa quanto tempo transcorra, jamais me esquecerei daquela noite, aquela, quando estupefata você ouviu minha curtíssima e derradeira declaração de amor. Metade do tempo eu reflito sobre o que ela significou e o que ela irá se tornar em alguns parcos anos. Logo, meu coração será de outra, as suas coisas queimarei no quintal (afastando a cachorra para que não se queime) e essa frase eu voltarei a dizer. Mas não para ti, jamais para ti, nunca mais para ti... Você será apenas uma lembrança, feito tantas outras, e eu serei apenas uma lembrança para você... feito tantas outras. Já não me amas? Basta! Irei, triste, e exilado/ Do meu primeiro amor para outro amor, sozinho (Olavo Bilac, "Desterro").

Quem errou mais? Isso não importa agora, logo, posso ficar com toda culpa pelo nosso fracasso. Sempre sonhei com algo diferente, como nos contos de fadas e nos pagodes de três notas (e se me perguntam Que era mesmo que eu queria?/ ”Eu queria uma casinha/ Com varanda para o mar/ Onde brincasse a andorinha/ E onde chegasse o luar”, Vinicius de Moraes, "Sombra e Luz"). A realidade foi deveras distinta disso, só Deus é testemunha das minhas queixas. Mas, nesse momento, nada disso importa, nada do que doeu agora importa. Eu vou ficar aqui, sozinho, com minhas lembranças e nosso fracasso. Vou lembrar das partes boas, para me emocionar com a saudade. Não lembrarei de nenhuma briga, nem nada disso! Eu quero uma receita para esquecer dos momentos ruins, dos bons eu não preciso. Não preciso e não quero. Para que esquecer do que me orgulho? Do que me fez feliz? Deixa a saudade me machucar, meu anjo, uma hora ela se cansa. Eu não abro mão de recordar o quanto fomos felizes. Acabou, mas não sem muito amor. É o fim, mas não antes de muitas promessas de eterna felicidade. É isso o que vale, afinal. Eu busco isso a cada instante de minha vida.

Mas agora ele está lá e eu aqui. Ele está lá seguindo a vida dele, e eu estou aqui, seguindo a minha. Aqui eu te amo e em vão te oculta o horizonte (Neruda, "Aqui eu te amo"). Ela esta lá vivendo a vida dela como se nada tivesse acontecido. Acho, realmente não sei dizer (Teus olhos são duas silabas/ Que me custam soletrar./ Teus lábios são dous vocábulos/ Que não posso,/ Que não posso interpretar Fagundes Varela, "Canção Lógica"). Eu aqui, não triste, mas saudoso. Às vezes eu olho para os céus para descobrir se sinto algo de novo. Quem sabe um daqueles meus suspiros. Passo horas olhando as estrelas, sem entender por que elas brilham. Elas deveriam fazê-lo somente quando você fosse minha, não em qualquer situação. Mas você segue a sua vida, almoça feliz e se diverte enquanto procuro a receita para te esquecer. Sei que não irei sofrer, o que me castiga é a saudade. Não irei chorar, nem lamentar, tampouco desejar a morte. Irei apenas seguir em frente, sozinho agora, às vezes pensando: o que será que ela faz nesse momento?, agora que chove lá fora! O que será que ela faz? Será que pensa em mim? Será que sorri? Eu abro os braços para envolver a minha vida.

Lembra da música da Elis? Vou querer amar de novo e se não der eu não vou sofrer...? Preciso te dizer a verdade: se isso acontecer, eu vou sofrer sim, meu coração só existe para amar de novo, espero que você entenda. Eu sigo a minha vida por aqui, você continue a sua por aí. Se consegui a receita para se esquecer de um grande amor? Não, parece que isso não existe mesmo. A minha é seguir em frente, então, e quando não der, chorar, não há problema nenhum isso, quem aprende a amar, aprende a chorar também (Paulinho da Viola, "Amor Amor") . Eu aprendi, pratiquei contigo, jamais te esquecerei.

Cantemos a canção da vida,/ na própria luz consumida...

(Mario Quintana, "Inscrição para uma lareira")

"O ganhador", Lêdo Ivo (sempre ele!):

Tudo o que ganhei se desfez no ar como uma metáfora.
Agora só guardo o que perdi:
o vento que soprava na colina,
a neve que caía no aeroporto
e o teu púbis dourado, o teu púbis dourado.


Nota do Autor
Este texto faz parte da trilogia que começou com "Dos amores possíveis".


Marcelo Maroldi
São Carlos, 3/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caminhos entre o Jornalismo e a Literatura de Leandro Oliveira


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Orkut way of life - 13/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/8/2006
15h58min
Choveria no molhado se novamente eu escrevesse o quanto me surpreendi quando conheci o verdadeiro Marcelo Maroldi... E mais uma vez ele me surpreende... mais uma vez me sinto despido de minha barreira racional para assim com meu coração e meus sentimentos completamente nus, ver meu sofrimento exibido em suas palavras... fazendo de conta que ver que os outros sofrerem exatamente como eu possa diminuir o que sinto... (Infelizmente esse tipo de sofrimento não tem seu peso diminuido quando se divide.)
[Leia outros Comentários de Glauco]
2/8/2006
15h58min
É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado (Guimarães Rosa). Bjs.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
2/8/2006
16h14min
Muito bom o texto! Realmente nos faz relembrar sensação gostosa de estar apaixonado e pensar no porque é tão difícil seguir em frente...
[Leia outros Comentários de Túlio]
2/8/2006
16h22min
Quando li Marcelo Maroldi, a primeira vez, foi um titulo. Logo após, um texto interessante que me fez ficar interassada! E todos os textos seguintes me revelaram: MM é um escritor... UM ESCRITOR... de uma genialidade sensivel... de uma sensibilidade genial.
[Leia outros Comentários de Aparecida...]
2/8/2006
19h06min
Bem interessante este texto, pois exprime bem o que a perda de um amor nos causa. Inclusive, identifiquei-me com a situação. Meus cumprimentos ao autor!
[Leia outros Comentários de Gilberto]
2/8/2006
19h55min
Sou uma grande fã do poeta Carpinejar, suas poesias, crônicas, tudo. Mas ultimamente, você está imbativel, Marcelo Maroldi. Para falar de amor não tem igual a você no momento... Vanda, Santos
[Leia outros Comentários de Vanda]
2/8/2006
22h00min
Impressionante texto, colega xará... Poucas vezes vi tão bem expressas palavras sobre o amor - ou a perda dele. Gosto em especial da forma como mistura a poesia à reflexão, citando momentos íntimos que sumiram a reflexões sobre o próprio sentimento. É difícil, às vezes, pra gente falar racionalmente sobre temas assim. E vc fala com razão e emoção, uma mescla saudável de objetividade e subjetividade. Eu diria que é dos seus melhores textos, dos mais tocantes. Acho que, recentemente, quem mais mexe comigo nesse sentido, de escrever de sentimentos, seria o Fabrício Carpinejar. E agora você. Não é qualquer um... Parabéns, rapaz!
[Leia outros Comentários de Marcelo Miranda]
3/8/2006
06h02min
Olha só, mau humor e romantismo podem coexistir na mesma pessoa. Ainda ficando surpresa (por quê?) mas ficando.
[Leia outros Comentários de Claire]
3/8/2006
09h05min
Muito bom! É inevitável desejar o esquecimento para alguns bons momentos que ficaram fadados somente à memória. Mas gosto de uma visão mais esperançosa pela superação; afinal, se houve fracasso, é porque não atingiu a perfeição atribuída ao amor máximo, ainda que não se saiba, de momento, o que poderia ser melhor...
[Leia outros Comentários de Abelão Otto]
3/8/2006
10h14min
Tantas belas citações de gente consagrada quase se perdem em meio à beleza e à sensibilidade com que você expressa o sentimento de amar e a dor da perda do amor. Está tudo no texto, o amargo, o doce, os lampejos de felicidade, a dor que nada, nem o tempo sufoca, apenas ameniza.
[Leia outros Comentários de José de Morais]
3/8/2006
10h30min
Lendo o texto do Marcelo, lembrei-me de quando sou solicitada a comentar sobre o tema por algumas amigas em desabafo. Engraçado que a minha opinião normalmente não é bem-vinda, principalmente quando alguém fala que nunca mais irá se apaixonar na vida porque ficou muito ferida(o) no último relacionamento. Ora, quem ama sabe o quanto é bom. A paixão nos deixa em estado de graça. As sensações são as melhores possíveis. Pena que, muitas vezes, se perca boa parte desse momento especial pelo egoísmo. Quem diz que não quer se apaixonar novamente por causa de um relacionamento que “não deu certo”, na verdade, nunca amou ou se apaixonou de verdade, apenas não soube perder, e/ou não soube lidar com a sensação de fracasso. O amor é essencial em nossas vidas. Não só o amor de um casal, mas o amor por si mesmo e pelo próximo. Ficou muito Poético esse texto do Marcelo. Excelente! Sds... Elaine Paiva
[Leia outros Comentários de Elaine Paiva]
3/8/2006
11h38min
Ótimo texto. Mas vale ressaltar que a paixão sempre foi o motor maior do mundo. Todas as grandes invenções e momentos históricos foram realizados por pessoas apaixonadas. Da mesma forma, para a grandiosidade do relacionamento existe a necessidade de haver uma grande paixão.
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
3/8/2006
11h38min
claro... impactante e profundo! "Que esta minha paz e este meu amado silêncio/ Não iludam a ninguém/ Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta/ Nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios/ Acho-me relativamente feliz/ Porque nada de exterior me acontece.../ Mas,/ Em mim, na minha alma,/ Pressinto que vou ter um terremoto!" (Mario Quintana)
[Leia outros Comentários de Cintia Caldas]
3/8/2006
13h05min
Alguém por favor me dê um coração, que este já não bate nem apanha. Se eu pudesse dominar as minhas paixões, me diria: apaixone-se! Quanto ao sofrimento que virá depois, e ele vem, ah, a gente sempre dá um jeitinho... Pra que raios serve a vida se não pra vivermos essas nossas tão desejadas paixões? Belo texto, como sempre.
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
3/8/2006
13h42min
Me desculpem, mas me sinto horrorizada com este tipo de texto. Me penalizo com a situação do autor, mas tampouco o absolvo... pelo derramamento romântico, do qual me senti vítima.
[Leia outros Comentários de eveline]
3/8/2006
14h13min
Por quantos amores ainda vamos chorar? Só vivendo para saber... E para esquecer um grande amor, Marcelo? Acho mesmo que não existe receita, só o tempo... Seu texto é tocante e belíssimo, e me fez lembrar de um outro que li há algum tempo que dizia que as relações devem ser como ilhas. Precisamos aceitá-las como são aqui e agora, dentro de seus limites - ilhas rodeadas e cercadas pelo mar, constantemente tocadas e deixadas pelas ondas.
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
3/8/2006
16h28min
No primeira frase lida, pensei em não continuar: para que ler algo que vai me fazer mais uma vez lembrar um amor perdido? Certamente seu texto não ajuda a esquecer um grande amor. E o mais engraçado é que meu amor chama Marcelo e mora em São Carlos. Definitivamente voce não me ajudou a esquecer um amor. Conhecidências à parte, fica aqui a confirmação de quanto podemos sofrer e fazer outros sofrerem por amor. É loucura!
[Leia outros Comentários de valeria noronha]
3/8/2006
19h11min
Muito bonito. Tem uns momentos meio tristes, mas bonitos.
[Leia outros Comentários de Paula ]
4/8/2006
08h52min
Ué, como assim penalizada com a situação do autor? Qual é a minha situação, afinal? Ou vc está achando que estou de cama, tomando anti-depresssivos e me controlando para não cortar os pulsos com a faca de pão? Sinto decepcioná-la, mas infelizmente não, não dessa vez. Por amor seria uma estupidez gigantesca fazer isso, não acha? Maroldi, o autor que vitimiza leitoras :)
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
4/8/2006
09h52min
Maroldi,considere-se absolvido. Sua resposta foi brilhante. Não é pelo fato de ser eu, uma pessoa objetiva e pouco dada à devaneios (instinto de proteção)... que deva desmereçer os sentimentos... traduzidos nesta forma de arte - a poética. Eve
[Leia outros Comentários de eveline]
4/8/2006
16h26min
Marcelo, que bom saber que os homens, "apesar de serem de Marte", também enfrentam as mesmas angústias nos fins de relacionamentos.
[Leia outros Comentários de Regina]
5/8/2006
19h16min
Que delícia ler um texto carregado de sentimentos e emoção como este seu, Marcelo. Parabéns, você sabe escrever com o coração.
[Leia outros Comentários de Nina]
6/8/2006
10h53min
Mais um ótimo texto desse ótimo escritor. Não pare, Marcelo!
[Leia outros Comentários de Leandra Porto]
9/8/2006
13h32min
Parece a minha história de dor neste momento...
[Leia outros Comentários de Jaque]
15/8/2006
15h46min
Senhor Marcelo Maroldi! Que bela surpresa vc como escritor! Gostei bastante dos seus textos. Abração
[Leia outros Comentários de Catherine]
18/8/2006
20h26min
É o que sinto neste momento...
[Leia outros Comentários de kim robert]
19/8/2006
00h19min
Desculpe, mas nem consegui ler o texto até o fim... Vou ler outros textos seus para tirar a má impressão.
[Leia outros Comentários de elis]
8/10/2006
19h55min
É um texto radiante e verdadeiro, pois eu já senti esse aperto no coração e quem nunca sentiu, nunca amou. E realmente não há receita para esquecer um amor e fazê-lo adormecer dentro do peito... Adorei! Maravilhoso!
[Leia outros Comentários de mariluce caimar]
31/12/2006
02h38min
Poxa... Parece que está escrito neste texto tudo que eu gostaria de escrever, de desabafar sobre o quanto dói amar e ser "obrigado" a, de repente, se "deixar" de amar. É como se eu lesse algo que um dia eu tentei escrever, mas não consegui. Sensibilidade apaixonante.
[Leia outros Comentários de Évane]
3/1/2007
08h49min
Adorei ler o texto acima e me coloquei no lugar do personagem, visto ter perdido há pouco tempo uma pessoa. Não sabia que a dor da perda seria tão forte. Estou apaixonado por alguém com quem fiquei relacionado por 1 ano de maneira intensa e esse amor acabou como se não tivesse acontecido nada entre eu e ela. Alguém pode explicar? Trocou um grande amor pela paz e pensou que eu não sentiria nada. Nossa, gente. Como estou mal.
[Leia outros Comentários de Odelir]
9/1/2007
14h51min
Adorei: veio em um momento oportuno na minha vida, é de uma pureza e leveza que emocionam...
[Leia outros Comentários de Maria Tereza Baima C]
12/1/2007
12h27min
Marcelo Maroldi simplesmente conseguiu fazer o que um pintor não consegue, transpor para uma tela o som de uma lágrima caindo... Ao ler o texto, tive a sensação de que contei a minha história: é exatamente tudo o que sinto o que me faz definhar a cada dia que passa, só espero encontrar um novo amor para me libertar da minha própria masmorra.
[Leia outros Comentários de Fabiana Dias]
7/2/2007
16h33min
Realmente é assim mesmo que estou me sentindo.. o texto é muito real... faltou apenas falar do Buraco na Alma que a gente sente, quando nosso Amor vai embora... Gente, estou muito mal... Será que isso vai passar um dia? Sinto o meu mundinho em ruínas e sem força para reconstruí-lo... Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Lucas Rizzi]
20/2/2007
18h26min
Lindo... tristemente, saudosamente, angustiosamente lindo...
[Leia outros Comentários de Elis]
28/2/2007
00h09min
Leio, releio, e não me canso de beber tuas palavras sobre o amor. Me identifico tanto contigo. Quem não amou um dia... quem não chorou... quem não sentiu saudades com um grande suspiro. Infeliz daqueles que não amaram um dia... Parabéns pela bela poesia... Muita inspirição... Muito amor.
[Leia outros Comentários de Simone camargo]
2/3/2007
16h58min
Marcelo, que texto lindo, se é que dá para chamar de texto... Acho que não, me deparei com sua poesia no melhor dia, e na melhor hora. Muito obrigada pelas lindas palavras... Angustia... mas, ainda assim, tem que existir sede de amar.
[Leia outros Comentários de Fernanda Hellmeister]
11/3/2007
22h38min
Marcelo, definitivamente, seu texto caiu de pára-quedas num momento perfeito. Suas palavras foram sublimes, não tenho nem o que comentar. Tocaram fundo, creio que não só o meu, mas o coração de todos os apaixonados que as leram. Parabéns, parabéns, parabéns!
[Leia outros Comentários de Amanda Lucindo]
13/3/2007
20h46min
Li algumas críticas sobre o texto (q por sinal achei de muito bom senso) e agora me pergunto por qual motivo as pessoas pensam q relacionamentos devem ser coisas fáceis e simples, se toda a vida já é bem complexa? pq não tentar novamente, se todos sabemos q somente através dos erros chegamos a conclusões e escolhas melhores? pq todo o comodismo e desespero? muito intrigante tudo isso, mas enfim, escrevo mesmo para agradecer pelo lindo texto, eu estava em mais uma daquelas "recaídas" e realmente precisava de algo do tipo p/ me animar... ps: usei um nome falso, se meu novo namorado descobre q ando tendo saudades descuidadas de outro, me degola... apesar de que é meio idiota ter ciúmes de um defunto, haha, enfim, agora sim eu vou embora. abraços e parabéns, gostei muito do q li!
[Leia outros Comentários de Vânia]
28/3/2007
22h23min
Não sei se gostei desse texto. Parece-me pueril e sem a força e a síntese de uma grande paixão, como no soneto "Amor" de Camões.
[Leia outros Comentários de Mariana]
6/4/2007
21h54min
Me identifiquei em cada letrinha, me emocionei com cada descrição. Busco a receita de como esquecer um grande amor e a dor é tão grande, pois no íntimo não quero esquecer, no íntimo não admito ter sido esquecida... Só me resta pedir a Deus que ele seja feliz e que me liberte desse sentimento que me escraviza. Ah, vi alguns comentários acima... Queridos, o amor não é racional... É tão dialético quanto a vida!
[Leia outros Comentários de Rosana Fernandes Lla]
28/4/2007
22h06min
Marcelo, quando comecei a ler o seu texto fui relembrando tudo que vivi por um grande amor que até hoje me faz sofrer. E vejo que sou tão sofrida quanto você. Vivi um amor enloquecedor que me fez perder a cabeça, joguei tudo pelos ares e, quando estava completamente apaixonada, ele se foi e nem olhou para trás. Hoje estou aqui só, ficaram apenas as lembranças... Vivemos um amor que hoje vejo que não existe. Hoje tenho muita saudade e uma grande dor no peito e confesso que sinto muito por você, pois sei o quanto é triste perder quem tanto amamos, e o pior é perder para outra pessoa. Um abraço e lembre-se que pior seria não ter nem as lembranças...
[Leia outros Comentários de Maria J.Da S.Telea]
24/5/2007
09h25min
obrigado, é apenas o que tenho a dizer, pois, encontro-me sem palavras, com tamanha emoção que sinto neste momento. meu sentimento não é o mesmo, mas suas palavras são agora minhas palavras. acredito que você me ajudou com um simples texto, que não é simples, a tomar decisões. obrigado.
[Leia outros Comentários de Yuri Doehler]
21/6/2007
15h41min
Lindo, forte e expressivo. Me fez suspirar, me encontrei ao saber que não estou sozinha.
[Leia outros Comentários de Keila]
17/8/2007
20h54min
Adorei, simplesmente LINDO.
[Leia outros Comentários de Ana Paula Vasques]
3/11/2007
12h34min
Deliciosamente eu. Me encontrei em cada frase, em cada poema. Mesmo com toda vontade de chorar, a liberdade em meus pensamentos ainda me elevam ao êxtase. Simplesmente fantástico.
[Leia outros Comentários de Morena]
13/11/2007
22h43min
Texto excelente! A indentidade que tenho enorme, porém só não dá o que esperamos: como esquecer um grande amor... Grande abraço!
[Leia outros Comentários de Hugo Meira]
31/12/2007
10h22min
O que sabes do amor? Que dizes de amor? Amor, e amor. Doença que consome a alma e que traz funestos semblantes cheios de nostalgia do que não se pode mudar. Eu queria que o amor morresse. Quem sabe assim eu viveria em paz.
[Leia outros Comentários de Juliana]
16/1/2008
02h32min
Sinto o mesmo, fracassei de forma igual e admito. A saudade, essa presença ausente dói tanto...
[Leia outros Comentários de Nancy]
17/1/2008
14h44min
Simplesmente maravilhoso! Vc é extremamente sensível... adorei do começo ao fim! E quem nunca teve um grande amor perdido =/? Bjos
[Leia outros Comentários de Lindo ...]
25/1/2008
08h58min
Inacreditável como possa existir um homem com tamanha sensibilidade. É por isso que ainda continuo acreditando no amor, e que nem tudo é perdido. Estou passando por isso no momento, e é quase como a dor da morte, se não for maior... grande beijo!
[Leia outros Comentários de Aida]
15/2/2008
08h44min
Me identifiquei muito com esse texto, por incrível que pareça estava com todos os meus sonhos acabados, devido à perda de um grande amor... Depois de ler esse texto, percebi que as coisas e os nossos sentimentos muitas vezes podem nos fazer sofrer... Mas amor que é amor não nos faz sofrer... Podemos sim encontrar outro amor, por que não? Eu jamais esqueci e esquecerei o meu grande amor, por mais que eu sofra, é ele que eu amo e será sempre ele o meu Grande Amor... Ouvi uma frase e acho que ela se encaixa muito nisso: "O nosso 1º e grande amor será sempre o último!". Não adianta: pode passar o tempo que for, sempre nos lembraremos daquela pessoa que, por alguns instantes, nos fez sentir a pessoa mais feliz, e importante, do mundo.
[Leia outros Comentários de Kah Art]
27/2/2008
15h28min
A pior coisa do mundo é quando a pessoa que te fez a pessoa mais feliz do mundo passa a te tratar como se você não existisse. São esses momentos que precisamos esquecer para seguir adiante!
[Leia outros Comentários de Flávia de Oliveira]
28/2/2008
10h54min
Que texto maravilhoso. É a descrição perfeita de quando uma pessoa sofre por amor. Hoje eu me encontro nessa situação e busco muita força para ir em frente, às vezes penso que não irei conseguir, daí me deparo com pessoas que me dão a maior força e com pessoas que passaram pela mesma situação. O autor está de parabéns pois conseguiu passar muito sentimento no que escreveu.
[Leia outros Comentários de Re]
29/2/2008
14h38min
nada vai nos separar: somos um num só corpo, seremos eternos em nosso amor. o tempo passa, mas o nosso amor permanece em nossos corações, além da vida, além do espaço... você não vive sem mim, e eu, sem você, desfaleço.
[Leia outros Comentários de regina celia de frei]
25/4/2008
14h38min
Transcreve exatamente o que sinto. Complicado pra caramba.
[Leia outros Comentários de Roberto]
4/6/2008
19h19min
Tô passando por essa situação e é EXATAMENTE isso que sinto! Incrível!!!
[Leia outros Comentários de Eddie]
20/7/2008
11h58min
Incrível, Marcelo, como conseguiu passar ao papel com tamanha fidedignidade o que é sofrer por amor.
[Leia outros Comentários de Max]
19/8/2008
11h08min
A impressão que se tem quando se perde um grande amor é que estamos mergulhados em um profundo vazio. Nos sentimos ridículos, como se só os fracos passassem por isso. Seu texto veio ao encontro de tudo que sinto. Apesar da dor que tenho agora, sei que não estou só, que como eu existem milhões de pessoas sofrendo a mesma dor. Espero em breve secar minhas lágrimas e seguir em frente, sempre com a esperança de ser feliz e amar de novo.
[Leia outros Comentários de Fátima]
25/8/2008
09h19min
Quando conheci o "amor da minha vida", era assim que eu o chamava, foi pela poesia das palavras. Eu publiquei um conto erótico na internet, ele leu, gostou, e retribuiu com um poema erótico de Bilac. Dali em diante conversamos diariamente por mais de dois anos. Uma mente brilhante, senso de humor, grande conhecedor de música, cinema, arte. Era tudo o que eu queria. E, exatamente assim, pensava que era amada. Até o dia em que levei o legítimo "pé-na-bunda". E caí do vigésimo andar. E dolorida, estropiada, despedaçada, arrasada, descobri que é preciso continuar vivendo. Mas concordo com o Marcelo, é impossível esquecer.
[Leia outros Comentários de Lyli]
6/9/2008
08h17min
nossa, me identifiquei totalmente. muito lindo o texto, estou chorando rios aqui...
[Leia outros Comentários de Carolina Moura]
8/9/2008
10h02min
O problema de se ter vivido um grande amor é passar a querer, sempre, viver um novo igual a ele. Nos tornamos dependentes e queremos reviver as mesmas emoções. Impossível!!! Não se consegue amar do mesmo jeito! Pessoas diferentes são amores únicos. Só nos resta sentir saudade, relembrá-lo... suspirar e dizer "Eu já vivi um grande amor!"
[Leia outros Comentários de Edi Kersting ]
7/11/2008
13h49min
Nossa, é muito lindo esse texto! Chorei do início ao fim! Você está de parabéns por tudo o que escreveu... Pois um grande amor jamais é esquecido. É como digo "Não te esqueci, apenas aprendi a viver sem você"! Lindo d+++!
[Leia outros Comentários de Samanta Moraes]
27/11/2008
11h28min
É tudo tão lindo, verdadeiro... e muito triste... Mexe com o sentimento de quem ama assim, pois acredito que um amor verdadeiro nunca acaba e é só uma vez.
[Leia outros Comentários de Rose]
5/12/2008
14h33min
impressionante como consegui exlicar e exempificar exatamente o que sentimos quando perdemos um grande amor, prova do quanto esses amores nos marcam e, se sao dificeis de se apagarem em nossas lembranças, mais validos ainda, pois nos servem de experiencia...
[Leia outros Comentários de luana lorena]
3/1/2009
19h57min
Como esquecer um amor? Receita não existe! Só esperar o tempo passar. A vida se torna amarga.
[Leia outros Comentários de laides]
22/1/2009
20h20min
É sempre bom saber que não somos os únicos a sofrer de amor, que não somos criaturas de outro mundo que pensam que vivem apenas este momento de sofrimento que parece ser inacabável! Amei o texto.
[Leia outros Comentários de Larissa]
28/1/2009
01h23min
Percebi que muita gente chorou com esse texto. Eu não chorei: eu desabei...
[Leia outros Comentários de Tatí]
28/1/2009
11h37min
hehehe, achei meio chatinho o chororô do autor. e senti um tanto de análise no sentimento, pois houve várias comparações culturais. sei lá, tb já perdi o amor e hoje vivo sem. tb sinto falta, mas amar é tão importante quanto cagar: é bom mas é uma merda! essa mania do amor químico, necessário, eterno, colado, é uma escravização do ser humano. macacos são volúveis e muito mais felizes. sei não, acho que não concordei com nada, afinal, não acredito que outro amor faça esquecer o antigo. todo amor é único. bem, na verdade, o que eu sei de coisa alguma?
[Leia outros Comentários de giovani iemini]
2/3/2009
14h02min
Preciso desesperadamente da receita, por favor, quando (e se...) descobrir, envie para minha caixa de emails. Obrigada, Amaltea
[Leia outros Comentários de Amaltea]
12/3/2009
11h22min
Ahhhhhhhhhhh, me ajuuudem, já nem sei mais quem sou longe do meu amor... =/
[Leia outros Comentários de Nathalia]
3/4/2009
15h54min
Amo muito aquela mulher que um dia sem piedade levou minh'alma. Ela não se importa se sofro, se choro ou se morro. Afinal, quem a ama sou eu. Quero, tento, mas não consigo esquecê-la. Já tive outro corpo em mim, mas minha alma se nega a esquecer aquela que habita nela. O amor pode ser impiedoso, e o é. Não acredito que um verdadeiro amor se acabe. Ameniza, mas a marca é para sempre. Um amor não substitui outro em hipótese alguma. Terei que me acostumar com o que sinto e viver minha vida sem você.
[Leia outros Comentários de Ana Maria]
8/4/2009
11h42min
O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal num copo d'água e bebesse. 'Qual o gosto?' - perguntou o Mestre. 'Ruim' - disse o aprendiz. O Mestre então pediu a ele que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago, e assim foi feito. Então o velho disse: 'Beba um pouco dessa água'. Enquanto a água escorria do queixo do jovem, o Mestre perguntou: 'Qual é o gosto?' - 'Bom!' disse o rapaz. 'Você sente o gosto do sal?' perguntou o Mestre. 'Não' - disse o jovem. O Mestre então, sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse: 'A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando você sentir dor, a única coisa que deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está à sua volta e dar mais valor ao que você tem do que ao que você perdeu. Em outras palavras: É deixar de ser copo para tornar-se um lago. Somos o que fazemos, mas somos principalmente o que fazemos para mudar o que somos.'
[Leia outros Comentários de Jaque]
15/4/2009
18h12min
"Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói. Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, doem. Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim. Mas o que mais dói é saudade." (Martha Medeiros) A dor de um amor, só pode ser curada com um novo amor... é isso que quero acreditar, essa ideia é minha esperança.
[Leia outros Comentários de Eduardo Alcântara]
20/4/2009
18h19min
"Dizem que se batemos uma parte do corpo em qualquer lugar que possa nos infligir dor, sentimos a dor, e se passarmos a mão sobre a dor ela se esvai, infelizmente, passando a mão no coração não conseguimos tal proeza, não conseguimos rancar a dor que invade e toma conta do coração..."
[Leia outros Comentários de Daniel]
16/5/2009
04h25min
Olha, era o que eu estava precisando, sabe? Até o sentimento de culpa amenizou... Muito lindo. Forte, avassalador, intenso. Até imprimi, para usar como uma oração (pelo menos, por uns dias). Muito obrigado, mesmo. Bjos
[Leia outros Comentários de Glória Rabello]
20/5/2009
00h36min
Ei, vou publicar no meu blog... Tá bom...! Mas vou colocar seus créditos e também seu endereço, para que todos, que por lá passem possam vir aqui também...!
[Leia outros Comentários de Luciano Brandão]
26/5/2009
11h19min
Perfeito, lindo! Me vi nesse texto. Só quem ama ou amou sabe a dor que é seguir em frente...
[Leia outros Comentários de Tatiane]
18/6/2009
14h07min
Muito bom o texto, muito bom mesmo. Ainda mais no momento em que estou vivendo. Serviu bastante para eu ver que não sou o primeiro e nem o último a sofrer por amor. Por que sempre temos que achar que ninguém ama ou amou mais do que nós? A dor da separação é muito grande, talvez não a da separação física, mas da separação dos planos, dos sonhos, dos projetos, dos lugares, dos aromas, das músicas, dos momentos etc. Só quero um dia poder olhar para trás e ver que não dói mais, pensar na pessoa amada e lembrar com carinho, com respeito, dignidade, e desejando sempre que esteja bem e feliz, com quem quer que seja... Tentei, tentei até a última migalha, por isso posso sair da relação de cabeça erguida e consciente de que tenho tudo o que mereço, e o que eu mereço é o melhor. E, com certeza, o melhor ainda está por vir, se ainda não chegou, paciência, às vezes a mulinha do destino é meio lenta, mas sempre chega...
[Leia outros Comentários de Milton]
7/7/2009
07h46min
Este realmente retrata esta infeliz situação com todas as letras. Nunca havia lido algo tão profundo que nos faz refletir sobre nós mesmos a ponto de sentir o toque de cada palavra no coração. Estou nesta situação extremamente horrível e com muito medo de não acreditar mais no amor. Parabéns, você transformou em palavras cada calafrio e dor vazia que senti.
[Leia outros Comentários de Areke]
21/9/2009
22h48min
Meu Deus, chorei com isso. É muito triste... A dor da perda é insuportável :/
[Leia outros Comentários de Jéssica]
25/2/2010
10h40min
Havia um bom tempo que não me emocionava a cada linha como quando li esse texto. Belíssimo. Em cada linha. Em cada vírgula, em cada ponto.
[Leia outros Comentários de Daniela Paixão]
11/3/2010
21h36min
O amor não tem face. Ele apenas aparece no meio da gente e junta os corpos, para depois desarticular todos os nossos ossos. E aí a gente endireita tudo de novo, bem lá do lado esquerdo, do nosso coração.
[Leia outros Comentários de elizabeth costa]
22/3/2010
17h18min
Adorei este texto, minha vida está assim.
[Leia outros Comentários de Adriana Casimiro]
30/3/2010
16h08min
Eu achei que poderia em suas palavras encontrar o que ainda não existe: a cura para esquecer um grande amor. Acho que chego à conclusão de que não esquecemos, porque não podemos esquecer algo que desejamos estar perto, o lembrar torna-se a única maneira de ainda o outro estar em nós... Mas, de qualquer forma, se um dia ainda descobrir a receita do esquecimento não esqueca de me avisar. Abraço.
[Leia outros Comentários de Silvia]
31/3/2010
01h34min
Adorei e me identifiquei com tantas palavras sabias. Que Deus me dê a chance de falar essas palavras verdadeiras a uma pessoa (Sherek/Anjinho) que significa muito pra mim :( Chorei em silêncio imaginando como seria a reação desta pessoa ao ler tão sublime ternura de respeito, lealdade, felicidade e esperança, pois é assim que vejo o amor: com defeitos e qualidades. Um grande abraço, RÔ Fiona/Anjinho :)
[Leia outros Comentários de Rosana Paskevicius]
3/4/2010
03h18min
Tão lindo de ler, tão triste de viver. Inútil buscar essa receita; impossível encontrar a cura... As lágrimas escorrem pelos poros e não existem palavras pra expressar a dor do fim do antigo maior amor do mundo. Marcelo, ótimo texto. "Porque o amor é a coisa mais triste quando se desfaz..." [Tom Jobim/ Vinicius de Moraes]
[Leia outros Comentários de Isabela Muniz]
8/4/2010
21h45min
Amei! Que triste e que verdadeiro!
[Leia outros Comentários de Daniela Azevedo]
6/5/2010
11h29min
"Quem aprende a amar, aprende a chorar também". Chorar é uma libertação! Um sofrimento contido em forma de lágrimas... Texto triste, mas muito real!
[Leia outros Comentários de Cyndi Garty]
13/5/2010
12h37min
"Se ao menos o meu amor estivesse aqui/ e eu pudesse ouvir seu coração/ se ao menos mentisse ao meu lado/ estaria na minha cama outra vez..." (trecho de uma canção gravada por Geraldo Azevedo e Zé Ramalho)
[Leia outros Comentários de Gilson macedo dias]
20/5/2010
11h26min
Marcelo, este seu texto foi plagiado por este blog. Ela também plagiou alguns meus. Deixa lá um recado.
[Leia outros Comentários de DEBORAH SIMOES]
31/5/2010
15h26min
Parece escrito com o coração, não com as mãos.
[Leia outros Comentários de Rafael ]
10/6/2010
21h04min
Exatamente o que se passa em minha vida... Ah, como gostaria de uma receita, uma fórmula para esquecer-me, pois essa saudade me consome instante a instante...
[Leia outros Comentários de Eduardo Gonçalves]
7/7/2010
11h26min
È difício analisar o sofrimento da perda sob um olhar poético. Certamente o autor conseguiu fazer isso. Eu ainda não consegui ser tão desprendida e brincar com as palavras, mas confesso que vê-las escritas por pessoas que amam me tranquiliza muito, pois percebi que não estou sozinha, existe sempre alguém vivendo um grande amor. Esquecer não é o caso, mas lembrar sem sentir dor é a questão. Parabéns!
[Leia outros Comentários de sumaia milagres ]
29/7/2010
05h51min
Tão verdadeiro, parece que ocorre com você e não comigo.
[Leia outros Comentários de Sidcley]
13/8/2010
18h51min
Venha cá, ANJO DE LUZ, eu te INVOCO para que desenterre AA de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que AA venha para MIM. Afaste todas aquelas que têm contribuído para o nosso afastamento e que ele não pense mais nas outras, mas somente em MIM. Que ele ME telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém
[Leia outros Comentários de jocimar]
22/8/2010
16h09min
Eu, desavisada que sou, acessei o link na esperança de encontrar essa receita valiosíssima, no entanto o que encontrei foi um texto maravilhoso que expressa muito bem as dores de um grande amor. Vou continuar procurando essa tal receita, quem sabe um dia eu encontro...
[Leia outros Comentários de Geny]
28/8/2010
14h45min
Faço minhas as palavras de Geny acima. Nesse momento estou passando por essa situação, e é muito difícil.
[Leia outros Comentários de Anne]
22/9/2010
11h14min
Um grande amor não se esquece. Se foi esquecido, é porque nunca existiu.
[Leia outros Comentários de Fernando Ziliotto]
7/10/2010
11h27min
Só há um pesar ao ler este texto: o de não tê-lo descoberto antes. Sensacional. Envolvente e recheado de referências deliciosas. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Michelle Araújo]
25/10/2010
23h56min
Dentre tantos elogios creio que não seja mais preciso elevar o autor do texto, mas principalmente o sentimento que ele expressa! Amar não é fácil, disso já sabemos todos nós que um dia tentamos pôr na ponta da caneta o que o amor nos causava, mas só arrisca amar de verdade e por inteiro aquele que descobriu a beleza de amar até o fim, como relata o texto! Parabéns ao autor, pelo talento!
[Leia outros Comentários de Livian de Paula]
8/11/2010
21h40min
Este texto relata um pouco dos sentimentos que nos norteiam quando amamos alguém. Os sentimentos são tão grandes que às vezes até perdemos a noção da vida. Sim, senhor, da vida. Estar amando alguém é como estar vivendo no paraíso, é estar nas nuvens, é estar em algo transcedental!!!
[Leia outros Comentários de Carlos Magno]
26/12/2010
13h12min
Caro autor, li o seu texto e visualizei-me como protagonista... Realmente, quando temos um amor bem amado, sentimos muito a perda, porque essa é realmente a palavra: PERDA! A dor da rejeição e da eventual "troca" nos destrói. No início sentimos como se nosso coração fosse dilacerado, a hemorragia causada pelas palavras da outra pessoa escorre pelo peito de forma fria. Depois sentimos uma mescla de ódio e amor, tentamos ser racionais - eu pelo menos tentei, busquei tentar reconquistar... -, porém a notícia de que a outra pessoa já está num novo relacionamento soa algo fúnebre. Morri uma, duas, três, talvez seja uma morte diária! Logo após passar esta fase de aceitação, tudo que queremos é a felicidade do próximo, pois não mais queremos enraizar sentimentos deletérios... Meu coração encontra-se tatuado pela dor, marca indelével que carregarei pelos anos, mas como disse: sempre sofrerei, e se for, que seja por amor!
[Leia outros Comentários de Phelipe Martins]
29/1/2011
00h01min
Caro autor: Quando que você soube que era de partir? Eu nunca acerto o tempo e me despedaço pelo caminho. Eu não quero mais sentir saudade.
[Leia outros Comentários de Uma leitora]
1/3/2011
17h06min
Tocante, bonito, comovente e triste... Meu Deus, pintar o amor dessa forma, por simplesmente ter acabado, é comum. Principalmente quando você ainda pensa na pessoa. Tirando toda a beleza e qualidade do texto, e me baseando em comentários aqui feitos, tenho apenas uma coisa para dizer: Dói, mas é melhor. É melhor por várias razões: um relacionamento não pode se manter quando só faz bem a uma das partes. É duro abrir mão de sonhos e planos que fizemos juntos, mas às vezes é necessário. Como o amor dele ou dela foi acabar? Da mesma forma que as outras coisas: por desgaste. Quando já não há mais admiração de ambas as partes, não há mais amor. E, quando um não quer, dois não se amam. Boa semana ;)
[Leia outros Comentários de Mariana]
21/3/2011
22h05min
Texto bastante bom, vim à procura de algumas dicas para ultrapassar este sentimento de saudade, que às vezes me aperta a alma. Tocou-me o texto, deixei a emoção vir até explodir e desanuviar. Agora já me sinto bastante melhor.
[Leia outros Comentários de Nuno]
12/4/2011
15h44min
Caro autor, seu texto além, de lindo, brilhante e emocionante, expressa com fidedignidade tudo pelo que estou passando no momento. Vivi uma paixão / amor avassaladores que duraram uma semana no tempo real, mas que tiveram a intensidade de um relacionamento de um ano. Infelizmente fomos separados por sua mãe, uma mulher possessiva e castradora, e que a meu ver nunca soube o que é amar, pois se soubesse deixaria seu filho ser feliz... Agora só sinto falta do meu grande amor e de todos os momentos maravilhosos que passamos juntos. Apesar de tudo, desejo que seja feliz Abner e acredito que se tiver escrito e predestinado por Deus, Ele te entregará em minhas mãos novamente... Te amo muito... Fran.
[Leia outros Comentários de Françoise]
28/4/2011
21h40min
Meu Deus, ainda existem homens românticos... depois de ler esse texto maravilhoso, até me senti um pouco esperançosa. Porque, para mim, não basta viver, tenho que amar. Amar é fácil como respirar, mas, após perder um amor, a respiração se torna difícil. Nada mais faz sentido, é melhor fugir... não é?
[Leia outros Comentários de Nathália]
16/5/2011
11h10min
Como a dor de se ter amor e não poder espressar é grande!! Esse sentimento preso se condensa tanto que se transforma em água... são as lágrimas que caem ao chão... e a terra, somente ela as saboreia.
[Leia outros Comentários de Karla]
27/5/2011
22h07min
eu sofro muito por uma pessoa que só me quer pra diversão, sofro muito mas um dia eu te esquecerei e, quando esse dia chegar, será o dia mas feliz do mundo, eu me libertarei de vc .
[Leia outros Comentários de fabielle]
20/6/2011
19h50min
LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar certo, mas? Funciona mesmo!!! Entrei neste site e fiz esta prece. Fiz para ver se ia dar certo e deu, assim que acabei meu amor ligou. A pessoa que eu copiei também não acreditava mas para ela também funcionou! AGORA VEREMOS? Diga para você mesmo o nome do único rapaz ou moça com quem você gostaria de estar (três vezes)? Pense em algo que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis vezes). Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo (Venha cá ANJO DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre... de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que... venha para MIM ), afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e que ele não pense mais nas outras? Mas somente em MIM. Que ele me telefone e me AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém?). Publique esta simpatia
[Leia outros Comentários de Luciana]
3/11/2011
23h21min
Um grande amor não se esqueçe. Vêm as boas lembranças sempre que o coração procura por aconchego!
[Leia outros Comentários de SandraMeira]
18/5/2012
15h10min
Busquei no Google uma receita para esquecer um amor, e me deparei com esse texto. Me senti no lugar do autor, ou melhor, me senti o proprio autor. Diferente do Marcelo Maroldi, me sinto triste e quero muito esquecer até as coisas boas, pois tudo me remete ao sofrimento. Acredito que como o autor que pelo tempo ja deve estar feliz com outro amor, estarei curada daqui a um tempo, pois tudo passa, tudo sempre passa....coisas boas e coisas ruins passam! beijosssss
[Leia outros Comentários de Lucia Helena]
30/12/2013
21h38min
tenho q esquecer 1 grande amor, pois sei q nunca ira ficar comigo, cansei de ser amante, tenho q me valorizar, mais doi muito, o q faço c a saudade?
[Leia outros Comentários de vilma]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Estúdio Móvel recebe o aclamado diretor catalão Roger Bernat na TV Brasil
>>> Resultados educacionais - ENEM e seus desafios
>>> Observatório da Imprensa analisa a polêmica entre a Igreja e o cineasta José Padilha
>>> Para incentivar a leitura de crianças e adolescentes
>>> João Turin, Vida, Obra e Arte
>>> 'Arraiá do Pátio Alcântara' com muita diversão para a criançada
* clique para encaminhar

Editora Conteúdo
Bertrand Brasil
Cortez Editora
Companhia das Letras
Nova Fronteira
Globo Livros
Best Seller
Editora Record
WMF Martins Fontes
Madras Editora
Intrínseca
José Olympio
Arquipélago Editorial
Hedra
Civilização Brasileira
Primavera Editorial
Editora Perspectiva
LIVROS


CIÇO NA GUERRA DOS REBELDES
Por R$ 28,95
+ frete grátis



KIT BOAS MANEIRAS TOY STORY DISNEY
Por R$ 48,95
+ frete grátis



LEMBRANÇAS DE LENNON
Por R$ 26,95
+ frete grátis



LONELY PLANET - FRANÇA
Por R$ 83,95
+ frete grátis



ORANGE IS THE NEW BLACK
De R$ 24,90
Por R$ 23,59
Economize R$ 1,31



ONDA
Por R$ 83,95
+ frete grátis



HISTÓRIA DA PAZ
Por R$ 58,95
+ frete grátis



ESCOLA DE PATINAÇÃO 2
Por R$ 27,95
+ frete grátis



MENTE MAGRA, CORPO MAGRO
Por R$ 34,95
+ frete grátis



MAMMA MIA
Por R$ 68,95
+ frete grátis



busca | avançada
70779 visitas/dia
2,0 milhão/mês