Amor platônico | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37760 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Companhia de Danças de Diadema leva "por+vir" ao palco do Teatro Clara Nunes
>>> 38ª Edição da Feira da Comunidade acontece no domingo, 29 de outubro, na A Hebraica
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> A máquina de escrever.
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Você vai ser grande
>>> Qual é a alma da cidade?
>>> Hellbox
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> Bio de Paulo Francis em vídeo
>>> Literatura engajada
>>> Entre o sertão e a biblioteca
>>> Prevendo o previsível
>>> O do contra
Mais Recentes
>>> Moral Cristã em tempos de relativismos e fundamentalismos
>>> Otávio Mangabeira e sua Circunstância
>>> Guia para amar a si mesma e viver melhor a adolescência
>>> Ela disse, ele disse
>>> Controvérsias em Periodontologia-º1 - Periodontologia 2000
>>> Os Lusíadas - Reprodução paralela das duas edições de 1572
>>> Manual da Série Branca
>>> Saudades da Guanabara & O campo político da cidade do Rio de Janeiro (1960-1975)
>>> Step By Step Minimally Invasive Glaucoma Surgery
>>> O fiador dos brasileiros & Cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antônio Pereira Rebouças
>>> Mulato: negro-não negro, branco não-branco
>>> Tropeços da medicina bandeirante + Medicina paulista entre 1892-1920
>>> Apontamentos para a História da Revolução Riograndense de 1893
>>> A criação de periquitos e seus cuidados
>>> Gripe: história da pandemia de 1918
>>> Bilhões e bilhões & Reflexões sobre vida e morte na virada do milênio
>>> O mundo assombrado pelos demônios & A ciência vista como uma vela no escuro
>>> A Escravidão Reabilitada
>>> A Lógica do Mercado de Ações
>>> Emergencias em Edodontia-Diagnostico e Conduta Clinica
>>> O Ponto de Mutação
>>> Perspectivas na Clinica das Afasias:O Sujeito e o Discurso
>>> Sociologia do Negro Brasileiro
>>> lElite da Tropa
>>> Hospedagem - Front Office e Governança
>>> O Afegão
>>> Mulheres Boazinhas não Enriquecem
>>> Abusado
>>> Ventilação Pulmonar Mecânica em Neonatologia e Pediatria
>>> Ilícito
>>> Odontologia Hospitalar
>>> O Códugo da Biblia
>>> Dialogando com o Coletivo-Dimensões da Saude em Fonoaudiologia
>>> Eletrofisioterapia
>>> Ponto de Impacto
>>> Home Care - Cuidados Domiciliares
>>> Falcão Mulheres e o Tafico
>>> Nomenclatura Poética do Culto Afro-Brasileiro
>>> Manual de Redação - 3ª ed. revista e aumentada
>>> Bases da Terapia Intensiva Neurologica
>>> Odontopediatria nas Fissuras Labiopalatais
>>> Uma Introdução aos Invertebrados
>>> Ortopedia Maxilofacial-Clinica e Aparelhos vol 3
>>> Cirurgia da Obesidade: Um Enfoque Psicologico
>>> O Contexto Social da Arte
>>> Histoire de Peinture en Italie I (1929)
>>> As Aventuras de Robín Hood
>>> A Ilha do Tesouro
>>> Como manipular Pessoas para uso exclusivo de pessoas de bem
>>> Sinopse dos Quatro Evangelhos
COLUNAS

Sexta-feira, 10/4/2009
Amor platônico
Ana Elisa Ribeiro

+ de 9300 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Diz-se, popularmente, do amor não vivido, digo, que não foi efetivamente vivido, com direito a toque e outras implicações palpáveis. Diz-se de quando a gente se apaixona por alguém e fica só nisso, sem a respectiva realização ou o contato com o indivíduo-alvo. Diz-se de quando um gosta do outro, mas o outro não sabe do um. Quando a gente é criança, diz-se de quando nos apaixonamos pelo coleguinha e o namoramos, mas ele não sabe. Quando somos jovens, diz-se daquela paixonite pelo menino (ou pela menina) da outra sala, do bairro, amigo do primo, colega da irmã etc., que nos faz ficar meio bobos e tímidos. Quando somos adultos, diz-se daquela timidez insuportável que nos impede de abrir o jogo, dar uma cantada fatal, dar uns pegas, ir à luta, tentar. Quando somos velhos, não sei o que isso vira. Provavelmente, arrependimento. Ou talvez uns lapsos desses que deixam a gente com ar pensativo por uns minutos.

Amor platônico é uma expressão do senso comum que, dizem os especialistas em filosofia, não quer dizer o que a gente, popularmente, acha que quer dizer. Os sentidos, no entanto, são construídos socialmente, então vamos considerar que amor platônico seja isso mesmo que estamos pensando que é. Não chamemos à baila Platão, pensador que deu nome à coisa, porque ele mal sabe que o que ele disse virou expressão popular para timidez excessiva ou para medo de pegar o boi pelo chifre (melhor não falar em chifre...).

Amor platônico é, então, para todos os efeitos, uma dessas histórias que todos nós vivemos. Ou melhor: não vivemos. Quero dizer: vivemos sim, muito embora ela possa ter sido vivida apenas por um dos componentes do casal (não-casal). Quem não tem lembrança de algo assim? Que graça a vida teria sem isso? Se todo amor fosse realizado na forma de um ficar, de um namoro, de uma transa, de um noivado, o que restaria à memória? E se todo amor virasse casamento, o que restaria das relações? Talvez os casamentos acabassem de vez com todas elas.

As possibilidades do amor platônico são muitas e muito vivas. A espera, a ansiedade e o calor que o amor platônico surte são especialmente memoráveis. O medo do "não", o ciúme, a sabotagem, a inveja do parceiro real do outro são sensações inigualáveis. O "e se..." que atazana o resto da vida. E se tivéssemos nos conhecido antes? E se tivéssemos nos encontrado depois? E se fôssemos mais velhos? Mais novos? Solteiros? E se não tivéssemos filhos? E se tivéssemos namorado quando jovens? E se não fosse assim, mas fosse assado? Por que não dei valor naquela época? Ou eu era feliz e não sabia.

Tudo falso. Como assim? É que quando a vida parece boa no presente, o passado é apenas um filme antigo. Mas quando a vida está ruim hoje, o passado se transforma numa espécie de paraíso perdido. Relacionamentos que não foram bons tornam-se lembranças maquiadas. Pessoas que não eram bacanas viram a salvação do universo. O sexo ruim, o papo fraco, os planos incompatíveis são esquecidos. A memória só resgata a gentileza, os presentes, o carro caro e os shows em boas casas de espetáculos.

Quem não viveu isso? Quem não teve um colega de colégio que aparece até hoje entre as lembranças mais gostosas? Quem não teve um vizinho cobiçado pelo bairro inteiro, mas que sempre namorava a menina mais cobiçada do bairro inteiro (e ela não era você)? Quem se esquece do coleguinha de jardim de infância que roubou o primeiro beijo? Meu coleguinha se chamava Juninho, mas não me lembro mais do rosto dele. Se o vir na rua hoje, certamente não saberei quem é, mas me lembro de nós dois embaixo da mesa da sala de aula. No ensino fundamental (que chamávamos de Grupo), a menina mais bonita era a Nádia. Era mais alta e mais roliça, além de ser loura e de usar sutiã. A despeito da existência dela, o Patrick oferecia uns olhares para mim. No ensino fundamental (o colégio), lembro do Fábio e que mantínhamos uma relação de amor e ódio. Nada de toques, de beijos, de abraços. Nada de gracinhas. Apenas o coração disparado quando ele chegava na sala, com a mochila nos ombros, e outro disparo quando ele não vinha à aula. O dia ficava cinza. O dia esmaecia.

No ensino médio, o Roger, do cabelo grande, roqueiro, bruto. Sequer sabia que eu existia ali na sala ao lado. Gostava de futebol, tinha um carro branco, era repetente. Parecia um desses bad boys de filme americano que passam na Sessão da Tarde. Nunca sequer um olhar mais demorado. E a dor de quando ele deu carona para a Fabíola, campeã de ginástica aeróbica e malhada como uma fisiculturista.

Depois do colégio, o cursinho. Depois do cursinho, a faculdade e o campus universitário. Ao longo de uma vida, a impressão de que este ou aquele trazia uma promessa de felicidade no bolso. Concomitantemente, as relações reais, que sempre pareciam piores, porque traziam, junto com os beijos, as brigas, as incompatibilidades, as picuinhas.

O amor platônico é sempre melhor do que os outros. Ele não custa, não gasta, não entristece. Quando ele passa, ele vira relíquia. O amor de verdade, quando passa, deixa cacos. Quando o namoro de verdade termina, ele exige de nós uma espécie de reconstituição. Leva um tempo a gente parar de falar no outro, parar de lembrar de eventos, parar de mencionar e parar de querer saber se ele já está namorando de novo, casou ou teve filhos. Demorei uns anos a me acostumar com o casamento do ex-namorado mais importante. Demorei uns anos para parar de olhar para as luzes na janela da cobertura do prédio na rua Dias Adorno. Ou parar de verificar se o Gol GTI estava na garagem. Ou parar de olhar para os lados quando descia a Olavo Andrade. Parar de reparar se havia um carro de polícia na porta. Parar de reparar se alguém atravessava a rua de jaleco na região hospitalar.

A gente vai morrendo um pouco quando os amores não dão certo. A gente tem novas oportunidades quando um outro amor começa. Mesmo que a comparação seja inevitável, é importante mudar de canal. Mas os amores que não acontecem, ah, estes são imbatíveis. Eles só deixam lembranças do que não aconteceu, do que foi apenas desejado e do que ninguém pode comprovar. Não há retratos, não há cartas, não há anéis. Só há um suspiro de "quem me dera".

Só conheço uma pessoa que reencontrou um namorado da juventude e resolveu viver tudo para valer depois da meia-idade. Largou marido, casa e tudo para se casar de novo. Ao longo da vida, mesmo casada com outro, ela sempre agarrava a oportunidade de falar daquele longínquo rapaz, lembrar e dizer que aquela relação frustrada poderia ter sido a melhor delas. De fato, décadas depois, quando ela o encontrou na padaria, ele já era viúvo e estava disposto a retomar o namoro de onde eles haviam parado. Interessante: ambos tinham filhas com os mesmos nomes. Vai saber que sintonia estranha é essa. No entanto, ter essas histórias e vivê-la faz a vida arder, de vez em quando, mesmo quando tudo não passa de lembrança. O amor vivido dá muito mais trabalho do que o amor que a gente constrói com o desejo e com o imaginário, que acabam sufocados quando a vida é de verdade.

Nota da Autora
Esta crônica é para a Perla.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
02. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
03. Humor x Desamparo de Carla Ceres
04. Lamartine Babo e futebol, uma simbiose de Marco Garcia
05. Fique de cinto até a parada total da aeronave de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Escrever? Quantas linhas? - 12/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/4/2009
00h09min
Ana Elisa! O coelhinho da Páscoa chegou apressadinho. Ana, o seu texto é meu presente pascoalino 2009! Ana, durante a minha vida mergulhei em devaneios platônicos. Caí em abismos e me elevei às alturas! Aprendi a superar as dores, a impor limites na acelerada imaginação, a difícil tarefa de frear os desejos diante das impossibilidades. Não me arrependo de nada, este tipo de posicionar-se diante do mundo é privilégio para poucos, trata-se de experiência única, intraduzível, indizível! Bjs e Feliz Páscoa para você, para toda a família, amigos e a estas tuas lembranças que se assemelham a contas de oração.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
11/4/2009
10h21min
Querida Ana, após te ler, dá vontade de escrever frase de efeito, de vir com umas ideias de concordar contigo fazendo uso do ritmo de palavras bem escolhidas, dá vontade de não ter começado a escrever isso aqui - vontade de ser mineiro e guardar a solidariedade para o câncer dos amantes. No fundo, a pulsão maior é dedicar a tua crônica ao amor mais platônico da minha lista, mas isso seria minorar tantas aventuras que desisto da bestagem. Prefiro manter aqui, contigo e mais amigos leitores teus, esse silêncio que mais homenageia do que pretende definir o tal do amor platônico de Plutão - salve, Willian! Sobre a memória e o arrepio, acredito eu, há qualquer coisa de viagem no tempo, de máquina futurista pra desbravar passado. Um vórtice de ponteiro no sentido anti-horário. "....."! (o diálogo de Adão e Eva...)
[Leia outros Comentários de Felipe Eugênio]
12/4/2009
17h47min
Ana, você está certíssima. O Arnaldo Jabor escreveu uma crônica linda falando sobre a extinção do amor verdadeiro. Aquele que se dá sem querer nada em troca. Cada vez mais raro atualmente. Os amores platônicos são exatamente assim. Tive alguns e de vez em quando sinto uma saudaaaaade! A gente até se esforça para que se transforme em amor real, até perceber que isso nunca acontecerá. Então, platônicamente amamos na encolha, sem querer nada em troca, porque não vai rolar nada mesmo. Guardo grandes momentos dos meus amores impossíveis. Mas não menos intensos.
[Leia outros Comentários de Julio Corrêa]
13/4/2009
14h13min
É muito curioso que os comentários feitos até o momento, inclusive o meu, são de homens! Será que as mulheres, excetuando-se a Ana Elisa, não são chegadas em amores platônicos? Ou são mais práticas, amores terra a terra? Acho que os "amores que não acontecem" têm sua força, mas não os considero imbatíveis, como a Ana Elisa. Amores iniciantes é que são imbatíveis, nada como começar de novo...
[Leia outros Comentários de José Frid]
15/4/2009
10h56min
Caro Frid: O Amor Platônico é um assunto que pertence mais a nós, homens, do que às mulheres, pois encerra a um estado de fricção a que nos submetemos diariamente, sempre à espera do instante em que possamos seguir adiante, como que acionando um novo amor platônico segundos após. Para que isso aconteça de forma agradável, é importante nos manter em constantes rolamentos, sempre friccionando à espera de novos amores mais velozes. Não gostamos de Amores Automáticos, pois, embora sejam muito previsíveis, implicam em perda de controle nas ações, que já não mais dependem do nosso comando, e nós, homens, sempre queremos ter o comando da situação e não nos permitimos prestar somente como um disco esquecido. Precisamos que o disco atenda só às nossas vontades, para que toda a situação se engrene da forma mais favorável. O que seria da fricção do disco e dos rolamentos constantes, não fosse o Amor que o Platô tem por toda a geringonça. Nada como um Amor Platônico Desembreado.
[Leia outros Comentários de Dalton]
15/4/2009
12h49min
Fiquei profundamente emocionada com esta crônica. É impressionante como a autora conseguiu expressar algo que é tão recorrente, mas ao mesmo tempo tão complicado de dizer... De fato, a idealização do passado, daquilo que "deveria" ter acontecido, mas ficou apenas na vontade, ainda é o que faz muita gente suspirar... Inclusive eu!
[Leia outros Comentários de Letícia Rocha]
23/4/2009
13h29min
Querida Ana, a despeito da observação do José, cá está uma mulher "corajosa" que assume seus amores platônicos! Para mim sempre foi muito difícil conversar sobre isso com outra pessoa... sabe aqueles comentários "... mas você ainda não esqueceu fulano...?", pois é, cansei de ouvi-los! Então, o melhor a fazer foi deixar de comentar com amigos sobre as tais "experiências", não muito felizes, por sinal. Contudo, fiquei "apaixonada" por suas palavras. É exatamente assim que acontece... em diferentes intensidades! Porém, discordo do nosso amigo Willian: nem sempre a opção por se calar depende de nós, muitas das vezes esse sentimento tão intenso só falta gritar, mas decidimos nos calar porque não vemos outra alternativa! Nem sempre O OUTRO quer ouvir sobre esse "amor"... então optamos pelo silêncio (extremamente dolorido!). Pra não perder o amigo, sabe? Continuamos a sorrir... afinal, todo mundo faz isso!!!
[Leia outros Comentários de Milena]
25/9/2009
17h22min
É, Ana Elisa, texto de todos nós. Como sei... sou o Phd em Amor Platônico, com direito à título honoris causa, talvez. Perdi um grande amor para a morte, depois perdi outro porque ela era casada. Tenho até chance com outra, mas desta vez é a tal da timidez insuportável a inimiga. Sou apaixonadíssimo pela anterior e meu coração só pega no tranco. HELP ME PLEASE!!
[Leia outros Comentários de Maurício]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PÓS-MODERNIDADE ÉTICA E EDUCAÇÃO
PEDRO GOERGEN
AUTORES ASSOCIADOS
(2001)
R$ 17,00



TESTEMUNHOS DE AMOR
MARIA SALVADOR - ESPÍRITO AMARAL ORNELLAS
LACHATRE
(2004)
R$ 24,15



A MULHER É UM SHOW
EDSON DE PAULA
SER MAIS
R$ 14,95
+ frete grátis



A CONFRARIA
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2000)
R$ 4,60



OS FATOS SOBRE O CATOLICISMO ROMANO
JOHN ANKERBER E JOHN WELDON
CHAMADA DA MEIA NOITE
(1997)
R$ 11,90



VIVÊNCIA E ACONTECÊNCIAS DE UM MATEMÁTICO
ANTÔNIO MOREIRA CALAES
EDITORIAL LEMOS
(2004)
R$ 9,90



RECURSO ESPECIAL PARA O STJ - TEORIA GERAL E ADMISSIBILIDADE
NELSON LUIZ PINTO
MALHEIROS
(1996)
R$ 12,00



CÁLCULO , VOLUME 1
GEORGE B. THOMAS
PEARSON
(2012)
R$ 65,00



CENÁRIOS DA IGREJA
JOÃO BATISTA LIBÂNIO
LOYOLA
(1999)
R$ 20,00



O SOBRINHO DE RAMEAU - DIDEROT
DIDEROT
ESCALA
(2006)
R$ 4,00





busca | avançada
37760 visitas/dia
947 mil/mês