Teoria dos jogos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/2/2010
Teoria dos jogos
Gian Danton

+ de 5800 Acessos

Criada no rastro da revolução científica que foi o surgimento da cibernética, a Teoria dos Jogos é um interessante recurso científico para a solução de conflitos. Criada por John von Neumann e depois desenvolvida pelo Prêmio Nobel John Nash (cuja vida foi retratada no filme Uma mente brilhante), essa teoria parte do princípio de que estamos, constantemente, jogando, seja na empresa, no casamento, ou na relação com os amigos.

Existem dois tipos de jogos: os de soma zero e os de soma dois. Nos jogos de soma zero, se uma parte ganha, a outra, obrigatoriamente, perde (-1+1= 0). Nos jogos de soma 2, os ganhos de uma parte revertem em ganhos também para a outra parte envolvida na contenda (1+1=2).

Aparentemente, todos os jogos são do tipo soma zero. Em um jogo de xadrez, todo mundo joga para ganhar, o que significará a derrota de seu adversário. Em uma guerra, os países lutam para ganhar e, portanto, derrotar seus adversários. Assim, para a maioria dos pensadores antigos, a melhor estratégia em um jogo é procurar ter o maior ganho individual.

As situações de jogo ganharam uma metáfora do famoso paradoxo do prisioneiro. Nesse dilema, dois bandidos são presos e colocados em celas separadas. Os policiais, então, fazem a mesma proposta para cada um deles:

1 ― Se os dois ficarem quietos e não denunciarem seu companheiro, os dois serão libertados (nessa situação, os dois cooperam entre si).

2 ― Se um deles denunciar o outro, mas o outro não o denunciar, o que denunciou ficará livre, enquanto o outro pegará um ano de detenção.

3 ― Se os dois denunciarem um ao outro, ambos ficarão presos, juntos, por seis meses.

Na primeira situação, os dois cooperam entre si. Na segunda situação, um coopera e o outro não. Finalmente, na terceira situação, nenhum dos dois coopera. Detalhe: os bandidos estão em celas diferentes e um não sabe o que o outro fez.

O que você faria em uma situação como essa?

De todas as possibilidades, a segunda é sem dúvida a pior. Se eu coopero e o outro não, eu fico com todo o prejuízo e ele com todo o lucro.

A terceira opção também não é das melhores. Nesse caso, os dois não cooperam e dividem o prejuízo. Além do que, os dois na mesma cela, sabendo que um traiu o outro, pode levar a algumas noites de sono.

A melhor opção seria, claro, os dois cooperarem. Mas é um jogo arriscado, pois se eu cooperar, o outro pode não cooperar e, como já vimos, essa é a pior solução.

A lógica nos diz que a melhor resposta seria não cooperar, ou seja, trair. Mas John Nash demonstrou que isso é válido apenas para jogos com uma única partida. Nos jogos com várias partidas, a melhor estratégia é começar cooperando e fazer depois o que o outro fez na partida anterior. Se ele cooperou, continuamos cooperando. Se ele traiu, nós o punimos traindo também. As estatísticas demonstram que essa é a estratégia que garante melhores resultados.

Na vida cotidiana, a maioria dos jogos é de várias partidas. As relações entre patrões e empregados, marido e mulher, colegas de classe, amigos, são sempre jogos de várias partidas. O que a teoria dos jogos diz é se deve começar cooperando. Deve-se iniciar com boa vontade, confiando na outra parte. Mas se a outra parte não cooperar, deve-se puni-la, não cooperando na partida seguinte e dando uma mensagem clara: traições serão sempre punidas.

Uma relação profissional, por exemplo, nunca dará certo se as partes desconfiarem uma da outra. Se o patrão parte do princípio de que o funcionário irá sempre traí-lo e o funcionário pensa o mesmo do patrão, estabelece-se um clima organizacional dos mais temerários.

Ao contratar uma pessoa, a empresa normalmente estabelece com o funcionário uma relação de confiança. Mas as traições são, ou pelo menos deveriam ser, punidas. O patrão pede ao funcionário que fique dez minutos a mais para terminar um trabalho e o funcionário fica porque sabe que, no dia em que chegar 10 minutos atrasados, contará com a compreensão do empresário.

Quando a relação de cooperação mútua é quebrada sem punição, uma das partes acaba arcando com todo o prejuízo. O funcionário que fica dez minutos depois do horário sem cobrar hora extra, mas se aceita ser descontado ao atrasar 10 minutos acaba se tornando capacho da empresa. Da mesma forma, a empresa que vê o funcionário chegar atrasado todo dia, sem que isso seja descontado, terá um funcionário eternamente traidor.

Descobri isso na prática ao trabalhar para uma faculdade para a qual implantei três cursos de comunicação (Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas). Na época, eu era apenas professor horista de cursos sequenciais, mas fiz os projetos dos três cursos e recebi as comissões.

Escrever projetos de curso e receber comissões é o tipo de trabalho que costuma ser muito bem remunerado por consultores profissionais, pois envolve uma complexidade de ações e muitas responsabilidades, mas eu o fiz de graça, pois contava que a empresa colaboraria, numa relação de mútuo lucro.

Quando os cursos foram finalmente implantados, assumi as coordenações, mas com um salário muito abaixo do esperado. Na verdade, menor que da maioria dos meus colegas professores horistas, alguns apenas graduados. Primeira traição.

Na mesma época da elaboração dos projetos eu comecei a sugerir mudanças no marketing da instituição, que na época era totalmente amador. Logo, eu estava fazendo material de publicidade e assessoria de imprensa sem que isso incidisse sobre meu salário. Comecei a receber, inclusive, reprimendas quando havia problemas nessa área.

Quando surgiu uma oportunidade de fazer doutorado, pedi apoio à instituição e recebi um sonoro não. O argumento é de que a instituição era ainda muito nova e não poderia arcar com ajuda financeira a professores.

Já entrávamos no segundo ano e as reuniões, para elaboração de calendários e outros trâmites acadêmicos, entravam pela noite, até nos feriados e domingos, sem que se falasse em hora extra. Nessa época precisei faltar em um sábado de manhã e descobri, surpreso, que a falta tinha sido descontada de meu contracheque.

A gota d'água aconteceu quando meu telefone tocou uma hora da manhã e era uma das diretoras me informando que uma comissão do MEC de Turismo (um curso no qual eu não lecionava) iria chegar aquela madrugada e que eu deveria pegá-los no aeroporto.

Cada traição não punida dava aos donos da faculdade uma mensagem clara: eu sempre iria colaborar unilateralmente. Como o prisioneiro ingênuo do dilema, eu arcava sozinho com todo o prejuízo, enquanto a outra parte ficava com todo o lucro. Uma vez estabelecido esse esquema, é praticamente impossível reverter a situação.

Acabei saindo da faculdade e para o meu lugar foram contratados três coordenadores, cada um recebendo o dobro do que eu ganhava.


Gian Danton
Goiânia, 1/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O segredo para não brigar por política de Luís Fernando Amâncio
02. Endereços antigos, enganos atuais de Elisa Andrade Buzzo
03. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
04. Entredentes, peça de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. A Onda de Protestos e o Erro de Jabor de Humberto Pereira da Silva


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2010
01. Os dilemas da globalização - 8/11/2010
02. Glauco: culpado ou inocente? - 29/3/2010
03. 2009: intolerância e arte - 4/1/2010
04. Maria Erótica e o clamor do sexo - 25/10/2010
05. As fronteiras da ficção científica - 3/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pequenas Piadas Grandes Negocios
Renato Rodrigues
Gênero
(2000)



Achieve - Volume Único -
Varios
Oxford
(2018)



Sonetos Típicos da Bahia de Outrora
Silva Dutra
Egba
(1997)



Novos Espaços Democráticos Vol 1
Antonio Gutiérrez Vegara e Outros
Perseu Abramo
(2003)



Hot Pusuit
Karen Van Der Zee
Harlequin
(1988)



A Ilha do Tesouro
Robert Louis Stevenson; Robert Louis Stevenson
Ibep Nacional
(2004)



Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Núcleo
(2003)



Ai!!
Natalie Babbitt
Companhia das Letrinhas
(2001)



Renda Básica de Cidadania
Yannick Vanderborght
civilização brasileira
(2006)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês