O curioso caso de Alberto Mussa | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
89107 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Caminhos da Reportagem investiga a história dos americanos em Natal na Segunda Guerra
>>> Palacete Carmelita exibe documentários no mês de setembro
>>> Recital em Paris com pianista brasileira Helena Elias
>>> Teatro do Incêndio encerra temporada de Pano de Boca dia 14/9
>>> Cia Fragmento de Dança coloca em cena a potência sensível de "Corpos Frágeis"
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Mais uma crise no jornalismo brasileiro
>>> Meio Sol Amarelo
>>> A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
Colunistas
Últimos Posts
>>> Literatura na estrada (BH)
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
Últimos Posts
>>> Perdão, Drummond
>>> Reflexões Abissais
>>> DESCOMPASSO
>>> A melhor corrida de minha vida
>>> Cartografia de uma terra imaginária
>>> Filosofando
>>> Um tema, duas penas
>>> Entre a luz e a sombra
>>> Pessoas, seus erros e acertos - Crônica
>>> O crack e os assaltos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Livros, por Milton Assumpção
>>> As lições de Jack Bauer
>>> Festival literário em BH
>>> Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor
>>> Entrevista com Catarse
>>> A luz da outra casa
>>> Alex Grey
>>> Entrevista com Cronópios
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
>>> O Som ao Redor
Mais Recentes
>>> BILHÕES E BILHÕES - REFLEXÕES SOBRE VIDA E MORTE
>>> CARTAS ENTRE AMIGOS
>>> O SEMEADOR DE IDÉIAS
>>> O FUTURO COMEÇOU
>>> Madre Teresa- venha, seja minha luz.
>>> Mística e Espiritualidade
>>> O Despertar da Terra- O Cérebro Global
>>> AUTO-ESTIMA
>>> O BURACO NO CÉU
>>> OS DRAGÕES DO ÉDEN - ESPECULAÇÕES SOBRE A EVOLUÇÃO DA INTELIGÊNCIA HUMANA
>>> TEOLOGIA SISTEMÁTICA
>>> CHRISTINE
>>> O TALISMÃ
>>> Formação Histórica do Acre vol II
>>> Amamentação e o desdesign da mamadeira
>>> Las voces bajas
>>> França Guia Visual folha de São Paulo
>>> O programa aeróbico para o bem-estar total
>>> A Comunidade do Futuro: Idéias para uma nova comunidade
>>> Finanças para não financistas
>>> Esperança além da Esperança.
>>> Esplendores de um ideal Coleção Ampliando com Kardec vol III
>>> Yoga, inmortalidad y libertad
>>> O olhar do poder
>>> Meu Universo e a Energia HUmana
>>> Marketing Trends 2005
>>> Só o amor consegue
>>> Quando a propaganda funciona
>>> Mentes Perigosas
>>> Protocolos Assistenciais Maternidade-Escola
>>> O Brasil de todas as idéias
>>> O Brasil de todas as idéias
>>> Números Magia e Mistério
>>> Roland Barthes- uma biografia
>>> Xamã
>>> Missarum Sollemnia
>>> Como fazer marketing na internet
>>> Tudo Que Você Queria Saber Sobre Propaganda e Ninguém Teve Paciênci...
>>> O pensamento à sombra da ruptura política e filosofia em Hannah Arendt
>>> Análise Científica da Personalidade
>>> O Petróleo é nosso
>>> A Criança Divina e o herói
>>> Sócrates
>>> Veritas
>>> Helena/ O Alienista
>>> Indícios incriminadores
>>> A dama de ferro
>>> Viagem por um Mar Desconhecido
>>> Os casos mais difíceis de Lilyj White
>>> A marca da maldade
COLUNAS

Terça-feira, 21/4/2009
O curioso caso de Alberto Mussa
Rafael Rodrigues

+ de 4900 Acessos

Fosse feito um levantamento sobre qual o perfil dos personagens mais presentes na literatura brasileira contemporânea, certamente seria constatado que eles são homens, com idade entre 25 a 50 anos, geralmente escritores (ou aspirantes a), professores ou homens de negócios; são também, em sua maioria, solteiros e quase sempre estão atravessando uma crise existencial. Isso se analisarmos somente obras de autores do sexo masculino. Entre as escritoras, o caso é um pouco mais simples: as personagens são mulheres em alguma crise de idade (dos 20, 30, 40 ou 50), (mal) casadas ou à procura de um relacionamento estável (geralmente estão envolvidas com algum homem muito instável); no quesito profissão, ou elas são profissionais bem-sucedidas ou são donas de casa amarguradas.

Não obstante os pseudoescritores, herdeiros de Charles Bukowski, John Fante, Allen Ginsberg e companhia (estes, sim, escritores de verdade, não seus imitadores) e pseudoescritoras netas de Clarice Lispector, Florbela Espanca e Virginia Woolf (estas, sim, escritoras de verdade, não suas imitadoras), sem dúvida existem livros de qualidade contendo personagens tão comuns. Mas só aparentemente comuns.

Alguns escritores e escritoras conseguem tirar das influências mais batidas (Rosa, Lispector, Cortázar, Borges, Kafka) algo novo, original. Conseguem fazer de uma história aparentemente simples uma bela e tocante obra ― por vezes perturbadora ―, como fazem, por exemplo, Menalton Braff, Mayrant Gallo, Ronaldo Correia de Brito, Ruy Espinheira Filho e outros tantos. Mas isso porque esses autores não beberam apenas em fontes "batidas". A qualidade de todos vem também das suas vivências pessoais e da convivência (real ou apenas "literal", no sentido de que apenas através dos livros) com autores menos explorados pela maioria dos contemporâneos, ou seja, os clássicos, dos quais geralmente os "novos" escrevinhadores tomam distância ― talvez por preguiça de lê-los.

É por isso que casos curiosos como o de Alberto Mussa, que está alheio a tudo isso, devem ser alardeados.

Seu mais novo livro, Meu destino é ser onça (Record, 2009, 272 págs.), é tão original quanto os anteriores (Elegbara, O Enigma de Qaf, O movimento pendular e O trono da rainha Jinga) ― se não mais. No limiar entre o ensaio e a ficção, Meu destino é ser onça valeria a pena somente pelo Mito Tupinambá que é recriado por Mussa, digno de ser relido diversas vezes, tamanha sua fluidez (é quase hipnótico) e sua aura de mistério. Mas, além disso, o autor reproduziu trechos dos escritos de historiadores que documentaram suas passagens pelo Brasil na época do "Descobrimento", como André Thevet, Padre Manuel da Nóbrega, Gabriel Soares de Sousa e outros, sobre os índios. Esses trechos são um capítulo à parte, por serem relatos feitos no calor ― em ambos os sentidos ― e na urgência da hora. O conjunto da obra culmina num fundamental documento sobre a História do Brasil, imprescindível para estudiosos e também para os leigos. A todos os brasileiros, Mussa deixa um recado: "Há 15 mil anos somos brasileiros; e não sabemos nada do Brasil". Na entrevista abaixo, concedida por e-mail, o autor fala sobre sua carreira e, claro, sobre seu mais novo livro.

Uma obra singular como a sua não deve ter encontrado editores ávidos para publicá-la. Como foi o início da sua carreira, as primeiras tentativas de publicação? Você precisou bancar seus primeiros livros ou encontrou editores dispostos a apostar neles? E agora, que você é publicado pela maior casa editorial do país (Record)? A cobrança é maior ou a liberdade é maior (porque você está mais tranquilo, já que "tem uma editora")?

Minha história deve ser parecida com a de muita gente. Meu primeiro livro, Elegbara, foi edição paga. Depois, ganhei uma bolsa da Biblioteca Nacional para escrever O trono da rainha Jinga. E o livro foi aceito pela Nova Fronteira, que na época andou publicando autores que ganharam esse prêmio. Mas o livro não "aconteceu", teve só uma resenha, na época do lançamento, e a editora não estava animada a publicar o terceiro livro, O Enigma de Qaf. Foi aí que a Ana Maria Santeiro, que até hoje é a minha agente, me apresentou à Luciana Villas-Boas, e em menos de um mês eu tinha o contrato nas mãos. Foi meu primeiro sucesso (é claro, dentro das minhas circunstâncias) literário. Ganhei prêmios, tive matéria em vários jornais e revistas. Depois disso, as coisas ficaram mais fáceis. Minha relação com a Luciana, e com toda a equipe da editora, é a melhor possível. Sou amigo de todos. Hoje, todos os meus livros são publicados pela Record, que inclusive reeditou os dois primeiros. Sinto que ali é a minha casa, estou plenamente realizado.

A História do Brasil não está muito presente nos livros de autores brasileiros, você concorda? Exceto os anos de chumbo (a Ditadura), poucas são as épocas históricas que servem de "pano de fundo" para romances e contos brasileiros. Por que isso acontece? Você tem alguma teoria a respeito?

Não sei se chega a ser uma teoria, mas acho que nós vivemos um momento em que a cultura do imediato é quase uma obsessão. São transmissões em tempo real, é a virtualidade, o celular, o GPS, o MSN, a ideia do agora, do instantâneo, do contemporâneo. Um mundo assim não dá espaço para a reflexão, as pessoas ficam grudadas no computador obcecadas pelo seu próprio tempo, assistindo em tempo real as coisas que acontecem. Há um sentimento geral de que vivemos um período de revolução histórica, a revolução informática (similar em termos de impacto à revolução industrial ou à revolução neolítica). E estão deslumbrados consigo mesmos. Eu acho esse excesso de autorreferência uma coisa muito perigosa.

Fale um pouco sobre seu novo livro, Meu destino é ser onça. Como (e quando) surgiu a ideia de escrevê-lo? Quanto tempo levou para concluí-lo? Você diria que é seu livro mais ambicioso (até agora)? Foi o mais difícil de escrever (por causa das pesquisas que precisou fazer)?

Meu destino é ser onça é uma tentativa literária de reconstituir uma possível narrativa mítica tupinambá, que nunca deve ter existido. Nisso reside a literariedade do livro, é o mito do mito, o mito que poderia ter sido. Mas não consigo classificá-lo como um livro de estrita ficção, porque eu respeitei as fontes ao máximo.

Pensei em escrever logo depois que entreguei o O movimento pendular para a Record, no início de 2006, ou seja, levei cerca de dois anos e meio para escrever Meu destino é ser onça. Só consegui fazer nesse tempo tão curto porque tinha já muitas coisas anotadas, de leituras passadas, sobre o assunto, desde 1990, quando pensei em fazer um doutorado em línguas tupi-guarani.

Mas meu livro mais ambicioso, pretensioso mesmo, continua sendo, para mim, O movimento pendular. Nesse eu acho que fiz e disse as coisas mais importantes, mais originais. E foi esse também o mais difícil. Meu destino é ser onça foi mais cansativo, mas não o mais difícil, porque menos pretensioso.

Meu destino é ser onça está catalogado como "Ensaio brasileiro". Mas, como você deixa claro no início dele, você quis também fazer literatura, e não ficar preso ao Ensaio. Então, o que é Ensaio e o que é Ficção? O Mito é a Ficção e os capítulos sobre as fontes seriam o Ensaio (ou, se você preferir, "Não-Ficção")?

O problema da catalogação e das catalogações em geral é não prever as formas híbridas. Acabamos decidindo por classificar o livro como ensaio porque ficava mais estranho dizer que era romance, por exemplo. Mas só por isso. O que existe de ficcional no livro, de literário, é o propósito: a vontade de restaurar uma coisa que nunca existiu. Isso é a ficção. O resto é um trabalho, digamos, racional, que parte de um pressuposto absurdo.

Nota do autor
Mais perguntas a Alberto Mussa e mais sobre Meu destino é ser onça na matéria "Somos todos índios", publicada na revista Brasileiros.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/4/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
03. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Bibliotecários de Ricardo de Mattos
05. Alcorão de Ricardo de Mattos


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
04. Gênios e loucos - 10/2/2009
05. O curioso caso de Alberto Mussa - 21/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


RECEITAS SABOROSAS - MASSAS
ANDRÉ BOCCATO

De R$ 69,00
Por R$ 34,50
50% off
+ frete grátis



A DÉCIMA SINFONIA
JOSEPH GELINEK

De R$ 44,80
Por R$ 22,40
50% off
+ frete grátis



OS CHINESES
CLÁUDIA TREVISAN

De R$ 53,00
Por R$ 26,50
50% off
+ frete grátis



ENCANTO MORTAL
SARAH CROSS

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



COLÔNIA FLORESCER
ANGELA COUTINHO

De R$ 25,00
Por R$ 12,50
50% off
+ frete grátis



DIFERENTE
YOUNGME MOON

De R$ 59,00
Por R$ 29,50
50% off
+ frete grátis



RECEITAS SABOROSAS - AVES
ANDRÉ BOCCATO

De R$ 69,00
Por R$ 34,50
50% off
+ frete grátis



DIAS DE SANGUE E ESTRELAS
LAINI TAYLOR

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



TRIBUTO A GYLMAR
MARCELO MELLO

De R$ 60,00
Por R$ 30,00
50% off
+ frete grátis



DIALOGOS COM IBERE CAMARGO
SALZSTEIN, SONIA

De R$ 49,90
Por R$ 24,95
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
89107 visitas/dia
1,7 milhão/mês