O curioso caso de Alberto Mussa | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Nesta quinta-feira, consumidores da capital poderão adquirir milhares de produtos com descontos
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
>>> Mídia em Foco debate as novas perspectivas do mercado da música
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Tom Jobim
>>> Links & Links
>>> A suprema nostalgia
>>> O mundo aos olhos de um pescador
>>> A vingança dos certinhos
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
>>> Adolescente lê, sim, senhor!
>>> Diálogos no Escuro
>>> As cartas de Dostoiévski
Mais Recentes
>>> Die Botschaft der Nahrung
>>> Asterix e os Normandos
>>> Asterix na Hispania
>>> Rio Bossa Nova
>>> 1001 Livros Para Ler Antes de Morrer
>>> Dom Quixote
>>> Casa-grande & senzala
>>> Os Clássicos da Política 2
>>> Os Clássicos da Política 1
>>> Aprender a Viver
>>> Os devaneios do caminhante solitário
>>> Olga
>>> Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem
>>> Obras
>>> Prepare-se para Enriquecer
>>> O Deus presente
>>> A Velhinha de Taubaté
>>> Meninos Sem Pátria
>>> Elite Intelectual e Debate Político nos Anos 30
>>> Didática
>>> Psicomotricidade seu objeto, seu espaço, seu tempo
>>> Vestido de Noiva
>>> Didática do Nível Pré-Silábico - Didática da Alfabetização - Vol. 1
>>> Atitudes Favoráveis ao Ensino
>>> Com todas as Letras
>>> O Construtivismo e a Educação
>>> Como viver ou Uma biografia de Montaigne em uma pergunta
>>> A Criança em Desenvolvimento
>>> Jogos Ocultos - Escolha Racional no Campo da Política Comparada
>>> Mecânica dos Fluidos - PLT 110
>>> Álgebra Linear - PLT 195
>>> Química - PLT 196
>>> Práticas de Laboratório para Engenharias - PLT 150
>>> Programação Estruturada - Treinamento em Linguagem C - PLT 193
>>> Uma Verdade Inconveniente - O Que Devemos Saber (e Fazer) Sobre O Aquecimento Global
>>> O Vaticano - Potência Mundial - História e Figura do Papado
>>> Ressurgimento em Portugal - 1962
>>> Bernardo Mascarenhas - O Surto Industrial de Minas Gerais
>>> Anchieta, o Escoteiro do Brasil - 2ª Edição
>>> Missão Radical - Máquinas Voadoras
>>> Álbum de Figurinhas Bandeiras e Países - Completo
>>> Álbum de Figurinhas Pokémon Temos que Pegar
>>> As Razões do Coração - 3ª Edição
>>> Eterno Não é Para Sempre - 3ª Edição
>>> Você Pode Curar Sua Vida - 42ª Edição
>>> A Ilha Perdida - Série Vaga-lume - 40ª Edição - 7ª Impressão
>>> Ronda Grotesca
>>> A Formação do Estado Burguês no Brasil (1888-1891)
>>> O Projeto Político de Pontes de Miranda
>>> O Colecionador de Lágrimas
COLUNAS

Terça-feira, 21/4/2009
O curioso caso de Alberto Mussa
Rafael Rodrigues

+ de 6300 Acessos

Fosse feito um levantamento sobre qual o perfil dos personagens mais presentes na literatura brasileira contemporânea, certamente seria constatado que eles são homens, com idade entre 25 a 50 anos, geralmente escritores (ou aspirantes a), professores ou homens de negócios; são também, em sua maioria, solteiros e quase sempre estão atravessando uma crise existencial. Isso se analisarmos somente obras de autores do sexo masculino. Entre as escritoras, o caso é um pouco mais simples: as personagens são mulheres em alguma crise de idade (dos 20, 30, 40 ou 50), (mal) casadas ou à procura de um relacionamento estável (geralmente estão envolvidas com algum homem muito instável); no quesito profissão, ou elas são profissionais bem-sucedidas ou são donas de casa amarguradas.

Não obstante os pseudoescritores, herdeiros de Charles Bukowski, John Fante, Allen Ginsberg e companhia (estes, sim, escritores de verdade, não seus imitadores) e pseudoescritoras netas de Clarice Lispector, Florbela Espanca e Virginia Woolf (estas, sim, escritoras de verdade, não suas imitadoras), sem dúvida existem livros de qualidade contendo personagens tão comuns. Mas só aparentemente comuns.

Alguns escritores e escritoras conseguem tirar das influências mais batidas (Rosa, Lispector, Cortázar, Borges, Kafka) algo novo, original. Conseguem fazer de uma história aparentemente simples uma bela e tocante obra ― por vezes perturbadora ―, como fazem, por exemplo, Menalton Braff, Mayrant Gallo, Ronaldo Correia de Brito, Ruy Espinheira Filho e outros tantos. Mas isso porque esses autores não beberam apenas em fontes "batidas". A qualidade de todos vem também das suas vivências pessoais e da convivência (real ou apenas "literal", no sentido de que apenas através dos livros) com autores menos explorados pela maioria dos contemporâneos, ou seja, os clássicos, dos quais geralmente os "novos" escrevinhadores tomam distância ― talvez por preguiça de lê-los.

É por isso que casos curiosos como o de Alberto Mussa, que está alheio a tudo isso, devem ser alardeados.

Seu mais novo livro, Meu destino é ser onça (Record, 2009, 272 págs.), é tão original quanto os anteriores (Elegbara, O Enigma de Qaf, O movimento pendular e O trono da rainha Jinga) ― se não mais. No limiar entre o ensaio e a ficção, Meu destino é ser onça valeria a pena somente pelo Mito Tupinambá que é recriado por Mussa, digno de ser relido diversas vezes, tamanha sua fluidez (é quase hipnótico) e sua aura de mistério. Mas, além disso, o autor reproduziu trechos dos escritos de historiadores que documentaram suas passagens pelo Brasil na época do "Descobrimento", como André Thevet, Padre Manuel da Nóbrega, Gabriel Soares de Sousa e outros, sobre os índios. Esses trechos são um capítulo à parte, por serem relatos feitos no calor ― em ambos os sentidos ― e na urgência da hora. O conjunto da obra culmina num fundamental documento sobre a História do Brasil, imprescindível para estudiosos e também para os leigos. A todos os brasileiros, Mussa deixa um recado: "Há 15 mil anos somos brasileiros; e não sabemos nada do Brasil". Na entrevista abaixo, concedida por e-mail, o autor fala sobre sua carreira e, claro, sobre seu mais novo livro.

Uma obra singular como a sua não deve ter encontrado editores ávidos para publicá-la. Como foi o início da sua carreira, as primeiras tentativas de publicação? Você precisou bancar seus primeiros livros ou encontrou editores dispostos a apostar neles? E agora, que você é publicado pela maior casa editorial do país (Record)? A cobrança é maior ou a liberdade é maior (porque você está mais tranquilo, já que "tem uma editora")?

Minha história deve ser parecida com a de muita gente. Meu primeiro livro, Elegbara, foi edição paga. Depois, ganhei uma bolsa da Biblioteca Nacional para escrever O trono da rainha Jinga. E o livro foi aceito pela Nova Fronteira, que na época andou publicando autores que ganharam esse prêmio. Mas o livro não "aconteceu", teve só uma resenha, na época do lançamento, e a editora não estava animada a publicar o terceiro livro, O Enigma de Qaf. Foi aí que a Ana Maria Santeiro, que até hoje é a minha agente, me apresentou à Luciana Villas-Boas, e em menos de um mês eu tinha o contrato nas mãos. Foi meu primeiro sucesso (é claro, dentro das minhas circunstâncias) literário. Ganhei prêmios, tive matéria em vários jornais e revistas. Depois disso, as coisas ficaram mais fáceis. Minha relação com a Luciana, e com toda a equipe da editora, é a melhor possível. Sou amigo de todos. Hoje, todos os meus livros são publicados pela Record, que inclusive reeditou os dois primeiros. Sinto que ali é a minha casa, estou plenamente realizado.

A História do Brasil não está muito presente nos livros de autores brasileiros, você concorda? Exceto os anos de chumbo (a Ditadura), poucas são as épocas históricas que servem de "pano de fundo" para romances e contos brasileiros. Por que isso acontece? Você tem alguma teoria a respeito?

Não sei se chega a ser uma teoria, mas acho que nós vivemos um momento em que a cultura do imediato é quase uma obsessão. São transmissões em tempo real, é a virtualidade, o celular, o GPS, o MSN, a ideia do agora, do instantâneo, do contemporâneo. Um mundo assim não dá espaço para a reflexão, as pessoas ficam grudadas no computador obcecadas pelo seu próprio tempo, assistindo em tempo real as coisas que acontecem. Há um sentimento geral de que vivemos um período de revolução histórica, a revolução informática (similar em termos de impacto à revolução industrial ou à revolução neolítica). E estão deslumbrados consigo mesmos. Eu acho esse excesso de autorreferência uma coisa muito perigosa.

Fale um pouco sobre seu novo livro, Meu destino é ser onça. Como (e quando) surgiu a ideia de escrevê-lo? Quanto tempo levou para concluí-lo? Você diria que é seu livro mais ambicioso (até agora)? Foi o mais difícil de escrever (por causa das pesquisas que precisou fazer)?

Meu destino é ser onça é uma tentativa literária de reconstituir uma possível narrativa mítica tupinambá, que nunca deve ter existido. Nisso reside a literariedade do livro, é o mito do mito, o mito que poderia ter sido. Mas não consigo classificá-lo como um livro de estrita ficção, porque eu respeitei as fontes ao máximo.

Pensei em escrever logo depois que entreguei o O movimento pendular para a Record, no início de 2006, ou seja, levei cerca de dois anos e meio para escrever Meu destino é ser onça. Só consegui fazer nesse tempo tão curto porque tinha já muitas coisas anotadas, de leituras passadas, sobre o assunto, desde 1990, quando pensei em fazer um doutorado em línguas tupi-guarani.

Mas meu livro mais ambicioso, pretensioso mesmo, continua sendo, para mim, O movimento pendular. Nesse eu acho que fiz e disse as coisas mais importantes, mais originais. E foi esse também o mais difícil. Meu destino é ser onça foi mais cansativo, mas não o mais difícil, porque menos pretensioso.

Meu destino é ser onça está catalogado como "Ensaio brasileiro". Mas, como você deixa claro no início dele, você quis também fazer literatura, e não ficar preso ao Ensaio. Então, o que é Ensaio e o que é Ficção? O Mito é a Ficção e os capítulos sobre as fontes seriam o Ensaio (ou, se você preferir, "Não-Ficção")?

O problema da catalogação e das catalogações em geral é não prever as formas híbridas. Acabamos decidindo por classificar o livro como ensaio porque ficava mais estranho dizer que era romance, por exemplo. Mas só por isso. O que existe de ficcional no livro, de literário, é o propósito: a vontade de restaurar uma coisa que nunca existiu. Isso é a ficção. O resto é um trabalho, digamos, racional, que parte de um pressuposto absurdo.

Nota do autor
Mais perguntas a Alberto Mussa e mais sobre Meu destino é ser onça na matéria "Somos todos índios", publicada na revista Brasileiros.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
03. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
04. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
04. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
05. Gênios e loucos - 10/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - VOLUME 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMEN JURIS
(2003)
R$ 8,68



O MERCADOR DE VENEZA
WILLIAM SHAKESPEARE
MARTIN CLARET
(2016)
R$ 4,80



ALEGRIA E TRIUNFO
LOURENÇO PRADO
PENSAMENTO
(1995)
R$ 8,00



A FARSA
CLIVE CUSSLER
SEXTANTE
(2008)
R$ 5,99



A GUERRA DE DEUS - UMA NOVA HISTÓRIA DAS CRUZADAS - VOLUME 1
CHRISTOPHER TYERMAN
IMAGO
(2010)
R$ 79,90



O ESINO DE FILOSOFIA
ALEJANDRO CERLETTI
AUTÊNTICA
(2018)
R$ 20,00



QUATRO
VERONICA ROTH
ROCCO JOVENS LEITORES
(2014)
R$ 15,00



O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



RITOS DE SANGUE + UM ESTUDO SOBRE A ORIGEM DA GUERRAG
BARBARA EHRENREICH
RECORD
(2000)
R$ 16,50



DINOSSAUROS - GIGANTES DO MUNDO PRÉ HISTÓRICO Nº 22
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1993)
R$ 8,99





busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês