Cheiro de papel podre | Carlos Goetteanuer | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/11/2010
Cheiro de papel podre
Carlos Goetteanuer

+ de 7300 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Livro é fetiche". É o que tenho ouvido por aí há algum tempo, principalmente após o lançamento do Kindle, seguido pela popularização dos leitores eletrônicos. Esse fetichismo, associado a uma necessidade de contato físico com o objeto da adoração, foi apontado como uma das razões potenciais para o insucesso dos leitores eletrônicos. Na cabeça dos resistentes à modernidade, o livro é mais que um acumulado de folhas de papel. Trata-se de um objeto de adoração, merecedor de carinho, amor e afago com a ponta dos dedos.

Essa tendência ganhou sua maior representação ano passado, com uma declaração de Pedro Herz, dono da mágica Livraria Cultura. Ao ser questionado sobre o futuro dos livros eletrônicos, o empresário afirmou que os leitores consideravam o "cheiro do livro de papel" algo insubstituível. A relação odorífera com os livros seria tão poderosa que tornaria questionável o sucesso imediato dos modernosos leitores eletrônicos.

Insatisfeito com o falatório alheio, resolvi procurar a definição de fetiche na Wikipédia em uma fonte confiável, para ver se havia o harmonia entre meus sentimentos é a máxima do fetichismo literário. O Dicionário Aurélio nos explica que fetiche é um "objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido pela natureza, ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto; ídolo, manipanço". Impossível não se encantar com o texto da definição. E, confesso, para mim, livro é, sim, um objeto de culto.

Encaro a literatura, e com ela os livros, quase como uma religião. Na estante, meu altar particular, tenho várias imagens sacras, como São Machado de Assis e São Italo Calvino. E, se há um espaço que é para mim uma catedral, tal lugar é uma boa livraria sortida de títulos desejados. Entre as estantes estão reunidas muitos de meus deuses, aprisionados em folhas de papel. Com alguns Reais, sempre mais do que eu possuo, eu posso capturar a bênção entidades santas e levar para casa um pouco de sua divindade.

Portanto, enxergo em um livro um poder realmente sobrenatural. Mas, recentemente, acabei cedendo à tentação do coisa-ruim e cometi um pecado que, em outros tempos, garantir-me-ia o comparecimento ao incêndio de uma fogueira portentosa, com direito de visão pelo lado de dentro. Decidi comprar um leitor eletrônico.

A escolha não foi fácil, principalmente porque em nossas terras brasileiras o assunto ainda engatinha. Primeiro, estabeleci dois critérios, a qualidade da leitura e a disponibilidade de livros em português. Excluí o leitor da Sony, que, apesar de possuir touchscreen é muito reflexivo. Depois, nadei contra a corrente majoritária e ignorei o Kindle, queridinho da atualidade. O aparelho, apesar de possuir a gigante Amazon por trás, ainda tem poucos títulos em português e é incompatível com a maioria dos livros fornecidos pelas poucas livrarias eletrônicas nacionais e com o formato epub, no qual é possível encontrar centenas (talvez milhares) de títulos de domínio público totalmente de graça. Optei, assim, pelo Nook, leitor eletrônico da Barnes & Noble, que, apesar de quase ignorado no Brasil, pode ser uma boa opção para quem consegue realizar compras no exterior.

Após a decisão e, com a tradicional ajuda do amigo-que-vai-para-fora, consegui comprar meu leitor eletrônico. No entanto, minha estreia na leitura eletrônica deu-se de maneira acidental. Os deuses da literatura me fizeram perder o exemplar do livro de papel que estava lendo e tive que recomprar o título, oportunamente, no formato eletrônico. Mas, ainda que abrupta, a transição foi agradável. Após alguns minutos de leitura do papel eletrônico, eu já me sentia familiar com aparelho e sequer me tocava que, um dia antes, ainda lia a versão de papel da mesma obra. Para trocar de página, basta apertar um botão e a folha de papel que estava na sua frente, como que por mágica, fica meio borrada e muda seu conteúdo. Certamente, trata-se de um objeto produzido por forças malignas, para emular um livro com perfeição e afastar os literatos de seu objeto verdadeiro de adoração.

Verdade que nem tudo são flores. Vez ou outra um reflexo incomoda um pouco e, para quem, como eu, cultiva o hábito exótico de leitura em penumbra, a falta de um contraste melhor pode incomodar. O reduzido tamanho da tela não chega a ser um problema para quem está acostumado a ler edições de bolso. Por outro lado, os ganhos são incalculáveis. O número de obras de qualidade disponíveis para domínio público é tão grande que já justifica o investimento no eReader. Basta pensar quanto custa, por exemplo, uma coleção de obras completas de Machado de Assis e lembrar que você pode pegar tudo absolutamente de graça na Internet.

Sempre haverá quem goste de carregar estantes nas costas a cada mudança de endereço. Há até quem veja nisso uma demonstração de sua fé. Eles me lembram aqueles que frequentam as igrejas para expiar os pecados da omissão literária. Mas, ao fim, esquecem que o Evangelho é uma ideia, não um livro ou mesmo um texto. Todavia, eu me tornei um herege a partir do momento que vi a telinha de papel eletrônico. E fetichismo por fetichismo, meu objeto eletrônico é muito mais mágico e cheio de feitiços. Para quem ainda espera sentir o odor de livro por muito tempo, vale um recado. Isso é só cheiro de papel em decomposição.

Nota do Editor
Carlos Goetteanuer mantém o blog Estado Crônico.


Carlos Goetteanuer
São Paulo, 16/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
02. Um mês depois de Julio Daio Borges
03. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva
04. Os dilemas de uma sociedade em Escudo de Palha de Guilherme Carvalhal
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica de Duanne Ribeiro


Mais Carlos Goetteanuer
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/11/2010
07h24min
O livro de papel é um meio de informação, um objeto de decoração, e é com certeza uma obra de arte. Tem todo o trabalho artesanal, tem o trabalho científico, gráfico, na qual insere desenhos e fotografias. Independemente de hoje se escrever muito em computador. Podemos até escrever nas estrelas. A arte existe, e o livro como obra ainda resiste.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/11/2010
11h59min
Cadu, excelente o texto. Muito informativo e articulado. Você é um jornalista em potencial, hein?! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Carolina Fellet]
24/11/2010
09h27min
Você mesmo possui a arte perfeita de seduzir através de seus textos eletrônicos. Confesso, no entanto, que a minha rendição a esta modernidade vem muito lentamente preenchendo minha adoração de passar entre os dedos páginas e mais páginas de um livro que exala um cheiro provocador de êxtase.
[Leia outros Comentários de Láyla]
25/11/2010
17h22min
Muito ilustrativo. Acredito que como quase tudo da minha geração o livro em papel tende à extinção. Creio firmemente que o livro eletrônico incorporará as funções do celular, TV e demais parafernálias eletrônicas que temos que ulilizar mas detestamos carregar.
[Leia outros Comentários de Marcus Goettenauer]
27/11/2010
08h43min
Adoro o cheiro de livro novo, a capa, passar os dedos pelas páginas, frequento sebos, tenho uma desorganizada biblioteca com mais de mil livros, mas estou pronto para passar a ler num "leitor eletrônico" como você. Só estou esperando o mercado consolidar um equipamento que tenha quase todos os livros publicados no Brasil. O culto ao livro de papel pode continuar, mas tendo o livro como objeto, e não como literatura. Esta é composta pelos textos, que podem estar em qualquer suporte físíco ou não.
[Leia outros Comentários de José Frid]
27/11/2010
08h45min
O livro de papel nunca vai acabar. Assim como uma pintura feita com o Photoshop nunca irá substituir um Van Gogh ou um Da Vinci, esses cacarecos eletrônicos não passam de um sucedâneo prático, sim, para os que conseguirem adaptar-se, talvez até um pouco mais baratos (embora os preços de livros que tenho visto nesse formato não se justifiquem, e recaímos na velha história dos custos), mas sem qualquer glamour. Eu não falo daquele livreco do Jorge Amado vendido promocionalmente aos quilos nas bancas de jornais: refiro-me àquela edição rara do Dom Quixote, talvez do século XVII, que num sebo eu vi ao módico preço de R$ 12.000,00 e que não terei nunca; ou mesmo edições de luxo, modernas, de grandes clássicos, que custam muito menos (cem ou duzentos reais), mas cuja beleza do acabamento técnico é tão envolvente quanto a própria obra (como uma recente edição do "Grande Sertão", de Rosa). Nesses termos, o livro não é uma simples "leitura", mas objeto de arte.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
17/6/2011
20h36min
Acredito que vale a pena se tornar um pecador. Um pecadinho desses é passível de perdão. No entanto devemos observar que enquanto um objeto real que terá suas páginas amareladas, com o tempo somente será apreciado por um verdadeiro devoto da literatura. Um falso leitor jamais gastará seus reais para encher uma estante de objetos recheados de palavras. Agora com os objetos do pecado, será possível carregar dezenas, centenas e quem sabe milhares de obras. Uma coisa é fato, a literatura é uma arte que poucos sabem como apreciar. Aqueles que sabem, independente do meio, jamais deixarão de estimá-la. Agora quem não sabe, não é preciso dizer nada!
[Leia outros Comentários de Vanderley Matias ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RECEITAS DE TODOS OS DIAS
CLAUDIA
ABRIL
R$ 4,50



A CANÇÃO DE MUCÁRIO
JOSÉ MANUEL HELENO
LIVROS HORIZONTE
(1986)
R$ 17,86



ESTÉTICA E HISTÓRIA (DEBATES #62)
BERNARD BERENSON
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 18,00



DE BABILÔNIA A BRASÍLIA
WOLF SCHNEIDER
BOA LEITURA
(1964)
R$ 7,90



O QUE É CONSTITUINTE
MARÍLIA GARCIA
BRASILIENSE
(1986)
R$ 12,00



ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO DO AMBIENTE MICROSOFT WINDOWS SERVER 2003
DAN HOLME; ORIN THOMAS
BOOKMAN
(2006)
R$ 60,00



DESIGN DE ADVERTÊNCIA PARA EMBALAGENS
CLÁUDIA MONTALVÃO
2AB
(2000)
R$ 12,00



PECAMINOSO
GISELE SOUZA
CHARME
(2015)
R$ 12,00



O CONDE E O PASSARINHO
RUBEM BRAGA
DO AUTOR
(1964)
R$ 7,90



VERGER - BASTIDE: DIMENSÕES DE UMA AMIZADE
PIERRE VERGER, ROGER BASTIDE E ANGELA LUHNING (ORG.)
BERTRAND
(2002)
R$ 22,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês