Doces bárbaros | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
>>> JORNALISTA REESCREVE CONTOS DE FADAS À BRASILEIRA
>>> Aspirando & Expelindo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
>>> Fio de Eros II
>>> Bipolaridade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Cultura pop
>>> O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Samba da benção
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Do maior e do melhor
>>> Eumeswil, de Ernst Jünger
Mais Recentes
>>> Crime e Castigo - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Viagem ao céu/O saci - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Histórias de Tia Nastácia - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Fábulas - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A chave do tamanho - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O poço do visconde - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> História do mundo para crianças - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Caçadas de Pedrinho/Hans Staden - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A reforma da natureza/O minotauro - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Soluções positivas da Política Brasileira - Pereira Barreto (Política)
>>> Avaliação do Doente - Coleção Modernas Técnicas de Enfermagem
>>> Solo de clarineta
>>> O romance das equações algébricas. A história da Álgebra.
>>> Proteger e Defender
>>> Revolta em 2100
>>> A justiça de Caim
>>> Mulheres que atraem os homens e mulheres que os afastam
>>> O Ateneu
>>> Uma Breve História do Mundo
>>> Saga Crepúsculo - Com 5 Livros (Português) Capa Comum - Box set, 1 jan 2013
>>> 1822 - Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil - um país que tinha tudo pra dar errado.
>>> 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil
>>> A Coroa, a Cruz e a Espada - Lei, ordem e corrupção no Brasil
>>> Capitães do Brasil - A saga dos colonizadores
>>> Náufragos, Traficantes e Degredados - As primeiras expedições ao Brasil
>>> A Viagem do Descobrimento - Um olhar sobre a expedição de Cabral
>>> História do medo no Ocidente 1300-1800. Uma cidade sitiada
>>> Virginia Woolf - Uma Biografia
>>> Histórias para assustar o Mão Branca
>>> 40 Dias Para Mudar O Mundo
>>> Livre - A Jornada De Uma Mulher Em Busca Do Recomeço
>>> Dinheiro Não Dá Em Árvore
>>> Massagem Sensual Como Você Nunca Viu - Volume 1
>>> Fatos Rimados - Poemas De Vida
>>> Cada Coisa Que Parece
>>> A Décima Segunda Noite
>>> Como Enlouquecer Uma Mulher E Fazê-la Subir Pelas Paredes
>>> O Menino No Espelho
>>> Era Outra Vez Um Gato Xadrez
>>> A roupa e a moda. Uma história concisa.
>>> Kika, a Estranha - Aventuras e Desventuras de uma Colunista de Sexo Descasada
>>> Mais do Que Palavras - Uma Introdução à Teoria da Comunicação
>>> Sam Walton made in America
>>> O MUNDO DE SOFIA - Romance da história da filosofia
>>> Crianças Francesas não fazem manha
>>> A Terra Está germinando e Outros Contos
>>> O Edifício Até Sua Cobertura
>>> CHEGA DE SAUDADE A história e as histórias da Bossa Nova
>>> A outra face do amor
>>> Viagem Ao Centro Da Terra
COLUNAS

Quinta-feira, 23/6/2011
Doces bárbaros
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4000 Acessos


foto: Sissy Eiko

O doce é primórdio, aconchego, agrura, amargura. Objeto contraditório, não deixa de ser uma necessidade importante e banal, pois para satisfazer-se é preciso engendrar artimanhas ou então sucumbir. O doce caminha, assim, ao lado do desejo e da saciedade, do controle e do descontrole. Ele pode ser a perdição, mas no caso das doceiras que conheci é o pão repartido. E essa é uma história que se desvenda aos poucos, entre o passado marcado por uma doceira e o futuro destas jovens doceiras, como se de cada experiência inaugurasse a lei do retorno.

No começo estava a infância marcada por alguma guloseima. Rosquinhas fritas, bolo de chocolate, brigadeiro, bala de açúcar na panela, cocada... Quantas festinhas infantis e tardes entre as "lições de casa" e a Sessão da Tarde não são rememoradas a partir de um gosto especial, algum cheiro que diretamente lhes remete? Tempos claros e despreocupados.

Meus livros de receitas preferidos eram os de doces, claro, infantil paladar a sonhar com bolos em forma de coelho, beijinhos com rosto de ursinho, uma mousse tricolor decorada com bolinhas de gude. E, também, algo além do gosto e da vontade imediata: como fazê-los? Aquela literatura culinária poderia se transformar em algo material, e bom, tal como nas fotos ilustrativas. Não me parecia possível (e ainda não me parece que eu consiga fazer) uma dúzia de palavras e verbos imperativos resultar em algo bonito e comestível. Havia alguma mágica em quem conseguisse construir aquilo?

Assim, há certa arte nas doceiras. E o encontro de um grupo bem específico de algumas delas, as Doceiras Twitteiras, em que fui no final de maio deste ano a convite da Michele Pazo, me fez pensar na relação que se tem com o doce, o desejo, e lembrar a primeira doceira que conheci. Da mesma forma, me levou a tecer aproximações e comentários acerca de seus novos tempos, estes marcados pelo contato virtual e, por que não, mais do que nunca, a vontade do real.

"Todo mundo tem uma boa lembrança relacionada a algum doce. Resgatar esse sentimento nas pessoas é mágico e muito compensador", me fala a Luciana D'Agosto, que me recebeu no II Encontro de Doceiras Twitteiras(!) na Casa Tcheca, diante de um grupo de mais de quarenta jovens doceiras que curiosamente se conheceram pelo Twitter e, partir daí, criaram uma rede de relacionamentos entre si e negócios. Elas trocam ideias, fazem parcerias e, principalmente, da amizade virtual surgiu a real e os animados encontros em que trazem suas principais criações.

Daquela alegria em torno do doce emergiram recordações, algo que o tempo trata de ir escondendo sob o peso dos acontecimentos e das palavras diárias, mas que ressurge bastando um sopro, um cheiro, uma cena. Disseram-me que minha primeira gata, a Hanna, gostava de comer os biscoitos de amêndoas da Dona Weiss. Não seria de se estranhar, os biscoitos de meia-lua, como chamávamos, eram uma sensação ― acabava em pouco tempo o pacote embrulhado em papel cor-de-rosa. A Dona Weiss era uma doceira que conheci já velhinha, na minha infância passada no Bom Retiro, e fazia diversas especialidades húngaras, dentre elas uma torta de maçã que, apesar de nunca mais ter experimentado, ficou na minha memória como algo mítico que possa talvez até não ter existido.

Enquanto ela ressurge em mim quando estive em sua casa e conheci sua cozinha, as altas prateleiras com vasilhas e a batedeira planetária Arno, agora vejo estas tantas doceiras trocando figurinhas, prestes a começar a degustação de suas especialidades. A Luciana levou trufas e brigadeiros de pistache, a Carolina Gadelha trouxe os cupcake bites, a Flávia Cox diversos sabores de cupcakes, a Monise Tonoli fez cupcakes decorados com um passarinho azul lembrando que o encontro era de twitteiras, a Andréia Scharwz veio com bisnagas de brigadeiro e um bolo para comemorar o segundo ano do encontro. Eram muitos os docinhos, bem-casados, cookies, pães de mel, numa profusão de rosas, azuis e marrons. Cada doceira orgulhosa de sua cria ajeitava com capricho a mesa principal. E eu na expectativa de conhecer tudo, saber dos recheios e das coberturas daquele mundo de era uma vez. Agora era só aguardar o momento de dividir, experimentar, exceder, relembrar.

E se o gosto ainda está forte na boca o que se espera a não ser sua continuidade? Pelo contrário: merecemos uma distância diante dos acontecimentos. Por isso, em algum momento me afastei da mesa repleta, dos flashes e do rumor de conversa animada e me dirigi aos fundos da casa, onde um bonito jardim se abria a céu aberto. Deixei para trás a infância de gosto amendoado, constatei o amor do trabalhar e do compartilhar o doce. Aquelas mulheres estavam ali, reunidas, com uma alegria boa a discutir, elogiar a beleza e a doçura e trocar experiências. E imaginei que aquele encontro se concretizava a partir de uma vontade maior, assim como tantos outros que se lançam ardentes, indecisos, nunca forçados. Isso porque o encontro pressupõe um afã em criar laços, lança a oportunidade de reaver as respostas, tecer perguntas, sugere, enfim, um diálogo. Restava entender que eu estava mais uma vez do lado de cá da bancada, admirando e experimentando coisas que o mundo proporciona. Uma pequena cascata esvai-se na piscina azul pálida de outono. O dia se estende e ainda é novo. Todo encontro é cristalino. E os doces gestos ou as intermitências silenciosas são os que dizem mais?


Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 23/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
02. Fake-Fuck-Fotos do Face de Jardel Dias Cavalcanti
03. Bibliotecários de Ricardo de Mattos
04. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
05. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MORENINHA - TEXTO INTEGRAL
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MARTIN CLARET
(2009)
R$ 13,90



CRÔNICAS 2 - PARA GOSTAR DE LER- NOVA ORTOGRAFIA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE,FERNANDO SABINO, PAULO MENDES CAMPOS E RUBEM BRAGA
ÁTICA
(2011)
R$ 17,90



ENDURANCE - A LENDÁRIA EXPEDIÇÃO DE SHACKLETON À ANTÁRTIDA
CAROLINE ALEXANDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 50,00



AMOR ALÉM DA VIDA
RICHARD MATHESON
BUTTERFLY
(2008)
R$ 11,90



OS CARISMÁTICOS- UM PANORAMA DOUTRINÁRIO
JOHN F. MACARTHUR, JR
FIEL
(1988)
R$ 59,00



ANÁLISE DO ESTADO - O ESTADO COMO PARADIGMA DE PODER
COLOMBO
IMAGINÁRIO
(2001)
R$ 7,00



A CRÍTICA DA RELIGIÃO
URBANO ZILLES
EST
(2009)
R$ 15,00



HEGEL
FRANÇOIS CHÂTELET
ZAHAR
(1995)
R$ 43,60
+ frete grátis



MARTINS FONTES
IVAN MONTEIRO DE BARROS LINS
MARTINS FONTES
(1939)
R$ 60,00



TEORIA MARXISTA DO VALOR E
A. ALVES DE CAMPOS
FACULDADE DE FILOSOFIA DE BRAGA, PORTUGAL
(1956)
R$ 5,00





busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês