Doces bárbaros | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
>>> Lua nova
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Entrevista com Claudio Willer
Mais Recentes
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
>>> Mario Botta
>>> Cinematógrafo: Um Olhar Sobre A História
>>> Desenho a Cores: Técnicas de Desenho de Projeto para Arquitetos 2ª Ed
>>> A Mão Livre 2 Técnicas de Desenho
>>> Cachaça- Edição: 1ª
>>> Preparatório Para O Exame De Pmp - 6ª Edição
>>> As origens da adoração crista
>>> A Técnica de Edificar - 6°edição Revisada e Atualizada
>>> Malba Tahan
>>> Direito Comercial Volume 21 - Sinopses Jurídicas
>>> Iniciacao a Psicologia
>>> Trilogia Deutsch Perfekt
>>> As 36 Estratégias Secretas
>>> Los Efectos Perversos Del Petróleo
COLUNAS

Quinta-feira, 23/6/2011
Doces bárbaros
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4100 Acessos


foto: Sissy Eiko

O doce é primórdio, aconchego, agrura, amargura. Objeto contraditório, não deixa de ser uma necessidade importante e banal, pois para satisfazer-se é preciso engendrar artimanhas ou então sucumbir. O doce caminha, assim, ao lado do desejo e da saciedade, do controle e do descontrole. Ele pode ser a perdição, mas no caso das doceiras que conheci é o pão repartido. E essa é uma história que se desvenda aos poucos, entre o passado marcado por uma doceira e o futuro destas jovens doceiras, como se de cada experiência inaugurasse a lei do retorno.

No começo estava a infância marcada por alguma guloseima. Rosquinhas fritas, bolo de chocolate, brigadeiro, bala de açúcar na panela, cocada... Quantas festinhas infantis e tardes entre as "lições de casa" e a Sessão da Tarde não são rememoradas a partir de um gosto especial, algum cheiro que diretamente lhes remete? Tempos claros e despreocupados.

Meus livros de receitas preferidos eram os de doces, claro, infantil paladar a sonhar com bolos em forma de coelho, beijinhos com rosto de ursinho, uma mousse tricolor decorada com bolinhas de gude. E, também, algo além do gosto e da vontade imediata: como fazê-los? Aquela literatura culinária poderia se transformar em algo material, e bom, tal como nas fotos ilustrativas. Não me parecia possível (e ainda não me parece que eu consiga fazer) uma dúzia de palavras e verbos imperativos resultar em algo bonito e comestível. Havia alguma mágica em quem conseguisse construir aquilo?

Assim, há certa arte nas doceiras. E o encontro de um grupo bem específico de algumas delas, as Doceiras Twitteiras, em que fui no final de maio deste ano a convite da Michele Pazo, me fez pensar na relação que se tem com o doce, o desejo, e lembrar a primeira doceira que conheci. Da mesma forma, me levou a tecer aproximações e comentários acerca de seus novos tempos, estes marcados pelo contato virtual e, por que não, mais do que nunca, a vontade do real.

"Todo mundo tem uma boa lembrança relacionada a algum doce. Resgatar esse sentimento nas pessoas é mágico e muito compensador", me fala a Luciana D'Agosto, que me recebeu no II Encontro de Doceiras Twitteiras(!) na Casa Tcheca, diante de um grupo de mais de quarenta jovens doceiras que curiosamente se conheceram pelo Twitter e, partir daí, criaram uma rede de relacionamentos entre si e negócios. Elas trocam ideias, fazem parcerias e, principalmente, da amizade virtual surgiu a real e os animados encontros em que trazem suas principais criações.

Daquela alegria em torno do doce emergiram recordações, algo que o tempo trata de ir escondendo sob o peso dos acontecimentos e das palavras diárias, mas que ressurge bastando um sopro, um cheiro, uma cena. Disseram-me que minha primeira gata, a Hanna, gostava de comer os biscoitos de amêndoas da Dona Weiss. Não seria de se estranhar, os biscoitos de meia-lua, como chamávamos, eram uma sensação ― acabava em pouco tempo o pacote embrulhado em papel cor-de-rosa. A Dona Weiss era uma doceira que conheci já velhinha, na minha infância passada no Bom Retiro, e fazia diversas especialidades húngaras, dentre elas uma torta de maçã que, apesar de nunca mais ter experimentado, ficou na minha memória como algo mítico que possa talvez até não ter existido.

Enquanto ela ressurge em mim quando estive em sua casa e conheci sua cozinha, as altas prateleiras com vasilhas e a batedeira planetária Arno, agora vejo estas tantas doceiras trocando figurinhas, prestes a começar a degustação de suas especialidades. A Luciana levou trufas e brigadeiros de pistache, a Carolina Gadelha trouxe os cupcake bites, a Flávia Cox diversos sabores de cupcakes, a Monise Tonoli fez cupcakes decorados com um passarinho azul lembrando que o encontro era de twitteiras, a Andréia Scharwz veio com bisnagas de brigadeiro e um bolo para comemorar o segundo ano do encontro. Eram muitos os docinhos, bem-casados, cookies, pães de mel, numa profusão de rosas, azuis e marrons. Cada doceira orgulhosa de sua cria ajeitava com capricho a mesa principal. E eu na expectativa de conhecer tudo, saber dos recheios e das coberturas daquele mundo de era uma vez. Agora era só aguardar o momento de dividir, experimentar, exceder, relembrar.

E se o gosto ainda está forte na boca o que se espera a não ser sua continuidade? Pelo contrário: merecemos uma distância diante dos acontecimentos. Por isso, em algum momento me afastei da mesa repleta, dos flashes e do rumor de conversa animada e me dirigi aos fundos da casa, onde um bonito jardim se abria a céu aberto. Deixei para trás a infância de gosto amendoado, constatei o amor do trabalhar e do compartilhar o doce. Aquelas mulheres estavam ali, reunidas, com uma alegria boa a discutir, elogiar a beleza e a doçura e trocar experiências. E imaginei que aquele encontro se concretizava a partir de uma vontade maior, assim como tantos outros que se lançam ardentes, indecisos, nunca forçados. Isso porque o encontro pressupõe um afã em criar laços, lança a oportunidade de reaver as respostas, tecer perguntas, sugere, enfim, um diálogo. Restava entender que eu estava mais uma vez do lado de cá da bancada, admirando e experimentando coisas que o mundo proporciona. Uma pequena cascata esvai-se na piscina azul pálida de outono. O dia se estende e ainda é novo. Todo encontro é cristalino. E os doces gestos ou as intermitências silenciosas são os que dizem mais?


Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 23/6/2011


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO SELECTO - JOSE ZORRILLA (TEATRO ESPANHOL)
JOSE ZORRILLA
NACIONAL
(1970)
R$ 15,00



CINEMATÓGRAFO: UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA
JORGE NOVOA
EDUFBA
(2009)
R$ 75,00



O MELODRAMA
JEAN-MARIE THOMASSEAU
PERSPECTIVA
(2005)
R$ 25,00



OS 100 SEGREDOS DAS PESSOAS FELIZES
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2001)
R$ 17,00



O MACACO CALVO - GRUPO 1 MAMÍFEROS TERRESTRES - FASCÍCULO Nº 83
AUTOR IMP
IMP
R$ 9,90



O PODER DA EDUCAÇÃO - 3ª EDIÇÃO
THEODORE BRAMELD
ZAHAR
(1977)
R$ 7,00



A ARTE DE ESCREVER
ARTHUR SCHOPENHAUER
L&PM POCKET
(2007)
R$ 13,00



MEU TESTAMENTO FILOSÓFICO- EXPERIÊNCIA CRISTÃ DE UM PENSADOR CONTEMPORÂNEO
JEAN GUITTON
PAULINAS
(1999)
R$ 41,50



MANUAL PRÁTICO DE COACHING
NOSCILENE SANTOS
LAÇOS
(2011)
R$ 15,00



VINHOS
SÉRGIO DE PAULA SANTOS
T A QUEIROZ
(1983)
R$ 7,09





busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês