Procura-se a década de 60 | Sonia Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/1/2002
Procura-se a década de 60
Sonia Pereira

+ de 8900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Alvoroço no salão. Os formandos do 3º ano do ensino médio (na minha época era científico e clássico; depois foi colegial, depois segundo grau e agora, isso!) dançam, conversam, passeiam prá lá e prá cá em bandos barulhentos. Risos, abraços, gritos de satisfação. Os rapazes, com seus ternos alinhados, ensaiam poses e ares de conquista, com suas barbas ainda por fechar, enquanto as mocinhas, já não tão bem comportadas, exibem suas formas plenas em vestidos prá lá de sensuais. Os familiares, conformados, jazem nas cadeiras, ao redor de pequenas mesas. Toalhas brancas, flores ao centro. Não é possível a conversa, não se escuta nada que não seja o ritmo da música alucinante que sai das enormes caixas de som e bate em nossas cabeças como invisíveis bate-estacas. O volume é absurdamente alto. Suspiro: ao menos, a música é ao vivo, estamos prestigiando nossos músicos. Moças e rapazes afinadíssimos, cantando, pulando e dançando dentro do ritmo, o que imaginei humanamente impossível. Comecei a prestar atenção ao show de sons, luzes, fantasias e brilhos. A primeira seleção fora uma seqüência morna de “hits” de orquestras do passado, até todos se acomodarem. Dali em diante, tornou-se inviável a permanência no salão, sem ter os tímpanos arrebentados. Acho que as novas gerações já sofreram a mutação necessária para suportar tal quantidade de decibéis. De minha parte, preferi ficar fora do salão, assistindo ao baile (?) através de um vidro suficientemente espesso.

As seleções foram se alternando: rock, dance, jungle, funk, forró – ôpa! Música brasileira? Bem, é certo que era o tal de forró universitário, mas era música brasileira, afinal. Esse negócio de graduação do forró é uma outra história, que fica para uma outra vez, como diria o saudoso Júlio Gouveia (alguém se lembra?).

Após uma seleção arrepiante de axé, as moçoilas entram no palco totalmente vestidas, à moda dos anos 50, com laços nos cabelos, blusinhas de ban-lon e saias rodadas de bolinhas, é claro! Um pedaço de um cadilac rabo e peixe aparece no meio do palco. Nesse momento, começa o meu espanto, que só aumentaria durante todo o resto do baile. Uma das meninas grita ao microfone: “Vamos lá, pessoal! Vamos recordar os anos 60! Todos comigo na contagem regressiva: uan, tchu, uan/tchu/tri, rá!” Regressiva? Será que a matemática mudou também? E dá-lhe rock-around-the-clock, estúpido cupido, only you, e outras músicas deliciosas dos inofensivos...anos 50!

No início da seleção eu ainda tentei argumentar com o maridão, que é alguns anos mais novo e não se lembra desses detalhes: “está tudo errado! O legal era o Mustang, o Camaro, o Miúra! E não eram essas as músicas! Eram os Beatles, os Rolling Stones, The Doors, The Animals, Hendryx, Janis, a Tropicália, as músicas de protesto, dos festivais...o que é isso?” Aí, caiu a ficha. Vi que poderia ser proposital. Maluquice? Pior que não. Lembrei, de repente, dos outros “shows” e festas dos anos 60 de que meus filhos participaram, das roupas de bolinhas que eu dizia que não eram dessa época, dos rock’s que eles comentavam depois das festas e eu explicava que eram da década anterior e não da de 60. Fui ficando assustada. Essa geração não faz a menor idéia do que quer que tenha sido aquela década no mundo e, principalmente, no Brasil. Não é saudosismo, ou auto-afirmação tardia. Nem vou relembrar as ditaduras, ficar batendo nessa tecla gasta. Apenas, penso que aquela foi a década em que a juventude entendeu e cumpriu com brilhantismo o seu papel transformador, apesar do perigo, das baixas e da reação repressora das gerações anteriores, donas do poder no mundo. Ali deu-se o movimento necessário para a reestruturação da sociedade, das relações pessoais, sociais e econômicas, das questões da liberdade individual e coletiva em todas as áreas do conhecimento e em quase todas as partes do mundo. De repente, as pessoas tomaram consciência do coletivo, apontando para uma possível sociedade amadurecida, um romper de cascas arrasando mitos e tabus, “derrubando prateleiras e dizendo não ao não”. Sabendo a hora de fazer, em vez de esperar. Estava tudo ali, os sonhos, o futuro que se pretendia nas músicas, nos poemas, nas peças de teatro, no SIMCA Chambour, na liberação das mulheres e dos homens dos seus papeizinhos na casinha de brinquedo. Um mundo melhor, mais justo, mais humano. Um mundo livre. Uma pena, o peso do poder foi maior. Mas, tudo mudou desde então, algumas mentiras não mais puderam ser contadas.

Ficamos todos velhos, como nossos pais? Velhos, sim, mas com um entendimento das coisas muito diferente daquele que os nossos pais tentaram – em vão – nos impingir. Não por sacanagem, mas porque acreditavam na estabilidade das coisas. Não queriam correr os riscos de mudar coisa alguma. Não aceitamos, fizemos nossos próprios caminhos, bem ou mal, e pagamos caro pela ousadia. Muita gente boa ficou pela estrada.

Hoje a história se repete, com a imposição, aos mais jovens, de modelos bem comportados e passivos da sociedade, fazendo-os acreditar que a história foi só isso. Bem comportado, o passado. Bem safado, o que se lhes apresenta como o atual, voltado somente para o individualismo, isentando a todos da consciência do coletivo, do poder transformador que só a juventude carrega nas veias. Deve ser coisa de hormônio, sei lá. Só sei que estão transformando nossos jovens em indivíduos com apenas corpo e membros, aptos para produzir e reproduzir. Sem cabeça para pensar e questionar, transformar, ousar. Só desejo que se preserve, ao menos, seus corações, para que jamais se perca a ternura. E que eu possa participar de outros bailes sem susto.

Perguntinha Difícil
Depois do casamento existe alguma coisa? Vida? Sexo? Bem, sobre isso eu posso falar com conhecimento de causa. Afinal, já fui casada algumas vezes, em outras ocasiões nem cheguei a tanto. Não fiquem horrorizados, não sou nenhuma maluca ou promíscua. Apenas nasci e cresci ao sul do equador, onde não existe pecado. Se vocês prestarem atenção, verão que sou uma pessoa até bem normalzinha, trabalho o dia todo, crio quatro filhos, vou ao supermercado, shopping center, reunião de pais e mestres, coisas assim. Só uso jeans e camiseta folgada e comprida. E espero que este seja meu último marido, de verdade. Veja só: além de não atrapalhar, ele abaixa a tampa da privada quando sai do banheiro. E lava as mãos! (Não, não vou emprestar prá ninguém!)

É que eu sou a favor da liberdade de escolha, sempre. Mesmo que seja para escolher ficar com uma só pessoa para o resto da vida, se possível. Isso requer uma dose enorme de sinceridade, o que nem sempre é compreendido como tal. Não dá para ficar com uma pessoa por outro motivo que não seja a nossa própria vontade e prazer. Não é egoísmo, é a verdade. Todos somos assim, com algumas variações prá cá e prá lá, mas quase sempre sobre o mesmo tema. Qualquer coisa antes, durante, depois ou apesar do casamento, só pode existir – e resistir – se houver vontade de ambas as partes e prazer para os dois (ou quantos forem, vai saber). O resto é lenda, é mito. Ou uma mentira deslavada. Não concorda? Pois você é livre para discordar!

Articulações
Outro dia, alguém disse que me considerava uma pessoa bem articulada. Essa afirmação levou-me ao delírio! Não, não por vaidade (foi um elogio?), mas porque fez com que eu fosse tomada por um sentimento Kafkiano de, sem mais nem menos, não ser uma pessoa, mas um enorme inseto cheio de pernas, antenas e...articulações! Ou mesmo um pantógrafo. Alguém aí sabe o que é isso? Não é um fóssil, mas está em vias de. Nos idos de 70, servia como ferramenta de ampliação manual de desenhos e projetos. Cheio de pedacinhos de madeira com dobradiças e furinhos para aumentar ou reduzir a escala dos desenhos. Tá rindo? Pois saiba que usei até um artefato complicadíssimo, chamado régua de cálculo. Não vou explicar essa engenhoca agora, não é o foco da questão. Voltemos às articulações. Do pantógrafo, pulei para a imagem de uma aranha caranguejeira, repleta de patas, pelos e olhos. E um imenso traseiro expelindo fios de seda a jato. Decididamente, essa não era eu. Só tenho quatro patas, ou melhor, membros, e nunca consegui expelir fios de seda pelo dito cujo. Se bem que, pensando melhor, já estive suspensa por um fio em várias ocasiões. De qualquer forma, a aranha não me convenceu. Besouro? Joaninha? Mariposa? Gafanhoto...já sei! O mais articulado de todos: o louva-a-deus. Nem sei se é assim mesmo que se escreve o nome desse inseto prá lá de articulado. E, além de articulado, voraz. Extremamente voraz. Comecei a gostar do bichinho. Já pensou? Você está com alguém e acha que a conversa tá chata. Então...nhac! Engole aquela cabeça, fim de papo. Se gostar de um belo par de olhos, pronto: prato principal. Pensando bem, as popozudas estariam em maus lençóis. Por outro lado, não haveriam mais brigas, separações, não seria preciso construir e manter cadeias públicas, políticos corruptos...epa! Será que ia sobrar alguém? Sei não. Melhor esquecer essa história toda e retornar às minhas próprias articulações. Tá certo que elas já não funcionam muito bem, mas, pelo menos, são inofensivas. Agora, pensando bem, estou um pouco confusa. Será que aquela pessoa disse mesmo que eu era articulada, ou atrapalhada? Ou seria enferrujada? Embalsamada? Esculhambada? Não sei mais. Nem vou perguntar.


Sonia Pereira
São Paulo, 3/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti
02. Figuras de linguagem e a escrita criativa de Marcelo Spalding
03. Meu carcereiro predileto de Ana Elisa Ribeiro
04. O espiritismo e a novela da Globo de Marcelo Spalding
05. A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa de Humberto Pereira da Silva


Mais Sonia Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2002
01h51min
No auge dos meus 24 anos já me desfiz dessas ilusões sobre os anos 60 e sobre a juventude. Foi a década mais decadente do século XX (os 90 também foram horríveis). A juventude quando quer mudar o mundo só faz porque é manipulada e sempre dá tudo errado. E depois ninguém assume a responsabilidade pelas coisas que acontecem depois. Acho que hoje nem Bob Dylan acredita nos anos 60 (se é que ele um dia acreditou). Ainda prefiro os 50 e rockabilly, sem compromisso com o tal do coletivo. Cordialmente, Emilio
[Leia outros Comentários de Emilio Palma]
3/1/2002
08h28min
É uma pena, mas você só confirma tudo o que afirmei. Mas nem sempre foi assim.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A BOA TERRA
PEARL S BUCK
GLOBO
(1992)
R$ 6,65



CIDADÃO DO CRIME
JESS WALTER
LANDSCAPE
(2006)
R$ 13,00



CONVIVÊNCIA - UMA NECESSIDADE VÁRIOS DESAFIOS
AUGUSTO MONTEIRO BORGES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LA CONSOLANTE
ANA GAVALDA
J´AI LU
(2008)
R$ 20,00



A DIVINA SABEDORIA DOS MESTRES
BRIAN WEISS
SEXTANTE
(1999)
R$ 10,50



O BRASIL PÒS MILAGRE
CELSO FURTADO
PAZ E TERRA
(1983)
R$ 28,40
+ frete grátis



MEDITAÇÃO PARA AS NOVAS MAMÃES
BETH WILSON SAAVEDRA
ROCCO
(1997)
R$ 7,00



DA AÇÃO PAULIANA
LAURO LAERTES DE OLIVEIRA
SARAIVA
(1979)
R$ 25,82



MEMÓRIAS SOBRE A VIAGEM DO PORTO DE SANTOS À CIDADE DE CUIABÁ
LUIZ DALINCOURT
ITATIAIA
(1975)
R$ 10,00



NOVAS TÉCNICAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM HOTELARIA, VOLUME 1
VICTOR MONTEIRO
LIDEL
(2001)
R$ 37,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês