Pouca gente sabe | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> A brother is a brother
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Um adeus pra Vonnegut Jr
>>> Curso superior de auto-ajuda empresarial
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
Mais Recentes
>>> FLAGRANTES - Poemas em Busca de um Alvo de Rosivaldo do Nascimento pela Artner (2020)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Edit. Nacional (1976)
>>> A Gorda e a Volta por Cima de Carlos Heitor Cony pela Ediouro
>>> Matemática Aula Por Aula 2° Série Ensino Médio. de Benigno Barreto Filho - Cláudio Xavier da Silva pela Ftd (2005)
>>> Quarto de despejo de Carolina Maria De Jesus pela Atica (2001)
>>> Che guevara por ele mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2005)
>>> O amor me trouxe de volta de Carol Bowman; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2010)
>>> Ramsés - a Batalha de Kadesh (vol. 3) de Christian Jacq pela Bertrand (1999)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2008)
>>> O Físico - a Epopéia de um Médico Medieval de Noah Gordon pela Rocco (1988)
>>> A Dama Azul de Planeta do Brasil pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 9 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 4 de Mangá pela Jbc (2017)
>>> Chobits Especial - Vol. 1 de Clamp pela Jbc (2013)
>>> Comer, Rezar, Amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> Vida na Terra - Conhecer e Proteger de Rosicler Martins Rodrigues pela Moderna (1991)
>>> Coin Laundry Lady EAN: 9788545703730 de Hiro Kiyohara pela Jbc (2017)
>>> You on a Diet de Mehmet C Oz; Ted Spiker; Lisa Oz pela Simon & Schuster (2006)
>>> As 100 + o Guia de Estilo Que Toda Mulher Fashion Deve Ter de Nina Garcia pela Best Seller (2009)
>>> Fairy Tail - Vol. 52 EAN: 9788545701361 de Mangá pela Jbc (2013)
>>> O Paciente Número Um de Michael Palmer pela Prumo (2009)
>>> Rurouni Kenshin - Especial - versão do autor - Vol. 2 EAN: 9788545701576 de Nabuchiro Watsuki pela Jbc (2018)
>>> Chobits Especial - Vol. 2 EAN: 9788545700302 de Mangá pela Jbc (2013)
>>> Só a Gente Sabe o que Sente de Frederico Elboni pela Benvirá (2017)
>>> Estúpida, Eu? de Camila Coutinho pela Intrinseca (2019)
>>> Diário de uma garota nada popular 1 EAN: 9788576861034 de Rachel Renée Russel pela Verus (2014)
>>> O Catador de Sonhos de Geraldo Rufino pela Gente (2015)
>>> Inteligência - Representações do Cenário Internacional de Alexandre Andrade da Costa pela Paco Editorial (2019)
>>> Agência Enxuta de Natanael Oliveira pela Dvs (2018)
>>> Todas as Cores da Escuridão de Peter Robinson pela Record (2014)
>>> O Último Navio Negreiro da América de Erik Calonius pela Record (2008)
>>> Estação Infinita e Outras Estações de Ruy Espinheira Filho pela Bertrand Brasil (2012)
>>> O Senhor do Lado Esquerdo de Alberto Mussa pela Record (2011)
>>> Vampiratas - Império da Noite de Justin Somper pela Galera (2012)
>>> Vampiratas - Coração Negro de Justin Somper pela Galera (2010)
>>> Vida Assistida de Tess Gerritsen pela Record (2012)
>>> O Filho-presente de Kabouna Keita pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Tenho uma Ideia de Roger Von Oech pela Best Seller (2011)
>>> Tríptico Astrológico de Dane Rudhyar pela Pensamento (1989)
>>> Ayahuasca - Alucinógenos, Consciência e o Espírito da Natureza de Ralph Metzner pela Gryphus (2002)
>>> A sabedoria nossa de cada dia de Augusto Cury pela Sextante (2007)
>>> Íntimo e Perigoso de Linda Howard pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Mãos de Luz de Barbara Ann Brennan pela Pensamento (1996)
>>> O Segredo de Shambhala de James Redfield pela Objetiva (2000)
>>> A Vida nos Sonhos de David Fontana pela Record Nova Era (1994)
>>> Veterano? de Ismael Gomes Braga pela Kultura Kooperativo de Esperantistoj (1965)
>>> Filhos brilhantes alunos fascinantes de Agusto Cury pela Academia de Inteligência (2006)
>>> Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos de Patrícia Fernandez pela Travassos (2015)
>>> Leasing Operacional de Carlos Alberto Di Augustini e Outro pela Fgv (2001)
>>> Tarô - a Sua Sorte de Nova Cultural pela Nova Cultural (1985)
COLUNAS

Terça-feira, 12/3/2002
Pouca gente sabe
Rafael Lima

+ de 4100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Da lama aos quadros
Pouca gente sabe, mas as histórias em quadrinhos foram de grande importância na formação do movimento mangue bit. Corto Maltese Isso mesmo: as histórias em quadrinhos. Uma das primeira bandas em que Chico Science participou chamava-se Loustal, em homenagem à Jacques de Loustal. Conta a lenda que este desenhista francês se congratulou pessoalmente com os músicos, que davam um show na concha acústica externa ao antigo prédio dos Correios, na sede da 2a Bienal Internacional de Quadrinhos do Rio de Janeiro, em 1993. Foi um dos primeiros shows de Chico Science e Nação Zumbi fora de Pernambuco. O DJ Dolores, hoje capitaneando a Orquestra Santa Massa, viveu um bom período exclusivamente de quadrinhos, em pleno Recife, graças à Chico de costeletas revigorada que o Plano Cruzado deu ao mercado na segunda metade da década de 80, ainda sob identidade secreta de Helder. As bastas e triangulares costeletas que Chico Science ostentou durante certo período eram uma homenagem ao visual de Corto Maltese, o aventureiro dos sete mares criado por Hugo Pratt. Agora, por que Helder passou a se chamar Dolores quando partiu para carreira solo, essa não tem nada a ver com quadrinhos - e vocês nem queiram saber...

Olhe onde você senta
Flanando pelas vielas da informação, fui parar num daqueles becos bem típicos da aldeia global: uma página da internet sobre designers escandinavos. Só para aprender a pronunciar os nomes, eu precisaria de um curso intensivo - afinal, em norueguês, as palavras tem 4 consoantes para cada vogal, que em geral está de cabeça para baixo - e tem acento. Já para apreciar as formas inusitadas que aqueles vikings emprestaram a banalidades do cotidiano, não é preciso ter aula. É formidável, por exemplo, descobrir o nome do criador das manjadíssimas mesa e cadeira-tulipas, presença garantida de dez em cada dez piscinas e clubes - e descobrir que estão quase completando 50 anos(!). Bardi's bowl A modernidade clássica das formas me fez lembrar de uma cadeira que existe na casa da minha avó, desde sempre apreciada para roncos pós-almoço, sobretudo quando falamos de um apimentado bobó. Não é preciso explicar para ninguém como se senta em uma cadeira, mas aquela é a única que vi até hoje em que você não senta: se aninha em seu interior ovalado, os pezinhos para fora, sobrando felizes como pernas de criança num balanço de praça. Nunca tinha visto outra com seu formato em lugar nenhum, até me deparar os projetos dos designers escandinavos. Senti que estava quente. Pergunta daqui, pergunta dali, enviei um croqui rápido a um arquiteto que acertou na mosca: era a Bardi's bowl, de Lina Bo Bardi. Agora já posso fazer bonito no próximo almoço de família. Internet serve para essas coisas.

Elucubrações sobre a diferença entre real e virtual
Todo texto de e-mail, assim como o de chat - ou os posts em um blog - é dirigido, objetivo e editado, mostrando apenas que o autor quer. Então, apesar do lugar comum em dizer que na internet não há censura, ela existe, sim, em pelo menos uma forma: a auto-censura. Aquilo que você não quer dizer. É impossível fazer uma imagem completa de alguém apenas conhecendo-o (ou conhecendo-a) pelas diversas manifestações multimídia da rede. Seria como bradar ter conhecido um pintor do século passado, sei lá, Toulouse-Lautrec, apenas por ter visitado detidamente o museu no qual sua casa, em Albi, foi convertida. Ao vivo, téte-a-téte, embora quase nunca se obtenha uma manifestação pessoal tão consistente como o croqui de um quadro ou os originais de um livro, fica muito mais fácil formar a imagem por si, como um todo. Despidos os véus do preconceito e quebrados os filtros de percepção, fica simples conceber a identidade, além de tudo o que a postura e a linguagem física denunciam.

Aventureiros e estilistas
Quarta-feira passada, divagava sobre os problemas do jornalismo com duas pessoas desta área. Um bacharel em Direito procurava alternativas para a minguada oferta cultural na província onde morava. O outro jornalista nunca chegou a tirar seu registro porque alguém em algum órgão tinha-o obrigado a literalmente tirar outra carteira de identidade, por conta da falta de uma preposição entre seus dois sobrenomes, num dos documentos. Nunca entendi bem por que o jornalismo sempre foi uma carreira muito disputada, apesar de não ser difícil enumerar motivos para atiçar a imaginação. A atração que inúmeros escritores causaram nas futuras "estagiárias de calcanhar sujo" ao transferir para inúmeras crônicas, relatos de redação de jornal, conferindo uma aura única àquele lugar mágico cheio de barulhentas máquinas Remington e habitado por contínuos de colarinho ensebado. Nélson Rodrigues, Armando Nogueira, José Carlos Oliveira, todos eles transportaram para o papel suas vivências no meio jornalístico, transformando em mitos colegas de redação, almoços de domingo e trivialidades da vida nas ruas - o exemplo mais famoso é o do caseur Otto Lara Resende, que até nome de peça virou. O fascínio de ver escritores como Rubem Braga ou Luís Fernando Veríssimo (pelo menos, até ir para O Globo) nunca se renderem à burocracia da repetição apesar da produção diária, ou quase. O lado mais aventureiro da reportagem, fosse nas odisséias de Tom Wolfe no ônibus dos Merry Pranksters pelo new journalism, fosse nas gonzo trips de Hunter S. Thompson. Particularmente marcante como ícone do jornalismo investigativo é certa cena de Todos os Homens do Presidente, em que Dustin Hoffman finalmente consegue entrevistar uma fonte quente, que poderia fechar vários circuitos do caso Watergate, mas exige que o depoimento seja sem gravador ou bloco de notas. O repórter levanta para ir periodicamente ao banheiro, ao longo da entrevista, e na cena seguinte, descobre-se por que: papel higiênico, lenços descartáveis, maço de cigarro, papel de bala, qualquer superfície útil fora usada para anotar as declarações da tal fonte... Bernstein e Woodward hoje devem passar a maior parte de seu tempo em palestras; o espaço e a liberdade de aventureiros & estilistas nas redações é reduzido, onde revisoras que não conhecem a expressão vento em popa adicionam um L, colocando uma inesperada fruta onde o vento batia, e copidesques que proíbem o uso das conjunções adversativas todavia, contudo e entretanto, já que poderiam soar pedantes aos ouvidos acostumados apenas com mas e porém, fecham o cerco a recriações que outrora reinventavam a língua. Diante de entraves assim, a exigência do diploma obrigatório acaba soando apenas como um problema a mais. A saída para quem quer saber é lembrar que a imprensa não nasceu com a invenção dos jornais, e voltar a buscar as informações na fonte, sem esses intermediários que se tornaram um quarto poder no último século. A saída para quem quer ler é buscar outros meios, onde regulamentação e manuais de redação não tenham ultrapassado suas premissas originais, se convertendo em camisas de força.

Argumento definitivo
Para acabar de uma vez por todas com essa discussão acerca de elfos, anões e trolls: se J.R.R. Tolkien tivesse escrito um excepcional livro sobre uma tribo de hábitos específicos, com dialeto próprio e vestimentas peculiares, habitando em local indefinido (fictício, quem sabe?), no qual utilizasse todo seu conhecimento lingüístico na criação de verbos e substantivos em uma gíria tão bacana, mas tão bem sacada, que soaria como se realmente tivessem existido (ao invés do hermetismo que só serve de passatempo para nerds & acadêmicos), ele se chamaria Anthony Burgess e seu livro, A Laranja Mecânica - e não O Senhor dos Anéis.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
02. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
03. Histórias de superação que não fazem sucesso de Elisa Andrade Buzzo
04. 3 dicas para a escrita criativa de Marcelo Spalding
05. Desejo estéril de Vicente Escudero


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2002
10h59min
Rafael, Não me canso das suas novidades, sabe? Toda terça, quando leio seus textos, descubro alguma(s) coisa(s) nova(s)e interessante(s)...Vc me atualiza. Entretanto, contudo e todavia, devo confessar...Adorei o "Senhor dos Anéis", que li há, pelo menos, 10 anos e reli, recentemente...Embora não ache mais que é "o-melhor-livro-que-já-li-na-vida" continuei achando a história muito boa. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
14/3/2002
06h01min
Gostei demais de saber que sua avó tem uma cadeira igual a minha, e deve ter sido comprada no mesmo lugar:OCA, que ficava na Rua Jangadeiros. Gostaria que vc explicasse melhor o que quer dizer: "estagiária de calcanhar sujo", haja vista estar cursando jornalismo não pretendendo ser assim.
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
14/3/2002
08h19min
"Estagiária de calcanhar sujo" era um termo mezzo depreciativo que o Nelson Rodrigues usava para se referir às estudantes de jornalismo mal informadas que aportavam às redações, vindas da faculdade, na época em que ele (que nunca fez faculdade para aprender a escrever) já era um autor conhecido. Nelson fazia ironia dizendo que elas colocavam o "lead" no pé da matéria...
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Jogo das Moradas Pulsantes - Sim, Sim, Salabim!
Tadeu Pereira - Rogério Coelho Ilustrações
Positivo
(2008)
R$ 13,00



Diretrizes Para Cuidados Perinatais
Varios
Guanabara Koogan
(2006)
R$ 50,00



Trabalho Em Debate 2ª Edição
Bruno Fuser e Outros
Moderna
(1997)
R$ 26,82



Ioga - o Programa de 28 Dias
Richard Hittleman
Nordica
(1981)
R$ 39,90



Plantão da Noite
Irwin Shaw
Círculo do Livro
(1976)
R$ 8,38



Revista Super Interessante Nazismo Sa - Ed. 333
Vários
Abril
(2014)
R$ 15,00



Brasil Pós-crise
Fabio Giambiagi, Octavio Barros
Elsevier
(2009)
R$ 70,00



Conceitos de Linguística Fabular
J. Lourenço de Oliveira
Tempo Brasileiro
(1984)
R$ 8,82



Pensar Sentir e Atuar
A. Austregesilo
Guanabara
(1934)
R$ 58,80



Onde Existe Luz - Discernimento e Inspiração Para os desafios da Vida
Paramahansa Yogananda
Self Realization Fellowship
(1998)
R$ 18,00





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês