Superficialidade e Reducionismo | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/5/2002
Superficialidade e Reducionismo
Evandro Ferreira

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Um dos passatempos preferidos dos professores universitários atualmente é dar palestras sobre o que costumam chamar de "sociedade contemporânea". Para ser ainda mais específico, um dos tipos mais bem-sucedidos de conferência nas faculdades brasileiras é aquele que traz o termo "pós-modernidade" ou "pós-moderno" no nome.

Disse bem sucedido e o fiz propositadamente, com o intuito de trazer à tona a relação com a palavra "sucesso", termo tão criticado pelos mesmos indivíduos que dão essas palestras. Mas talvez a relação mais correta seja com a palavra moda. Tenho estado cada vez mais convicto de que falar sobre a "pós-modernidade" e a "sociedade contemporânea" é hoje uma moda em nossas faculdades. Até aí, nada de errado. Todos nós sabemos que a situação sócio-cultural da humanidade é um problema muito grave. O que haveria de errado em tratá-lo em conferências e palestras? Nada, se considerarmos apenas essas informações.

Mas que tal considerarmos uma terceira? Mais especificamente, que exista uma relação inversa entre a amplitude dos conhecimentos adquiridos na faculdade e o crescimento estatístico das palestras sobre os referidos temas. Aí a coisa já se complica. Qualquer um que tenha um mínimo de bom senso é capaz de admitir que, para falar da "sociedade contemporânea", principalmente para um público de estudantes, o palestrante ou professor deveria ser um profundo (no mais rigoroso sentido da palavra) conhecedor de sociologia, filosofia, psicologia, religião, para não falar de antropologia e educação. Entretanto, o que vi durante os 7 anos em que já estive frequentando faculdades foi o seguinte: o palestrante conhece apenas a sua área - que geralmente é psicologia, filosofia ou jornalismo - e detém conhecimentos superficiais sobre as demais, e muitas vezes até faz questão de dizê-lo. Então, a partir do momento que senta na cadeira até a hora dos aplausos, não para mais de expelir clichês como "individualismo contemporâneo", "a sociedade contemporânea é uma sociedade do desejo", "o consumismo e a competitividade desumanizam as pessoas", "as prateleiras dos supermercados oferecem falsas escolhas", etc. Qualquer um que der uma passeada pelo campus perguntando aos alunos pode facilmente descobrir quais são os livrinhos (sempre finos!) que estão na moda.

Por que estou dizendo tudo isso? Simplesmente porque (quase) não aguento mais ver os professores deixarem de dar o conteúdo de sua disciplina para falar que a sociedade contemporânea incita o desejo. E também já estou farto de ver aqueles cartazes que anunciam novos debates em que os participantes vão falar as mesmas coisas sobre a "pós-modernidade" e a "fragmentação da identidade". O que permanece em tudo isso é a impressão de que os intelectuais já sabem há muito tempo quais são os problemas da humanidade, e resta só colocar as soluções em prática, ação que estaria sendo impedida pela "sociedade"! Ou pelo capitalismo, para ser mais preciso.

Os parágrafos anteriores foram quase um desabafo. Mas servem de introdução ao lançamento, senão de uma verdade, ao menos de uma constatação empiricamente fundada: existe um reducionismo analítico muito perigoso praticado pelos nossos professores e intelectuais nas faculdades. E existem hoje pelo menos três mentalidades centrais nas quais podemos encaixar esse reducionismo analítico: mentalidade anti-capitalista, mentalidade psicologista, mentalidade midiática.

A mentalidade anti-capitalista, podemos encontrá-la nas discussões em sala de aula. Jamais ouvi um aluno ou professor defender as virtudes de se exercer uma atividade empreendedora. O comércio é sempre visto como um mal necessário, que deve ser controlado por ser naturalmente maligno e incitador da ambição, da busca pelo sucesso, do consumismo e do hedonismo. Os alunos menos socialistas ficam sempre calados ou terminam dizendo que não se deve ser tão "radical". Além disso, as discussões sobre ética e política giram sempre em torno de como controlar a economia. Não sobra o mínimo espaço para as teorias que defendem que os problemas econômicos vêm da própria intervenção excessiva do Estado. Tais idéias são imediatamente tachadas de neoliberais, venham de onde vierem. Mas o fato é que não chegam nem a vir, já que nem são traduzidas para a língua portuguesa. Assim, as faculdades de administração ensinam os alunos a serem empresários e as demais ensinam a odiá-los.

A mentalidade psicologista reduz tudo a conceitos psicológicos. E a análise da cultura e da sociedade vira uma espécie de psicologia da cultura, através da qual se atribui a uma abstrata "sociedade" qualidades humanas, como hedonismo, individualismo, egoísmo. Se a sociedade é hedonista, o que faria um bom sociólogo? Consideraria a afirmação como metafórica e buscaria uma melhor definição, bem como as origens desse "hedonismo". Talvez sejamos hedonistas porque certas pessoas, há algum tempo atrás, começaram a defender idéias hedonistas e a lançar livros incitando todos a fazer sexo, por exemplo. Essa é uma análise simples, parece até meio ridícula. Mas, se não admitirmos a possibilidade de que o homem produz novas idéias, onde vamos parar? Talvez paremos no marxismo. Então o surgimento do hedonismo seria um resultado das relações materiais capitalistas. E tem muita gente por aí pensando assim. Mais do que se imagina.

O que nunca vejo alguém falar é que o homem deve ser responsável pelas idéias que cria. Se um filósofo francês escreve um tratado em defesa do hedonismo, uma grande editora brasileira o publica e os meios acadêmicos o recebem com louvor e seriedade. Mas se a "sociedade" ameaça aceitar a idéia, então a intelectualidade bem-pensante já vai buscar origens psicológicas e materiais disso, como se as teorias que nascem nas faculdades não dessem origem a comportamentos na sociedade. Enfim, não basta dizer que somos hedonistas - ou qualquer outra coisa. Isso ainda não é fazer ciência.

A mentalidade midiática, por sua vez, nasce nas faculdades de comunicação e se propaga com extrema facilidade através dos próprios meios de comunicação. Ela faz com que se reduza todos os males da humanidade a um problema de "ética na comunicação". Assim, a lógica da TV, por exemplo, é culpada pela degeneração da moral e pelas desigualdades sociais. Centenas de jornalistas gastam suas vidas inteiras cobrando uma "programação de qualidade", sem perceber que as loiras bundudas e os jovens malhados são apenas uma versão moderna dos pais hippies e dos rebeldes sem causa da década de 50, ou seja, deles mesmos. A problemática toda termina na política, isto é, no consenso em torno da criação de novas leis, que vão expandir cada vez mais as mãos do Estado, nova versão do coronel protetor dos ignorantes que não sabem o que é melhor para eles.

Os reducionismos, por certo, vão bem além desses três. Mas estes já suscitam questionamentos suficientes. Um dos grandes problemas do Brasil hoje é a perda do senso de responsabilidade por parte dos professores e intelectuais. Se vão falar de temas abrangentes, precisam ter conhecimentos vastos. Como discutir sobre sociedade com um jornalista que nem leu Weber? Ou ainda, como falar de individualismo, no âmbito social e econômico, com uma pessoa que só estudou o fenômeno no plano psicológico e nem sabe quais são as formas de individualismo defendidas por intelectuais como Thoreau ou Ayn Rand? O que acontece hoje é que estas pessoas estão mais interessadas em criticar a sociedade ocidental do que em saber o que ela é e como se formou.

Um professor de psicologia certa vez me disse que um dos principais problemas da sociedade contemporânea é o individualismo. Então fiquei pensando: como conciliar essa afirmação com a massificação, que transforma as pessoas em robôs e faz com que pareçam todas iguais, vestindo-se da mesma forma e defendendo as mesmas idéias? Onde está o individualismo no meio da massa? Não haveria então um coletivismo? Mas ele nem pensou nesse problema teórico - nem ele e nem outros tantos intelectuais que já vi falarem sobre o tema. Se isso não é sinal de superficialidade analítica, então eu me chamo Elvis Presley!


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 3/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
02. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
03. Eu não sou jornalista! de Rafael Rodrigues
04. Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica de Marcelo Spalding
05. Ler muito e as posições do Kama Sutra de Ana Elisa Ribeiro


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2002
10h48min
E isso, Evandro, sem mencionar a velha tática usada por tais palestrantes iluminados, que é a de se esconder por trás de um jargão nebuloso e impenetrável. Bem que poderia surgir um Alan Sokal por aqui, prá botar em seus devidos lugares uma meia dúzia de densos tagarelas. Abraço Rogério Macedo P.S. Sobre tal jargão já escrevi em meu blog (http://pradomacedo.blogspot.com) no dia 1 de Junho de 2001.
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
6/5/2002
11h38min
Muito bom, Evandro, muito bom! É isso mesmo. E eu sempre quis escrever algumas das suas frases, colocando a culpa das bundudas nos hippies e dizendo que, enquanto as faculdades de Adm. nos ensinam a sermos empresários, as outras ensinam a odiá-los. Perfeito, e o resto também. Abraço,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NUPCIAS O VERAO
ALBERT CAMUS
CIRCULO DO LIVRO
R$ 15,00



O SONHO DA CASA NO CAMPO - AUTOGRAFADO
GISLENE SILVA - AUTOGRAFADO
INSULAR
(2009)
R$ 35,00



3ª MOSTRA ECO FALANTE DE CINEMA AMBIENTAL
VARIOS AUTORES
ECOFALANTE
(2014)
R$ 8,11



A CAÇA AO TESOURO
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2014)
R$ 30,00



MÚSICA NO BRASIL VOL. 5 - PERNAMBUCO ACERVO JAIME DINIZ
RICARDO BERNARDES
FUNARTE
(2002)
R$ 51,50



GUIA DE CONVERSAÇÃO ITALIANA
JOSÉ BRITES FERREIRA
PORTO
(1976)
R$ 10,00



MÉTODOS ESTATÍSTICOS PARA MELHORIA DA QUALIDADE
HITOSHI KUME
GENTE
(1993)
R$ 8,00



CONFLITOS NO LAR E NA ESCOLA - TEORIA E PRÁTICA DA DINÂMICA DE GRUPO SEGUNDO PIAGET
LAURO DE OLIVEIRA LIMA
ZAHAR
(1978)
R$ 10,00



VIDEOTERAPIA - O USO DO VÍDEO NA PSICOTERAPIA
IRA HEILVEIL
SUMMUS
(1984)
R$ 15,00



CRIANDO UNIÃO
EVA PIERRAKOS; JUDITH SALY
CULTRIX
(1993)
R$ 30,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês