Direito de Sentido | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
36145 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
>>> O céu sem o azul
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Troca-troca
>>> Harry, Rony e Hermione
>>> A comédia de um solteiro
>>> O palhaço, de Selton Mello
>>> Ronnie James Dio (1942-2010)
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> 7 de Setembro
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
Mais Recentes
>>> E Se Fosse Com Você? de Sandra Saruê pela Melhoramentos (2011)
>>> Deu no New York Times de Larry Rohter pela Objetiva (2007)
>>> Mega Dicionário de Termos Técnicos e Populares: da Saúde de Eduardo Nogueira pela Rovelle (2007)
>>> Rosas do Brasil de Sérgio Schaefer pela Edunisc (2006)
>>> Rosas do Brasil de Sérgio Schaefer pela Edunisc (2006)
>>> Novo Curso de Direito Civil Volume I Parte Geral de Pablo Stolze Gangliano e Rodolfo Pamplona Filho pela Saraiva (2007)
>>> Uma Execucao na Familia: a Jornada de um Filho de Pais Condenados A... de Robert Meeropol pela Casa Amarela (2006)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Economia (2002)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Economia (2002)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Record (2002)
>>> A Dinâmica da Estratégia Competitiva de George S. Day e Outros pela Campus (1999)
>>> Travessia do Pantanal de Luís M. Neto - Maria T. Büchele pela Nova Letra (2006)
>>> Veronika Decide Morrer e o Zahir - Dois Livros de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Direito Constitucional e Direito Administrativo de Aglair Figueiredo Villas Couto pela Impactus (2006)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia - Historias de Deuses e Herois de Thomas Bulfinch pela Agir (2019)
>>> Guia Vip de Estilo / o Livro Definitivo da Moda Masculina 2013 de Editora Abril Cultural pela Abril (2013)
>>> Engano Mortal de J. A. Jance pela Sedna (2009)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2010)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela Prazer de Ler (2010)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela Prazer de Ler (2010)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Prazer de Ler (2010)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Saraiva (2010)
>>> O Presente da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2007)
>>> Macário e Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Saraiva (2010)
>>> Caco de Gilberto Mattje pela Alvorada (2014)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Saraiva (2008)
>>> Ubirajara de José de Alencar pela Melville House (2015)
>>> O Uraguai de Basílio da Gama pela Martin Claret (2009)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Via Leitura (2017)
>>> Fogo Estranho de John MacArthur pela Thomas Nelson (2019)
>>> O ministério da palavra de Deus de Watchman nee pela Clássicos (2011)
>>> A fé cristã normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry (2016)
>>> Osso do seu Osso de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
>>> A borboleta em você de Milt rodriguez pela Restauração (2008)
>>> Retendo a cabeça de Romeu pela Restauração (2012)
>>> O templo Interior de Milt Rodriguez pela Restauração (2004)
>>> A vida comunitaria de Deus de Milt Rodriguez pela Restauração (2009)
>>> Chamados À Comunhão De Seu Filho de Stephen Kaung pela dos Clássicos (2011)
>>> O Testemunho Do Senhor E A Necessidade Do Mundo de T. Austin-Sparks pela Clássicos (2017)
>>> Igreja e Israel no Novo Testamento de Daniel Juster e Keith Mathison pela Impacto Publicações (2019)
>>> Preparados para o Fim? de Harold Walker pela Impacto Publicações (2019)
>>> Grandes Doutrinas Bíblicas - Vol. 2 Deus o Espírito Santo (enc) de D. Martyn Lloyd-jones pela Publicações Evangélicas Selecionadas
>>> randes Doutrinas Bíblicas - Vol. 1 Deus o Pai, Deus o Filho (bro) de D. Martyn Lloyd-jones pela Publicações Evangélicas Selecionadas (1997)
>>> Casa de Oração – Vol.2 de Lance Lambert pela dos Clássicos (2013)
>>> Preparando-nos Para o Preparador de Harold Walker pela Impacto Publicações (2019)
>>> Amigos do Mestre de Pedro Arruda pela Impacto Publicações (2019)
>>> O Grande Abalo de Harold Walker pela Impacto Publicações (2017)
>>> A Comunhão Nossa de Cada Dia (2ª Edição) de Pedro Arruda pela Clássicos
>>> O Mistério da Oliveira de Johannes Fichtenbauer pela Impacto Publicações (2019)
>>> Playboy N°80 Sofia Clerici Charlie Sheen Maricel Alvarez de Revista argentina pela Playboy (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 25/6/2002
Direito de Sentido
Evandro Ferreira

+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)


"Frankl apostou no sentido da vida e na força cognoscitiva da mente individual. Apostou nos dois azarões do páreo filosófico do século XX, desprezados por psicanalistas, marxistas, pragmatistas, semióticos, estruturalistas, desconstrucionistas - por todo o pomposo cortejo de cegos que guiam outros cegos para o abismo. Apostou e venceu".(1)

Pode-se dizer que Viktor Emil Frankl foi um bem-aventurado. Sobreviveu a uma das mais absurdas experiências a que seres humanos já foram submetidos por outros seres humanos, o campo de concentração. E como se isso não bastasse, ainda retirou dessa experiência todo um método terapêutico, a logoterapia. A partir da observação do cotidiano dos prisioneiros, entre os quais estava ele mesmo, foi capaz de erigir todo um sistema científico fundado em uma simples evidência empírica: o homem é capaz de manter viva a chama que o faz querer viver, mesmo diante das mais absurdas experiências de sofrimento e humilhação.

Em busca de sentido (2) é mais que um relato de atrocidades. É um esforço de compreensão psicológica da experiência do homem dentro do campo de concentração. O campo foi usado por Frankl como um cenário análogo ao da vida normal, mas exagerado até o limite do possível. Um lugar onde as pessoas sofrem de uma forma quase inimaginável e que, por isso mesmo, pode ser usado como uma prova fortíssima a favor da existência de um sentido na vida. Se o ser humano não fosse capaz de enxergar um sentido em sua vida para além de auto-ilusões criadas por sua mente, dificilmente haveria sobreviventes nos campos de concentração. É isso que Frankl quer mostrar: "O sentido da vida (...) é uma realidade ontológica, não uma criação cultural".(3)

Mas vamos por partes. O depoimento de Frankl se divide em três etapas, correspondentes aos três estádios da vida psicológica de um prisioneiro: a recepção no campo, a vida propriamente dita no interior daquele ambiente e, finalmente, a fase posterior à libertação.

A fase de recepção no campo é um desfazer-se de tudo, tanto de bens materiais como de esperanças de, por assim dizer, manutenção. O prisioneiro, pouco a pouco, vai percebendo que sua vida anterior acabou e que agora terá início uma outra, a da "existência nua e crua". Ele não possui mais nada, apenas seu corpo e uns trapos de roupa. É submetido, uma a uma, a experiências progressivamente adversas e desenvolve um espírito de humor negro e de curiosidade fria acerca do que acontecerá em seguida. Curiosidade essa definida por Frankl como uma retração da alma para salvar-se em um outro lugar. A lição que se tira então é a de que o ser humano se acostuma a tudo, embora não se saiba exatamente como.

Da primeira fase, salto à terceira, por motivos que se auto-evidenciarão mais adiante. Esta fase é a da vida após a libertação. Frankl observa que a reação do prisioneiro recém-liberto não é de alegria, como se poderia pensar, mas de lenta adaptação ao novo ambiente. As sensacões experimentadas vão da incrível amargura diante da indiferença dos outros em relação ao sofrimento vivido por ele no campo de concentração, até a decepção diante da constatação de que o sofrimento não tem um fim. O ex-prisioneiro descobre que pode-se sofrer também fora do campo, quando pensava que já havia sofrido o máximo que se pode conceber para uma vida humana. Mesmo tendo-se conscientizado, durante sua vida no campo, de que não há felicidade sobre a Terra capaz de compensar seu sofrimento, ainda assim ele não estava totalmente preparado para a infelicidade e precisa encará-la de frente.

Da segunda fase é que Frankl extrai, como seria de se esperar, as mais importantes observações existenciais sobre o ser humano. Como resultado direto do ambiente em que está inserido, o prisioneiro do campo de concentração desenvolve dois sintomas: a apatia e a irritabilidade. A apatia é uma "dessensiblização do íntimo" face às experiências a que se submete, como o constante espancamento, as pequenas humilhações e o assistir ao espancamento de outros. Em meio à massa de pessoas e diante do tratamento brutal e desumano por parte dos guardas, perde-se a sensação de ainda ser sujeito humano e a vida psíquica recua a um nível primitivo, em que o sujeito passa a se preocupar apenas com pequenos eventos e necessidades momentâneas. Todo esse estado psíquico causa o anseio de submissão do prisioneiro às mãos do destino, tão cansado está ele de tomar - a todo momento - decisões que podem significar enormes sofrimentos (e até, naturalmente, a morte), como, por exemplo, se sobe ou não em um caminhão que pode tanto estar indo a um campo menos cruel como em direção ao extermínio.

A partir dessas observações, entretanto, Frankl retira a constatação primordial de que, nos momentos mais adversos, o homem revela-se como um ser que está acima das determinações de seu meio. É certo que apenas uma minoria de prisioneiros se revelou capaz de superar as condições psíquicas impostas pelo ambiente e voltar-se para a vida interior que se apresentava como oportunidade a ser tomada. Mas ainda que fosse apenas um ser humano a fazê-lo, a constatação seria igualmente válida: existe um sentido e uma dimensão espiritual no ser humano, para acima de seus elementos psíquicos estruturantes. Desse modo, Frankl afirma a individualidade de cada ser humano e sua capacidade de exercer uma liberdade interior que se revela no encontro de um sentido para cada situação vivida, inclusive as de sofrimento mais absurdo. Isso significa dizer que cada ser humano tomado individualmente é que decide em que vai-se transformar interiormente diante das situações que vive. É esse o significado mais profundo de liberdade e, ao mesmo tempo, a mais bela prova de que existe um sentido para a vida. Em última instância, "aquilo que sucede interiormente com a pessoa, aquilo em que o campo de concentração parece 'transformá-la', revela ser o resultado de uma decisão interior. Em princípio, portanto, toda pessoa, mesmo sob aquelas circunstâncias, pode decidir de alguma maneira o que ela acabará sendo, em sentido espiritual: um típico prisioneiro de campo de concentração, ou então uma pessoa humana, que também ali permanece sendo ser humano e conserva a sua dignidade".(4)

O que há de mais interessante nessa constatação de Frankl de que o homem está acima de seu meio é o fato de que ele não a alcançou através de uma teoria. Sua prova é empírica. A dimensão ontológica do sentido da vida é um fato empiricamente comprovado. Em outras palavras, a própria observação da vida dos homens no mundo mostra que o ser humano é naturalmente capaz de encontrar o sentido de sua vida, e isso já é prova suficiente de que esse sentido existe. Desse modo, Frankl "salta" a filosofia (mais particularmente a ontologia) e chega do outro lado para nos mostrar que a coisa é bem mais simples do que se poderia pensar. Ao mesmo tempo, desabam todas as formas coletivistas do conceito de liberdade, incompletas que são diante do sentido espiritual desse valor ético primordial.

A liberdade se apresenta então, diante do destino, como a prova de que o sentido da vida estava a esperar por nós todo o tempo. Enquanto estávamos preocupados em perguntar à vida qual é o seu sentido, este se revela de modo oposto. A vida está a nos perguntar permanentemente. Ela espera algo de nós a todo momento. E espera o quê? Precisamente que tomemos uma decisão livre e responsável diante de cada situação que nos é dada. O sentido está em todo lugar, como possibilidade concreta. Nós não o fabricamos, apenas o descobrimos no momento mesmo em que realizamos nossa liberdade individual de escolher o que nos tornaremos a cada momento.

Mas a liberdade diante do destino não consiste na realização de ações no mundo ou na insubmissão a esse destino. Não é disso que depende o sentido da vida. Uma pessoa, diante da vida, pode encontrar sentido em qualquer situação, pois ela é chamada a isso: "Em dado momento, a sua situacão concreta exige que ela aja, ou seja, que ela procure configurar ativamente o seu destino; em outro momento, que ela aproveite uma oportunidade para realizar valores de vivência (por exemplo, sentindo prazer ou satisfação); outra vez, que ela simplesmente assuma o seu destino. Mas sempre é assim que toda e qualquer situação se caracteriza por esse caráter único e exclusivo que somente permite uma única 'resposta' correta à pergunta contida na situacão concreta".(5)

Nestes tempos de revolução cultural em que vivemos, muitos perguntarão: mas é só essa a liberdade que temos? Sim e não. Algumas vezes sim e outras não. O fato é que as pessoas têm estado tão preocupadas em ser livres, que acabaram perdendo sua liberdade e se tornando escravas de uma busca inútil por algo que já se tem. Transformar o mundo pode parecer exercício de liberdade, mas a realidade é bem outra: quanto mais rapidamente transforma o mundo, menos liberdade tem o ser humano, pois acaba preso em um ciclo interminável de mudanças que passam a exigir outras em uma sucessão infinita de eventos. Diante do mundo das políticas revolucionárias e "libertadoras", irmãs gêmeas da tecnologia e da competitividade a qualquer preço, só resta então o indivíduo como o percebeu Viktor Frankl, exercendo sua pequena grande liberdade, que é simplesmente o direito que ele tem - e que ninguém lhe pode tirar - de encontrar o sentido de sua própria vida.

Notas
1. Olavo de Carvalho, O imbecil coletivo II. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998, pp. 150.

2. Viktor Frankl, Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis: Editora Vozes, 1991.

3. Olavo de Carvalho, op. cit., pp. 148.

4. Viktor Frankl, op. cit., pp. 67.

5. Viktor Frankl, op. cit., pp. 76.


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 25/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
04. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
05. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/6/2002
11h41min
Frankl escreveu também um livrinho, Sede de Sentido, que, no Brasil, foi publicado por uma editora ligada à Igreja Católica. Se não me engano, sua teoria permanece injustamente desconhecida por aqui. Parabéns pelo texto, portanto, e abraço,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
1/7/2002
10h57min
Muito bom, parabéns! Me deu até vontade de ler esse livro novamente!(aliás, também gostei muito dos seus outros artigos) Um abraço, Henrique
[Leia outros Comentários de Henrique Moraes]
3/7/2002
11h13min
E a mim deu vontade de ler o livro pela primeira vez. Parabéns também, Evandro. Tanto por este texto quanto pelo anterior, sobre publicitários. Um abraço- Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
3/7/2002
15h18min
Deslumbrante a interpretação deste jovem e talentoso escritor. Sua sensibilidade em retratar o universo mais recôndito do homem e suas facetas é sublime. Como diria Clarice Lispector: "Não, não é facil escrever.É duro como quebrar rochas. Mas voam faiscas e lascas como aços espelhados" Parabéns meu jovem.
[Leia outros Comentários de Marcia Bindo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CHANCE ZERO
CÉLIA ANASTASSIADIS
EDICON
(1996)
R$ 8,49



O AMAZONAS NA ÉPOCA IMPERIAL - (AUTOGRAFADO)
ANTONIO LOUREIRO
VALER
(2007)
R$ 190,00



O ESSENCIAL SOBRE - A MÚSICA PORTUGUESA PARA CANTO E PIANO VOL 48
JOSÉ BETTENCOURT DA CÂMARA
IMPRENSA NACIONAL CASA DA MOE
(1999)
R$ 19,70



PSICODINÂMICA DAS CORES EM PUBLICIDADE
MODESTO FARINA
EDGARD BLÜCHER
(1975)
R$ 50,00



MELHORES AMIGAS PIORES INIMIGAS
EVA MARGOLIES
MELHORAMENTOS
(1990)
R$ 8,90



ABC DE CASTRO ALVES
JORGE AMADO
MARTINS
(1955)
R$ 18,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO 4 - NUNCA FAÇA NADA, NUNCA
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 15,00



SMALL BUSINESS GUIDE
SARA WILLIAMS
PINGUIN BOOKS
(1996)
R$ 30,00



JOSÉS , MARIAS E MANIAS
ALINA PERLMAN
SCIPIONE
(1988)
R$ 16,00



A FILHA DO MILIONÁRIO
DOROTHY EDEN
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 10,00
+ frete grátis





busca | avançada
36145 visitas/dia
1,3 milhão/mês