A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 5/11/2002
A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8500 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Dedicado ao Mário Alex

"Eu vejo uma rosa nas trevas".
(Maeterlinck- Pelléas e Melisande)


Florbela Espanca suicidou-se às duas horas da manhã do dia 8 de dezembro (dia de seu aniversário), do ano de 1930, bebendo dois frascos de Veronal (um sonífero extremamente forte). Ela já havia tentado suicídio duas outras vezes. Uma anotação em seu diário já anuncia a predisposição para este corajoso ato fatal: "Estou hoje num dos meus dias cinzentos; dia em que tudo é baço e pesado como a cinza, dia em que tudo tem a cor uniforme e nevoente dele, desse cinza em que às vezes sinto afundar o meu destino. Fizeram-se ruínas todas as minhas ilusões, e, como todos os corações verdadeiramente sinceros e meigos, despedaçou-se o meu para sempre."

Ao se olhar para a fotografia mais conhecida de Florbela Espanca, podemos observar que a poetisa era uma jovem muito bela e atraente. Segundo sua biógrafa Maria Alexandrina ela era esbelta, graciosa, de porte senhoril, fartos cabelos negros, pele fina e transparente, sedosa e bela, a que se juntava um culto do traje moderno totalmente inovador, com direito a peles e saia-calça (uma novidade francesa). Não podemos deixar de imaginar sua presença como a da parisiense do poema "A uma passante", de Baudelaire: "Toda de luto, alta e sutil, dor majestosa,/ uma mulher passou, com sua mão suntuosa/ erguendo e sacudindo o vestido./ Pernas de estátua, era-lhe a imagem nobre e fina.(...) No olhar, céu lívido onde aflora a ventania,/ a doçura que envolve e o prazer que assassina. Que luz!..."

Esta imagem da poetisa, com sua capeline e o seu colar de pérolas, fixa um tipo social que se traduziu, nos preconceitos da provinciana e conservadora sociedade portuguesa, na figura da vagabunda letrada.

A biografia da autora revela uma mulher inovadora para o seu tempo: uma cultura ampla, vários casamentos, divórcios, abortos, intensa vida boêmia com companheiros intelectuais e artistas e, como se não bastasse, conotações eróticas que revelam o desejo feminino ganhavam expressão na sua poesia. Um conjunto de fatos, portanto, que causava a inveja e a ira das limitadas mulheres portuguesas daquele tempo (que caluniavam, sempre que podiam, a poetisa).

Agora, através do livro "Sonetos de Florbela Espanca" que a Bertrand Brasil lançou este ano, em sua 12a. reimpressão, podemos ter acesso a quatro livros que formam a edição completa dos sonetos da poetisa. São eles: "Livro de Mágoas" (1919), "Livro de Soror Saudade" (1923), "Charneca em Flor" (1930) e "Reliquiae" (1931). O conjunto dos quatro livros formam o total aproximado de 150 sonetos, atravessando 10 anos da produção poética de Florbela Espanca.

Trata-se somente de poemas compostos em forma de sonetos. Para quem não sabe, do ponto de vista formal, o soneto é uma composição poética de quatorze versos, dispostos em dois quartetos e dois tercetos. O metro mais usado é o decassílabo rimado, ora de forma emparelhada (AA), ora de forma interpolada (ABBA).

O verso de dez sílabas foi uma das formas preferidas pelos poetas clássicos do século XVI. Petrarca foi um dos principais poetas que escreveu um grande número de sonetos. Ele domina também o poema épico "Os Lusíadas", de Camões e foi recuperado mais recentemente entre nós por Vinícius de Moraes.

O soneto foi submetido primitivamente a rigorosíssimos preceitos. Depois se libertou de quase todas as peias que o embaçavam, sendo cultivado com o máximo de independência e de arbítrio. Tem variado, por isso, de modo extraordinário, o critério seguido pelos poetas na disposição das rimas no soneto.

Nos sonetos de Florbela Espanca o transe sentimental parece ser inerente à sua própria natureza: ali estão o sonho, o amor, a desilusão, a morte, a dor, as carências afetivas, os devaneios e a solidão por vezes doce, por vezes profunda - estes temas resumem a vida secreta e misteriosa que o talento da poetisa perlustrou.

Experimentamos um indizível encanto com a leitura destes sonetos. Nos perguntamos: porque, afinal, somos tocados tão ternamente? A resposta é que o êxtase produzido pela poesia de Florbela Espanca se traduz no fato de que seus sonetos são uma linguagem musical superior, resultado de uma simetria de cadências e, sobretudo, do ritmo, que quase se confunde com o compasso da música. Daí seu poder de sugestão sendo, ao mesmo tempo, melodia e pensamento.

Não é pelo imprevisto, nem pela raridade dos vocábulos, que a autora consegue nos impressionar. Não é, também, pela ousadia de ritmos novos e surpreendentes. Menos ainda influi uma qualidade excepcional de rimas.

Embora estes artifícios sejam importantes, o que nos causa forte impressão é a sinceridade dos sentimentos que os versos traduzem; é a singela linguagem, admiravelmente adaptada aos temas das composições; é a espontaneidade da expressão; é a harmonia dos versos no seu ritmo exato e irrepreensível; é a beleza do pensamento, trabalhado com esmero e apurado trabalho artístico.

Em um soneto como "Para que?!" a poetisa nos transmite o terrível sentimento do vazio que é a vida. Vale registrar a precisão e a felicidade com que, apenas no primeiro quarteto, a poeta já nos preenche com a sugestão imediata da nulidade da vida que toma seu coração.

Tudo é vaidade neste mundo vão...
Tudo é tristeza, tudo é pó, é nada!
E mal desponta em nós a madrugada,
Vem logo a noite encher o coração!


Nenhuma palavra ali é supérflua; todas se casam e se ajustam harmonicamente. O contraste de idéias metaforicamente expressas (o renascer da madrugada e a vinda da noite) é de raro efeito sugestivo e desperta uma vibração de simpatia e de solidariedade humana em torno deste pesar.

Nos transmitindo a idéia de que sua angústia é maior que tudo, já que fundada numa desilusão com o amor, este metaforicamente pisado como uma frágil pétala ao chão, ela diz no próximo quarteto do mesmo poema:

Até o amor nos mente, essa canção
Que o nosso peito ri à gargalhada,
Flor que é nascida e logo desfolhada,
Pétalas que se pisam pelo chão!...


Por meio de uma imagem tão graciosa como sentimental e brilhante, ela comunica, nos dois tercetos finais de "Para que?!", sua desilusão com o amor (esta espécie de último recurso a nos salvar da nulidade da vida), através de uma reflexão negativa sobre o beijo:

Beijos de amor! Pra quê?!... Tristes vaidades!
Sonhos que logo são realidades,
Que nos deixam a alma como morta!

Só neles acredita quem é louca!
Beijos de amor que vão de boca em boca,
Como pobres que vão de porta em porta"...


O sentimento de que a vida é uma espécie de mendigar inutilmente, de porta em porta, uma gota qualquer de amor, é finalmente completo ao término do poema. Tudo isso em versos claros, simples e sonoros, sem a introdução de palavras parasitas, sem pedanterias de estilo nem preciosismos de vocabulário exótico, ou de sintaxe retorcida.

Os sonetos de Florbela, de uma forma geral, devem ser lidos, ou melhor, recitados lenta e gravemente. A sua dignidade artística exige uma seriedade e uma compenetração suave na leitura. Eles traduzem um universo de sentimentos singelos que, ao que parece, não nos habitam mais em nossa encouraçada vida contemporânea. Mas a maior glória de sua poesia se traduz exatamente aí, nessa possibilidade que temos de, virtualmente, mergulharmos nesse mundo perdido.

Num mundo onde se troca o amor como mercadoria, como dói ler um poema como "Fumo", que, ao trazer de volta o triste sentimento da perda amorosa, nos informa também o quanto temos sido técno-racionais em nossas relações afetivas.

No poema de abertura do primeiro livro do presente volume ("Livro de Mágoas"), Florbela anuncia no poema "Este livro", a quem ela dirige seus poemas: aos seus "irmãos na dor".

Este livro é de mágoas. Desgraçados
Que no mundo passais, chorai ao lê-lo!
Somente a vossa dor de torturados
Pode, talvez, senti-lo... e compreendê-lo.


Numa série de desesperançados poemas, Florbela nos envolve em sentimentos angustiosos e pesarosos, ampliando nossa tristeza, na verdade, fazendo-a brotar de algum lugar bem escondido dentro de nós.

São poemas compostos por ricos universos de metáforas. Como a Dor, que aparece como um invasor, que se aproxima a passos largos, cadenciados, trazendo um frio mortal, perseguindo e se grudando à personagem: "andando atrás de mim, sem me largar!" Na imagem do ser desterritorizado, traduzido metaforicamente na imagem da mendiga que caminha sem saber para onde vai. Ou ainda o amor perdido, traduzido na belíssima e simples imagem do seguinte verso: "fumo leve que foge entre meus dedos!".

Todo esse material singelo e espiritual que compõe os sonetos de Florbela merece uma leitura delicada - se não, a medida de sua profundidade nos escapa. Enganados pelo ritmo da inconstância, da frieza ao qual nos habituamos, corremos o risco de perdermos a fragrância que brota destes versos se não o encontrarmos através da serenidade que exigem de nós:

Só Schumman, meu amor! Serenidade...
Não assustes os sonhos... Ah! Não varras
As quimeras... Amor, senão esbarras
Na minha vaga imaterialidade...


A própria Florbela nos fala, no poema "O meu soneto", desse confluir de sentimentos que pode brotar da leitura de seus versos: "Em ti andam bailando os meu sentidos..." A palavra ideal para uma relação com a poesia de Florbela Espanca é cumplicidade.

A musicalidade que nasce dos seus sonetos é rapidamente reconhecida, se internalizando em nós a cada leitura. Os ritmos suaves são esquemas encantatórios a nos envolver na sublime paisagem dos sentimentos nobres. Por isso, talvez, seja fácil transpor os sonetos de Florbela para a música, como o fez, por exemplo, Raimundo Fagner, com suas versões de "Fumo" e "Fanatismo".

Um tema caro à poesia de Florbela é a morte. Não a morte violenta e/ou trágica. O que ela busca é um retorno nostálgico ao "Não ser". Não procura a graça nem a beatitude eterna, mas antes o Nada. Desse ponto de vista, não há dúvida, ela é irmã espiritual de Baudelaire.

Só que, menos trágica que o maldito poeta francês, sua busca expressa uma certa nostalgia por um tempo perdido, que não é outro que o mundo verdadeiro, sem máscaras, o mundo dos momentos puros, reencontrado na inocência original, que nos faz ver de forma mágica o "ouro duma flor aberta".

Quem me dera voltar à inocência
Das coisas brutas, sãs, inanimadas,
Despir o vão orgulho, a incoerência:
- Mantos rotos de estátuas mutiladas!


Embora a poesia de Florbela esteja sempre contaminada por uma persistente melancolia desesperante, também brota um movimento otimista e de felicidade de alguns de seus sonetos. A natureza parece, por vezes, trazer o reflexo de seu brilho e fulgor para o coração da poetisa. Como é o caso do soneto "Primavera", que reproduzimos a seguir:

É primavera agora, meu amor!
O campo despe a veste de estamenha;
Não há árvores nenhuma que não tenha
O coração aberto, todo em flor!

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor
Da vida... não há bem que nos não venha
Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!
Não há bem que não possa ser melhor!

Também despi meu triste burel pardo.
E agora cheiro a rosmaninho e a nardo
E ando agora tonta, à tua espera...

Pus cor-de-rosa em meus cabelos...
Parecem um rosal! Vem desprendê-los!
Meu Amor, meu Amor, é Primavera!...


Alguns estudiosos da poesia de Florbela acreditam que sua obra guarda o anuncio prévio de seu suicídio. Como se ali pudessem encontrar a biografia da dor, do desespero e da desesperança que minavam a vida da poetisa. Realmente, alguns de seus poemas são calcados nesses sentimentos terríveis. Nos levam a pensar em uma alma angustiada, sem norte e que não encontra saída nem sentido para sua existência. Um poema como "Eu", do "Livro de Mágoas", nos faz pensar assim.

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E nunca na vida me encontrou!


Encontramos também nos diários e cartas da poetisa essa imagem da mulher banhada em tristeza infinita: "Não conto a ninguém esta tristíssima inferioridade de me sentir uma exilada de toda a alegria sã, franca; não mostro a ninguém a miséria de minha miséria de inadaptável, de insaciada."

É também nas cartas que encontramos o depoimento da própria Florbela revelando o sentido de sua condição de "exilada" em busca do infinito. Esse sentido não é outro, acreditamos, que a condição própria de todos os poetas.

"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesmo compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudades... sei lá de que!"

Os sonetos de Florbela nos mostram que a condição da vida é ilusória e passageira, mas também nos ensinam que sua razão só pode ser encontrada na beleza... através da poesia. Existem alguns versos de Eugênio de Castro, usados por Florbela como epígrafe no "Livro de Mágoas", que traduzem bem o sentido do que acabamos de falar. É com esta epígrafe que fechamos nosso breve comentário sobre os belíssimos sonetos de Florbela Espanca.

"Procuremos somente a beleza, que a vida
É um punhado infantil de areia ressequida,
Um som de água ou de bronze e uma sombra que passa...."


Para ir além



Florbela Espanca
Editora Bertrand Brasil
189 p.

A poetisa portuguesa Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, a 8 de dezembro de 1894. Em novembro de 1903, então com sete anos, escreve seu primeiro poema denominado "A Vida e a Morte". Em 1907 aparecem os sinais da sua doença, a neurastenia (irá compor, anos mais tarde, um poema com este nome). Em 1908 sua mãe morre e Florbela vai para Évora prosseguir seus estudos. Em 1912, aos 19 anos, casa-se no civil com Alberto Moutinho. Em 1916 começa a colaborar com o jornal "Notícias de Évora".

Em 1917, se inscreve no curso de direito da Faculdade de Lisboa. Ao mudar-se para Lisboa começa a freqüentar a vida boêmia. Sofre um aborto involuntário. Separa-se do marido e começa ser vista como "vagabunda" pela sociedade portuguesa. Em 1919, publica o "Livro de Mágoas". Em 1921, casa-se novamente. Um novo aborto. Em 1924 outra separação, que leva a sua família a se distanciar dela por dois anos.

Em 1925, novo casamento, agora com Mario Lage. Publica a tradução de romances franceses. Seu irmão falece, tornado-a imensamente triste. Seu casamento se desgasta, vindo a se apaixonar pelo pianista Luis Maria Cabral, a quem dedica os poemas "Chopin' e "Tarde de Música". Tenta suicídio pela primeira vez, talvez por causa do pianista. Em 1930, começa a escrever o seu "Diário do último ano". Depois de uma segunda tentativa de suicídio, revê as provas do livro "Charneca em flor". A 8 de dezembro, suicida-se tomando Veronal.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 5/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
03. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
04. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2002
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Drummond: o mundo como provocação - 26/11/2002
03. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres - 5/11/2002
04. O último Shakespeare - 3/12/2002
05. Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito - 10/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/10/2002
15h07min
podeparecer estranho comentar algo dedicado a mim. Em Primeiro só tenho agradecer, sobretudo por ser uma resnha que fala de poesia, gênero que gosto muito. Muito bem escrita, pontuando e exemplificando com poemas, que acho muito necessário numa resenha. Parabéns ao colonista Jardel, que demonstra sensibilidade e rigor ao tratar de poesia.
[Leia outros Comentários de mário alex rosa]
5/11/2002
13h30min
Parabéns ao Jardel pela apresentação da renomada poetisa de Vila Viçosa. A mim chamam a atenção dois aspectos (possivelmente contraditórios) de Florbela Espanca, a saber, por um lado, o respeito e o culto à beleza da vida, patentes em seus poemas, e, por outro, a negação à própria vida, com seu suicídio aos 36 anos de idade. Pensando bem, talvez mais do que poetisa essa notável portuguesa tenha sido uma filósofa... (eles às vezes enxergam com clareza o que a maioria de nós, quando muito, apenas consegue tenuemente vislumbrar).
[Leia outros Comentários de Toni]
6/11/2002
19h11min
Toni, obrigado pelo comentário. Creio que na própria poesia de Florbela existam vestígios de sua desistência da vida. mas não é isso o que importa. o que importa são os poemas em si, o que eles nos causam através de seus efeitos estéticos. "a beleza da vida", como você disse, não está tingida, na sua poesia, de uma melancolia suicida?
[Leia outros Comentários de jardel]
9/11/2002
16h05min
caro jardel, adorei seu texto sobre florbela espanca. um texto forte, que demonstra envolvimento verdadeiro com a matéria que trata. parabéns pela bela escrita! e obrigada pelas emoções que criou em mim.
[Leia outros Comentários de claudia]
9/11/2002
22h02min
claudia, eu é que agradeço seu ocmentário e fico feliz por saber que o texto "te tocou".
[Leia outros Comentários de jardel]
30/11/2002
19h46min
Derrepente sou aquela vagabumda que e enrrustida, so quem sabe e Deus e ele jamais vai dizer...
[Leia outros Comentários de Zelitta]
1/12/2002
14h59min
Zellita, não entendi bem o que desejou dizer. só posso falar que, infelizmente, Deus é apenas uma criação humana, para nos amparar diante da falta de explicação para o sentido da existência humana e do cosmos - por isso, ele realmente jamais vai dizer qualquer coisa, simplesmente por não ser senão fabricação mental dos humanos. outra coisa, não sei porque você se identifica com o termo "vagabunda letrada" - ele foi cunhado por mulheres atradasadas de portugual daquela época para denegrir nossa querida Florbela Espanca. jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
30/1/2005
21h13min
Jardel, adorei a maneira que você retratou a vida de Florbela, com muita dignidade e respeito. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Lilian Roger]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA NA GUERRA DO PARAGUAI VOL. 1
PAULO DE QUEIROZ DUARTE
BIBLIOTECA DO EXÉRCITO
(1983)
R$ 30,00



NONA MANHÃ
CARL JÓHAN JENSEN
MOINHOS
(2017)
R$ 35,00



MEIA LARANJA: O QUE OS JOVENS DIZEM DA TOXICODEPENDE^NCIA
LUI´SA CARRILHO
EDIC¸O~ES AFRONTAMENTO
(1995)
R$ 18,70



ANÁLISE DE SISTEMAS EMPRESARIAIS
STANFOR L. OPTNER
CONSELHO
(1973)
R$ 10,00



CLÁSSICOS DO MUNDO CORPORATIVO
MAX GEHRINGER
GLOBO ANTIGO
(2008)
R$ 10,00



PROJETO ARARIBÁ HISTÓRIA 8º ANO
MARIA RAQUEL APOLINÁRIO
MODERNA
(2007)
R$ 6,00



JOY
JOY LAUREY
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



A JORNADA - A SAGA DE HOMENS E MULHERES GUIADOS À ETERNIDADE
RICARDO AGRESTE
SOCEP
(2009)
R$ 20,00



KARE KANO: AS RAZÕES DELE, OS MOTIVOS DELA
MASAMI TSUDA
PANINI
(2007)
R$ 10,00



MICHELIN RED GUIDE 1990: MAIN CITIES, EUROPE
MICHELIN TRAVEL PUBLICATIONS
MICHELIN TRAVEL PUBLICATIONS
(1990)
R$ 24,28





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês