Francis Bacon | Helena Vasconcelos | Digestivo Cultural

busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/2/2003
Francis Bacon
Helena Vasconcelos

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Obsessivo, obsessivo, obsessivo!" exclamava uma visitante que abanava a cabeça consternada, olhando em torno de uma das salas da Fundação de Serralves, no Porto, Portugal onde é possível ver, até 20 de Abril de 2003, uma exposição imperdível. Trata-se de "Francis Bacon: Caged - Uncaged", na qual estão patentes algumas das obras mais carismáticas e marcantes do artista irlandês.

A afluência do público tem sido muito grande e a cobertura mediática suficientemente marcante para quebrar a passividade dos portugueses que discutem abertamente as perturbadoras imagens criadas pelo homem que passou a vida a distorcer, de forma violenta e por vezes grotesca, a pretensa beleza harmónica do corpo humano.

Assim, quem visitar Serralves irá confrontar-se irremediavelmente com a singularidade de um pintor que é considerado por muitos como um dos expoentes máximos da arte do século XX. Bacon tratou com extraordinário vigor e um mínimo de complacência temas que continuam a chocar mas que fazem parte, cada vez mais, do quotidiano colectivo. As fantasias masoquistas, a pedofilia, o desmembramento de corpos, a violência masculina ligada à tensão homoerótica, as práticas de dissecação forense, a atracção pela representação do corpo - e um especial fascínio pelos fluídos naturais, sangue, bílis, urina, esperma, etc. - e, no geral, com tudo o que está directamente ligado à transgressão seja relacionada com o sexo, a religião (são paradigmáticos os seus retratos do Papa Inocêncio X que efectuou a partir da obra de Velasquez) ou qualquer tabu, foram as peças com as quais Bacon construiu a sua visão "modernista" do mundo.

Francis nasceu em Dublin a 28 de Outubro de 1909. Sofria de asma e foi educado em casa por professores particulares. A sua debilidade enraivecia o pai, um homem intolerante, violento e irascível que criava cavalos e costumava chicoteá-lo para "fazer dele um homem". Para se vingar, Francis gostava de exibir a sua homossexualidade, alardeando aventuras com os rapazes das cavalariças. Tinha cerca de dezasseis anos quando foi apanhado pelo pai a dançar diante de um espelho, vestido com a roupa interior da mãe. A cena culminou na sua expulsão de casa, um facto que não parece ter sido motivo de grande desgosto. Tal como Oscar Wilde e James Joyce, a Irlanda da sua infância inspirava-lhe um certo desdém e embora reconhecesse a sua identificação com o espírito irlandês, no que dizia respeito à predilecção pela bebida em grandes quantidades e pelo divertimento imoderado, a recordação de uma certa "estreiteza" que ele sempre associou à brutalidade do pai, não lhe deixou saudades. Bacon costumava afirmar que a violência o acompanhou sempre, primeiro quando entrou em contacto com o Sinn Fein, depois quanto viveu em Londres durante a primeira Grande Guerra e ainda ao partir para Berlim no final dos anos vinte - uma cidade que ele caracterizou como sendo muito aberta, livre e agressiva. O pai tinha-o enviado a Berlim na companhia de um tio considerado extremamente viril e que tinha como missão mudar a orientação sexual do sobrinho. Francis rapidamente descobriu que o tio era realmente uma pessoa sexualmente muito activa mas que não fazia qualquer distinção entre homens e mulheres. Acabaram alegremente juntos, na cama.

Já em Paris, onde viveu até 1939, foi a arte o que o cativou pela primeira vez. O tratamento que Picasso dava ao corpo humano fascinou-o e "O Massacre dos Inocentes" de Poussin provocou nele um interesse específico. De volta a Londres iniciou sem sucesso uma carreira de artista. Foi rejeitado como "não suficientemente surrealista", demasiado egocêntrico e com uma visão individualista que escapava a quaisquer cânones. Expôs pela primeira vez em 1937, integrado numa mostra de jovens artistas britânicos mas passou despercebido. Desanimado, destruiu telas - tinha começado a trabalhar num tema tratado também por Picasso, o da crucificação - e quase abandonou a pintura, preferindo dedicar-se ao jogo e ao "design" de roupas de homem e sapatos de mulher. A sua forma de vida era excessiva mas trabalhava sem parar, em estado de ressaca permanente. A sua primeira exposição individual na Lefevre Gallery, em 1945, provocou um choque e não foi bem recebida. Toda a gente estava farta de guerra e de horrores, só se falava da "construção da paz" e as imagens de entranhas dos quadros de Bacon, com os seus tons sanguíneos, provocaram mais repulsa do que admiração. O tríptico foi adquirido por um antigo amante de Bacon que, em 1953, o doou à Tate Gallery a qual, na altura, recebeu a dádiva com extrema relutância.

Desde então, Londres tornou-se o quartel-general de Francis, particularmente o bairro de Soho, onde se situava o Wheeler´s o seu restaurante favorito e o The Colony Room, local que frequentou assiduamente nos quarenta anos que se seguiram. Aí juntava amigos, gente do mundo artístico, vagabundos e bêbados do East End. Em 1950 iniciou a série de retratos do Papa Inocente X, cujo grito espasmódico e convulso pintou de variadas formas e, em 1954, representou a Grã-Bretanha na Bienal de Veneza, com Lucian Freud e Ben Nicholson. A partir de 1951 começou a visitar regularmente Tânger, (onde viveu paredes meias com William Burroughs e conviveu com o grupo de Paul Bowles), uma cidade que atraía a comunidade homossexual pela sua liberdade de costumes. Foi em Tânger que Bacon conheceu Peter Lacy, por quem desenvolveu um amor violento e destruidor: " estar apaixonado dessa forma extrema - total e fisicamente obcecado por alguém - é como contrair uma doença aterradora. Não o desejo nem ao meu maior inimigo" disse Bacon.

Os anos sessenta foram o tempo da sua consagração. Participou em inúmeras exposições e tornou-se conhecido mas o sucesso não impediu uma tentativa de suicídio em Nova Iorque, em 1968. Mas foi George Dyer, com quem vivia desde 1964, quem acabou por se matar num quarto de hotel em Paris, nas vésperas da inauguração de uma grande retrospectiva de Bacon no Grand Palais, no início dos anos setenta. Só em 1974 é que Francis encontrou John Edwards com quem manteve uma relação estável e paternal e que herdou o seu espólio, depois da sua morte, de ataque cardíaco, aos 82 anos.

Nas muitas entrevistas que deu ao longo da vida, quando já era famoso e até venerado, Bacon sempre enfatizou o seu lado anárquico e irreverente. Mais do que uma vez contou como costumava roubar dinheiro aos pais, aproveitar-se de quem gostava dele e fugir sem pagar a renda dos lugares onde vivia. Depois da sua morte, e até hoje, a sua obra e personalidade têm sido objecto de especulações e escândalos. O seu lado "negro", obscuro e violento e as suas imagens distorcidas continuam a deixar marcas em artistas como Damien Hirst, por exemplo, que o considera como "o último dos grandes pintores" e afirma ter seguido Bacon passo a passo na criação da sua própria obra.

A obra de Francis Bacon não deixa ninguém indiferente e as opiniões tendem a extremar-se. Os críticos tentaram relacioná-la sucessivamente com o Cubismo, o Surrealismo, a Pop britânica. Mas o interesse de Bacon por Picasso foi aquele que caracterizava qualquer jovem aspirante a artista, do seu tempo. Quanto aos surrealistas, repudiaram-no e embora seja possível encontrar, na sua obra, certos resquícios de "espírito Pop", principalmente nos anos sessenta, ele destaca-se em toda a sua singularidade, distante e desdenhoso de correntes, movimentos e modas. Pintou retratos de amigos e amantes tal como o fez David Hockney mas sem o elegante hedonismo deste último; torceu e distorceu os seus modelos em esgares de agonia enquanto Kitaj e David Hamilton se limitavam a desfocar o que viam. Dos seus contemporâneos, só com Lucian Freud - de quem foi amigo, embora tivessem cortado relações sem qualquer explicação lógica ou ilógica, em 1965 - é possível estabelecer um certo paralelo em termos de singularidade e originalidade, no tratamento do retrato e do auto-retrato. Talvez alguém se lembre, ao observar os corpos desfigurados de Bacon, de outro grande perturbador dos cânones clássicos de representação da figura humana, o pintor El Greco. Mas enquanto que, neste último, os corpos se "transfiguram", se elevam em direcção ao céu, para mais perto da divindade, os de Bacon "desfiguram-se" na assunção da sua monstruosa e vil humanidade. Como homem do seu tempo, Bacon transmitiu a ideia de que o ser humano, ao conquistar e fazer uso da sua própria liberdade, também liberta a besta que existe dentro de si. Pouca diferença faz dos animais irracionais, tanto na vida - ao levar a cabo as funções essenciais da existência como o sexo ou a defecação - como na solidão da morte. Em lugar de enaltecer o homem como um produto maravilhoso, fruto de uma criação divina, Bacon mostrou-o retalhado como uma peça de carne em exposição num talho - os seus detractores gostavam de dizer, com ar de repulsa, perante os seus "écorchées" que eram mais uma "fatia de bacon". A utilização que fez da cor nas suas pinturas, desde os tons mais sombrios, verde musgo, negro veneziano, vermelho sangue de boi, até à explosão de rosas shocking, verdes limão, laranjas e púrpuras, etc. demonstra um desdém sublime por quaisquer restrições ou regras. As figuras vertiginosamente em queda, torcidas como fetos em agonia ou enjauladas sem possibilidade de fuga, encontram-se quase sempre enclausuradas num espaço restrito definido pelo artista, que é como um "frame" (uma "jaula") dentro da esquadria da tela. Os objectos esparsos que eventualmente acompanham as figuras são banais e até acentuadamente desprezíveis como seringas, bidés, lavatórios, sanitas e bacios. A recorrência à imagem de uma simples lâmpada nua pendurada do tecto contribui para a criação de um ambiente destituído de conforto, de beleza. Os seus quartos - por vezes com visão para casas-de-banho esquálidas - são lugares de muitos pesadelos e nenhuma alegria. A nudez não é sensual mas possui uma carga de demência erótica. Para Bacon, a Beleza não se encontrava no Amor, na Natureza ou nos sentimentos. Os pares amorosos- como no quadro "Two Figures in the Grass", (1952) ou "Figures in the Landscape" - são figuras acocoradas que parecem fundir-se numa só e confundir-se com as lâminas de erva que não são bucólicas ou acolhedoras mas sim afiadas e ameaçadoramente brilhantes como um leito de espadas. Para Bacon, a Beleza escondia-se algures, por detrás de infindáveis máscaras de sofrimento e orgulho, de angústia do sexo, de solidão e terror da morte, de decrepitude e de opulência insolente.

Francis Bacon descobriu e explorou até ao limite do suportável o pior de todos nós. E viveu para o contar.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente na Revista Storm, editada por Helena Vasconcelos em Portugal. (Foi mantida intacta também a grafia original.)


Helena Vasconcelos
Lisboa, 26/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
03. Vinicius de Julio Daio Borges
04. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
05. A maldade humana de Gian Danton


Mais Helena Vasconcelos
Mais Acessadas de Helena Vasconcelos
01. Mary McCarthy - 18/12/2002
02. A autobiografia de Gabriel Garcia Márquez - 28/4/2003
03. George Sand faz 200 anos - 25/5/2004
04. Francis Bacon - 26/2/2003
05. Marguerite Yourcenar: a última aristocrata - 5/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2003
12h00min
Texto delicioso, convidativo, instigante. Para não falar do prazer que é saborear o português de Portugal. Parabéns, Helena!
[Leia outros Comentários de Rodrigo Gurgel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE ASSESSMENT OF VISUAL FUNCTION
ALBERT M. POTTS
MOSBY COMPANY
(1972)
R$ 77,97



LA CONSULTATION PASTORALE D ORIENTATION ROGÉRIENNE
YVES SAINTS-ARNAUD
DESCLÉE DE BROUWER
(1969)
R$ 250,00



PARA GOSTAR DE LER - VOLUME 23 - GOL DE PADRE E OUTRAS CRÔNICAS
STANISLAW PONTE PRETA
ÁTICA
(1998)
R$ 10,00



DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO NO INTERIOR DO BRASIL
MARIA DO ROSÁRIO CASSIMIRO
ORIENTE
(1974)
R$ 8,90



MINHA PROFISSÃO É ANDAR
JOÃO CARLOS PECCI
SUMMUS
(1980)
R$ 7,90



A GRANDE QUEDA
JAMES RICKARDS
AGORA FINANCIAL
(2015)
R$ 20,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOSTÓI
BRASILIENSE
(1959)
R$ 9,00



FRAGMENTOS DA GRANDE GUERRA
LEANDRO FONTES
RECORD
(2004)
R$ 10,00



HISTÓRIAS DA BÍBLIA 4 VOLUMES
VICTOR CIVITA
ABRIL
(1971)
R$ 33,80



A SEMENTE DA VITÓRIA (EL SHADAI)
J. E. LOURENÇO (NARRATIVAS DE S. VILARINDO LIMA)
IBCB
(1987)
R$ 15,00





busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês