Anarquia brasileira | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
Mais Recentes
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
>>> ERKS – Mundo Interno de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine July 2020 de Tenet pela Time (2020)
>>> Creative Review de Annual 2020 pela Creative Review (2020)
>>> Monocle Magazine July/August 2020 de Special Edition pela Winkontent (2020)
>>> Mojo 321 August 2020 de Paul Weller pela Mojo (2020)
>>> Mojo 320 July 2020 de Talking Heads pela Mojo (2020)
>>> Mojo 319 June 2020 de Nick Cave pela Mojo (2020)
>>> O Livro do Pênis de Maggie Paley pela Conrad (2001)
>>> A Colheita dos Grãos: Odes Sonoras de Filippi Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2007)
>>> Introdução ao Estudos Linguísticos de Francisco da Silva Borba pela Pontes (1991)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> Linguística Textual - Introdução de Leonor |Lopes Fávero e Ingedore G. Villaça Koch pela Cortez (1988)
>>> Aulas Vivas de Marcos Tarciso Masetto pela Mg (1992)
>>> A Lenda do Baal Schem de Martin Buber pela Perspectiva (2003)
>>> La Théologie de La foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> O Professor como Agente Político de Maria Anita e Viviane Martins pela Loyola (1987)
>>> Estilística da Língua Portuguesa de M Rodrigues Lapa pela Acadêmica (1968)
>>> Extensão ou Comunicação? de Paulo Freire pela Paz e Terra (1977)
>>> Conversas com quem gosta de Ensinar de Rubem Alves pela Cortez (2005)
>>> Reflexões sobre a Prática Docente de Maria Oly Pey pela Loyola (1992)
>>> O que é teoria? de Otaviano Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> A Dieta Ideal de Marcio Atalla e Desere Coelho pela Paralela (2015)
>>> Rádio : 24 Horas de Jornalismo de Marcelo Parada pela Panda Books (2004)
>>> Dicionário da Língua Portuguesa Medieval de Joaquim Carvalho da Silva pela Eduel (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/2/2008
Anarquia brasileira
Luiz Rebinski Junior

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde 2005, quando o primeiro show dos Sex Pistols, realizado na St. Martins Art School, em Londres, em 1975, fez 30 anos, uma série de comemorações tem servido para lembrar e discutir o legado do movimento punk. No ano passado, 2007, a bola da vez foi Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols, álbum de estréia do grupo que também completou o 30º aniversário.

De origem despretensiosa, o punk ganhou contornos de movimento social depois que Malcolm McLaren, um empresário canastrão, resolveu juntar alguns desocupados que perambulavam pela loja de sua mulher, a estilista Vivienne Westwood, e formar uma banda de rock. Vestidos como mendigos e desprovidos de qualquer habilidade musical, os quatro pupilos de McLaren ― Johnny "Rotten" Lydon (vocal), Steve Jones (guitarra), Paul Cook (bateria) e Glen Matlock (baixo), mais tarde Sid Vicious ― desencadearam uma grande agitação juvenil ao mesclar música tosca, tocada em ritmo veloz, com discurso anarquista.

Incitados pela descrença geral no capitalismo e pelas reformas da primeira-ministra Margaret Thatcher, que à época reduziu os serviços sociais prestados pelo Estado à classe trabalhadora, o barulho provocado pelos três acordes mal tocados dos Pistols ganhou características políticas e ecoou além das fronteiras da Europa.

Com alguns anos de atraso, música e ideologia punk aportaram no Brasil, sendo assimilados por jovens de classe baixa sedentos por algo que lhes pudesse dar voz política em um país imerso em uma ditadura e ao mesmo tempo servisse como uma forma de entretenimento. Botinada ― A origem do punk no Brasil, documentário dirigido por Gastão Moreira, tenta mostrar o surgimento da aglutinação de jovens brasileiros, no começo da década de 1980, em torno da até então pouco conhecida "filosofia" punk.

Aos primeiros minutos do filme fica evidente o caráter pouco expansivo do punk no Brasil, com maior concentração em São Paulo/ABC paulista e iniciativas isoladas em Estados como Rio Grande do Sul (Replicantes), Bahia (Camisa de Vênus) e no Distrito Federal (Plebe Rude e Aborto Elétrico). Por isso parece pouco natural dizer que houve um "movimento punk" por aqui, se considerarmos o tamanho do país e a pouca abrangência que as idéias punks alcançaram em uma época em que não existiam as facilidades de comunicação de hoje ― ainda estávamos há pelo menos uma década e meia da internet, as informações chegavam com dificuldade e eram restritas aos grandes centros urbanos. O que aconteceu no Brasil, em São Paulo mais especificamente, teve muito mais um caráter de "turma" ou "gangue" do que algo que possa lembrar uma cena organizada. "Tem gente que leva o punk muito a sério, como se fosse um movimento político de transformação. Não é isso", diz Clemente, do grupo Inocentes, em uma das passagens do filme.

Ideologia
A contestação de ordem política e social, como mostra Gastão, restringia-se a um ou outro jovem mais informado e politizado. A maioria dos punks se revezava entre brigas com gangues rivais ― a rivalidade entre São Paulo e ABC era a mais acirrada ― e festas para ouvir punk rock.

Em comum aos punks ingleses, que em geral eram filhos de operários vindos dos subúrbios de Londres e com pouca voz ativa na sociedade, os similares brasileiros tinham o desemprego e a falta de liberdade de expressão como mote para suas aglutinações cheias de som e fúria. Mas assim como seus precursores, os punks brasileiros se notabilizaram pela falta de clareza e consistência de sua ideologia e reivindicações. O punk, no Brasil ou em qualquer parte do mundo, chocou muito mais pela estética radical e agressiva ― que logo foi vista como reflexo de uma postura genuinamente adolescente ― do que por sua teoria anarquista, que até hoje, diga-se de passagem, não se sabe o que quer dizer; nada além do vago "destruir para refazer".

Do ponto de vista social o punk foi totalmente assimilado pela indústria cultural, que ao longo dos anos incorporou todo o aparato ideológico punk, transformando-o em mais um subproduto do capitalismo ― dando origem a expressões como "punk de boutique". Com relação aos três acordes não foi muito diferente, já que hoje é comum ver bandas ditas punks em programas de auditório e até rádios AM.

O que ficou ― e isso parece ter sido algo que se desenvolveu à revelia dos punks ― e se alastrou com intensidade e força foi a idéia de livre iniciativa que hoje, em tempos de web 2.0, blogs e myspace, está mais forte do que nunca. Muito além dos visuais fetichistas criados por Vivienne Westwood, que foram incorporados rapidamente pela moda mainstream, o do-it-yourself fez do rock algo bem mais palpável e descomplicado ao se opor ao virtuosismo da onda progressiva que dominava os anos 1970. O lema "faça-você-mesmo" se alastrou mundo afora e encontrou abrigo em outras formas de arte, influenciando escritores, artistas plásticos e cineastas. É aí que reside o grande legado do punk enquanto movimento de contracultura. Ao reforçar a idéia de que tudo está ao alcance de todos, bastando apenas certa dose de talento e persistência, o punk democratizou o acesso à arte ― ainda que coisas bizarras tenham aflorado a partir do encorajamento punk. A cena que hoje se conhece como indie no Brasil, deve muito aos jovens dos anos 1980 mostrados em Botina. De certa forma, aqueles rapazes podem ser considerados os desbravadores do modelo empreendido hoje para se fazer e consumir música ― ainda que, na época, fosse pouco provável que soubessem disso, nada que lhes tire o mérito.

O próprio filme de Gastão Moreira é emblemático da postura de enfrentamento revelada pelo punk, já que é visivelmente uma obra de baixo orçamento e que tem em sua essência o espírito punk. Além de trazer depoimentos de figuras seminais da cultura punk ― Kid Vinil, João Gordo, Ariel, Clemente ―, o documentário resgata cenas raras que ajudam a entender a efervescência da época em torno dos três acordes. Gastão também traz à tona gente ligada à história do punk brasileiro, como Antonio Bivar, autor do clássico O que é punk, e Silvio Essinger, escritor de Punk, anarquia planetária e a cena brasileira, que aparecem como representantes da parca bibliografia nacional sobre o tema. Apesar de não se aprofundar em questões pontuais como o legado e a influência do punk na sociedade hoje, e ser excessivamente pedagógico e pouco crítico em alguns momentos, o filme de Gastão Moreira tem o mérito de resgatar parte da história recente do país que há tempos merecia ser retratada. Mas pelo que se propôs a fazer (contar a origem do punk brasileiro), Botinada certamente já pode ser considerado uma referência sobre o assunto.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 21/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Esquerda x Direita de Marta Barcellos
04. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva
05. 2013: mulheres escritoras e suas artes de Eugenia Zerbini


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/2/2008
11h16min
Esse documentário omite seus antecessores históricos: "Garotos de suburbio" do Márcio Meirelles, de 1983 - e "Punk molotov" de João Carlos Rodrigues, de 1984/5. Este último é a prova de que o movimento existiu também no Rio de Janeiro, e teve boa repercussão na época e passou em vários festivais. "Punk molotov" e creio que também "Garotos de subúrbio" existem nos arquivos Videobrasil em SP e podem ser vistos pelos interessados.
[Leia outros Comentários de João Carlos Rodrigue]
27/2/2008
16h11min
Legal, Luis, deu vontade de ver o filme. A coisa mais sedutora, mais interessante do punk [para mim] era dizer que qualquer um, por mais pé rapado e ignorante que fosse, devia pegar um instrumento musical e começar a fazer música; não para o bem geral da nação ou da Arte, mas para o bem dele mesmo e no máximo dos seus dez amigos mais próximos. As bandas punks "profissionais" obviamente são as que a gente mais conhece, mas de certa forma acho que elas são uma contradição em termos, um paradoxo. O melhor do punk era o seu pior, o mais caseiro, mal-ajambrado, esculhambado - aquelas coisas tão ruins que nem a indústria de consumo [pelo menos naquela época] dava conta. E pouca gente percebe que é preciso uma coragem quase heróica para ser verdadeiramente péssimo, que é uma outra forma de ir além da mediocridade.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA DA V ABRINDO A CAIXA DE PANDORA
CATHERINE BLACKLEDGE
DEGUSTAR
(2004)
R$ 90,00



O VELOCINO DE OURO DA MITOLOGIA GREGA - 1950
ARNALDO DE OLIVEIRA BARRETO
MELHORAMENTOS
(1950)
R$ 25,00



SOBREVIVER, CRESCER E PERPETUAR: TECNOLOGIA EMPRESARIAL VOL. 1
NORBERTO ODEBRECHT
ODEBRECHT
(2011)
R$ 14,90



PREACHER PROUD AMERICANS
GARTH ENNIS
VERTIGO
(1997)
R$ 18,00



TRAJETÓRIAS GEOGRÁFICAS - 4ª EDIÇÃO
ROBERTO LOBATO CORRÊA
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 62,95



O SACRIFÍCIO DA INOCÊNCIA
TAYLOR CALDWELL
RECORD
(1976)
R$ 5,00



CIÊNCIA HOJE VOL. 4 NO. 24 MAIO/JUNHO 1986
LUIZ PINGUELLI ROSA, RAUL EKERMAN E OUTROS
SBPC
(1986)
R$ 9,00



RAUL SOARES: UM LÍDER DA REPÚBLICA VELHA
AFRANIO DE CARVALHO
FORENSE
(1978)
R$ 27,28



NOVAS CARTAS DO EXTREMO OCIDENTE
ANDRÉ LEVY
COMPANHIA DAS LETRAS
(1988)
R$ 5,50



REBELIÃO EM MILAGRO
JOHN NICHOLS
BEST SELLER
(1998)
R$ 7,90





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês