Anarquia brasileira | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Fábrica
Mais Recentes
>>> Maya de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (2000)
>>> Aos Amigos, a Poesia de Jandira de Albuquerque pela Brasília (2003)
>>> Estado Novo: Política Externa e Projeto Nacional de Francisco Luiz Corsi pela Unesp (2000)
>>> Princípios De Administração Financeira de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1987)
>>> Toda a História História Geral e História do Brasil de José Jobson de A. Arruda pela Ática (2000)
>>> Direto do Coração de Ricardo Farah pela Sarcinelli (1988)
>>> Honoráveis Bandidos de Palmério Dória pela Geração Editorial (2009)
>>> A Idade da Razão de Satre pela Victor Civita (1981)
>>> Organização estruturada de computadores de Andrew S. Tanenbaum pela Pearson (2007)
>>> Dieta Só para Garotas de Daphne Oz pela V&r (2009)
>>> História dos Reinos Bárbaros: Acontecimentos Políticos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (1970)
>>> Quincas Borba - Série Bom Livro de Machado de Assis pela Atica
>>> Antes Que a Terra Acabe de John Kerry / Teresa Heinz Kerry pela Saraiva (2008)
>>> Areia Pesada de Anatoli Ribakov pela Best Seller (1979)
>>> O capital de Marx e o capitalismo de hoje - Volume 1 de Antony Cutler Barry Hindess Paul Hirst e Athar Hussain pela Zahar
>>> Living in Japan de Reto Guntli, Alex Kerr, Kathy Arlyn Sokol pela Taschen (2006)
>>> História de Belém (2º Volume) de Ernesto Cruz pela Universidade Federal do Pará (1973)
>>> Introsução à revolução de 1964 de Carlos Castelo Branco pela Artenova (1976)
>>> A história de Lula o filho do Brasil de Denise Paraná pela Objetivo (2009)
>>> Orange is the New Black de Piper Kerman pela Intrinseca (2014)
>>> Todo Homem é um Homem de Jean Bartrand Aristide pela Paz e terra (1992)
>>> Beleza Negra memórias de um cavalo de Susana Ventura pela Folha de S. Paulo (2016)
>>> Escandinavos Em Caso de Emergência Quebre o Vidro de Denio Maués pela Patuá
>>> The Lost Gospel: The Book of Q Christian Origins de Burton L. Mack pela Harper Collins (1993)
>>> Confissões de uma Máscara de Yukio Mishima pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quinta-feira, 21/2/2008
Anarquia brasileira
Luiz Rebinski Junior

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde 2005, quando o primeiro show dos Sex Pistols, realizado na St. Martins Art School, em Londres, em 1975, fez 30 anos, uma série de comemorações tem servido para lembrar e discutir o legado do movimento punk. No ano passado, 2007, a bola da vez foi Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols, álbum de estréia do grupo que também completou o 30º aniversário.

De origem despretensiosa, o punk ganhou contornos de movimento social depois que Malcolm McLaren, um empresário canastrão, resolveu juntar alguns desocupados que perambulavam pela loja de sua mulher, a estilista Vivienne Westwood, e formar uma banda de rock. Vestidos como mendigos e desprovidos de qualquer habilidade musical, os quatro pupilos de McLaren ― Johnny "Rotten" Lydon (vocal), Steve Jones (guitarra), Paul Cook (bateria) e Glen Matlock (baixo), mais tarde Sid Vicious ― desencadearam uma grande agitação juvenil ao mesclar música tosca, tocada em ritmo veloz, com discurso anarquista.

Incitados pela descrença geral no capitalismo e pelas reformas da primeira-ministra Margaret Thatcher, que à época reduziu os serviços sociais prestados pelo Estado à classe trabalhadora, o barulho provocado pelos três acordes mal tocados dos Pistols ganhou características políticas e ecoou além das fronteiras da Europa.

Com alguns anos de atraso, música e ideologia punk aportaram no Brasil, sendo assimilados por jovens de classe baixa sedentos por algo que lhes pudesse dar voz política em um país imerso em uma ditadura e ao mesmo tempo servisse como uma forma de entretenimento. Botinada ― A origem do punk no Brasil, documentário dirigido por Gastão Moreira, tenta mostrar o surgimento da aglutinação de jovens brasileiros, no começo da década de 1980, em torno da até então pouco conhecida "filosofia" punk.

Aos primeiros minutos do filme fica evidente o caráter pouco expansivo do punk no Brasil, com maior concentração em São Paulo/ABC paulista e iniciativas isoladas em Estados como Rio Grande do Sul (Replicantes), Bahia (Camisa de Vênus) e no Distrito Federal (Plebe Rude e Aborto Elétrico). Por isso parece pouco natural dizer que houve um "movimento punk" por aqui, se considerarmos o tamanho do país e a pouca abrangência que as idéias punks alcançaram em uma época em que não existiam as facilidades de comunicação de hoje ― ainda estávamos há pelo menos uma década e meia da internet, as informações chegavam com dificuldade e eram restritas aos grandes centros urbanos. O que aconteceu no Brasil, em São Paulo mais especificamente, teve muito mais um caráter de "turma" ou "gangue" do que algo que possa lembrar uma cena organizada. "Tem gente que leva o punk muito a sério, como se fosse um movimento político de transformação. Não é isso", diz Clemente, do grupo Inocentes, em uma das passagens do filme.

Ideologia
A contestação de ordem política e social, como mostra Gastão, restringia-se a um ou outro jovem mais informado e politizado. A maioria dos punks se revezava entre brigas com gangues rivais ― a rivalidade entre São Paulo e ABC era a mais acirrada ― e festas para ouvir punk rock.

Em comum aos punks ingleses, que em geral eram filhos de operários vindos dos subúrbios de Londres e com pouca voz ativa na sociedade, os similares brasileiros tinham o desemprego e a falta de liberdade de expressão como mote para suas aglutinações cheias de som e fúria. Mas assim como seus precursores, os punks brasileiros se notabilizaram pela falta de clareza e consistência de sua ideologia e reivindicações. O punk, no Brasil ou em qualquer parte do mundo, chocou muito mais pela estética radical e agressiva ― que logo foi vista como reflexo de uma postura genuinamente adolescente ― do que por sua teoria anarquista, que até hoje, diga-se de passagem, não se sabe o que quer dizer; nada além do vago "destruir para refazer".

Do ponto de vista social o punk foi totalmente assimilado pela indústria cultural, que ao longo dos anos incorporou todo o aparato ideológico punk, transformando-o em mais um subproduto do capitalismo ― dando origem a expressões como "punk de boutique". Com relação aos três acordes não foi muito diferente, já que hoje é comum ver bandas ditas punks em programas de auditório e até rádios AM.

O que ficou ― e isso parece ter sido algo que se desenvolveu à revelia dos punks ― e se alastrou com intensidade e força foi a idéia de livre iniciativa que hoje, em tempos de web 2.0, blogs e myspace, está mais forte do que nunca. Muito além dos visuais fetichistas criados por Vivienne Westwood, que foram incorporados rapidamente pela moda mainstream, o do-it-yourself fez do rock algo bem mais palpável e descomplicado ao se opor ao virtuosismo da onda progressiva que dominava os anos 1970. O lema "faça-você-mesmo" se alastrou mundo afora e encontrou abrigo em outras formas de arte, influenciando escritores, artistas plásticos e cineastas. É aí que reside o grande legado do punk enquanto movimento de contracultura. Ao reforçar a idéia de que tudo está ao alcance de todos, bastando apenas certa dose de talento e persistência, o punk democratizou o acesso à arte ― ainda que coisas bizarras tenham aflorado a partir do encorajamento punk. A cena que hoje se conhece como indie no Brasil, deve muito aos jovens dos anos 1980 mostrados em Botina. De certa forma, aqueles rapazes podem ser considerados os desbravadores do modelo empreendido hoje para se fazer e consumir música ― ainda que, na época, fosse pouco provável que soubessem disso, nada que lhes tire o mérito.

O próprio filme de Gastão Moreira é emblemático da postura de enfrentamento revelada pelo punk, já que é visivelmente uma obra de baixo orçamento e que tem em sua essência o espírito punk. Além de trazer depoimentos de figuras seminais da cultura punk ― Kid Vinil, João Gordo, Ariel, Clemente ―, o documentário resgata cenas raras que ajudam a entender a efervescência da época em torno dos três acordes. Gastão também traz à tona gente ligada à história do punk brasileiro, como Antonio Bivar, autor do clássico O que é punk, e Silvio Essinger, escritor de Punk, anarquia planetária e a cena brasileira, que aparecem como representantes da parca bibliografia nacional sobre o tema. Apesar de não se aprofundar em questões pontuais como o legado e a influência do punk na sociedade hoje, e ser excessivamente pedagógico e pouco crítico em alguns momentos, o filme de Gastão Moreira tem o mérito de resgatar parte da história recente do país que há tempos merecia ser retratada. Mas pelo que se propôs a fazer (contar a origem do punk brasileiro), Botinada certamente já pode ser considerado uma referência sobre o assunto.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 21/2/2008


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008
05. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/2/2008
11h16min
Esse documentário omite seus antecessores históricos: "Garotos de suburbio" do Márcio Meirelles, de 1983 - e "Punk molotov" de João Carlos Rodrigues, de 1984/5. Este último é a prova de que o movimento existiu também no Rio de Janeiro, e teve boa repercussão na época e passou em vários festivais. "Punk molotov" e creio que também "Garotos de subúrbio" existem nos arquivos Videobrasil em SP e podem ser vistos pelos interessados.
[Leia outros Comentários de João Carlos Rodrigue]
27/2/2008
16h11min
Legal, Luis, deu vontade de ver o filme. A coisa mais sedutora, mais interessante do punk [para mim] era dizer que qualquer um, por mais pé rapado e ignorante que fosse, devia pegar um instrumento musical e começar a fazer música; não para o bem geral da nação ou da Arte, mas para o bem dele mesmo e no máximo dos seus dez amigos mais próximos. As bandas punks "profissionais" obviamente são as que a gente mais conhece, mas de certa forma acho que elas são uma contradição em termos, um paradoxo. O melhor do punk era o seu pior, o mais caseiro, mal-ajambrado, esculhambado - aquelas coisas tão ruins que nem a indústria de consumo [pelo menos naquela época] dava conta. E pouca gente percebe que é preciso uma coragem quase heróica para ser verdadeiramente péssimo, que é uma outra forma de ir além da mediocridade.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tentada 6
P.C. Cast
Novo Século
(2010)



That's all about fame 4
Sérgio Barreto
Wise Up
(2008)



África - 9
Fflch/usp
Fflch/usp
(1986)



Minha Primeira Paixão
Elenice Machado de Almeida; Pedro Bandeir
Ftd
(1994)



Na Espiral do Tempo - uma Viagem pelo Calendário Judaico
David Gorodovits
Séfer
(2008)



Companhia das Ciências - 9º Ano
João Usberco e Outros
Saraiva
(2015)



Desapropriação no Direito Positivo
Edson Jacinto da Silva
De Direito



O Caráter Nacional Brasileiro
Dante Moreira Leite
Pioneira
(1969)



Cadernos Adenauer: Juventudes no Brasil
Felix Dane
Konrad Adenauer Stiftung
(2015)



Pai
Darcio Valente
Edições Galo Branco
(2010)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês