O Pianista e o Gueto de Varsóvia | Rodolfo Felipe Neder | Digestivo Cultural

busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
Mais Recentes
>>> Nevernight - A Sombra Do Corvo 01 - Crônicas Da Quasinoite
>>> Casa Das Fúrias
>>> Quase 1000 Absurdos De Todos Os Tempos
>>> 1000 Curiosidades Olímpicas Que Todo Recordista Deveria Saber
>>> Quase 1000 Dados Nojentos Para Saber Que Este Mundo É Imundo
>>> 1000 Curiosidades Do Mundo Da Bola - Que Todo Craque Deveria Saber
>>> 1000 Curiosidades Insólitas
>>> 1000 Coisas Inúteis Que Um Garoto Deveria Saber Antes De Crescer
>>> Tríade Deutsch Perfekt - revistas
>>> Os Terceiros 2000 anos
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
COLUNAS

Terça-feira, 11/3/2003
O Pianista e o Gueto de Varsóvia
Rodolfo Felipe Neder

+ de 14200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O Holocausto tem sido tema cinematográfico em muitas oportunidades, mas nada foi tão comovente, para mim, desde Nuit et Brouillard (1955) de Alain Resnais, quanto o belo filme de Roman Polanski, O Pianista roteiro cinematográfico, extraído do livro de memórias do próprio pianista Wladyslaw Szpilman, escrito logo ao final da guerra.

Parte da grande crítica trata o filme como um a mais da série "holocausto". Nada disso, O Pianista é, antes de tudo, um longo poema do sofrimento do povo polonês invadido pelo do exercito nazista em 1939, uns dos mais cruéis momentos da segunda guerra de que se tem notícia. O horror e a desesperança se instalam na Polônia, por longos seis anos.

Mas, há também, no meio do horror, o grandioso e belo gesto de compaixão provocado pelo amor a música e a admiração ao artista.

No final do outono de 1939, um jovem e promissor pianista, Wladylaw Szpilman (interpretado por Adrien Brody) no seu programa de rádio, toca o suave e belo Noturno de Chopin, enquanto a Luftwaffe hitlerista bombardeia Varsóvia. Chopin sai do ar e entra o horror nazista.

Szpilman e sua família, como todos os judeus, são expulsos de suas residências para serem isolados no ignominioso gueto de Varsóvia. Aqui, começa a difícil luta de inúmeras famílias judias para sobreviver. Neste momento, no decorrer da luta para sobreviver, aparece clara a fragilidade humana. Há, nos perseguidos, os bons e os ruins, mostrados em todos seus gestos. Há, também, nos nazistas ocupantes, uma profunda crueldade, quase que um gosto pelo extermínio e a destruição, a banalité du mal a qual, a filósofa e catedrática Hannah Arrendt, nos anos setenta, se refere em seus trabalhos, divulgados na mesma época, em que essas mesmas crueldades vieram a se repetir na América do Sul.

O Pianista é sem dúvida a obra de um cineasta europeu, mais é também, de autoria de quem, na infância, testemunhou ocupação da sua terra. Bastam repetir as doídas palavras de Polanski em recente entrevista:

"Para uma criança, nem dor física nem fome se comparam ao terror da separação dos pais. Minha dor maior foi ter perdido minha mãe. Somente a morte fechará esse capítulo".

Vemos no filme um Polanski um humanista que recria a realidade sem concessões e sem mentiras tecnológicas. Polanski é um observador atento aos gestos. As suas personagens são como eram nesses duros anos em meio a suas circunstancias e seus momentos, no melhor sentido de Ortega e Gasset.

Não procure ver no O Pianista heróis ou anti-heróis. Há, sim, uma realidade trágica para todo o povo polonês nesses anos. A cada dia, devem adaptar-se ao momento, ou morrer sumariamente. Os duros tempos tem que ser vividos em todas suas horas de todos os dias são de medo e de expectativa a os limites da crueldade humana.

Há á revolta contra a ocupação, como realmente existiu em 1943, um verdadeiro desespero suicida do Gueto de Varsóvia, e que outro polonês, Andrezj Wajda, relata em seu filme Cinzas e Diamantes (1961). O Pianista de Polanki tem, o que Wajda não colocou no seu filme, a suave e dura poesia do inferno.

O Pianista que está nas salas do Brasil, chega coroado de todos os prêmios possíveis e é candidato ao Oscar, tenho dúvidas da conquista. Caso ganhe o Oscar, o galardão da Academia, corre o risco de se transformar num prêmio sério, pelo menos, nesta temporada.

O Gueto de Varsóvia

Era quase o fim do ano de 1968. No meio da dura repressão local, seis cineastas, todos atuantes nessa época, foram convidados a participar do festival de Leipzig. Iberê Cavalcanti, Maurício Gomes Leite, Cosme Alves (diretor da Cinemateca do Rio), Sergio Muniz, Rudá Andrade e eu. Embarcamos rumo a Europa Central. Por coincidência, o diretor Andrezj Wajda estava regressando, no mesmo vôo a Polônia, depois de ter participado do Festival de Cinema no Rio de Janeiro. O adido cultural da embaixada da Polônia no Brasil também estava no avião da KLM (não lembro o nome dele, mas lembro da sua fina gentileza em ser o nosso inesperado anfitrião em Varsóvia). Finalizado o festival, fomos a Varsóvia onde ficamos por uma semana. A capital polonesa é o grande monumento urbano contra o nazismo a cidade estava sendo reconstruída ainda. A "cidade velha" que fica no centro estava totalmente restaurada das ruínas.

Nada ficou após a passagem das hordas nazistas, nem sequer os documentos e as plantas da cidade, tudo tinha sido calculadamente destruído. Varsóvia foi reconstruída a partir de gravuras de artistas locais e da memória de alguns dos sobreviventes.

O comando nazista mandou, em 1940, que fossem erguidos altos e sólidos muros, no centro da cidade para isolar as famílias judias do resto da população. Assim, nasce o Gueto de Varsóvia. Nele cabiam aproximadamente 20mil pessoas, mas instalaram 450 mil habitantes judeus, ou seja cerca de 17 famílias por casa.

A rua Mila era a rua principal do Gueto, mas tarde, quando o levante, se tornaria famosa por estar aí o quartel geral da revolta. Muitas cenas do filme de Polanski se passam na rua Mila, totalmente reconstruída para as filmagens.

A comida era racionada e as famílias judias tinham direito ao consumo de 500 calorias diárias, enquanto os eslavos tinham direito a 800 e os alemães a 1800.

Em 1943, Hitler era o principal líder europeu, com seu poderoso exercito. Porém, apesar da invencibilidade de suas forças armadas começava a ser trincado com a derrota em Stalingrado (hoje, São Petersburgo). O Exercito alemão já não era invencível. Entrar no gueto, dispostos a agir com a mesma crueldade e desmando, com que sempre o faziam, ficava mais difícil.

Um dia, os judeus encorajados receberam os soldados nazistas à bala e obrigaram as tropas alemãs a recuar e, o que foi pior para o exército ocupante, os moradores do Gueto tomaram a suas armas. A revolta durou várias semanas e a luta se travava corpo-a-corpo até nos esgotos de Varsóvia. O poderoso exército ocupante era desmoralizado novamente.

Hitler deu pessoalmente a ordem de acabar com o Gueto. A reação do comando nazista foi brutal, a batalha foi casa-a-casa com os lança-chamas que queimaram todo o bairro. Os poucos sobreviventes tiveram como destino o campo de Treblinka. O general Stroop enviou um telegrama a Hitler: "O bairro judeu de Varsóvia não existe mais".

Andamos pelas ruas do antigo Gueto, pouco falávamos, só ouvíamos as explicações de nosso anfitrião que nos guiava.

Era, um mês de novembro cinzento, frio e chuvoso e por momentos caia neve. Algumas das marcas da guerra estavam vivas, restos do muro em pé, hoje são monumentos.

Alguns tapumes enegrecidos guardavam os trabalhos de reconstrução. Estes feios tapumes eram dissimulados com belos cartazes de teatro e cinema. É bom lembrar que a Polônia se destaca também, pela excelência de seus artistas gráficos. A arte e a beleza presentes.

Nunca vi uma cidade tão silenciosa. Haviam passado 28 anos da ocupação e se notava ainda rostos e expressões medidas, sorrisos só os necessários. Os jovens estudantes nos bares, talvez os mais barulhentos e alegres.

A Varsóvia de gente linda e afetuosa estava ressurgindo, mas ainda, não era a plenitude, pois o regime desses anos não era de liberdade, foi preciso esperar até a década de 80 para que fosse derrubado o outro muro, o do Berlin.

Hoje, pelo que leio, esta maravilhosa cidade, está sua plenitude e apogeu e com uma vida universitária e cultural invejável e um intenso turismo.

Nota do Editor
Rodolfo Felipe Neder é diretor do site Millôr Online.


Rodolfo Felipe Neder
São Paulo, 11/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. O suicídio na literatura de Cassionei Niches Petry
03. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. Nova Gramática do Poder de Marilia Mota Silva


Mais Rodolfo Felipe Neder
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2005
23h38min
Bom ter notícias de Rodolfo Neder, meu velho companheiro de venturas e aventuras cinematográficas. Gostaria muito que ele me escrevesse... Abr. Iberê Cavalcanti
[Leia outros Comentários de Iberê Cavalcanti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SÍMBOLO PERDIDO
DAN BROWN
SEXTANTE
(2009)
R$ 15,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 1
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,00



CIVILIZAÇÃO NORTE AMERICANA - VOLUME 1
MAX LERNER
FUNDO DE CULTURA
(1960)
R$ 8,99



O MANUSCRITO DE UM LOUCO E OUTRAS HISTÓRIAS
CHARLES DICKENS
EDIOURO
(2005)
R$ 19,98



NAS TRILHAS DA CRÍTICA - COLEÇÃO: CRÍTICAS POÉTICAS
MARCEL PROUST
EDUSP
(1994)
R$ 39,99



LEITURA E AUTORIA: PLANEJAMENTO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA
LUCIENE JULIANO SIMÕES ET AL
EDELBRA
(2012)
R$ 64,90



COURAÇA MUSCULAR DO CARÁTER
JOSÉ ANGELO GAIARSA
AGORA
(1984)
R$ 40,00



OS LUSÍADAS - LUÍS DE CAMÕES (LITERATURA PORTUGUESA)
LUÍS DE CAMÕES
KLICK
R$ 12,00



CRESCIMENTO ECONÔMICO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA
JACQUES MARCOVITVH
EDUSP
(2007)
R$ 14,02



O FANTÁSTICO MISTÉRIO DE FEIURINHA - PEDRO BANDEIRA (TEATRO PARA CRIANÇAS)
PEDRO BANDEIRA
FTD
(2001)
R$ 7,00





busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês