Digestivo nº 103 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 16/10/2002
Digestivo nº 103
Julio Daio Borges
+ de 5100 Acessos




Imprensa >>> Turma da Xuxa
É impressão ou a discussão política vai ficando cada vez mais infantilizada à medida que nos aproximamos do "the final moment"? FHC, em entrevista à Época, afirma que o desempenho de Serra não implica em rejeição de seu governo (afinal, foram 70% de votos contra). Segundo ele, estamos votando, antes de tudo, em pessoas. Que maneira mais deselegante de lavar as mãos, senhor presidente. Já Serra cansou de repetir que seu governo não é esse que está aí, mas sim um outro que ainda nem começou. Santa velhacaria, senhor candidato. E pensar que é assim que eles pretendem diminuir a distância que os separa de Lula (60% contra 30%, de acordo com a última pesquisa). Os tropeços são mais que evidentes, são auto-evidentes, e sugerem até sabotagem interna; ou seja: numa torcida canhestra pelo PT, ambos trocariam farpas como essas, enfraquecendo-se mutuamente (Governo e candidato do Governo). Boris Casoy disse à Bravo! que a tevê força o nivelamento do debate por baixo; algo que Sérgio Augusto mui apropriadamente denominou "camelotagem de idéias". É mais ou menos o que se acompanha no noticiário atual, refém de declarações infelizes como essas. A campanha é propositadamente emocionada e irracional; como quando FHC perdeu a prefeitura de São Paulo por dizer que era ateu, ou como quando Lula se viu prejudicado por uma filha não-assumida publicamente. Por isso, cresce a importância dos marqueteiros - essa gente especializada no slogan de superfície, no apelido depreciativo, na piadinha colocada na hora certa. Agora, por exemplo, circula uma carta endereça à atriz Regina Duarte, condenando sua participação no programa eleitoral do Governo. O signatário se apresenta como dramaturgo e sua emenda, de tão mal escrita, conseguiu sair pior do que o soneto (por mais apelativo que esse seja). Pessoas a princípio esclarecidas estão distribuindo. É o tipo de coisa que "pega". Ninguém parece querer crescer politicamente. [Comente esta Nota]
>>> Presidente em campanha
 



Música >>> Supressão de ruídos
Em cidades barulhentas, poluídas e densamente povoadas, como as nossas, o minimalismo passou de "estilo de vida" a "tática de sobrevivência". Na luta diária, nos embates com os outros, na imposição publicitária do consumo, o indivíduo tenta preservar sua essência. Procurando reduzir-se a um mínimo necessário, reafirma suas características e distingue sua voz em meio aos gritos da multidão. Foi mais ou menos assim que pensou Adriana Calcanhotto, em seu mais recente CD, "Cantada". Na capa, por exemplo, apenas uma boca vermelha, uma moldura preta, o nome do artista e da obra em questão. Na apresentação, algo como "tirar os enfeites, as sobras, as gorduras, os 'over-actings'". Nas músicas, uma harmonia sugerida, uma melodia assobiada; nas letras, versos de uma, duas ou três palavras, sujeito oculto, vocabulário simples, repetição enfática. E, claro, para não negar uma tendência de toda a MPB ultimamente: as injunções eletrônicas. Na verdade, no caso de Adriana Calcanhotto, continua a disputa entre analógicos e digitais, uma vez que o álbum alterna momentos moderníssimos com inflexões bossa-novísticas; ou seja, não se decide. Traduzindo em termos de convidados: oscila entre Moreno+2 (Kassin no baixo, Domenico no MPC2000 e Moreno no cello) e Daniel Jobim (piano de uma nota só). Ainda que esse arranjo soe um tanto quanto esquelético, ao ouvinte de primeira viagem, a opção de La Calcanhotto acaba convencendo. Talvez a experiência do acústico (imediatamente anterior), tenha ressaltado o início, o fim e o meio, em sua carreira: a voz e o violão. (Às vezes, nem mesmo o vilão; só a voz.) "Cantada" abre com a poesia silábica de Waly Salomão em "Programa"; estende um pouco as vogais em "Justo Agora"; experimenta menos na radiofônica "Pelos Ares"; evoca Tom Jobim em "Noite", de Antonio Cicero; desmancha-se na atmosfera cool de "Sobre a Tarde"; sofre um pouco com a faixa-título ("Cantada"); anuncia um encerramento nada ortodoxo com Péricles Cavalcanti ("Sou Sua" e "Intimidade"); surpreende com "Music", de Madonna; entrega-se ao classicismo ("Se tudo por acontecer") e a Carlos Drummond de Andrade ("Jornal de Serviço"). A moça trabalhou; e não se saiu mal. O esforço minimal, no fim, parece que compensa. [Comente esta Nota]
>>> Cantada - Adriana Calcanhotto - BMG
 



Literatura >>> Notícias de uma guerra particular
Ainda que o mundo inteiro tenha palpitado sobre os atentados do 11 de setembro (e o jornalismo, mais uma vez, tenha metido a sua colher), poucos indivíduos (e pouquíssimos jornalistas) podem se dar ao luxo de dizer que estavam realmente lá. Um deles é Sérgio Dávila, correspondente da Folha de S. Paulo em Nova York. Na noite do dia 10, cobria um inocente show do Jamiroquai; na manhã do dia 11, mais precisamente às 8h45, recebia um telefonema bombástico da redação, sobre o primeiro avião que se chocava contra a primeira torre. Viu o segundo avião (se chocar contra a segunda torre) pela CNN, e saiu pelas ruas, em disparada, em direção ao World Trade Center. Viu a primeira torre desabar a 20 quarteirões do local; e viu a segunda torre desabar a 6 quarteirões do local. O resto é silêncio (ou impenetráveis nuvens de poeira e fumaça). Está tudo em "Nova York - Antes e depois do atentado", lançado pela Geração Editorial, na coleção Vida de Repórter, por ocasião do primeiro aniversário do 11 de setembro. Os textos foram compilados a partir da coluna "Pop, Pop, Pop", de Sérgio Dávila, no Uol, e partir de suas reportagens para a Folha de S. Paulo. Há também colaborações para a revista "Viagem e Turismo" e para a "Revista da MTV", entre outras. As fotos são de Teté Ribeiro, esposa e co-autora. E não é só; há mais. Embora o livro se divida em "antes" e "depois" do atentado, pouca gente efetivamente se debruçou sobre o "antes" (imaginando que se tratava apenas de um prelúdio, ou de uma explicação, para o "depois"). Perdeu, pelo menos, metade. Ainda que Sérgio Dávila fale na perda da inocência e Paulo Henrique Amorim, autor do prefácio, fale em uma vida dividida em duas, as primeiras 140 páginas, que registram a lua-de-mel do correspondente com sua cidade, são igualmente fundamentais. Lá, além da jovialidade e do bom humor do autor, estão a chave para o amadurecimento súbito de Sérgio Dávila, e, por que não dizer, de Nova York. [Comente esta Nota]
>>> Nova York - Antes e depois do atentado - Sérgio Dávila - 256 págs. - Geração Editorial
 



Artes >>> Baile de máscaras
Entre leigos, ainda pairam as dúvidas sobre a qualidade da fotografia digital; entre profissionais, as dúvidas já se dissiparam. É o que prova a vernissage "Veneza 2002", em cartaz no restaurante Little Italy, com inauguração oficial marcada para o dia 15 de outubro. São fotos em preto e branco, trabalhadas em Photoshop, com alguns pequenos detalhes em cor. O autor da arte é Gladstone Campos, fotojornalista que iniciou sua carreira nas revistas Placar e Veja, tendo fundado publicações como a Caras e hoje se consagrado como titular da Gula, editada por J.A. Dias Lopes, um amigo de longa data. Gladstone inclusive aproveitou um dos giros gastronômicos pela Itália para, em apenas algumas horas, fazer o seu registro da cidade dos gondoleiros. Não é a sua primeira vez no Little Italy, no entanto. Esse é o segundo convite de Flávio Cateb, dono da casa; o primeiro teve como tema Paris. Gladstone, embora seja um dos profissionais mais hábeis e tarimbados do mercado, foge ao clichê e mostra uma Veneza feita de pequenos detalhes. São representativas nesse sentido: a imagem de despreocupadas senhoras vagando pela rua, tendo como fundo cartazes publicitários (lá também há); o retrato do gondoleiro distraído, fugindo ao assédio dos fotógrafos (nem todos), num de seus intervalos para descanso; a decomposição das ferragens que construíram a cidade secular e que, um dia, fixaram as bases do Império Veneziano. Tudo em "digital" (como se diz no jargão); nada em "analógico". Praticamente, com a qualidade da impressão elevada a níveis antes inimagináveis, não existe mais diferença. Nem mesmo um olho clínico pode apontar qual é qual. A partir do dia 15, os trabalhos de Gladstone serão vendidos e toda a renda será revertida para a Derdic, fundação de Osmar Santos. O Little Italy, além de oferecer a assinatura de quem fundou a lendária pizzaria Micheluccio, dá de presente uma réplica para quem gastar acima de R$ 50. Soluções combinadas assim são raras, em matéria de arte; e merecem que se vá prestigiar. [Comente esta Nota]
>>> Veneza 2002 - Gladstone Campos - Little Italy - Rua Lisboa, nº 35 - Pinheiros - Tels.: 3061-0374 e 3083-6067
 



Cinema >>> Um presente contínuo
A exemplo da China, a Rússia construiu também sua muralha e isolou-se do mundo durante quase todo o século XX. Estamos falando da "Revolução Russa", que, de 1917 até a Perestroika de Gorbatchev (1985), jogou o país no limbo. Esta não é propriamente a tese de Alexander Sokúrov em "Arca Russa" (2002), em cartaz na 26ª Mostra BR de Cinema, mas é como se fosse. Além da curiosidade técnica (o filme é feito a partir de uma única tomada de 97 minutos), Sokúrov convida o espectador para um passeio pela História da Rússia, dando destaque a grandes figuras (Pedro, o Grande, Catarina, a imperatriz, Puchkin, o poeta), enquanto registra o esplendor de uma nação hoje em ruínas. Forma e conteúdo se misturam de tal sorte que descrever essa experiência cinematográfica é inevitavelmente passar pelo roteiro e pela feitura quase artesanal do longa. O filme começa em meio a um corre-corre atrás do que parece ser um baile ou simplesmente uma festa. A câmera sobrevoa os salões e corredores, flutua entre os convivas, atravessa cenas como se perseguisse a narrativa. Ao mesmo tempo, um narrador surpreendido com o que vê tenta se localizar no espaço e no tempo. A ele, junta-se um outro sujeito que aparentemente também viaja pelas mesmas épocas; deixa escapar que é europeu (provavelmente francês) e sua ranzinzice contrasta com o deslumbramento da voz de quem narra (certamente de um russo). Esse "diálogo" entre o nosso "cicerone" e o seu "convidado", permite que o espectador se situe (não perfeitamente, é lógico) e possa igualmente se encantar com as belezas escondidas num palácio perdido em São Petersburgo. São sem paralelos, por exemplo, as tomadas de uma grande valsa, com dezenas de personagens em passos e movimentos de encher os olhos. É nesse ponto que o narrador pergunta ao nosso francês ranzinza: "Vamos para a outra sala?". O forasteiro retruca: "Mas o quê há lá? O que nos espera?" - fazendo obviamente alusão ao futuro. O russo então confessa: "Realmente, não sei o que há além daquela porta. Mas você não vai mesmo?". Ao que o outro responde: "Não, não vou. Eu fico aqui." É claramente a resposta do próprio Sokúrov aos anos 1900 e mesmo 2000, que, apesar de revolucionários, modernos e científicos, mataram a grande Rússia para nunca mais. [Comente esta Nota]
>>> The Russian Ark | Jornal da Mostra
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês