Digestivo nº 117 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
Mais Recentes
>>> Um mundo só meu de Robin Knox Johnston pela Edições Marítimas ltda (1990)
>>> História da Sexualidade 1 - A Vontade de Saber de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> Você pode curar sua vida de Louise L. Hay pela Best Seller
>>> Relatos de um projetor extrafísico de Geraldo Medeiros Júnior pela Petit (1990)
>>> Os Meninos e o Trem de Ferro de E. Nesbit (Ind. Editorial): Ana Maria Machado pela Moderna/ SP. (1998)
>>> No reino do gelo: A incrível viagem de um navio na conquista do Polo Norte de Hampton Sides pela Intrínseca (2016)
>>> Horizontes Antropológicos 52 - A religião no espaço público de Ari Pedro oro e Marcelo Ayres Camurça orgs. pela Ufgs (2018)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrínseca (2016)
>>> Echos de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1927)
>>> Abarat de Clive Barker pela Companhia das Letras (2003)
>>> Prosas barbaras de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> O Livro dos Peixes de William Gould de Richard Flanagan pela Companhia das Letras (2003)
>>> A capital de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1929)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> Últimas páginas - manuscriptos ineditos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> Cartas Perto do Coração de Fernando Sabino, Clarice Lispector pela Record (2001)
>>> O Mandarim de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> Cartas familiares e bilhetes de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1922)
>>> A Colheita: a Escolha Está Feita de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> O Egypto - notas de viagem de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> O Possuído(Deixados Para Trás...) de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2001)
>>> Nicolae: o Anticristo Chega ao Poder de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> Toda Poesia de Paulo Leminski pela Companhia das Letras (2013)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> O primo Bazilio de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz & Terra (1978)
>>> A Marca - a Besta Controla o Mundo de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2002)
>>> Marcha Soldado, Cabeça de Miguel de Rita Espeschit (ilustr): Raquel Lourenço Abreu pela Ed. Lê/ Belo Hte. (2019)
>>> O Senhor do Tempo de Liberato Póva (desemb. de Tj. Tocantins) pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (2019)
>>> O Beijo da Cabrita de Guilherme Cunha Pinto(Ilustr): Regina Coeli Rennó pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1991)
>>> Marx e a Superação do Estado de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2018)
>>> Ivan Serpa de Hélio Márcio Dias Frerreira (Org.) pela Funarte (2004)
>>> A Viúva Cliquot de Tilar J. Mazzeo pela Rocco (2007)
>>> O Que É uma Revolução? de Álvaro García Linera pela Expressão Popular (2017)
>>> Réquiem para o Sonho Americano de Noam Chomsky pela Bertrand Brasil (2017)
>>> História da Sexualidade 3 - O Cuidado de Si de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> História da Sexualidade 2 - O Uso dos Prazeres de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> O Hobbit: A desolação de Smaug : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2013)
>>> Contos Novos de Mário de Andrade pela Nova Fronteira (2015)
>>> Alex Vallauri - Da Gravura ao Grafite de Beatriz Rota-Rossi pela Olhares (2013)
>>> Pornografia de Witold Gombrowicz pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Belo Perigo de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> A Grande Estrangeira - Sobre Literatura de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> Dicionário de Sinais e Sintomas no Diagnóstico de Ismar Chaves da Silveira pela Epub (2002)
>>> Contos e Poemas (seleção) de Mário de Andrade pela Expressão Popular (2017)
>>> Origem de Thomas Bernhard pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amor Ao Pé Da Letra de Melissa Pimentel pela Paralela (2015)
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 22/1/2003
Digestivo nº 117
Julio Daio Borges

+ de 1500 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Que tudo se realize...
Janeiro é geralmente o mês que a imprensa brasileira empurra com a barriga. Começa antes, com a enrolação das retrospectivas do ano anterior e das perspectivas para o próximo, ainda em dezembro. O calendário gira, o ano muda, mas as capas e as manchetes continuam geladíssimas. Explora-se então um único fato novo (já que poucos há à disposição), até a exaustão. No caso de 2003, foi a esperança gerada pelo novo governo - que, para muitos, ainda não começou (embalados que estão por expectativas e confortáveis abstrações). Pululam também as edições de verão (janeiro, fevereiro, às vezes, março), principalmente no que se refere às revistas mensais - pois o saldo de leitores, nessa época (dizem), é baixo. Todo mundo foi viajar. Vira desculpa e, folheando os jornais (com a maioria de seus colunistas em férias), as notícias resolvem também minguar (parece que em combinação com o clima). Assim, as bancas de jornal se rendem ao marasmo e a sensação é de que o tempo parou; ou de que se está acordado enquanto todos dormem. Contudo, algumas publicações decidem trabalhar - se não de todo, pelo menos, em parte. Um exemplo vem da Caros Amigos, cujos colaboradores se dividem entre aqueles que combatiam FHC (e ficaram sem assunto) e aqueles que, ignorando o primeiro mês de governo, ainda soltam vivas a Lula. A entrevista, no entanto, uma das poucas coisas que - às vezes (nem sempre) - justifica comprar a revista, transgrediu a morosidade da temporada e chamou três combatentes do crime organizado. São membros do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime) e prometem revelações aterradoras. Acabam, para decepção geral, proferindo generalidades - tão processados, tão perseguidos e tão desmoralizados que já estão. O que há de novo? Bem, não tão novo, mas vá lá: caracterizam o crime organizado como aquele que envolve o Estado. Ou seja: para que se tenha idéia da podridão, assalto a banco e formação de quadrilha não são considerados crimes organizados; e Fernandinho Beira-Mar é café pequeno perto dos tubarões que esses três senhores perseguem mas - já sabem - nunca vão pegar. Que mais? Falam do poder paralelo. O das drogas, cujo faturamento é equivalente ao PIB do Canadá (a oitava economia do mundo) e que, logo, poderá sentar à mesa com os G-7. Também o dos presídios, administrados, muitas vezes, desde as celas. Um policial que maltrata um detento figurão, ao sair na rua pode ser metralhado, de leve, para ver se se comporta na próxima. Citam ainda o superfaturamento da obra da avenida Águas Espraiadas (a mais cara do planeta, triplicando o orçamento de US$ 250 milhões) e a indústria do roubo de automóveis e cargas (freqüentemente em conluio com os proprietários, para receber o dinheiro do desmonte e do seguro). Pensando bem: que prato indigesto para o início de 2003. Lá se foram todos os anseios por um Brasil e por um mundo melhor... Quem sabe em 2004. [Comente esta Nota]
>>> Caros Amigos
 



Música >>> Eu tô chegando
Logo que o lounge veio à tona, uma interpretação de "Só Tinha de Ser com Você" chamou a atenção. Quem era aquela cantora? Uma voz perdida na onda de um novo ritmo? Ouviríamos mais dela ou acabaria, como muita coisa, passando? Mais tarde, o nome de Fernanda Porto foi ganhando mais projeção, até culminar com o disco homônimo, lançado em 2002, pela Trama. Mas as surpresas não pararam por aí: além de ter tido fôlego para 14 faixas, assinou 13 delas, sozinha ou em parceria (letra ou música). De repente, aquela moça que ameaçava sumir despontou como compositora, deixando sua porção intérprete meio de lado. É muito cedo para inquirir sobre o que Fernanda Porto realmente pretende (tornar-se uma artista no cenário da MPB?). Embora tenha se lançado graças ao boom eletrônico, joga suas iscas no mar da bossa nova, toca violão e piano (formou-se no instrumento e fez faculdade de música). Mas seu público, pelo menos o atual, vai se fixar provavelmente no lado drum'n'bass, ainda que Fernanda Porto queira eletronificar (e não eletrificar) até mesmo o samba. É igualmente cedo para traçar uma genealogia, mas - se possível fosse - arriscar-se-ia algo entre Zizi Possi (a grave) e Daniela Mercury (a aguda). (Leviano? Quem sabe.) Quanto às mensagens cifradas (ela se importa em traduzi-las), há muita pressa nas suas declarações: "Fugir com você, eu quero" (De Costas Pro Mundo); "Você acelerou minha calma" (Tudo de Bom); "Nem sequer podia pensar" (O Amor Não Cala). E, lógico, há o ritmo frenético das paixões guardadas durante anos (uma marca registrada do nosso tempo?): "Você foi tomando um jeito novo" (Jeito Novo); "Frases tuas de insuportável beleza" (Vilarejo Íntimo); "Eu sonhei que o tempo bastaria" (Amor Errado). Para completar, uma versão moderna do Eclesiastes: "Tudo neste mundo tem o seu tempo/ Cada coisa tem a sua ocasião". Fecha o ciclo "1999", versificada em latim, trilha sonora do filme de Toni Venturi. Ainda que o trabalho de Fernanda Porto não seja forte o suficiente para produzir julgamentos categóricos, ao mesmo tempo não compromete. Como todo disco de estréia, aponta caminhos que caberá, ao artífice, seguir ou não. [Comente esta Nota]
>>> Fernanda Porto - Trama
 



Literatura >>> A educação pela pedra
Por uma dessas fatalidades inexplicáveis, somos obrigados a ler João Cabral de Melo Neto ainda na adolescência. Como se não bastasse, "Morte e vida severina". Só depois de muitos anos o trauma pode ser enfim superado. Acontece que o autor é quase a antipoesia, o caráter estoicamente avesso à música, a contenção historicamente rara em nossa língua - ou seja: como querer que ele se faça compreender por leitores na mais tenra idade, embalados que estão pelos seus hormônios? Ciente desses desacertos todos, a Nova Fronteira lança a série "Novas Seletas" e dedica um volume inteiro a João Cabral de Melo Neto. Com muita inteligência, o organizador, Luiz Raul Machado, pinça os poemas cuidadosamente, justificando sua importância, montando um pequeno léxico, num crescendo de sofisticação e complexidade - para, aí sim, terminar com "Morte e vida severina", na íntegra e sem cortes. São pouco mais de 100 páginas, atendendo à escassez de tempo e às múltiplas solicitações audiovisuais da nova geração. Lá estão os galos, em "Tecendo a manhã", os meandros da escrita, em "Catar feijão", o primor de observação, em "O ovo de galinha", a opção pela matéria, em "O engenheiro", e a vivência na Espanha, em "Sevilha e o progresso". Sempre apontado como um dos maiores poetas do século XX, João Cabral de Melo Netto é menos lembrado que Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade - graças à sua posição antilírica, ao seu repúdio a toda forma de inspiração e à sua persistência, heróica, em nunca se colocar como centro das atenções. Seu estilo, absolutamente livre do supérfluo e do alegórico, deveria servir de modelo para os nossos escrevinhadores: o advérbio é quase proibido; o adjetivo, trocado pelo substantivo; o artigo, sempre que possível, regiamente eliminado. O resultado dessa operação é uma poesia incisiva, objetiva, direta. Não há rodeios, não existem prelúdios ou perorações, a conclusão é inerente a cada verso - como se o texto pudesse ser interrompido, e a tensão suspensa, a qualquer momento. Numa época em que todos temos de ser minimamente lisonjeiros, para com o consumidor, João Cabral de Melo Neto não deve despertar as simpatias mais exaltadas - mas continuará transcendendo os séculos. [Comente esta Nota]
>>> Novas Seletas - João Cabral de Melo Neto - 120 págs. - Nova Fronteira | O ovo de galinha
 



Internet >>> Feeling lucky today?
A década de 70 foi do hardware. E da IBM. A década de 80 foi também do hardware. E da Apple. Já a década de 90 foi do software. E da Microsoft. Há algum tempo atrás, todo mundo apostava que os anos 2000 seriam da internet. Mas desde a virada do milênio que não se sabe mais nada, e ninguém quer arriscar. Talvez, em termos de negócios, a Web (e supostamente uma empresa dentro dela) nunca atinja mesmo o gigantismo de uma International Business Machines ou de um Bill Gates. Acontece que, apesar de todos os prognósticos (negativos), a internet vem se tornando onipresente na vida das pessoas. Espera-se que, com o tombo das telecons, finalmente se perceba que o problema não era com a "nova economia", muito menos com a World Wide Web, mas sim se relacionava àquele momento no tempo: ruim para nove entre dez empreendimentos pioneiros. Ainda que o dinheiro não lubrifique as engessadas relações no universo virtual, e não erga o novo monstro empresarial de tentáculos intercontinentais, há fenômenos muito interessantes em curso. Por exemplo, o Google. O mecanismo de busca que arrola para si, modestamente, a autoridade de ditar o Zeitgeist (o "espírito do tempo"). O Google que, no início, era apenas uma ferramenta alternativa ao Yahoo! e ao Altavista, para encontrar uma determinada coisa na internet, e que, de repente, se converteu no oráculo dos internautas ao redor do globo. Abrigando mais de 3 bilhões de endereços e atendendo a mais de 55 bilhões de requisições anuais, o Google é praticamente a porta de entrada da maioria dos que se conectam à WWW. O resultado das enquetes mais freqüentes em 2002 comprova: nos Estados Unidos, a CNN; no Reino Unido, a BBC; e na França, a FNAC. Ou seja, antes de digitar "cnn.com" (o óbvio ululante), os americanos digitam "google.com", e só então procuram pela Cable News Network. Os franceses e os habitantes da Grã-Bretanha fazem igual, com suas respectivas instituições seculares, cujos endereços na Grande Rede deveriam saber de cor. Isso dá uma idéia da força do Google. Não contentes, os fundadores inauguraram o Google News, que rastreia 4 mil sites no planeta, hierarquizando as notícias por ordem de importância e relevância. O que aconteceria se eles se tornassem a referência também nesse setor? A página de busca com design singelo e parco, que já assumiu as funções de dicionário e de gênio da lâmpada, ameaça seriamente tomar o lugar dos deuses de hoje. [Comente esta Nota]
>>> Google | Google Zeitgeist | Google News
 



Cinema >>> E la nave va
Não é assistindo aos filmes de hoje que vamos considerar o cinema mais que uma mera diversão. A partir da atual cinematografia, é quase impossível admitir que, antes, tantas vocações fossem empenhadas na simples ambição de se tornar cineasta. Não levamos o cinema mais tão a sério, esse é o fato. E terminamos sem entender como tantas cabeças jovens, e cheias de idéias, atiravam-se nesse precipício de insatisfação, incompreensão e derrotas. Até que entramos numa sessão de Fellini - aí tudo se justifica. Dizem que toda grande obra encerra um painel completo da existência humana. É o que ocorre em "A Estrada" ("La Strada", 1954), do diretor italiano. O longa conta a saga de Gelsomina (encarnada por Giulietta Masina, mulher de Fellini), que é vendida pela mãe a um artista de circo, Zampanò (Anthony Quinn), e deve acompanhá-lo em suas viagens pela Itália. À medida que o país, as cidades, se revelam a Gelsomina, são-lhe também abertas as portas da idade adulta. É a tal perda da inocência - mas, ao mesmo tempo, a conservação da mesma, que sobrevive para além da própria protagonista, sempre evocada pela trilha sonora de Nino Rota. Gelsomina, uma moça tímida, quase muda, aprende o ofício de artista de circo, ao mesmo tempo em que se adapta à convivência com um homem infiel e bruto. Lança-se à ilusão do casamento, decepciona-se; tenta fugir, mas volta. Muito sutilmente, apaixona-se. Assiste às disputas entre o seu marido e o rival, que têm um desfecho trágico, do qual Gelsomina não se recupera jamais. Nem Zampanò. Parece impossível pensar que o cinema possa ser tão vasto e profundo. Mas é. Fellini é um criador - lá vem o chavão - do tipo que já não existe mais. Ele, sim, pode ter convencido multidões, pelo mundo, a seguí-lo e a seguir seu ofício de realizador. O século XX foi do cinema, não resta dúvida. Já o século XXI... (do que será?). Enquanto não descobrimos, uma cópia nova de "A Estrada" nos aguarda. [Comente esta Nota]
>>> La Strada
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/1/2003
20h53min
Finalmente alguem muito inteligente e letrado, Luiz Raul Machado/ Nova Fronteira , teve a audacia de confrontar o marasmo da nossa brigada nacional da poesia ligeira, e relancou JOAO CABRAL DE MELLO NETO, o poeta maior, o que nao dah folga a adjetivos & superlativos, a pieguices do amor&e-a-flor, a nossa vocacao intrinsica ( ah, Portugal, meu avozinho... ) para sentimentalismos & ilusoes de grandeur. Nao, Cabral nao acerta o passo pela musicalidade vigente. Tem a dele. Tem personalidade. Sempre teve coragem de ser Brecht no Nordeste. Como seu engenheiro, Cabral escreve por linhas claras. Joga sua posicao politica na linha de frente. Doa a quem doer. A educacao pela pedra que nos deu na decada de 60, formou opinioes fortes. Eh preciso, sim, ter alguma maturidade para compreende-lo; eh fundamental nao mais esperar herois & milagres. Por isso a coletanea (titulo) eh tao benvinda. A ageracao atual estava justamente precisando.
[Leia outros Comentários de sonia nolasco]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PASSWORD ENGLISH 1
AMADEU MARQUES
ÁTICA
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



CURSO DE DIREITO COMERCIAL VOL. 1 - DIREITO DE EMPRESA
FÁBIO ULHOA COELHO
SARAIVA
(2008)
R$ 14,00



VOCÊ É TÃO JOVEM QUANTO A SUA ESPINHA.
EDITHA L. HEARN
PIONEIRA
(1987)
R$ 10,00



REPENSANDO A LEITURA NA ESCOLA
MAURÍCIO DA SILVA
EDUFF
(1995)
R$ 7,98



OS ENDEREÇOS CURIOSOS DE SÃO PAULO
MARCELO DUARTE / ILUSTRAÇÕES MARIA EUGÊNIA
PANDA BOOKS
(1999)
R$ 4,00



AGORA EU SEI! CIÊNCIAS 4 ANO
MARIA TERESA E MARIA ELISABETE ARMANDO COELHO
SCIPIONE
(2013)
R$ 48,00



LA IMAGEN INCONSCIENTE DEL CUERPO
FRANÇOISE DOLTO
PAIDÓS
(1986)
R$ 52,50



O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA - TEATRO VIVO
FERNANDO ARRABAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 10,00



DIÁRIO DE UM ADOLESCENTE HIPOCONDRÍACO
DIÁRIO DE UM ADOLESCENTE HIPOCONDRÍACO
34
(1993)
R$ 7,00



OPTIONS, FUTURES, AND OTHERS DERIVATIVES
JOHN C HULL
PRENTICE HALL
(1999)
R$ 250,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês