Digestivo nº 127 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The perfect servant
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
Mais Recentes
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 2/4/2003
Digestivo nº 127
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> The Spooky Art
Embora tenha sido escrito no dia 27 de fevereiro e publicado no "The New York Review of Books" de 27 de março, o ensaio de Norman Mailer sobre a guerra do Iraque é o que há de mais pertinente para se ler sobre o assunto. Soa mais ou menos óbvio que as melhores análises sobre o conflito, que envolve a política doméstica dos Estados Unidos, saiam de penas que acompanham o dia-a-dia de democratas e republicanos - assim como os melhores perfis de Lula só podem sair da cabeça de gente que conhece os meandros da política que se faz no Brasil. Além disso, o sujeito precisa traçar paralelos com outras guerras e outros conflitos semelhantes, dentro e fora da América do Norte. Por último, é necessário saber escrever. Reunir essas três qualidades, hoje, numa única pessoa é quase impossível. Aqui, para começar, os jornalistas estão dominados pela ideologia de seu partido: cada um vai contar a história "do seu jeito". Depois, poucos viveram, por exemplo, o Vietnã - sendo cronologicamente incapazes de comparações fundamentais entre, digamos, Donald Rumsfeld e Robert S. McNamara. Para terminar, escrever, de verdade, muito poucos sabem. Então Norman Mailer - 80 anos, jornalista ativo, escritor entre os maiores dos Estados Unidos - dá um banho em cadernos inteiros que a imprensa brasileira diariamente regurgita sobre a guerra. Mailer intitula seu ensaio "Only in America", algo como: "Só [mesmo] nos Estados Unidos". A seguir, parte de uma reconstituição do fenômeno George W. Bush que remonta ao governo Bill Clinton, atravessa o escândalo Monica Lewinksi e se consolida com a derrota de Al Gore numa eleição e numa apuração macarrônicas. Refresca a nossa memória sobre a figura biônica do ditador Saddam Hussein, estabelece a comparação básica com Osama bin Laden e termina concordando que a briga, mais que por terrorismo, é por petróleo. Mas não absolve a Europa de todas as suas culpas, nem inocenta a China ou a Rússia (seu passeio pela guerra fria é igualmente notável). Engata, contudo, um raciocínio que é dinamite pura: Bush, os republicanos e os neoconservadores de última hora, no fundo, querem é "salvar o mundo". Reverter a liberação sexual, o lixo atômico produzido pela mídia, a força ameaçadora das "minorias" reinantes. Mais do que o discurso, é a luta do "bem" contra o "mal" - e a mensagem do império nunca esteve tão clara: "Se nós não desviarmos o mundo do caos e do mau caminho, quem o fará?". Esse é Norman Mailer, emulando George W. Bush. Deleite puro. A imprensa brasileira deveria urgentemente traduzi-lo, e elevar a discussão a um patamar mais adequado. [Comente esta Nota]
>>> Only in America
 



Literatura >>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
Oswald de Andrade foi provavelmente a figura mais emblemática do modernismo brasileiro. Tanto na vida quanto na obra. Quando Vinicius de Moraes faleceu, Carlos Drummond de Andrade comentou: "Eis um poeta que viveu como poeta". O mesmo se aplicaria à disputa entre os Andrades da Semana de 22: Oswald e Mário. Entre o teórico e o prático, "Um homem sem profissão", as relançadas memórias do autor de "João Miramar", faz pender a balança da realização literária para o lado do Antropófago. Oswald é ainda escritor atualíssimo (ao contrário de seus seguidores concretos), senhor de uma prosa limpa, jornalística, livre de conectivos e de embaraçosos neologismos. É o pai da simplificação moderna da escrita, reverberada em veículos como "O Pasquim" (o original) e em jornalistas como Millôr Fernandes e Paulo Francis. O beletrismo de Olavo Bilac e Coelho Neto provocava-lhe horror e o Antropófago fez o possível para banir sua influência das letras brasileiras. Quase conseguiu. (Infelizmente.) A diferença entre Oswald e seus antagonistas se faz sentir nas páginas arejadas, ainda que telegráficas, de "Um homem sem profissão". Trata-se da primeira parte do projeto memorialístico (em três tomos) que Antonio Candido sugeriu ao autor de "Serafim Ponte Grande". Oswald, reduzido a um sexagenário adoentado, amargava o ostracismo de pés inchados, quando foi convencido pelo amigo a narrar suas peripécias antropofágicas. E é com divertido "élan" que ele passeia por suas lembranças de uma São Paulo do início do século (XX), onde deu os primeiros passos como homem, como escritor e como agitador cultural. Ficamos sabendo como seu pai, o vereador José Oswald, se tornou um dos brasileiros mais ricos de seu tempo, ao arrendar e nomear a região hoje conhecida como Cerqueira César. Acompanhamos o desempenho escolar do protagonista nos colégios Caetano de Campos e São Bento, sua passagem tumultuada pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e seus empreendimentos na seara jornalística, como "O Pirralho". E claro, como não poderia deixar de ser, exploramos o desabrochar de uma sexualidade vibrante, mãe de amores eternos: Kamiá, Landa e Daisy. (Ainda viriam Tarsila, Pagu e Maria Antonieta D'Alkmin.) Para além da importância do modernismo brasileiro, se ainda há algo para ser lido, são os escritos de Oswald de Andrade. E esses têm, em "Um homem sem profissão", seu melhor começo. [Comente esta Nota]
>>> Um homem sem profissão - Oswald de Andrade - 236 págs. - Globo
 



Cinema >>> Realismo fantástico
Embora tarde pelo menos dois anos (entre concepção, realização e contato com o público) e embora mobilize uma estrutura e uma quantidade de pessoas nem de perto comparável ao que acontece nas demais artes, o cinema brasileiro é o que parece estar mais próximo da realidade brasileira. Mesmo nas suas limitações e nos seus exageros. Pegue o caso de "Durval Discos", por exemplo: aquela abertura, flutuando pelas ruas de São Paulo, filmando calçadas esburacadas, realçando cartazes mal-ajambrados, enquadrando portas de padaria, é muito mais significativa, para o espectador médio, do que a música, a literatura e as artes plásticas que atualmente são produzidas. Beto Brant, Fernando Meirelles, Domingos de Oliveira e Hector Babenco encontraram uma voz, e uma ressonância (junto à audiência), que hoje em dia muito poucos artistas, nos mais diversos métiers, podem se gabar de ter. Neste princípio do século, no Brasil, a mensagem do nosso cinema tem sido a mais direta e a mais contundente. Por essa trilha, segue o longa de Anna Muylaert, ovacionado em Gramado (2002), com nada mais nada menos que sete kikitos. Conta a história, obviamente, de um dono de loja de discos (de vinil), o Durval (Ary França), e de sua mãe (Etty Fraser), que dividem um sobrado. Certo dia, resolvem contratar uma empregada (Letícia Sabatella), cuja suposta filha (Isabela Guasco) vai causar uma reviravolta em suas vidas. O centro das atenções, que no início parecia ser a própria Durval Discos, se desloca para a criança, Kiki, que passa docemente a tiranizar a existência daqueles que a paparicam. A adulação assume tons surreais, como quando a personagem de Etty Fraser adquire um cavalo, e instala-o no quintal, para agradar a menina. Já o personagem de Ary França enlouquece num outro sentido: quando percebe que a mãe começa a torrar as economias da família (por causa da "netinha"), mostrando-se disposta até a matar, para não se separar de Kiki. Como a primeira metade se concentra na música, a trilha sonora é um dos destaques de "Durval Discos". A crítica certamente se viu conquistada pelo final hiperbólico, misturando demência e lirismo. O filme termina então como uma experiência válida, ora se aproximando, ora se distanciando da platéia. Ideal para quem se interessa pelo absurdo e pelo bizarro, reafirmando que o nosso cinema também já preencheu essa lacuna. [Comente esta Nota]
>>> Durval Discos
 
>>> MAU HUMOR

"Uma coisa que se deve dizer a favor das crianças é que elas não saem por aí exibindo fotos de seus avós." (Fran Lebowitz)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)

>>> UMA CHARGE DE DIOGO SALLES

clique aqui e visite o site do Diogo

>>> AVISO AOS NAVEGANTES

O site do Digestivo Cultural passou por problemas técnicos, na última semana, e alguns Leitores acabaram não recebendo o "Digestivo nº 126". A esses, o Editor pede desculpas e indica este link, onde o mesmo boletim encontra-se disponível.
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/4/2003
19h07min
Não sei,não,Julio Daio; querem nos fazer crer que Mário de Andrade era o inversus de Oswald de Andrade. Eu nunca pensei assim,apesar de os irmãos Campos terem proposto esse confronto. Não creio, Mário de Andrade era mais culto que Oswald de Andrade,este bem mais imaginativo.Em termos gerais,eu creio que ambos se completavam e até se locupletavam, mas os doutos senhores do apocalipse nos deram outra idéia do que ocorreu. Mario brigou com Oswald porque este tentou diminuí-lo e, quando foi questionado, Oswald disse "eu menti!" Ou seja, Macunaíma é biografia de Oswald de Andrade, feita como fabulário, mas ambos tiveram a mesma dimensão. Essa nossa mania de que alguém tem de ser maior do que outro é que nos impede de perceber. Somos cínicos, em termos filosófico,ou talvez, raciocínico. Mário de Andrade foi o mentor da Semana de Arte Moderna, Oswald de Andrade foi o melhor criador, mas ambos foram maiores do que os que hoje tentam julgá-los. AB.
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEMINÁRIOS INTERNACIONAIS MUSEU VALE - ARTE EM TEMPO INDIGENTE
ALMERINDA LOPES E FERNANDO PESSOA
SUZY MUNIZ
(2008)
R$ 8,00



NO MUNDO COM AS MULHERES
NEO GÊMI - MARCOS MARTINO - LUÍS CORINGA
MAZA
(2002)
R$ 6,90



PORTUGAL BUILDING UP A COUNTRY
DIVERSOS AUTORES
COMISSÃO NACIONAL PARA AS C
(1992)
R$ 42,43



JOSÉ DE ALENCAR : AMOR Á VIDA
ELIANE CANTANHÊDE
PRIMEIRA PESSOA
(2010)
R$ 5,00



PLANTAS DE INTERIOR JARDINAGEM PRÁTICA
PIERRE NESSMANN
GIRASSOL
(1996)
R$ 27,19



O GRANDE VENDEDOR LOJISTA - A SATISFAÇÃO DE SERVIR
OSVALDO A. BENDER
SULINA
(1985)
R$ 5,00



QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!, RECORDANDO OS ANOS 60
CARMEN POSADAS
TEMAS DA ACTUALIDADE
(1991)
R$ 15,86



YEMANJÁ: A RAINHA DO MAR - 5ª EDIÇÃO
ARIOMAR LACERDA
PALLAS
(2003)
R$ 23,95



CURA ESPIRITUAL - UMA INVESTIGAÇÃO
ALEXANDRE DE SANTI
ABRIL
(2015)
R$ 13,31



CÂNDIDO OU O OTIMISMO
VOLTAIRE
MARTIN CLARET
(2010)
R$ 7,90





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês