O perfeito cozinheiro das almas deste mundo | Digestivo Cultural

busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
>>> A reação do cinemão
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Minha história com Marisa Monte
>>> Eu não uso brincos
>>> Meu filho e minha mãe
>>> Literatura para quê?
Mais Recentes
>>> Destino de Ally Condie pela Suma De Letras (2011)
>>> Contágio de Robin Cook pela Best Bolso (2008)
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> O Teatro de Um Homem Só de Ademar Guerra pela Senac
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> Turbilhão de James Clavell pela Record (1986)
>>> O Lesbianismo no Brasil de Luiz Mott pela Mercado Aberto (1987)
>>> 3001 A Odisséia Final de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1997)
>>> Wilhelm Reich: Biografía de una idea, de Luigi de Marchi pela Ediciones Penisula (1970)
>>> Gai-jin Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Record (1995)
>>> Duas Mulheres de Martina Cole pela Record (2008)
>>> O Trono Lobo Gris Vol. III de Cinda Williams Chima pela Suma De Letras (2015)
>>> Sr. Daniels de Brittainy C. Cherry pela Record (2015)
>>> A Viagem De Theo de Catherine Clement pela Cia. Das Letras (1998)
>>> O Centro E As Margens: Prostituic§aƒo E Vida Boe‚mia Em Londrina, 1930-1960 de Antonio Paulo Benatti pela Aos Quatro Ventos (1999)
>>> Casa Nobre Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Circulo do Livro (1981)
>>> O Livro Dos Espelhos de E. O. Chirovici pela Record (2017)
>>> O Meio Irmao de Lars Saabye Christensen pela Objetiva (2005)
>>> Cidade Das Cinzas de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> O Fantasma Dos Grandes Bancos de Arthur C. Clarke pela Publicações Europa-américa (1990)
>>> Segredos Destruidores de Mary Higgins Clark pela Record (2007)
>>> Casa Nobre Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Record (1981)
>>> Armada de Ernest Clyne pela Leya (2015)
>>> O Codex Dos Cacadores De Sombras de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> O Retorno De Merlim de Deepak Chopra pela Rocco (1996)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Segunda-feira, 31/3/2003
O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
Julio Daio Borges
+ de 2000 Acessos




Digestivo nº 127 >>> Oswald de Andrade foi provavelmente a figura mais emblemática do modernismo brasileiro. Tanto na vida quanto na obra. Quando Vinicius de Moraes faleceu, Carlos Drummond de Andrade comentou: "Eis um poeta que viveu como poeta". O mesmo se aplicaria à disputa entre os Andrades da Semana de 22: Oswald e Mário. Entre o teórico e o prático, "Um homem sem profissão", as relançadas memórias do autor de "João Miramar", faz pender a balança da realização literária para o lado do Antropófago. Oswald é ainda escritor atualíssimo (ao contrário de seus seguidores concretos), senhor de uma prosa limpa, jornalística, livre de conectivos e de embaraçosos neologismos. É o pai da simplificação moderna da escrita, reverberada em veículos como "O Pasquim" (o original) e em jornalistas como Millôr Fernandes e Paulo Francis. O beletrismo de Olavo Bilac e Coelho Neto provocava-lhe horror e o Antropófago fez o possível para banir sua influência das letras brasileiras. Quase conseguiu. (Infelizmente.) A diferença entre Oswald e seus antagonistas se faz sentir nas páginas arejadas, ainda que telegráficas, de "Um homem sem profissão". Trata-se da primeira parte do projeto memorialístico (em três tomos) que Antonio Candido sugeriu ao autor de "Serafim Ponte Grande". Oswald, reduzido a um sexagenário adoentado, amargava o ostracismo de pés inchados, quando foi convencido pelo amigo a narrar suas peripécias antropofágicas. E é com divertido "élan" que ele passeia por suas lembranças de uma São Paulo do início do século (XX), onde deu os primeiros passos como homem, como escritor e como agitador cultural. Ficamos sabendo como seu pai, o vereador José Oswald, se tornou um dos brasileiros mais ricos de seu tempo, ao arrendar e nomear a região hoje conhecida como Cerqueira César. Acompanhamos o desempenho escolar do protagonista nos colégios Caetano de Campos e São Bento, sua passagem tumultuada pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e seus empreendimentos na seara jornalística, como "O Pirralho". E claro, como não poderia deixar de ser, exploramos o desabrochar de uma sexualidade vibrante, mãe de amores eternos: Kamiá, Landa e Daisy. (Ainda viriam Tarsila, Pagu e Maria Antonieta D'Alkmin.) Para além da importância do modernismo brasileiro, se ainda há algo para ser lido, são os escritos de Oswald de Andrade. E esses têm, em "Um homem sem profissão", seu melhor começo.
>>> Um homem sem profissão - Oswald de Andrade - 236 págs. - Globo
 
Julio Daio Borges
Editor
Quem leu esta, também leu essa(s):
01. O senhor é escritor? (Literatura)
02. Um novo olhar sobre o cotidiano (Artes)
03. O pior cego é o que vê tevê (Televisão)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grandes Esperanças - Ediçãi Bilíngue Português-inglês
Charles Dickens
Landmark
(2017)



Livro Ensino de Idiomas American Think Combo 1A Students Book and Workbook A2
Herbert Puchta e Outros
Cambridge
(2016)



Livro Ciência Política Década Perdida Dez Anos de Pt no Poder
Marco Antonio Villa
Record
(2014)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira The Memory Chalet
Tony Judt
Penguin Books
(2011)



Dictionnaire Illustré Du Rock
Christophe Goffette
Larousse Fr
(2005)



A Cura do Cérebro
Adriana Fóz
Novo Século
(2012)



The One World Tarot
Lena, Rose / Seanna Rodriguez
St. Martin's Publishing Group
(2022)



O Quarto Tesouro
Todd Shimoda
Mayara Enohata
(2016)



Glossário de Termos Técnicos do Espetáculo
Geir Campos
Ediouro



Como Conduzir Seminários e Workshops
Robert L. Jolles
Papirus
(1996)





busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês