Digestivo nº 170 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 14/4/2004
Digestivo nº 170
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos




Internet >>> Surviving IPO Fever
E o Google é a mais nova bolha da internet. Quem diria... A internet não tinha acabado? A “bolha” não era uma insanidade financeira relegada ao passado? A nova economia não havia sido apontada simplesmente como a “velha” reciclada? Se os profetas da era digital desapareceram, na aurora do século XXI, os catastrofistas, também. O Google, como todo mundo sabe, começou como uma ferramenta de busca. Diferente do Yahoo! (e do seu equivalente brasileiro, o Cadê?), que começou (começaram) como um “bookmark” (ou “lista de favoritos”, para traduzir). Diferente também do Altavista, que começou como ferramenta de busca – mas que não soube evoluir, pois jamais pôde separar o “joio” do “trigo”. Aparentemente, a grande novidade do Google era “ranquear” os endereços de acordo com a preferência dos usuários (leia-se: através do número de cliques). Seria então uma “busca inteligente”, onde os “melhores” subiriam para as primeiras posições, e os “piores” desceriam para as últimas. Mas isso, aparentemente também, não é um “modelo de negócio”. Ou seja: – Como se ganha dinheiro com isso? Reza a lenda que o Google começou a vender “links” pagos, à direita de cada página – gerando uma taxa de resposta cinco vezes maior que a dos banners: 15%. E, segundo a “Wired” (de março deste ano), pôde evoluir de alguns milhões de dólares (receitas) em 2000 e 2001 para mais de 100 milhões em 2002 e para aproximadamente 900 milhões em 2003. Agora o Google vai para a bolsa de valores. Está bem: antes se desdobrou em serviço de notícias, em “Zeitgeist”, em comunidades virtuais e até – dizem – em e-mail gratuito (o não-tão-secreto-assim “Gmail”). O temor, ainda segundo a revista, é perder a competição para a já anunciada ferramenta de busca da Microsoft (como a Netscape perdeu a guerra dos browsers). Ou crescer tanto a ponto de tropeçar nas próprias fusões & aquisições (Yahoo! e AOL). Ou, por fim, acabar nas malhas da justiça americana, que teoricamente impede o monopólio (Windows, Internet Explorer e Microsoft). Será que o céu é o limite para Larry Page e Sergey Brin, os inventores do Google? Desta vez, a internet não sabe a resposta. [Comente esta Nota]
>>> Wired
 



Cinema >>> Alto astral, altas transas, lindas canções
Gilberto Gil não entendia porque estava sendo preso, depois de declarar que “gostava da maconha”. Caetano Veloso insistia para que Florianópolis fosse incluída na turnê, porque “ele e Gil” apreciavam muito a cidade. Maria Bethânia, irritada se maquilando e concedendo entrevista, declarava que “veado” e “não-veado” era tudo igual. Gal Costa, antecipando a indumentária de Marisa Monte, sorria despreocupada com sua gengiva. Eram, em 1976, os Doces Bárbaros – em 1º de abril de 2004, no telão do Vivo Open Air, armado no Jockey Club de São Paulo. As pessoas se trombavam, com pipocas a tiracolo (eram grátis), nas subidas e descidas – ao mesmo tempo em que pulavam as grades para garantir um melhor assento (reservado). Enquanto isso, o quarteto executava “Fé cega, faca amolada”, de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos; justificava seu planejamento (de lançamento) com uma solene “falta de planejamento”; misturava referências orientais com africanas e indígenas; cultivava uma magreza de faquir; transbordava em alegria no palco – num desejo supostamente despretensioso e infantil de transformar o Brasil. Conseguiram? Surpreendentemente, vendo o filme, parece que atribuímos, aos Doces Bárbaros, uma importância que nem eles mesmos, na época, se atribuíam. Como (a)os Beatles. Inconscientes daquilo que realizavam (mudar o mundo), John, Paul, George e Ringo morreriam sem entender o que – naqueles anos – teria acontecido. “Nós éramos apenas uma banda que se tornou muito, muito grande. E é tudo”, resumiria Lennon. “O planeta estava enlouquecendo e, de repente, nós éramos os culpados”, concluiria Harrison. No caso dos Doces Bárbaros, não dá para entender, por exemplo, como um disléxico Gilberto Gil conseguia compor; como uma meninota Maria Bethânia tinha aquela voz de trovão; como um simplesmente altivo Caetano Veloso organizava movimentos (artísticos); como uma arisca Gal Costa arrancaria, outro dia, aplausos de uma platéia embevecida. Se em matéria de atitude os “Bárbaros” não estavam muito longe dos atuais “Tribalistas” (descontando-se o retardo mental destes últimos), a produção musical se revelaria muito menos dependente de seus agentes do que do “entorno”. E se a intuição não mudou nestas décadas, já a realização... quanta diferença. [Comente esta Nota]
>>> Vivo Open Air
 



Literatura >>> Um Trono em Minha Alma
São Paulo fez 450 anos em janeiro, mas nem todo mundo conseguiu processar a efeméride em todos os seus desdobramentos. Um deles foi o livro “A capital da solidão”, de Roberto Pompeu de Toledo, lançado já no ano passado (é verdade), pela editora Objetiva. O autor, também colunista de “Veja”, publicou a mais divertida e informativa crônica sobre a cidade nos últimos tempos. Parte das origens, como indica o subtítulo, revisitando Manuel da Nóbrega, José de Anchieta, João Ramalho, Bartira e Tibiriçá, para desembarcar nos primeiros anos do século XX, quando Oswald de Andrade se enroscava com Isadora Duncan, Ramos de Azevedo conferia nova feição à capital da província e Joaquim Eugênio de Lima concebia a emblemática Avenida Paulista. A tese de Roberto Pompeu de Toledo, lançada logo na introdução, é a de que São Paulo poderia ter falhado como cidade – dado o seu isolamento (a quase intransponível barreira da Serra do Mar, que desanimou os portugueses mas que encorajou os jesuítas). A Vila de Piratininga, que nasceu das disputas entre padres e índios, poderia ter ficado só nisso – mas lançou as “bandeiras” que praticamente descobriram as Minas Gerais; foi entreposto entre o café, do Vale do Paraíba e do interior do (hoje) estado, e o porto de Santos; abrigou uma das primeiras faculdades do País (a de Direito do Largo São Francisco); capitaneou a industrialização e adquiriu importância política ao formar algumas das principais lideranças a partir do século XIX. Como aquele povoado estabelecido às margens do Anhangabaú resultou nesta frenética metrópole – é a pergunta que Pompeu de Toledo indiretamente responde ao longo de mais de 500 páginas. Sua prosa é saborosíssima, misturando dados e informações colhidas em vasta bibliografia com observações argutas e bem-humoradas – como se nos arrastasse para um bate-papo sobre essa cidade com quem convivemos diariamente, mas que conhecemos tão mal. Compreender como ela veio se arrastando desde o Pátio do Colégio, até a Rua Direita, até a Barão de Itapetininga, passando pela Praça da República, subindo a Consolação, espalhando-se por Higienópolis, fixando-se na Paulista (para descer, de novo, do lado oposto) é muito mais que matar uma curiosidade histórica: é também dar o primeiro passo na direção de uma megalópole mais habitável. [Comente esta Nota]
>>> A capital da solidão - Roberto Pompeu de Toledo - 560 págs. - Objetiva
 

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* A Revolução dos Cravos - 30 Anos de Um Novo Portugal - Lincoln Secco (2ª f., 12/4, 19hrs., CN)
* Jogando Cinco Marias - Marcelino Freire, Denise Silveira e poeta Fabrício Carpinejar (3ª f., 13/4, 19h30, CN)

>>> Noites de Autógrafos
* Do Positivismo à Desconstrução: Idéias Francesas na América - Leyla Perrone-Moisés (3ª f., 13/4, 18h30, CN)
* O Baú do Guerrilheiro - Ottoni Fernandes Jr.
(4ª f., 14/4, 18h30, CN)
* Teatro Baiano (1990-2000) - Ana Paula Dantas
(5ª f., 15/4, 18h30, VL)
* Terra de Ninguém - Contardo Calligaris
(Sáb., 17/4, 11hrs., CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Duo As You Like It
(2ª f., 12/4, 20hrs., VL)
* Blues In The Air - Traditional Jazz Band
(6ª f., 16/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Carlos Henry e Conjunto Flor Amorosa
(Dom., 18/4, 18hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UFO VISITATION: PREPARING FOR THE TWENTY-FIRST CENTURY
ALAN WATTS
BLANDFORD PR
(1996)
R$ 50,00



NOVA CHANCE PARA A VIDA
FRANCISCO ROBERTO DE CARVALHO
BOA NOVA
(2015)
R$ 10,00



A FLECHA DE DEUS
CHINUA ACHEBE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 48,50
+ frete grátis



A PAIXÃO DO PODER
ARELO SEDERBERG
RECORD
(1980)
R$ 8,00



VEJA CONTRATADO
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
R$ 7,00



OS MENINOS DA NAVE FAZDECONTA
MERY WEISS
MODERNA
(1982)
R$ 8,00



100 DICAS INFALÍVEIS PARA EMAGRECER E SE MANTER EM FORMA
FRED A. STUTMAN
SEXTANTE
(2010)
R$ 10,00



O FACEBOOK COMO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM
ADRIANA ALVES NOVAIS SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



100 PETITES EXPÉRIENCES EN PSYCHOLOGIE DU CONSOMMATEUR : POUR MIEUX CO
NICOLAS GUÉGUEN
DUNOD
(2005)
R$ 30,00



VOCABULÁRIO NOTURNO (1942-1945)
JACQUES DO PRADO BRANDÃO
IMPRENSA OFICIAL
(1947)
R$ 200,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês