Digestivo nº 199 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Busca ao Santo Graal
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A Arte de Odiar
>>> Três Irmãs
>>> Sempre procurei a harmonia
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> O ensaísta Machado de Assis
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Princípios de Marketing de Philip Kotler pela Afiliada (1995)
>>> A Arte de Desfrutar o melhor da Vida - Rico sem Dinheiro de Alexander Von Shonburg pela Gente (2007)
>>> Administrando o Stress de Maria Amélia Vallim de Oliveira pela Gente (1996)
>>> O Mal-Estar da pós-Modenidade de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (1997)
>>> A Morte da Porta Estandarte e Tati, A Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado pela José Olympio (1977)
>>> Ilustração de Moda Masculina de Chidy Waine pela Paisagem (2011)
>>> Deus no pasto de Hermilio Borba Filho pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Brasil - O romance (2 volumes) de Erroll Lincoln Uys pela Best Seller (1986)
>>> A metamorfose de Franz Kafka pela Nova Época (1989)
>>> Diário Intimo de Franz Kafka pela Livraria exposição do livro (1964)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (2011)
>>> Paula de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (1997)
>>> História de lince de Claude Lavi-Strauss pela Companhia das letras (1993)
>>> Vida, universo e sabe lá o que mais de Douglas Adams pela Brasiliense (1988)
>>> Nuvens de pássaros brancos de Yasunari Kawabata pela Nova Fronteira (1993)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> O processo de Franz Kafka pela Círculo do livro (1963)
>>> Ilustrando o Cerrado de Geni ALexandria pela IPHAN (2002)
>>> Cartas aos meus amigos de Franz Kafka pela Nova Época (1978)
>>> Josefina, a cantora de Franz Kafka pela Clube do livro (1977)
>>> As idéias de Freud de Richard Wollheim pela Círculo do livro (1971)
>>> Estudos sobre teatro de Bertold Brecht pela Nova Fronteira (1978)
>>> A ilha de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Também o cisne morre de Aldous Huxley pela Livros do Brasil
>>> A situação humana de Aldous Huxley pela Globo (1982)
>>> O grande problema de Aldous Huxley pela Livros do Brasil (1989)
>>> As portas da percepção - O céu e o inferno de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela Siciliano (1992)
>>> Na toca do leão de Ken Follett pela Record (1986)
>>> A colonia penal de Franz Kafka pela Nova Época
>>> Trump - Atrás dos bastidores de Jerome Tuccille pela Siciliano (1988)
>>> Nos ombros do cão de Miguel Jorge pela Siciliano (1991)
>>> Rei, valete, dama de Vladimir Nabokov pela Artenova (1976)
>>> O que esperar quando você está esperando: Um guia completo para a gravidez de Heidi Murkoff; Arlene Eisenberg; Sandee Hathaway pela Record (2012)
>>> Eminencia parda de Aldous Huxley pela Hemus (1978)
>>> A verdadeira vida de Sebastião Knight de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1961)
>>> Ada ou ardor de Vladimir Nabokov pela Record (1969)
>>> Os Livros e a Camiseta Listrada: Crônicas e Memórias de um Torcedor de Thiago Ingrassia Pereira pela Cirkula (2015)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1959)
>>> O despertar do mundo novo de Aldous Huxley pela Hemus (1977)
>>> Adonis e o alfabeto de Aldous Huxley pela Hemus (1972)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne; Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Satãnicos e visionários de Aldous Huxley pela Cea (1975)
>>> Geração devassa de Aldous Huxley pela Hemus (1974)
>>> Somos todos arlequins de Vladimir Nabokov pela Record (1974)
>>> O mago de Vladimir Nabokov pela Nova Fronteira (1987)
>>> Desespero de Vladimir Nabokov pela Record (1966)
>>> Fogo pálido de Vladimir Nabokov pela Guanabara (1985)
>>> Do Outro Lado do Muro de Maria Paula Roncaglia pela Escrita Fina (2010)
>>> Não se Desespere! Provocações Filosóficas de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2014)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 3/11/2004
Digestivo nº 199
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Once upon a time in America
Se a cultura americana não tivesse servido para nada, teria servido ainda para produzir Quentin Tarantino. (Eu acho que já disse isso a propósito de Kill Bill 1; se disse, volto a repetir a propósito de Kill Bill 2.) Tarantino, para dizer o óbvio, é o maior cineasta americano em atividade hoje; e, para ir além, talvez seja o mais genuíno, desde as últimas décadas do último século. Pois, ao emergir da cultura (considerada subcultura) pop, propõe a maior representação da alma americana no período. Se Altman, por exemplo, sofreu injunções do cinema europeu e os Irmãos Cohen, outro exemplo, tendem a estetizar, com pinta de alta cultura, o american way, Tarantino expõe as vísceras de sua sociedade, mas ao contrário do realismo apelativo que temos visto, o faz com requintes de grande arte – e de grande artista. Kill Bill é seu épico, seu testamento e sua homenagem ao cinema. Tudo isso provavelmente já foi dito, mas de outra maneira. E a consagração, finalmente, veio, com o encerramento da saga, recentemente, nos cinemas. É estranho que a “ficha” tenha demorado tanto a “cair”, para o público e para a crítica – já que ambos permaneceram praticamente cegos para a beleza e para o poder que emanava, igualmente, de Kill Bill 1. Precisaram de Kill Bill 2, tanto para entender quanto para incensar Tarantino – sem, no entanto, notar que são duas partes de um mesmo filme, editado por imposição do estúdio, e do mercado. Tanto os enquadramentos inusitados, quanto os diálogos incrivelmente bem escritos, quanto as reviravoltas no roteiro, quanto a trilha sonora imperdível, para dizer o mínimo, já estão todos em Kill Bill 1 – mas ninguém viu ou ouviu até Kill Bill 2. (Enfim: é melhor do que se não tivesse nunca visto ou ouvido; e deixado Tarantino a ver navios...) Se já sobrava muito pouca revolução, em matéria de sétima arte, depois de Pulp Fiction (1994), agora sobra menos ainda. Seguindo esse raciocínio, é quase natural que tenham crucificado Tarantino em Jackie Brown (1997) e que o crucifiquem, também, no próximo filme. Pois, o que poderá, no sentido “tarantinesco” do termo, superar Kill Bill? Muito pouca coisa. Faltaria fôlego, a Tarantino, seu casting e sua produção, para algo “maior” que Kill Bill. Talvez, para sermos conformistas, ele nem precise. Talvez Kill Bill nos entretenha pelos próximos 10 anos, como Pulp Fiction. E isso, para quem decretava a extinção dos grandes diretores, é um alento e uma sobrevida. [Comente esta Nota]
>>> Kill Bill 2
 



Artes >>> Travessia
Élida Marques é o que hoje se chama de mulher-projeto. Como quase todos os artistas sem “emprego fixo” (isso ainda existe?), perambula entre uma realização e outra, entre uma idéia e outra, entre uma iniciativa e outra. Afinal, diante da crise para atores e músicos como Élida, existem duas atitudes possíveis: a criatividade ou a estagnação. Ela escolheu a primeira e, ao mesmo tempo em que permanece aberta ao teatro, toca projetos paralelos como o Tia Margarida e o Ler é uma Viagem. O Tia, como ela diz, percorre casas noturnas em São Paulo, com uma formação de grupo (duas vocalistas, incluindo Élida), e resgata a tradição perdida do samba, desde o início do século passado. Já o Ler, como ela enfatiza, é um esforço de levar a leitura a comunidades carentes e a escolas públicas, formando gerações de leitores por meio da escolha de grandes autores, em novas leituras através de performance quase cênica, com apoio percussivo e musical. Foi assim que Élida Marques e sua trupe divertiram uma platéia, há algumas semanas, na Casa das Rosas, na avenida Paulista. Entre um Lima Barreto e um Machado de Assis, um samba originalmente interpretado por Carmen Miranda ou um solo de clarineta lírico e perturbador. Isso só foi possível porque Élida, numa história que conta para quem quiser ouvir, conseguiu patrocínio da mineradora CBMM, de Araxá, e pôde elaborar cada frase, cada palavra, cada vírgula junto a seus músicos e colaboradores. Apresentou, inclusive, composições de amigos, pautadas na obra de Guimarães Rosa, enquanto encarnava o primeiro encontro entre Diadorim e Riobaldo. Seu desejo é tocar o Ler é uma Viagem também em 2005, estendendo sua abrangência (para outros pontos do Brasil que não apenas a periferia de São Paulo) e integrando ao grupo os colegas que, em edições esparsas, fizeram apenas “participações especiais”. Não é uma ambição de todo impossível, já que foi parcialmente realizada em 2004. Mas, além de admirável, é um trabalho árduo – ainda mais para quem “corre por fora”, na pele de produtora independente, como Élida Marques. [Comente esta Nota]
>>> Ler é uma Viagem
 



Além do Mais >>> Leitura dinâmica
Panorama Editorial é o nome da revista da CBL, a Câmara Brasileira do Livro, uma das poucas entidades de classe ativa (e reativa) neste País. A idéia, da publicação, é abrir um canal, periódico, para discussão de temas do setor livreiro – mas o veículo, em sua primeira edição (setembro de 2004), se revela interessante também para os demais envolvidos (escritores, jornalistas – enfim, a “mídia literária” tupiniquim). Um dos destaques, por exemplo, é a matéria esclarecedora sobre a trajetória e as atividades da editora Cosac & Naify. Desde a opção heróica pelos livros de arte (arte mesmo), no início, até a virada para os títulos infantis (graças ao sucesso de Arthur Nestrovski) e para as grandes traduções (Stendhal, Faulkner – e, mais recentemente, Flaubert). Um dos segredos para a vitória, neste último segmento, – além da “gestão de Augusto Massi – foi escolher obras que caíram em domínio público e oferecer, ao tradutor, os clássicos 10% que, em outros casos (herdeiros), caberiam ao autor. É uma mostra de como a Panorama Editorial vem abordar assuntos básicos, na tônica de quem publica, lê e escreve. Outro destaque, nessa linha, é a reportagem enfocando a relação entre gráficas e editoras – oferecendo revelações mercadológicas fundamentais: entre elas, o fato de que as tiragens (já consideradas minguadas) de 3 mil exemplares de antes estão caindo, em alguns casos, para menos de um milhar na atualidade. As gráficas, instigadas – como tantos outros “negócios” – pelo último boom econômico, investiram numa expansão que não veio e hoje sofrem para se readaptar (apesar da dita “retomada”). No fundo, esses dilemas, do business do livro, afetam toda a “cadeia de produção” e é saudável que a Panorama Editorial venha expô-los com realismo no mais elevado grau. Afinal, editores, escritores e público consumidor terão uma relação mais producente e mais frutífera com seu objeto de fetiche se souberem o que ocorre por trás dos bastidores. Pois, nem só de DVDs vivem os making-ofs... [Comente esta Nota]
>>> CBL
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* Sobre a indignação e a revolta - Jean-François Mattéi, Dominique Folscheid e Georges Lomné
(Qui., 4/11, 19h30, CN)

>>> Palestras
* São Paulo 1860-1960 – A paisagem humana - Ruy Mesquita Filho, José Alfredo Vidigal Pontes, Virgínia Albertini e Vladimir Sacchetta
(Qua., 3/11, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* As relações Perigosas: Brasil-EUA (De Collor a Lula: 1990-2004) - Luiz Alberto Moniz-Bandeira (Qua., 3/11, 18h30, CN)
* Pobreza, exclusão e modernidade: Uma introdução ao mundo contemporâneo - Simon Schwartzman (Qua., 3/11, 18h30, CN)
* Tem alguma coisa errada comigo... - Ademir Carvalho Leite Júnior
(Qui., 4/11, 18h30, VL)
* Memórias de um Gerubal - Roberto de Mello e Souza
(Qui., 4/11, 18h30, CN)

>>> Exposições
* Exposição de Liberman Alfredo
(De 03 a 17 de novembro de 2004, CN)

>>> Shows
* Swinging the Blues - Traditional Jazz Band
(Sex., 5/11, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Maria Alvim e Rick Udler
(Dom., 7/11, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/10/2004
15h18min
engracado, a critica do jornal do rio prefere o primeiro ao segundo. pq insisitir na representacao da alma americana? e' isso mesmo, enfim
[Leia outros Comentários de Mase Lemos]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NEUROLOGIA - EM UMA PAGINA
JON BRILLMAN, SCOTT KAHAN.
GUANABARA KOOGAN
(2007)
R$ 60,00



PRINCIPAIS CULTURAS VOL II
INSTITUTO CAMPINEIRO DE ENSINO AGRARIO
INSTITUTO CAMPINEIRO
(1973)
R$ 7,90



OS TRABALHADORES DO MAR
VICTOR HUGO
PRINCIPIS
(2019)
R$ 14,50



ABC DA MPB
JORGE FERNANDO DOS SANTOS
PAULUS
(2005)
R$ 30,00



POLÍTICAS PÚBLICAS DE TRABALHO E RENDA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO
MARIA OZANIRA DA SILVA E SILVA
CORTEZ
(2006)
R$ 36,00



PALSTIC AND RECONSTRTUCTIVE SURGERY OF THE FACE
FRANK W. PIRRUCELLO
THE WILLIAMS & WILKINS
(1982)
R$ 87,54



E AS ESTRELAS, QUANTAS SÃO?
GIULIA CARCASI
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 7,90



ROUBO DE ESPADAS - REVELAÇÕES DE RIYRIA - VOLUME 1
MICHAEL J. SULLIVAN
RECORD
(2011)
R$ 45,00



POR UMA NOVA CONCEPÇÃO DA SOCIEDADE * UMA ANÁLISE POLÍTICA ...
JOSCHKA FISCHER
SUMMUS
(2001)
R$ 6,90



POWER PIXELS
MIGUEL CHEVALIER
AEROPLANO
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês