Digestivo nº 211 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/1/2005
Digestivo nº 211
Julio Daio Borges

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Literatura >>> Lógica da desconstrução
Kant, o filósofo sistemático de Königsberg, costuma ser o terror dos estudantes de filosofia. Acusado de incompreensível, difícil e mal escrito, ganhou uma edição brasileira que contradiz todo esse histórico em 2004. Foi o livro introdutório de Denis Thouard, pesquisador francês, dentro da coleção “Figuras do Saber”, da editora Estação Liberdade. Kant segue atual pois foi o primeiro a querer “matar” a metafísica propondo uma reforma da filosofia, que já se via ameaçada pela emergência da ciência em sua época. Num rasgo de falta de modéstia, comparou sua Crítica à razão pura (1781) à revolução copernicana, que havia começado a tirar a Terra do centro do universo... Como diz o título, Kant criticava quase toda a filosofia anterior, que, a seu ver, não produzia conhecimento, apenas raciocinava em cima de conceitos. Deduzir, por exemplo, da idéia de “água” que ela era insípida, incolor e inodora não lhe parecia de nenhuma valia, afinal, dentro da concepção de “água” já estavam embutidas tais propriedades (desdobrá-las, portanto, soaria falso e redundante). Seguindo a analogia com Copérnico (mas na via oposta), ele sugeria que se adotasse, pela primeira vez, o ponto de vista do sujeito e não do objeto – levando ainda mais adiante a noção de cogito inaugurada por Descartes. Kant afirmaria que quase nada poderia ser conhecido “em si” e que a nós apenas restaria a possibilidade de conhecer certas coisas em determinado momento do tempo e em determinado ponto do espaço – como fenômeno. Assim, ficavam banidas algumas noções que, como meras abstrações, seriam irrealizáveis na prática. O livro de Thouard, em vez de se perder em especulações idiotas sobre a vida de Kant (como é comum), debruça-se sobre suas três principais obras: além da já citada, também a Crítica da razão prática (1788) e a Crítica do juízo (1790). E se alguém ainda precisa de um gancho para lançar-se na investigação de good old Kant (como se referia a ele Nietzsche), basta lembrar de sua influência sobre dois dos mais fundamentais pensadores a moldar o último século: Hegel e Heidegger. [Comente esta Nota]
>>> Kant - Denis Thouard - 172 págs. - Estação Liberdade
 



Televisão >>> Olha que isso aqui tá muito bom
Roberto Dávila tem se revelado um dos mais constantemente elogiados entrevistadores da televisão. Ao contrário da linha dominante que procura extrair do entrevistado conteúdos bombásticos, Dávila usa de muita educação e parcimônia, inquirindo com suavidade e praticamente deixando o interlocutor falar (coisa rara na atual disputa entre personalidades pelo horário nobre). Quem teve o privilégio de pegá-lo, outro dia, pela noite afora deve ter cruzado com outro personagem arguto e sagaz: Dominguinhos, o sanfoneiro e compositor. Foi um daqueles encontros inacreditáveis que geram dúvidas sobre a transmissão (será que vai sair do ar? será que está mesmo passando?). Dominguinhos, sempre muito modesto e simples em suas aparições, preferindo abrigar-se sob o guarda-chuva de celebridades musicais como Luiz Gonzaga, Gilberto Gil e Chico Buarque, mostrou-se vivíssimo e dono de um papo instigante, com divertidas histórias que poderíamos pedir para nunca mais terminar. Revolveu suas origens em Garanhuns, tocando ainda na infância em feiras, por sugestão da mãe e por impulso do pai (também músico). Evocou a topada de sorte com o Gonzagão, ainda no grupo do tempo de criança, quando recebeu do mestre um contato seu na capital carioca. Revisitou essas experiências em conjunto, quando o pai do Gonzaguinha, em crise, se dizia ultrapassado – e, ao mesmo tempo, encorajava o pupilo a subir no avião, pois, como falava, uma aeronave não podia cair se levava, no seu interior, artistas que trariam “alegria pro povo”. De Gil, recordaria a excursão com o “Xodó” – a canção quase roubada pelos americanos, antes de ser gravada pelo baiano. E de Chico, admiraria a organização: volta e meia o autor da “Banda” desenterraria uma fita, de muitos anos, cuja melodia, já esquecida por Dominguinhos, teria finalmente recebido letra. Roberto Dávila, apesar da contumaz elegância, se deixaria até inebriar pelo charme do convidado, sofrendo lapsos de desinformação, mesmo diante de deduções lógicas, como a de Dominguinhos sugerindo que Luiz Gonzaga teria surrupiado “Asa Branca” de Januário, seu pai. Fora tropeços muito sutis como esse, a conversa fluiu de maneira quase inédita hoje em dia. No meio de um incessante desfile de gente que não tem simplesmente o que dizer na tevê, foi recompensador escutar um músico que não sabe apenas tocar e cantar, mas, também, falar. [1 Comentário(s)]
>>> Conexão Roberto Dávila - Dominguinhos (entrevista)
 



Cinema >>> Nothing but flowers
Em matéria de cinema brasileiro, hoje a grande discussão é sobre a validade ou não do “entretenimento”. A velha guarda – quando não opta abertamente pelo cinemão (como Cacá Diegues em Deus é brasileiro) – refuga ante a possibilidade de se transformar o cinema nacional em indústria. Como vem fazendo a Globo, entre outras produtoras. Assim, muitos diretores de agora, no próprio ato de lançar um longa, já entram na defensiva se justificando antes mesmo que o público ou a crítica tenha uma opinião sobre seu trabalho. É o caso de Jorge Furtado que, em Época, partiu para o ataque, dizendo que nem todos os filmes devem passar mensagem. Ele tem razão, no sentido de que a arte engajada já atingiu a exaustão em muitos setores (como o da recente “cosmética da fome”), mas erra ao entrar no “trem da alegria” dos quase remakes e da mera aplicação de fórmulas. Como Guel Arraes, na releitura de si próprio (Lisbela e o Prisioneiro é praticamente uma remontagem de O Auto da Compadecida). Aliás, Arraes se associou a Paula Lavigne para produzir o recém-chegado Meu tio matou um cara, de Jorge Furtado. Em que pesem a sempre exemplar atuação de Lázaro Ramos e a revelação de Sophia Reis (a graciosa filha que nem parece o pai, Nando), a fita repete os truques de O homem que copiava (2003), penúltima realização de Furtado. Mais uma vez, encontramos o apoio forte na animação e nos recursos de computador; mais uma vez, trombamos com o narrador-personagem, quase onisciente, onipotente, onipresente; e, mais uma vez, a mocinha com final feliz, a intriga policial light, o assistente desastrado e desajeitado. Um crime, uma musa, uma reviravolta. Nada de novo sob o sol... Talvez a insistência em termos de idéias originais (leia-se, também, roteiros e histórias originais) esconda uma certa implicância nossa com o atual primado da forma. Tudo bem, não precisamos reinventar a roda (e revolucionar) e cada obra – mas será que a reciclagem é etica e artisticamente aceitável, considerando-se uma audiência majoritariamente desatenta e desinformada? [Comente esta Nota]
>>> Meu tio matou um cara | Jorge Furtado em Época
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2006
11h02min
Excelente, mais que isso seria redundância.
[Leia outros Comentários de Jorgino Pompeu Jr]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS MIL E UMA NOITES VOL VI
EDUARDO DIAS
LIVRARIA CLASSICA
(1949)
R$ 6,90



DEIXA QUE EU TE AME
ALCIONE ARAÚJO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2011)
R$ 6,99



PHYSICAL ANTHROPOLOGY
PHILIP L. STEIN BRUCE M. ROWE
MCGRAW-HILL
R$ 63,25



PORTLAND - GATEWAY TO THE NORTHWEST
CARL ABBOTT
WINDSOR
(1985)
R$ 60,00



A MORTE DE D J EM PARIS
ROBERTO DRUMMOND
OBJETIVA
(2002)
R$ 5,00



PARANORMAL
GISETI MARQUES
CLARIM
(2015)
R$ 14,90



LIRICA
LUIS DE CAMÕES
CULTRIX
R$ 5,00



SUA SAÚDE NA NOVA ERA
CAMILLO MARASSI LEIJOTO
MADRAS
(2003)
R$ 12,00



BIODIREITO ALIMENTOS TRANSGÊNICOS
MARIA RAFAELA JUNQUEIRA BRUNO RODRIGUES
LEMOS & CRUZ
(2003)
R$ 12,00



FISICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 1 BOX COMPLETO
WILSON CARRON
SCIPIONE
(2014)
R$ 99,90





busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês