Digestivo nº 257 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
>>> Mini-cartografia do prazer gastronômico paulistano
>>> Eu, Marília
>>> A tirania do isolamento
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Desejo, Logo Realizo: a Saude Plena Depende de Nos de Roberto Zeballos pela Fundacao Peirópolis (2010)
>>> Dos and Taboos of Using English Around the World de Roger E. Axtell pela John Wiley & Sons (1995)
>>> O Vinhedo de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Feliz 1958 o Ano Que Não Devia Terminar de Joaquim Ferreira dos Santos pela Record (2008)
>>> Contos de Érico Veríssimo pela Globo (1987)
>>> Cantos: Oficinas de Oração e Vida de Vários Autores pela Folha Artes Graficas (2007)
>>> Machado de Assis (crônicas) - Col. Nossos Clássicos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Série Prisma - Carros Famosos de David Burguess Wise pela Melhoramentos (1970)
>>> Pollyana - Biblioteca das Moças Vol. 89 de Eleanor H. Porter pela Companhia Nacional (1958)
>>> Machado de Assis (poesia) - Col. Nossos Clássicos de Machado de Assis pela Agir (1964)
>>> Junqueira Freire (poesia) - Col. Nossos Clássicos de Junqueira Freire pela Agir (1962)
>>> Pensamentos de um Filósofo Primitivista - Número 1 de Cicero Buark pela Independente (1980)
>>> Berlitz: Portuguese English - Inglês Português de Berlitz pela Berlitz (1982)
>>> Pequeno Dicionário de Sociologia de Clovis Pansani pela Copola (1998)
>>> Pensamento e a Vida - Ditado pelo Espírito Emmanuel de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1998)
>>> Série Prisma - Previsão do Tempo e Clima de A. G. Forsdyke pela Melhoramentos (1975)
>>> Mitos e Lendas da Roma Antiga - Coleção Prisma de Vários Autores pela Melhoramentos (1976)
>>> Meditação: A Arte do Êxtase de Bhagwan Shree Rajneesh pela Cultrix (1976)
>>> Bola de Sebo e Outras Narrativas de Guy de Maupassant pela Expressão Popular (2013)
>>> Dieta Mediterrânea de Dr. Fernando Lucchese e Outro pela L&PM (2005)
>>> Psicologia e Literatura de Dante Moreira Leite pela Editora Nacional (1967)
>>> Antonio Gramsci Uma Vida de Laurana Lajolo pela Brasiliense (1982)
>>> Contradições do Homem Brasileiro de Jornard Muniz de Brito pela Tempo Brasileiro (1964)
>>> Princípios de Ginecologia de Sir Norman Jeffcoate pela Manole (1979)
>>> Semiologia Médica Vol. 1 de Vieira Romeiro pela Científica (1948)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 16/12/2005
Digestivo nº 257
Julio Daio Borges

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Literatura >>> O selvagem da ópera
Se, como disse Keynes – citado por Eduardo Giannetti em seu novo livro sobre juros –, à medida que envelhece, o homem vai desistindo da criação e da construção, e vai se apegando mais ao dinheiro e à segurança, então Rubem Fonseca deve ser uma exceção. Um dos maiores contistas brasileiros vivos, como convém sempre lembrar, nunca produziu tanto como a partir dos seus 65 anos – época que coincide com a consolidação da editora Companhia das Letras (é sabido que o editor Luiz Schwarcz quis, desde o começo, ter em seu catálogo as obras do autor de Feliz Ano Novo). Foram, desde 1990, quatro romances (sendo que um histórico e um biográfico), duas novelas e seis livros de contos – fora antologias, reedições e participações em coletâneas esparsas. Ao contrário de seu personagem Gustavo Flávio, o poeta que detestava ser indagado sobre o que andava escrevendo, Rubem Fonseca, dos anos 90 pra cá, poderia responder sempre positivamente à mesma questão. E desde 1997, especialmente, vem inclusive ressuscitando o próprio Gustavo Flávio e o detetive Mandrake – duas de suas criaturas mais evocadas. Do meio do mundo prostituto, só amores guardei ao meu charuto (1997) mistura, justamente, os dois; e Mandrake: a Bíblia e a bengala (2005) trouxe, evidentemente, Mandrake de volta, solo, em duas histórias policiais escritas e publicadas agora. Tendo em mente esse panorama, de produção alucinante, em uma década e meia, é possível descontar o fato de que, mesmo em grande estilo e forma (para um homem de 80 anos), Rubem Fonseca vem se repetindo um pouco. Ou será que nós – que o lemos e que o amamos tanto – fomos desvendando seus mistérios logo nas primeiras folhas com o passar dos anos? Rubem Fonseca, ainda assim (ainda que não nos surpreenda nem nos desaponte), continua dando aulas de bom português, continua levantando sobrancelhas e sobrolhos, e continua entretendo como poucos. Enfim: o que mais esperar de um autor dando as últimas pinceladas na sua obra? [Comente esta Nota]
>>> Mandrake: a Bíblia e a bengala - Rubem Fonseca - 200 págs. - Companhia das Letras
 



Internet >>> Um flashback, uma atual e um lançamento
Ao mesmo tempo em que está estourando, o podcast, às vezes, parece que não foi ouvido direito. Potenciais ouvintes ainda não entenderam como ele funciona e, volta e meia, se atrapalham com questões básicas como o volume da caixa de som, um fio desconectado ou uma mera configuração de software. Podcast é só clicar e escutar – mas esta proeza, infelizmente, não está ao alcance de todos. Felizmente, porém, Maestro Billy é um dos podcasters que não se abala com esse estado de coisas e bateu um recorde razoável, no meio do podcast brasileiro: mais de 100 programas. Antes, Durante e Depois é como chama o seu show. O centésimo episódio, inclusive, foi uma compilação dos pedidos de ouvintes que costumam acompanhá-lo pelas ondas da Web. Maestro Billy afirma que eles chegam às centenas à sua caixa postal. Qual será a sua fórmula do sucesso? Para o bem ou para o mal, o ADD (abreviatura do título) emula, na internet, um verdadeiro ambiente de FM – e é muito menos autoral do que outras variantes na língua de Camões. Talvez isso explique a sua maior aceitação. Maestro Billy faz um uso muito hábil de vinhetas, divulga novidades, toca oldies but goldies, fornece notícias e mistura deliberadamente estilos. As más línguas devem acusá-lo de “sem personalidade” ou de eclético demais, mas o certo é que agrada, ponto. Maestro Billy está sentindo na pele o retorno, e está tão animado com a experiência que, em entrevista a Edgard Costa, revelou planos de estruturar e de explorar (comercialmente?) o formato. Andou palestrando, em Curitiba, na primeira conferência sobre o assunto – e já desperta interesse o material que elaborou especialmente para a ocasião. Chega a ser empolgante a maneira com que esses pioneiros do podcast brasileiro se agarram à sua prática, mesmo que haja dúvidas sobre seu futuro. Que eles confirmem suas melhores esperanças, pois o Brasil não pode perder, mais uma vez, o bonde – como perdeu o dos blogs. [Comente esta Nota]
>>> Maestro Billy
 



Artes >>> Chiaroscuro
Pelo menos em matéria de arte, parece que todo mundo tem consciência da importância de períodos como o da Renascença. Ter, tem – mas não quer averiguar. O interessado médio fica naquelas noções básicas sobre Leonardo, Michelangelo e outros dos quais nem se lembra mais. Quando muito apela para um modismo envolvendo algum desses artistas, como foi, de uns tempos pra cá, a leitura, para muitos reveladora, de O Código Da Vinci... Para desembaraçar o emaranhado de hipóteses e suposições, e para aprofundar as mesmas vagas noções artísticas que adquirimos – a princípio – desde a infância, surgem os cursos de – por que não dizer? – História da Arte, da professora Tereza Aline Pereira de Queiroz, na Casa do Saber. Embora temas como o do Renascimento, do Barroco e do Rococó, por exemplo, sejam vastíssimos, Tereza concentra seu saber em algumas aulas, abordando um ou dois artistas, acompanhada de slides, de maneira que seu conhecimento flui e, paulatinamente, a nuvem de ignorância se dissipa. Ultimamente, varreu o pó das nossas idéias sobre os mesmos Leonardo e Michelangelo, reintroduzindo outros mestres esquecidos como Donatello e Rubens, e totalmente nos revelando a dimensão de assinaturas como a de Mantegna e mesmo a presença meio estrambótica de figuras como o Arcimboldo, resgatado pelos surrealistas e seus delírios virtuosísticos. Tereza, ainda que muito culta, não nunca é cerimoniosa e é sempre muito divertida. Em outras palavras: mesmo desfolhando a informação em camadas, não soa pernóstica, rindo do que é forçosamente ridículo e despertando a simpatia dos circunstantes. Em alguns meses de Casa do Saber, já tem seguidoras – discípulas? – que a acompanham, de curso em curso, como sói acontecer com os professores mais populares... E quando se imaginava uma especialista restrita ao domínio da Renascença, eis que Tereza surge ministrando aulas sobre o Romantismo na pintura e até, num considerável salto temporal, sobre o Impressionismo. Impossível captar todas as nuances, e principalmente guardá-las para si, em obras e artífices. Talvez o maior mérito de Tereza Aline Pereira de Queiroz seja, como todo bom professor de artes plásticas, despertar a famosa educação do olhar. Saímos então do nosso vôo cego e partimos para uma visita guiada – pelas mãos da mestra. [Comente esta Nota]
>>> Casa do Saber
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/12/2005
16h03min
Rubem Fonseca é um dos nossos grandes contistas e desde a década de 70 que, ainda pouco conhecido, eu me delicio com suas estórias e seu estilo bastante pessoal de contá-las. Ele é um patrimônio cultural inegável e é bem lembrado que continua a produzir como nunca e de maneira enérgica. Nós merecemos, já que a grande Clarice já se foi e que, a meu ver, faz par com Rubem quando se fala de contos. Julio, fica aqui os meus parabéns pela sua matéria.
[Leia outros Comentários de isa fonseca]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Les Critiques de Notre Temps et Malraux
Pol Gaillard
Garnier Freres
(1979)



A Luneta Mágica
Joaquim M. de Macedo
Ática
(1990)



Terco de Aparecida na Historia de Nossa Senhora
Mancilio- Ferdinando
Santuário



Emergências Pediátricas
Eduardo Jorge da Fonseca Lima
Medbook
(2011)



Antologia Tango Poesia: 1º Concurso de Tango
Vários Autores
Gráfica Botânica
(2002)



Filosofando- Untrodução á Filosofia- Vol único
Maria Lúcia de Arruda e Maria Helena Pires
Moderna
(2009)



Dicionário de Italiano - Português ( Edição Portuguesa ) Giuseppe Mea
Giuseppe Mea
Porto
(1996)



Dependência na Prática de Exercícios Físicos: um Estudo Com Marat
Revista Brasileira Medicina Esporte (1, 2 e 5)
Sbme
(2003)



O Dobra do Destino
Marta Luzie
Sette Letras
(1999)



Art: the Way It is - Terceira Edição
John Adkins Richardson
Hn Abrams
(1986)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês