Digestivo nº 308 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Kafka e as narrativas
>>> Raul Cortez no YouTube
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
Mais Recentes
>>> Hagadá Kabalística Pêssach Decodificado de Yehuda Berg pela Kabbalah Publishing (2011)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> Pensar pelo Avesso - O Modelo Japonês de Trabalho e Organização de Benjamin Coriat pela Revan/UFRJ (1994)
>>> Vidas dos Santos - 22 Volumes de Padre Rohrbacher pela Das Américas (1959)
>>> Benetton - A Família, a Empresa e a Marca de Jonathan Mantle pela Nobel (1999)
>>> Mais Semelhante a jesus de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (1994)
>>> Vencendo com Jesus de Alice P. Cavalieri pela Casa Publicadora Brasileira (1997)
>>> Universo de Amor de Irene Pacheco Machado pela Rema (1998)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Perguntas Sobre o Dízimo de Roberto R. Roncarolo pela Divisão Sul-Americana (1984)
>>> Uma Viagem Pessoal pelo Cinema Americano de Martin Scorsese e Michael Henry Wilson pela CosacNaify (2004)
>>> A Grande Guerra pela Civilização - a Conquista do Oriente Médio de Robert Fisk pela Planeta (2007)
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Cultrix/Pensamento
>>> O Amor que Restaura de Dick Winn pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Colosso - Ascensão e Queda do Império Americano de Niall Ferguson pela Planeta (2011)
>>> Venturas e Aventuras de um Pioneiro de Gustavo S. Storch pela Casa Publicadora Brasileira (1982)
>>> Contradigo de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (1999)
>>> Público Cativo de Fabio Cortez pela Oficina (2007)
>>> Andando com Deus Todos os Dias de Moysés S. Nigri pela Casa Publicadora Brasileira (1993)
>>> A Porta do Inferno de Auguste Rodin pela Artmed (2001)
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 22/12/2006
Digestivo nº 308
Julio Daio Borges
+ de 3700 Acessos




Literatura >>> O tempo redescoberto
Proust, mais citado do que lido – como sói acontecer aos clássicos –, está, novamente, disponível nas livrarias. Anos depois da nova tradução de Fernando Py, pela Ediouro, a editora Globo relança agora os primeiros dois volumes de Em busca do tempo perdido: No caminho de Swann e À sombra das raparigas em flor – nas traduções igualmente clássicas de Mario Quintana. Às vezes, em termos de fortuna crítica, há muito pouco ou quase nada a acrescentar a um autor clássico como Marcel Proust. Então, é mais proveitoso exortar sua leitura num mundo de tantos apelos, onde a literatura ou continua inatingível ou está muito distante. Proust, um freqüentador da alta sociedade parisiense do final do século XIX, aislou-se depois da morte da mãe, para, nos últimos 20 anos de sua vida, dedicar-se a uma obra verdadeiramente monumental. Doente durante toda a sua existência, morreu com pouco mais de cinqüenta anos, sem nem ver os últimos volumes da sua “Recherche...” publicados. A visão dos cadernos que Proust deixou, a cargo de seu irmão, exibidos na Biblioteca Nacional da França, na virada do milênio, produz espanto. Proust, com Joyce e outros poucos, definiu a modernidade em matéria de literatura e produziu uma sombra que não permitiu a ninguém superá-lo, durante todo o século XX. Truman Capote, por exemplo, embriagado pelo sucesso de A Sangue Frio, prometeu ultrapassar Em busca do tempo perdido – o que, levando-se em conta seu fim melancólico, só pode ser tomado como piada. Do leitor brasileiro, que desembarca sobre as páginas de Proust neste século, espera-se que passe das primeiras, que retiveram nomes célebres como André Gide (que nunca se perdoou por sua avaliação desfavorável, como parecerista, para uma editora que, no fim, rejeitou Proust). As frases longas e os parágrafos intermináveis são um desafio para quem lê e também para quem escreve. Muitos, muitos mesmo, não quiseram ler mais nada depois de Proust. Como o olhar da Medusa, que paralisa e petrifica, o contato com o gênio pode paralisar e esterilizar. É um risco. [Comente esta Nota]
>>> No caminho de Swann | À sombra das raparigas em flor
 



Televisão >>> Cinco anos depois
Antes do elogiado Entrelinhas da TV Cultura, alguém já vinha falando de literatura na televisão. Para quem não acompanha a programação do Canal Futura, Bia Corrêa do Lago preparou um DVD duplo com as melhores entrevistas do seu Umas Palavras. Um disco só para poetas e outro só para prosadores. Em tempos de Flip, Bia já passou por escritores tradicionalmente resistentes e por entrevistados duros-na-queda. Talvez por ser filha de Rubem Fonseca, Bia saiba muito bem lidar com essas criaturas por vezes arredias, reticentes e, às vezes até, agressivas. Sutilmente, com algumas pequenas intervenções, Bia Corrêa do Lago conduz a conversa sempre em alto nível, “soltando” devagar o entrevistado, catalogando revelações e arrancando sorrisos até de gente geralmente séria como Sergio Sant’Anna e Ferreira Gullar. Sem um impulso preferencialmente crítico, Bia junta desde criadores da língua como Mia Couto até autores de best-sellers como Lya Luft; desde contistas promissores como Ronaldo Correia de Brito até letristas de MPB como Antonio Cicero; desde poetas (e cronistas) como Affonso Romano de Sant’Anna até verdadeiros performers literários como José Eduardo Agualusa. No DVD do Umas Palavras, são dez entrevistas no total. Com menos de meia hora cada uma, é possível assistir a um disco todo numa sentada, porque o papo flui, livre de academicismos e acima das picuinhas do mundo literário. Mesmo figuras tarimbadas que parecem repetir sempre a mesma entrevista para diferentes veículos, no Umas Palavras, têm alguma coisa nova para falar. Sergio Sant’Anna, por exemplo, falou do filho, o também escritor André Sant’Anna; e Affonso Romano de Sant’Anna, outro exemplo, sobre o duplo papel do escritor: de guardião da literatura, da língua, e de colaborador de jornal, comunicador, porta-voz do prosaico. São esses instantes que fazem do Umas Palavras uma iniciativa indispensável. E, ah, já está começando uma nova temporada... [Comente esta Nota]
>>> Umas Palavras
 



Internet >>> Jason Nation
Jason Calacanis foi, primeiro, admirado por ter criado o Weblogs, Inc. – um portal de blogs verticais, depois vendido para a AOL; dentro da America On Line, Calacanis foi, então, odiado por resgatar a marca “Netscape”, usando-a para alavancar um social media newsite (como ele mesmo diz), e plagiando, de quebra, o Digg. Há alguns meses, porém, Jason Calacanis se inseriu como membro do Gillmor Gang – um dos podcasts mais influentes em matéria de tecnologia. Jason, no mínimo um hipomaníaco, não conseguia se furtar a querer comandar o show – a ponto de Steve Gillmor, o mestre de cerimônias, passar calado programas inteiros, enquanto Calacanis discutia com Michael Arrington e Doc Searls (duas lendas da internet). Mesmo assim, Jason Calacanis conseguiu mostrar que era uma pessoa de carne e osso, admitiu alguns erros (inclusive na AOL) e até deu valiosas dicas profissionais (grátis!). Há poucas semanas, contudo, Jason Calacanis foi mandando embora da America On Line, aproximadamente um ano depois da compra da sua Weblogs, Inc. Sem passado (não comandando mais a empresa que ajudou a fundar) e sem futuro (sem emprego e nem projeto à vista), Calacanis decidiu investir no seu próprio podcast. Até porque, ao que tudo indica, o Gillmor Gang infelizmente encerra suas atividades, depois de alguns “revivals” (o último, particularmente, emocionante). Num podcast ainda sem nome – o podcaster insiste que é “versão beta” –, Calacanis fala abertamente de sua vida profissional. Entre considerações sobre filantropia, deixa escapar uma opinião sobre o New York Times, uma crítica aos políticos, uma reminiscência do seu tempo de leitor da PC Magazine (nos anos 80). Jason Calacanis, para o bem ou para o mal, foi uma das figuras mais influentes na internet nos últimos tempos. Se ele tem um projeto maquiavélico para dominar o mundo, ninguém sabe – mas tem sido bem interessante ouvir suas confissões semanais. [Comente esta Nota]
>>> CalacanisCast
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Face 2 Face Cultura Inglesa Upper-intermediate Sb Wb
Chris Redston Gillian Cunningham
Cambridge University Press
(2008)



Falando de Amor 2ªed(1979)
Flavio Gikovate
Mg Editores Associados
(1979)



Geografia do Brasil: Grande Região Leste: Volume V - Série A
Conselho Nacional de Geografia
Ibge
(1965)



Made in Japan: Akio Morita y Sony (1986)
Akio Morita
Lasser Mexico
(1986)



3 X Amazonia
Tiago de Melo Andrade
Dcl
(2005)



Profecias de Notradamus e Outros Videntes (até Out 1999)
Marques da Cruz
Pensamento
(1999)



Foi Assim! (obra Definitiva de Rampa)
Lobsang Rampa
Record
(1975)



O Que Cabe no Meu Mundo Atividades (2007)
Carol Gonzales
Bom Bom Books
(2017)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



Vade Mecum Saraiva 2012 13ª Ed.
Obra Coletiva da Saraiva
Saraiva
(2012)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês