Digestivo nº 345 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sacumé?
>>> BizarroBlog by Dan Piraro
>>> Melhor que o JB
>>> Como se faz um best-seller
>>> Manual de redação Rabisco
>>> Sobre o preço dos e-books
>>> Speak, Memory
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Minhas Férias (reloaded)
>>> Poema em Linha Reta - Pessoa
Mais Recentes
>>> Contos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Contos de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1999)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1998)
>>> Helena de Machado de Assis pela Tecno Print (1967)
>>> Uma mulher na escuridão de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2017)
>>> Morte Súbita de J.K. Rowling pela Casa dos Livros (2012)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade (1962)
>>> Levando a Vida Numa Boa de Ernie J. Zelinski pela Sextante (2003)
>>> Corpos Inversos de Rodrigo Noval pela LP-Books (2017)
>>> Parábolas Eternas - Reflexões para enriquecer a vida com sabedoria, alegria e emoção de Legrand pela Soler (2004)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Abril Cultural (1981)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Ática (1976)
>>> Fundamentos em Ecologia de Colin R. Townsend, Michael Begon e JohnL. Harper pela Artmed (2006)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Zero Hora / Click (1997)
>>> Folhas do Jardim de Morya Livro 2 de Mestre Morya pela Agna Yoga (1973)
>>> O banquete dos sentidos de Lúcia faria Nascimento e Edir Nascimento e Silva pela Bei (1998)
>>> Revista da Faculdade de Direito da FMP nº 06 de Fundação Escola Superior do Ministério Público (org) pela Fmp (2011)
>>> Repartição da renda - pobres e ricos sob o regime militar de Paulo Singer pela Zahar (1986)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Tropical Sol da Liberdade de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1988)
>>> Manuscritos do Mar Morto de Adam Blake pela Novo Conceito (2013)
>>> Estudios del Trabajo - nº 37/38 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2009)
>>> Contos de amor rasgados de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> Quincas Borga de Machado de Assis pela Tecno Print
>>> Ciranda de pedra de Lygia Fagundes Telles pela José Olympio (1981)
>>> Amplitude 1- Você onde se põe -só para quem quer a verdade de Gasparetto pela Vida E Consciencia (1997)
>>> O que é psicologia de Richard H. Henneman pela José Olympio (1982)
>>> Amar, verbo intransitivo de Mário de Andrade pela Ime (1980)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2010)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Estudios del Trabajo - nº 34 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2007)
>>> Magno de Maria Luiza de Queiroz pela José Olympio (2007)
>>> Filhotes de Cube Book pela Sextante (2010)
>>> A extinção do crédito tributário por decurso de prazo de José Hable pela Brasília Jurídica (2004)
>>> Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica de Vários pela Sarvier (2000)
>>> Canine - Feline Nutricion de Vários pela Mosby (2010)
>>> Você é Insubstituível - este livro revela a sua biografia de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Da ação cautelar fiscal de Carlos Henrique Abrão pela Universitária de direito (1992)
>>> Adão e Eva Voavam em Atlântida de José Francisco pela Futurama (2013)
>>> O mundo mudou ... bem na minha vez! de Dado Schneider pela Integrare (2013)
>>> Coreção monetária: concordata e créditos fiscais de Eros roberto Grau pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> O Lugar dos Inocentes - A Trilha levava até a entrada dessa clareira de Núbia Moura Ribeiro pela Pensamento (1999)
>>> Memorial de Aires / Ressurreição de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Iaiá Garcia / Helena de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> A aventura de Miguel Littin clandestino no Chile de Gabriel García Márquez pela Record (1986)
>>> A chave do tamanho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 21/9/2007
Digestivo nº 345
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos




Imprensa >>> O Google na capa da Economist
E até a Economist não resistiu e mandou brasa em uma capa sobre o Google. Esperamos pelo grande dossiê que desvendaria os labirintos do Googleplex, mas, tirando um editorial como sempre brilhante, nenhuma outra informação além do que já obtivemos antes, na internet e em outros periódicos. De certa forma, quando o Google chega definitivamente ao mainstream, parece que acaba justamente sua fase de "mudar o mundo". O tom geral, até na Economist, é aquele da grande empresa que, agora, tem de sobreviver, perpetuando performances de crescimento histórico, depois de lançar suas ações na bolsa. O Google, como um universo em expansão, é provável que diminua de ritmo em algum momento e opte, no médio prazo, pelo "foco" ou mesmo pela retração. Até Eric Schmidt, o arquiteto responsável pela atual forma "tentacular" (CEO), admite à reportagem que o Google cresceu além da conta. Deveria admitir, também, que levou longe demais sua obsessão em derrotar Steve Ballmer, o número 2 da Microsoft. (Derrotou?) O fato é que o Google, o mesmo que ontem encantava a todos, hoje assusta um pouco (até a quem está dentro do Googleplex). Seu maior desafio - além de tentar contentar os acionistas - é sobreviver, conservando sua hegemonia, na chamada Web 2.0. Por isso, as aquisições estratégicas como do YouTube, a presença da sua publicidade entre a geração MySpace e algum lançamento sempre mirabolante (estilo Google Earth), tentando antecipar o futuro. Mas será que alguma empresa mantém o "monopólio" da inovação, por mais que sua cultura se preocupe com esse assunto? Faz parte da rebeldia da internet derrubar o gigante da vez - e o Google tem de tomar cuidado para não virar, de repente, Golias na mira de zilhões de Davis... [1 Comentário(s)]
>>> Who's afraid of Google?
 



Literatura >>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
Desde Nietzsche, provavelmente, que não se atacava Deus com tanta veemência. Nietzsche, há mais de um século, em O Anticristo, estava, conforme o título, mais preocupado com o cristianismo. Richard Dawkins mira e atira em todas as religiões, e usa a palavra "Deus" mais como uma alegoria. Com elogios rasgados de gente como Ian McEwan e Steven Pinker, Deus, um delírio é um livro efetivamente brilhante, mas avançamos nas páginas sempre nos perguntando o que Dawkins pretende com toda essa artilharia. Afinal, é bastante difícil que os fundamentalistas leiam seu livro (é mais fácil, por exemplo, condená-lo à morte em vida, como fizeram com Salman Rushdie); e o "estado religioso", dos republicanos nos EUA, é passageiro, não é? Qualquer pessoa minimamente informada sabe que toda discussão de idéias, hoje, passa pela ciência e pelos cientistas. Se ainda existe uma "vanguarda do pensamento", ela está mais inclinada para o lado dos homens de ciência do que para os humanistas puros (estes desnorteados diante da supremacia do capitalismo, do avanço das novas tecnologias e do fim de seus antigos "feudos"). Ainda assim, ainda que Deus, um delírio acerte em cheio nos argumentos, sentimos falta de um certo brilho na linguagem, de um repertório ― vá lá ― erudito e até de alguma ambição, digamos, filosófica. O grande problema em matar "Deus" (leia-se: as religiões) ― mesmo desde Nietzsche ― talvez seja colocar outra "visão de mundo", com um acabamento de séculos, no lugar. Dawkins está certo: a religião sobreviverá como mitologia apenas; mas parece que ainda não surgiu o primeiro "filósofo" desta nova era... [21 Comentário(s)]
>>> Deus, um delírio
 



Música >>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
A ópera que vemos hoje é no cinema, ou na televisão. Trechos de ópera. Mesmo "ao vivo". Nossa atenção parece se dispersar depois de mais do que um trecho. É a "medida" exata para a nossa atual capacidade de processar sons, e até para a nossa sensibilidade musical. Então é, no mínimo, um acontecimento quando uma ópera inteira desembarca no Brasil. E é um luxo passar algumas horas no que soa como um tour de force entre orquestra, maestro, cantores, e, no presente caso, até coro. Estamos falando da apresentação da Aida, de Verdi, pela Temporada 2007 do Mozarteum Brasileiro, na Sala São Paulo, no final de agosto - sob direção de Lorin Maazel, à frente da Symphonica Toscanini, acompanhado pelo Coro del Maggio Musicale. Maazel, sempre incansável nos bons serviços prestados à música, trata de consolidar ainda mais sua Toscanini - e é, obviamente, um privilégio assisti-lo em plena ação, depois de ouvi-lo regularmente pelo rádio, numa carreira iluminada entre os maiores e as maiores do mundo. Já entre as vozes, o destaque foi, claro, para Maria Guleghina, como Aida, e para Juan Pons, como Amonasro; produzindo, ainda, um empate técnico entre Walter Fraccaro, como Radamés, e Ana Smirnova, como Amnéris. Contrariando a previsão de quem, volta e meia, prega o fim da ópera, esta manteve a capacidade de emocionar - mesmo àqueles que não conheciam profundamente os trechos, simplesmente porque a interpretação trazia sua dose particular de verdade. Sala lotada, público respeitoso, concentração até o final, palmas de satisfação. É um sinal de que a ópera ainda vive entre nós; e de que iniciativas assim devem continuar. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANCHIETA, O APÓSTOLO DO NOVO MUNDO - COLEÇÃO SARAIVA Nº 223
FREITAS NOBRE
SARAIVA
(1966)
R$ 7,00



BANHEIROS
ALEXANDRA DRUESNE
FOLHA DE S. PAULO
(2010)
R$ 5,00



COMO COMBATER OLHO GRANDE
JOSÉ RODRIGUES DA COSTA
PALLAS
(2001)
R$ 25,00



PAVILHÃO DE MULHERES
PEARL S. BUCK
BEST BOLSO
(2009)
R$ 10,30



GRÁVIDA E BELA
DRA. CARLA GÓES SALLET
SENAC
(2004)
R$ 15,00



ABLE TEAM--4--O SENHOR DA GUERRA.
DICK STIVERS.
GOL EAGLE
(1986)
R$ 12,00



ZAPP! O PODER DA ENERGIZAÇÃO
WILLIAN C. BYHAN - PH. D.
CAMPUS
(2004)
R$ 15,00



TODO ENEM
VÁRIOS AUTORES
FTD
(2015)
R$ 38,00



O QUE E HOMEOPATIA
FLAVIO DANTAS
BRASILIENSE
(1989)
R$ 10,00



DANÇANDO NA LUZ
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1987)
R$ 7,00





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês