Digestivo nº 371 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O INVISÍVEL
>>> The Daily Zen Podcast
>>> O soldado absoluto
>>> Carta aos Amigos
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Eat the Rich
>>> The myth maker
>>> 19 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O Blog da Livraria Cultura
>>> O século da canção
Mais Recentes
>>> A estória do sol e do rinoceronte de Ondjaki pela Pallas (2022)
>>> Teologia para pentecostais : uma teologia sistemática expandida- Vol.2 de Walter Brunelli pela Acadêmico (2016)
>>> Teologia para pentecostais : uma teologia sistemática expandida- Vol.2 de Walter Brunelli pela Acadêmico (2016)
>>> Candomble De Keto de Babalorixá Ominarê pela Pallas (2006)
>>> De bem com a vida de Odé Kileuy pela Pallas (2022)
>>> Logunedé: santo menino que velho respeita de Nei Lopes pela Pallas (2006)
>>> Rezas que o povo reza de Nivio Ramos Sales pela Pallas (2006)
>>> Plantas que curam e cortam feitiços de Maria Helena Farelli pela Pallas (2022)
>>> Comida de santo de Maria Helena Fareli pela Pallas (2022)
>>> Oxum: a mãe da água doce de Luis Felipe de LIma pela Pallas (2007)
>>> Um quilombo no Leblon de Luciana Sandroni pela Pallas (2022)
>>> Edith e a velha sentada de Lázaro Ramos pela Pallas (2021)
>>> Neguinho aí de Luis Pimentel pela Pallas (2009)
>>> Saber Do Negro de Joel Rufino dos Santos pela Pallas (2015)
>>> Regeneração e Vida de Públio Carísio de Paula pela Minas (2003)
>>> Coleção Explorando o Ensino - Geografia: Ensiono Fundamental de Coord. Marísia Margarida e Santiago Buitoni pela Ministério Da Educação (2010)
>>> Retrato no Espelho de Teresa Noronha pela Ed. do Brasil
>>> Nova Visão de Francisco Cândido Xavier e Outro pela Ide (1987)
>>> O Mistério de Marie Rogêt de Edgar Allan Poe pela Ftd (1990)
>>> Os ibejis e o carnaval de Helena Theodoro pela Pallas (2019)
>>> Saber Atual: A álgebra moderna de M. Queysanne e A. Delachet pela Difusão Européia do Livro
>>> Errar é humano... Perdoar é canino! de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2010)
>>> 365 dias com a Bíblia - um texto para cada dia de Seleção de Paulo Sérgio Bazaglia pela Paulinas (1992)
>>> Cachorros do Céu de Wilson Bueno pela Planeta (2005)
>>> Denúncia Espontânea Em Direito Tributário de Antonio Sebastião Paloni pela Ágá Juris e Distribuidora (2000)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 4/7/2008
Digestivo nº 371
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos




Cinema >>> Dot.com, de Luís Galvão Teles
Com muito humor e argúcia, Luís Galvão Teles desembarca no Brasil com Dot.com, um filme sobre os impactos da chegada da internet a uma aldeia, no interior de Portugal. Mais do que as disputas com a mídia antes estabelecida, a chamada velha economia e o antigo status quo, anterior à era do conhecimento, a internet veio para mudar a vida de pessoas comuns, seus hábitos, suas visões de mundo. E isso o longa do realizador português mostra com perfeição. Tudo começa quando uma multinacional espanhola, dona de uma marca internacional, a Águas Altas, resolve disputar o domínio "aguasaltas.com", registrado pela aldeia portuguesa (coincidentemente, de mesmo nome). A briga pelo endereço na World Wide Web subitamente se transforma em questão nacional, envolvendo o primeiro-ministro e atentando contra a soberania de Portugal. Os espanhóis, claro, não deixam por menos e ameaçam retaliar com um exército de advogados corporativos. Enquanto isso, a vida na aldeia se transforma, o povo de Águas Altas alcança, enfim, a globalização e seus pequenos problemas, de repente, repercutem no mundo todo. Luís Galvão Teles é bastante hábil em não converter a questão num tratado sociológico, nem numa discussão acadêmica chatíssima. Com muita graça, contando a simples história dos aldeões, e sua inserção atribulada na WWW, exemplifica (em vez de debater) e termina produzindo um filme que também se sustenta por si — tendo a internet como pano de fundo. O público brasileiro, certamente, vai se identificar, pois em Dot.com estão retratados os mesmos dramas (e as mesmas personagens) das pequenas cidades do interior do nosso País. E a VideoFilmes, dos irmãos Moreira Salles, mais uma vez acerta em trazer esta produção de Luís Galvão Teles, permitindo que ele estréie, de forma inédita, no Brasil. [Comente esta Nota]
>>> Dot.com
 



Teatro >>> Senhora dos Afogados, por Antunes Filho
Não é uma obra-prima a montagem de Senhora dos Afogados, de Nélson Rodrigues, por Antunes Filho — mas é, como diria Paulo Francis, provavelmente o melhor Nélson disponível, sendo, talvez, Antunes Filho, quase octogenário, a última reserva do teatro brasileiro. Como afirmava e reafirmava o mesmo Francis, o texto é de grande poesia — para ele, a maior em Nélson (mas, possivelmente, não maior do que em Álbum de Família) —, Antunes Filho e o Grupo Macunaíma, porém, acrescentaram trechos, criando seqüências inteiras, às vezes alongando cenas, já que o público da televisão (majoritário, ainda hoje) talvez não suporte a tragicidade plena, os desvios comportamentais incuráveis e o destino impiedoso na história da família Drummond. Ler Senhora dos Afogados — como ler as maiores obras-primas de Nélson Rodrigues para teatro — é uma experiência brutal, para quem justamente tem sensibilidade literária — mas, hoje, os espectadores, mesmo no cinema, não suportam a tragédia sem concessões, guardando um riso de canto de boca, para o momento da abertura à comédia, transformando o sério em ridículo e suspendendo toda a gravidade. Nos estertores do pós-modernismo, "tudo é relativo" e nada pode ser completamente "sem saída" — mesmo Nélson Rodrigues; e Antunes Filho, nesta montagem, não foge disso. O núcleo da família Drummond, obviamente, está bem representado, com destaque para a filha remanescente, entre uma mãe corretamente hipnotizada (por vezes, um pouco sonsa) e um pai distante (em algumas situações, um pouco robótico). Rindo na hora errada (é para rir em alguma hora?) e jamais relacionando o que acontece com o seu próprio inconsciente (Nélson tem soado apenas exótico, ultimamente), o público deve ter sustentado a temporada mas não está à altura de um clássico Antunes Filho. Ainda há tempo, contudo, para revisitar Nélson Rodrigues, segundo um de seus mais ardentes representantes. [3 Comentário(s)]
>>> Senhora dos Afogados
 



Música >>> Quarteto Szymanowski no Teatro Alfa
Abriu com o Classicismo Vienense de Haydn, a primeira noite do Quarteto Szymanowski, no Teatro Alfa em meados de junho, dentro da Temporada 2008 do Mozarteum Brasileiro. O Quarteto de cordas nº 67, em fá maior, op. 77, nº 2, Hob.III: 82, executado corretamente, exemplificou bem a herança do Barroco, enquanto anunciava já um pouco do Romantismo (Haydn foi professor do jovem Beethoven). Se no primeiro, segundo e até terceiro movimentos o diálogo, ou até o contraponto, de um solista (geralmente o violino) com o conjunto era grande, por vezes desafiador (inclusive o cello), no quarto, e último, movimento, os ânimos se exaltaram, trocando o fraseado, e mesmo o virtuosismo, por algum barulho, se podemos assim dizer, e verdadeiros golpes de percussão, da haste nas cordas, encerrando em aparente caos e confusão. Já Karol Maciej Szymanowski, com seu Quarteto de cordas nº 2, op. 56, de 1927 — obviamente uma homenagem às origens do ensemble, em Varsóvia, nos anos 90 — serviu como um intervalo contemporâneo durante a apresentação. Entre tenso, desesperado, melancólico e até cinematográfico nas imagens, chamou a atenção mas não se sabe se alcançou, aqui, compreensão plena. Schubert, por sua vez, com o Quarteto de cordas nº 14, em ré menor, D 810 "A Morte e a Donzela" foi, compensando tudo, um dos grandes momentos desta Temporada 2008 (que ainda não chegou no meio). Se Haydn foi alegre e divertido, como seu pupilo Mozart, Schubert foi denso, meditativo, exigindo o máximo dos executantes, até para justificar a fama de "o mais poeta entre os músicos", segundo Liszt. O Quarteto Szymanowski esteve não menos que preciso, bastante vigoroso, mas também sutil e delicado, quando necessário — perfeito nas variações do longo e conhecido segundo movimento. A reflexão voltou no terceiro e o quarto finalizou com velocidade, sacrificando o cello e dispersando-se em zumbidos pelo ar. A Morte e a Donzela justificou, novamente, a fama que tem. E o Mozarteum justificou, como sempre, sua Temporada. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Chega de Açucar
Sarah Wilson
Sextante
(2016)



Dinheiro do Céu
Marcos Rey
Ática
(1995)



Novas tecnologias, trabalho e educação : um debate multidisciplinar
Celso João Ferretti
Vozes
(1994)



Diário de um Banana: O Livro do Filme
Jeff Kinney
V&R
(2012)



A Vida é uma Festa
Lauro Trevisan
Distribuidora da Mente Santa M
(1991)



Como Se Tornar um Líder Servidor os Princípios de Liderança de Monge E
James C. Hunter
Sextante
(2006)



Cerrado Brasileiro
Diana Palmer
Homem de Lei
(2010)



Harrison Medicina Interna Volume Ii Com Cd
Fauci*braunwald*kasper*hauser*longo*jameson
Mcgraw Hill
(2008)



Cordel Em Arte e Versos
Moreira da Acopiara
Duna Dueto
(2009)



Carcereiros
Drauzio Varella
Companhia das Letras
(2012)





busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês