Digestivo nº 371 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
63467 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nasi e Scandurra apresentam clássicos do IRA! no Sesc Santo André
>>> Douglas Germano apresenta 'Umas e Outras'
>>> Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Crítica e Fruição Cinematográfica
>>> CLUBE DO CONTO APRESENTA 'UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE' COM A ESCRITORA AVE TERRENA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Isso passa
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Café com crítica cultural
>>> Por Tutatis!
>>> Macunaíma, de Mário de Andrade
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> As Pérolas Que Eram Teus Olhos
>>> O livro digital Toy Story para iPad: revolução?
>>> Banana Republic
Mais Recentes
>>> O Anão e a Ninfeta de Dalton Trevisan pela Record (2011)
>>> Dieta Nota 10: Comer e Emagrecer é Mais Simples do Que Se Imagina de Dr. Guilherme de Azevedo Ribeiro pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Um Amor Conquistado - Confira! de Danielle Steel pela Record (2005)
>>> Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros de Luciana Seabra pela Empiricus (2016)
>>> Vencendo o Passado - Confira !!! de Zibia Gasparetto (ditado por Lucius) pela Vida & Consciência (2008)
>>> O Expansionismo Brasileiro de Paulo R. Schilling pela Global (1981)
>>> Quadribol Através dos Séculos - Confira !!! de J. K. Rowling pela Rocco (2001)
>>> Stranger in a Strange Land de Robert A. Heinlein pela Ace Books (1987)
>>> O Jovem Fidel Castro de Roniwalter Jatobá pela Nova Alexandria (2008)
>>> Educação Valente: um Guia de Inspiração Budista... de Krissy Pozatek pela Lúcida Letra (2016)
>>> Simões Filho: o Jornalista de Combate e o Tribuno das Multidões de Walfrido Moraes pela A P (1997)
>>> Serena - um Romance / 1ª Ed de Ian Mcewan pela Companhia das Letras (2012)
>>> Psicanálise e Análise do Discurso - Confira !! de Marlene Guirado pela Summus (1995)
>>> À Caça de Harry Winston - Romance - (venha Conferir!!) de Lauren Weisberger pela Record (2009)
>>> Twelve Bar Blues de Patrick Neate pela Penguin Uk (2002)
>>> Superman - o Legado das Estrelas - Parte 1 - Col. Graphic Novels de Mark Waid pela Eaglemoss (2017)
>>> The International Journal of Psychoanalysis Volume 81 Part 4 de Vários Autores pela David Tuckett (2000)
>>> A Tristeza Pode Esperar - uma Jornada de Afeto, Perda e Superação... de J. J. Camargo pela L&pm Editores (2013)
>>> Repensando Folclore de J. Geraldo M. Guimarães pela Manole (2002)
>>> Mamãe Gansa: Música de Ravel - Capa Dura - Confira!! de Editora Folha de S. Paulo pela Folha de S. Paulo (2018)
>>> Prince William e Kate Middleton: Their Story - Com Cd - Confira!! de Vicky Shipton pela Scholastic (2013)
>>> Cenizas y Fatigas de Geno Díaz pela Emecé (1984)
>>> O Melhor do Roda Viva - Internacional / Ótimo Estado de Paulo Markun pela Conex (2005)
>>> Os Pensadores - Adam Smith / Ricardo de Adam Smith & David Ricardo pela Abril Cultural (1978)
>>> Prints and the Print Market de Theodore B. Donson pela Library of Congress (1977)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 4/7/2008
Digestivo nº 371
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos




Cinema >>> Dot.com, de Luís Galvão Teles
Com muito humor e argúcia, Luís Galvão Teles desembarca no Brasil com Dot.com, um filme sobre os impactos da chegada da internet a uma aldeia, no interior de Portugal. Mais do que as disputas com a mídia antes estabelecida, a chamada velha economia e o antigo status quo, anterior à era do conhecimento, a internet veio para mudar a vida de pessoas comuns, seus hábitos, suas visões de mundo. E isso o longa do realizador português mostra com perfeição. Tudo começa quando uma multinacional espanhola, dona de uma marca internacional, a Águas Altas, resolve disputar o domínio "aguasaltas.com", registrado pela aldeia portuguesa (coincidentemente, de mesmo nome). A briga pelo endereço na World Wide Web subitamente se transforma em questão nacional, envolvendo o primeiro-ministro e atentando contra a soberania de Portugal. Os espanhóis, claro, não deixam por menos e ameaçam retaliar com um exército de advogados corporativos. Enquanto isso, a vida na aldeia se transforma, o povo de Águas Altas alcança, enfim, a globalização e seus pequenos problemas, de repente, repercutem no mundo todo. Luís Galvão Teles é bastante hábil em não converter a questão num tratado sociológico, nem numa discussão acadêmica chatíssima. Com muita graça, contando a simples história dos aldeões, e sua inserção atribulada na WWW, exemplifica (em vez de debater) e termina produzindo um filme que também se sustenta por si — tendo a internet como pano de fundo. O público brasileiro, certamente, vai se identificar, pois em Dot.com estão retratados os mesmos dramas (e as mesmas personagens) das pequenas cidades do interior do nosso País. E a VideoFilmes, dos irmãos Moreira Salles, mais uma vez acerta em trazer esta produção de Luís Galvão Teles, permitindo que ele estréie, de forma inédita, no Brasil. [Comente esta Nota]
>>> Dot.com
 



Teatro >>> Senhora dos Afogados, por Antunes Filho
Não é uma obra-prima a montagem de Senhora dos Afogados, de Nélson Rodrigues, por Antunes Filho — mas é, como diria Paulo Francis, provavelmente o melhor Nélson disponível, sendo, talvez, Antunes Filho, quase octogenário, a última reserva do teatro brasileiro. Como afirmava e reafirmava o mesmo Francis, o texto é de grande poesia — para ele, a maior em Nélson (mas, possivelmente, não maior do que em Álbum de Família) —, Antunes Filho e o Grupo Macunaíma, porém, acrescentaram trechos, criando seqüências inteiras, às vezes alongando cenas, já que o público da televisão (majoritário, ainda hoje) talvez não suporte a tragicidade plena, os desvios comportamentais incuráveis e o destino impiedoso na história da família Drummond. Ler Senhora dos Afogados — como ler as maiores obras-primas de Nélson Rodrigues para teatro — é uma experiência brutal, para quem justamente tem sensibilidade literária — mas, hoje, os espectadores, mesmo no cinema, não suportam a tragédia sem concessões, guardando um riso de canto de boca, para o momento da abertura à comédia, transformando o sério em ridículo e suspendendo toda a gravidade. Nos estertores do pós-modernismo, "tudo é relativo" e nada pode ser completamente "sem saída" — mesmo Nélson Rodrigues; e Antunes Filho, nesta montagem, não foge disso. O núcleo da família Drummond, obviamente, está bem representado, com destaque para a filha remanescente, entre uma mãe corretamente hipnotizada (por vezes, um pouco sonsa) e um pai distante (em algumas situações, um pouco robótico). Rindo na hora errada (é para rir em alguma hora?) e jamais relacionando o que acontece com o seu próprio inconsciente (Nélson tem soado apenas exótico, ultimamente), o público deve ter sustentado a temporada mas não está à altura de um clássico Antunes Filho. Ainda há tempo, contudo, para revisitar Nélson Rodrigues, segundo um de seus mais ardentes representantes. [3 Comentário(s)]
>>> Senhora dos Afogados
 



Música >>> Quarteto Szymanowski no Teatro Alfa
Abriu com o Classicismo Vienense de Haydn, a primeira noite do Quarteto Szymanowski, no Teatro Alfa em meados de junho, dentro da Temporada 2008 do Mozarteum Brasileiro. O Quarteto de cordas nº 67, em fá maior, op. 77, nº 2, Hob.III: 82, executado corretamente, exemplificou bem a herança do Barroco, enquanto anunciava já um pouco do Romantismo (Haydn foi professor do jovem Beethoven). Se no primeiro, segundo e até terceiro movimentos o diálogo, ou até o contraponto, de um solista (geralmente o violino) com o conjunto era grande, por vezes desafiador (inclusive o cello), no quarto, e último, movimento, os ânimos se exaltaram, trocando o fraseado, e mesmo o virtuosismo, por algum barulho, se podemos assim dizer, e verdadeiros golpes de percussão, da haste nas cordas, encerrando em aparente caos e confusão. Já Karol Maciej Szymanowski, com seu Quarteto de cordas nº 2, op. 56, de 1927 — obviamente uma homenagem às origens do ensemble, em Varsóvia, nos anos 90 — serviu como um intervalo contemporâneo durante a apresentação. Entre tenso, desesperado, melancólico e até cinematográfico nas imagens, chamou a atenção mas não se sabe se alcançou, aqui, compreensão plena. Schubert, por sua vez, com o Quarteto de cordas nº 14, em ré menor, D 810 "A Morte e a Donzela" foi, compensando tudo, um dos grandes momentos desta Temporada 2008 (que ainda não chegou no meio). Se Haydn foi alegre e divertido, como seu pupilo Mozart, Schubert foi denso, meditativo, exigindo o máximo dos executantes, até para justificar a fama de "o mais poeta entre os músicos", segundo Liszt. O Quarteto Szymanowski esteve não menos que preciso, bastante vigoroso, mas também sutil e delicado, quando necessário — perfeito nas variações do longo e conhecido segundo movimento. A reflexão voltou no terceiro e o quarto finalizou com velocidade, sacrificando o cello e dispersando-se em zumbidos pelo ar. A Morte e a Donzela justificou, novamente, a fama que tem. E o Mozarteum justificou, como sempre, sua Temporada. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições para o Viver Cristão
Watchman Nee
Árvore da Vida
(2003)



O Velho Chico é Potiguar
Beto Rosado e Outros Org.
Amigos da Pinacoteca
(2015)



Revista Carta Fundamental Nº 35 02/2012 Na Escola Do Samba
Vários
Confiança
(2012)



O Gerente Minuto em Ação
Dr. Kenneth Blanchard
Record
(1985)



Era dos Extremos - the Age of Extremes
Eric Hobsbawm
Companhia das Letras
(2003)



Nakusha, a Indesejável
Paulo Daniel Farah; Laurence Binet
Sm
(2006)



Separados, Divorciados, uma Esperança Possível
Paul Salaün
Santuário
(1997)



Aids e Teatro
Marta Porto e Daniel Souza
Senac
(2004)



Música Fúnebre
Morag Joss
Companhia Das Letras
(2003)



Vivendo Com Não Elefantes
Yves Moyen
Virgiliae
(2010)





busca | avançada
63467 visitas/dia
1,8 milhão/mês