Digestivo nº 373 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
>>> DJ Erick Jay participa de A Quebrada É Boa, evento realizado pelo Monarckas em Sapopemba
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paciência e imediatismo
>>> Babação do popular
>>> A arte do romance, por Milan Kundera
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
Mais Recentes
>>> Livro Inventor de Poesia de Margarete Solange Moraes pela 8 (2014)
>>> Aqui, Agora: O Encontro De Jesus, Moises E Buda de Ian Mecler pela Record (2010)
>>> Remédio Maravilhoso De Jorge, O de Roald Dahl pela 34 (2018)
>>> A Longa Marcha Dos Grilos Canibais de Fernando Reinach pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Universo e Vocabulário do Grande Sertão de Nei Leandro de Castro pela Livraria Jose Olympio (1970)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Arqueiro e Suas Flechas de Jeffrey Archer pela Difel (1986)
>>> Estrategia Global de Mike W. Peng pela Cengage Learning Nacional (2008)
>>> Vintém De Cobre de Cora Coralina pela Global (2013)
>>> Die Brüder Karamasoff de Fjodor M. Dostojewskij pela C. Bertelmann
>>> Dictionnaire biographique des artistes contemporains 1910-1930 3 volumes de Edouard Joseph pela Art e edition (1930)
>>> Portões de Fogo de Steven Pressfield pela Marco Polo (2017)
>>> Posições Românticas na Literatura Inglesa - Antologia de Coord. Alvaro Pina pela Horizonte Universitario (1984)
>>> HQ Gibi nº 1 - Flash Gordon contra o Homem Elástico de Não Identificado pela Rge
>>> Livro Artes Sintaxe da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes - Selo Martins (2007)
>>> Crônicas do Espírito Santo de Rubem Braga pela Ufes (1984)
>>> Um novo despertar de Maria Nazareth Dória pela Lúmen (2004)
>>> Les Leçons du Manuscrit - Questions de Génétique Textuelle de Diversos Autores pela Le Presses de Luniversite de Montreal (1992)
>>> Entre a História e a Liberdade de Margareth Rago pela Unesp (2001)
>>> A Longa Marcha Dos Grilos Canibais de Fernando Reinach pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira Alta Fidelidade de Nick Hornby pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Neoliberalismo Como Gestão Do Sofrimento Psíquico de Vladimir, Junior, Nelson Da Silva, Dunker, Christian Safatle pela Autêntica (2021)
>>> Amanhecer de Uma Nova Era de Divaldo Franco, pelo espirito Manoel Philomeno de Miranda pela Leal (2016)
>>> Espere O Inesperado de Roger Von Oech pela Bertrand (2003)
>>> Das Buch Der Ketzer de Walter Nigg pela Diogenes (1986)
>>> Filosofia Prática. Ética, Vida Cotidiana, Vida Virtual de Marcia Tiburi pela Record (2023)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 18/7/2008
Digestivo nº 373
Julio Daio Borges
+ de 2100 Acessos




Além do Mais >>> Bem-vindo à sua crise, de Laura Day
Em macroeconomia, no Brasil, quando a inflação ameaça, o Banco Central remedia, via reunião do Copom, com aumento da taxa Selic, a taxa básica de juros — mas, e quando a crise acontece na vida pessoal, que remédio se deve buscar? Partindo do princípio de que crises são inevitáveis, assim como as catástrofes naturais, muitas vezes também imprevisíveis, Laura Day escreveu Bem-vindo à sua crise, um manual de sobrevivência com elogios de Nicole Kidman. Cinema nem sempre tem tudo a ver com psicologia, mas uma celebridade, às voltas com relacionamentos efêmeros, deve conhecer bem o significado do termo crise (ou, pelo menos, deveria). Day, uma terapeuta de Nova York, redefine a crise como o momento propício para se abandonar velhos padrões (que, justamente, falharam) e tentar construir, do zero, a vida que se quer efetivamente levar. Recheado de exercícios, em que o sujeito em crise é obrigado a "desenvolver" e até a mexer na ferida, o volume de 200 páginas é, relativamente, curto, mas denso na travessia (sobretudo se a carapuça servir). Dependendo da crise, pode parecer impossível encará-la como uma espécie de "benção", mas é isso mesmo que a autora advoga — afinal, sem a crise, nada mudaria e a vida continuaria uma porcaria. A crise, portanto, deve ser um ponto de inflexão. Uma chance de corrigir a própria trajetória. As pessoas, em geral, reagem à crise de quatro maneiras típicas: ou com violência; ou com ansiedade; ou depressivamente; ou negando a própria crise. Laura Day "trabalha" cada caso no livro e insiste para que não se caia nas três principais armadilhas pós-crise: ruminação, recriminação e revanche. A crise, quase sempre, é a crise de um modelo, que se deve abandonar (porque não serve mais), construindo, no processo da crise, outro. (A tal da "mitologia pessoal".) Depois de um golpe — ou até de um nocaute —, é difícil se reerguer, mas, como dizia Nietzsche, o que não mata, fortalece — então Bem-vindo à sua crise serve como um catalisador. [2 Comentário(s)]
>>> Bem-vindo à sua crise
 



Cinema >>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
Quem entende de cinema, sabe que os Irmãos Coen estão entre os melhores diretores e roteiristas dos últimos tempos — mas essa ficha só foi cair para o mainstream a partir do Oscar. E agora chega, com estardalhaço, a versão em DVD de Onde os fracos não têm vez (No Country for Old Men; um título, para variar, mal traduzido, que justifica, por exemplo, o personagem de Tommy Lee Jones). Filmes de guerra são comuns em tempos de guerra — e alguém até disse que o povo norte-americano só entende a própria realidade quando a vê espelhada em tela grande —, mas, ao contrário da Guerra do Vietnã, que gerou vários longas sobre o front, desde Platoon até Nascido para matar, a Guerra do Iraque, talvez pela ascensão dos mercenários contemporâneos, popularizou, na telona (e na telinha), a figura do agente, do matador de aluguel, do assassino em série. Até em seriados de TV: o exemplo mais acabado é o Jack Bauer, de Kiefer Sutherland, em 24 Horas (longa-metragem prometido para 2009). E em matéria de séries para o cinema, consagrou-se a trilogia Bourne, estrelada por Matt Damon. Pode parecer distante o paralelo com um gênero híbrido, como em Onde os fracos não têm vez, que mistura faroeste até com road movie (disseram), mas está lá, novamente, o tipo que mata por dinheiro, que, em determinado momento, enlouquece (ou desiste) e que, por isso, é perseguido por seus mandantes (contratantes) ou por seus iguais. Afinal, um ex-super-herói, desiludido da vida (ou maluco), não pode andar por aí à solta. Jack Bauer tem suas crises, mas, invariavelmente, volta pra casa (ou para o que restou dela); Jason Bourne não quer voltar mais, então tem de viver fugindo; já Anton Chigurh (Javier Bardem) é pior do que "uma encarnação da peste bubônica", logo, não está nem aí (que venham todos). Secos e insubordinados desde a primeira realização, os Irmãos Coen, quem diria, rimaram com o mainstream e com a "correção política" de tempos de guerra. Mas Onde os fracos não têm vez deve ser visto e Bardem merece toda a consagração da qual tem sido vítima. [2 Comentário(s)]
>>> Onde os fracos não têm vez
 



Música >>> A Modernidade da Tradição, de Marcos Sacramento
O que dizer do melhor senão que é, simplesmente, "o melhor"? Talvez para mudar um pouco, podemos dizer que Marcos Sacramento já era "perfeito" quando começou, em 1994, com A Modernidade da Tradição, relançado agora pela Biscoito Fino. Na onda de regravações de Chico Buarque (nem ele agüenta mais), Sacramento desbanca todo mundo com a interpretação provavelmente definitiva de "A Volta do Malandro", que emenda, habilmente, com "Largo da Lapa", de Wilson Batista. Cala, de novo, já na segunda faixa, abrindo com "Pela décima vez" ("Jurei não mais amar..."), de Noel Rosa, impecavelmente emendada com "Fez bobagem", de Assis Valente. "Mulher sem alma", de Nélson Cavaquinho, soa como uma mistura de tragédia e confissão, pungentíssima; "Morena", de Paulo César Pinheiro, anuncia o ritmo exato de Memorável Samba (seu segundo pela BF); "Lábios que beijei", de J. Cascata, vem clássica desde a respiração; "Dos prazeres, das canções", de Péricles Cavalcanti, um "Samba da Benção" avant la lettre, engata, surpreendentemente, com "Genipapo Absoluto" (melhorada), de Caetano Veloso. A Modernidade da Tradição fecha com "Infidelidade", de Ataulfo Alves, num épico triste, e "Apoteose do Samba", para não acabar em fossa, num dos melhores momentos do álbum (e do samba, também). Se não fosse o primeiro registro de Marcos Sacramento, poderíamos afirmar que é mais uma obra-prima dele, quando é, na verdade, a primeira. Há enorme mérito, não podemos esquecer, nas presenças de Maurício Carrilho (ao violão) e Marcos Suzano (na percussão) — mas não podemos esquecer, igualmente, que eles acompanharam outras "promessas" e que nem todas atingiram (ou mantiveram) seu potencial. A Modernidade da Tradição se dispõe a reiteradas (e variadas) audições — num tempo em que quase nada lançado resiste a algumas voltas na vitrola. [4 Comentário(s)]
>>> A Modernidade da Tradição - Marcos Sacramento
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sonhos: a primeira mediunidade
Márcio de Carvalho
Nova Era
(2001)



Retazos Quebrados de La Vida
Romulo Pardo Urias
Chiado
(2018)



O Filme Perfeito
Jodi Picoult
Planeta do Brasil
(2009)



Eça de Queirós - Ensaios e Estudos - Volume 2
Sylvio Lago
Biblioteca 24horas
(2015)



Livro Literatura Estrangeira Quarto
Emma Donoghue
Verus
(2016)



Secrets Of The Unified Field
Joseph P. Farrell
Aup
(2008)



O Sul e os Trópicos - Ensaios de Cultura Latino-Americana
Ana Pizarro
EdUff
(2006)



Economia
Paul a Samuelson & William D Nordhaus
Mcgraw Hill
(1982)



Prêmios Nobel na scientific American- Volume 4
Dulbecco, Edelman, Bishop, Prusiner, Brown e Goldstein
Vários autores



Livro Infanto Juvenis João e Maria
Vários Autores
Ciranda Cultural
(2011)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês