Digestivo nº 454 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Jogando com Cortázar
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> História 7º Ano – Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> Filhos talentosos lideres grandiosos de Pat Williams pela Landscape (2006)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Morte Em Veneza - Tonio Kröger de Thomas Mann pela Círculo do Livro
>>> Perversas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2009)
>>> Fricções - Traço, Olho e Letra de Vera Casa Nova pela Ufmg (2008)
>>> The Phantom of the Opera - Audio Cd Included de Gaston Leroux pela Macmillan Readers (2005)
>>> Redenção de Karen Kingsbury; pela Portico (2015)
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Companhia das Letras (2013)
>>> Guia de Alimentos da Dieta de South Beach de Arthur Agatston M. D. pela Sextante (2003)
>>> Só o Amor é Real - uma História de Almas Gêmeas Que Voltam a Se Unir de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> O Vento de Oalab de João Luiz Guimarães pela Sm (2016)
>>> A Criatura - Série Barco a Vapor de Laura Bergallo pela Sm (2005)
>>> Frankenstein - Audio Cd Included de Mary Shelley pela Sm (2005)
>>> Stanley Kubrick de Museu da Imagem e do Som pela Museu da Imagem e do Som (2014)
>>> Casa de Máscaras de Péricles Prade pela Iluminuras (2013)
>>> Irmãos Unidos de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1988)
>>> Affermazioni de Stuart Wilde pela Macro Edizioni (2005)
>>> O Desafio da Guerra - Dois Séculos de Guerra - 1740-1974 de Gaston Bouthoul e René Carrère pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> Um Oceano nos Separa de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2021)
>>> Constituições Brasileiras Volume I 1824 de Octaciano Nogueira pela Senado Federal (2004)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2010)
>>> A Lebre com Olhos de Âmbar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Entre Abrir e Fechar a Boca de Máximo Ravenna pela Guarda-chuva (2012)
>>> O Filho Eterno de Cristovão Tezza pela Record (2007)
>>> Serafina e a Capa Preta - Volume 1 de Robert Beatty pela Valentina (2018)
>>> Kadish por uma Criança Não Nascida de Imre Kertsz pela Imago (2002)
>>> Quarto de Emma Donoghue pela Verus (2016)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record (2006)
>>> The Unbearable Lightness of Being de Milan Kundera pela Harper Perennial (2005)
>>> A Construção da verdade autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Usp (2021)
>>> Legislação Trabalhista e Rotinas Trabalhistas EAN: 9788582129739 de Silvano Alves alcantra pela Intersaberes (2014)
>>> Constituições Brasileiras Volume VII 1988 de Caio Tácito pela Senado Federal (2002)
>>> Elixir de Hilary Duff pela Id (2011)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Sabor de Pecado e Outras Essências de Ademar Inácio da Silva pela Assis (2012)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Ciências 7º Ano – Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Beber Jogar [email protected]#er de Andrew Gottlieb pela Planeta (2009)
>>> Ciências 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Já Podeis da Pátria Filhos de João Ubaldo Ribeiro pela Alfaguara (2009)
>>> Matemática 7º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
>>> Lições de uma Rainha do Batom de Poppy King pela Fontanar (2009)
>>> O Milagre Da Manha EAN: 9788546501540 de Hal Elrod pela Best Seller (2019)
>>> Miopia Corporativa de Richard S. Tedlow pela Hsm (2012)
>>> Matemática 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
>>> O Discipulo da madrugada EAN: 9788542204421 de Pe. Fábio de Melo pela Planeta (2014)
>>> Como Governar o Mundo de Parag Khanna pela Intrínseca (2011)
>>> Constituições Brasileiras Volume III 1934 de Ronald Poletti pela Senado Federal (2004)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 19/2/2010
Digestivo nº 454
Julio Daio Borges

+ de 1700 Acessos




Imprensa >>> Eike Batista no programa de Charlie Rose
Quem lê sobre Eike Batista nos jornais e nas revistas, anunciando que vai ser tornar "o homem mais rico do mundo", pensa que ele está de gozação. Mas não foi o que pareceu a quem o assistiu no programa de Charlie Rose — quando, simplesmente, isso ficou óbvio até para o apresentador. Com 100 bilhões de dólares em dez anos, Eike, naturalmente, será o homem mais rico do globo. Ele não quis confirmar, preferiu dizer que está "servindo a seu país"... Depois de um presidente que mal fala o português (dizem que "de propósito"), foi, no mínimo, surpreendente encontrar um brasileiro que se desembaraça tão bem em inglês. Eike Batista parecia um native speaker fazendo piadas, respondendo instintivamente e ganhando a intimidade de um entrevistador cuja atitude mais o aproxima de um Larry King (do que de um David Letterman ou Jay Leno). Não seria estranho se o "inglês perfeito" fizesse parte de uma estratégia para conquistar, pela mídia, a elite global. Porque Eike Batista não falava, apenas, como "o homem mais rico do Brasil", falava como um empreendedor globalizado — uma postura diferente no que se costumava chamar de "empresariado"... Fazendo muitas deferências a seu pai (que o ensinou a "pensar grande") e à sua mãe (que lhe ensinou "disciplina"), Eike praticamente refez sua trajetória desde a época de trader de commodities, passando pelas minas de ouro (inclusive, recapitulando problemas na Rússia e na Grécia) e desembarcando, mais recentemente, nos poços de petróleo do Brasil (100% de acerto, até agora, nas perfurações). Crê que o seu legado será deixar, ao País, uma infraestrutura de primeiro mundo. Charlie Rose lembrou, obviamente, do megaporto do Rio, da reconstrução do Hotel Glória e da vontade, quase obsessiva, de equiparar a Cidade Maravilhosa, novamente, a São Paulo. Eike sorriu, inclusive quando se falou em "Luma", e, depois de ser campeão mundial num esporte em que simplesmente resolveu competir, ainda não pensa em se candidatar a nenhum cargo político, mas quer ser o maior filantropo do mundo (foram devidamente evocados Bill Gates e Warren Buffett). Charlie Rose, seduzido como poucas vezes em seu programa, aproveitou para consultar o "oráculo": Estados Unidos? "Perderam muito tempo com produtos financeiros e se descuidaram das indústrias de base". América Latina? "Só Brasil, Chile e Colômbia; a Argentina se rendeu ao populismo, como quase todos os outros; Uruguai e Paraguai estão fora do meu radar". China? "Ainda vai produzir metade do PIB mundial; mas é para os chineses — para os orientais; não é para nós". Brasil? "Em 2000, eu decidi que arrumaria o meu país para os meus filhos...". Se o B dos BRICs — e da capa da Economist — precisava de um bilionário, com desejo de ser o nº 1, Eike Batista é "o cara". [Comente esta Nota]
>>> Brazilian Businessman Eike Batista
 



Música >>> O tal Baile do Simonal, em DVD
Conforme previsto, tanto o documentário Ninguém sabe o duro que dei (de Cláudio Manoel) quanto a biografia Nem vem que não tem (de Ricardo Alexandre) estão promovendo, desde o ano passado, um revival de Wilson Simonal. Evidentemente, o "ano Simonal" coincidiu com uma entressafra nas carreiras de seus filhos, Max de Castro e Wilson Simoninha, que vêm orquestrando iniciativas como este Baile do Simonal (agora em DVD). O ocaso da gravadora Trama — que tentou lançá-los nacionalmente, na década dos 2000 — permitiu que Max e Simoninha saíssem do guarda-chuva de João Marcelo Bôscoli e André Szajman e assumissem um projeto com maior identidade. O Baile do Simonal atende à necessidade de "releitura" do repertório de Wilson Simonal, que, além de ter ficado "fora de catálogo" na era do CD, acabou desconhecido pelas novas gerações. É chocante observar — no show que deu origem a este DVD — que maioria dos artistas, mesmo os veteranos, têm de recorrer ao teleprompter, uma vez que as letras caíram no oblívio, ainda que as melodias sejam reconhecíveis... Por ser uma iniciativa da gravadora EMI, duas ausências, no mínimo, são notáveis: Jorge Ben Jor (mesmo que, segundo o livro de Alexandre, tenha virado as costas para Simonal nos anos 90); e Marcos Sacramento (o único que poderia reproduzir, fielmente, o swing original — porque os mais velhos não têm voz e os mais novos, simplesmente, não sabem como...). Lulu Santos abre com uma gravação, em estúdio, de "Zazueira". Parece OK, mas melhor é o seu depoimento, articulado, no making of. Seu Jorge não parece sóbrio em "País Tropical" e, portanto, não acrescenta nada ao clássico. Samuel Rosa está, igualmente, OK, com "Carango", e, ainda, Fernanda Abreu, com "A Tonga da Mironga do Kabuletê". Max de Castro deveria ter evitado "Meu Limão, Meu Limoeiro", que soa quase afônica na comparação. Diogo Nogueira, por seu lado, surpreende em "Está Chegando a Hora". Roberto Frejat vence pela simplicidade, na radiofônica "Vesti Azul". E Maria Rita alcança um dos pontos altos com "Que Maravilha" (embora continue não sabendo se vestir, como diria Paulo Francis). Os Paralamas soam dispensáveis, apesar do esforço no gogó, assim como Sandrá de Sá. A Orquestra Imperial ataca de "clown" e Ed Motta — que posa sempre de connaisseur — quase não interage com a plateia para não se perder na letra (boba) de "Lobo Bobo". Caetano Veloso, pós-separação de Paula Lavigne, surge inacreditavelmente humilde, para cantar a sua "Remelexo". O resto não merece comentário. Se o resultado do Baile é mais de "baixos" que de "altos" — principalmente se formos comparar com as versões originais —, o making of talvez justifique a aquisição do DVD, pelos depoimentos nos ensaios. Simonal termina, novamente, injustiçado: pela decadência das "novas" vozes da música brasileira (que não o conheceram e que, desgraçadamente, não puderam ser influenciadas por ele). [Comente esta Nota]
>>> O Baile do Simonal
 



Além do Mais >>> Hagakure, o Livro do Samurai
Hagakure, o chamado Livro do Samurai, uma compilação de Yamamoto Tsunetomo, com organização de William Scott Wilson, terminou associado à Arte da Guerra (pela mesma editora Conrad). Talvez porque a "sabedoria" tenha mais apelo, hoje, quando associada ao mundo dos negócios. Toda arte é inútil, como gostava de divulgar Oscar Wilde, mas, num País como o nosso, fica cada vez mais difícil justificar a aquisição de um livro completamente inútil. Hagakure não é "estruturado" como A Arte da Guerra. Não tem um "objetivo" claro; é resultado de uma coleção de máximas, compiladas a partir da oralidade. Assim, há muita repetição e, por vezes, uma anedota não nos diz nada, como se não fizesse mesmo sentido. Um dos "mantras" — se é que podemos abusar da linguagem deste modo — se refere à necessidade do samurai de se preparar, diariamente, para a morte. Como na filosofia ocidental, "aprender a morrer" talvez seja o supremo aprendizado. Ao contrário daquele best-seller sobre o "monge", o "executivo", em Hagakure, pode ser comparado ao guerreiro — e fica mais fácil entender os "conselhos" dessa forma. O "protagonista" de Hagakure — num outro esforço de aproximação — tem grande respeito pela servidão, pela devoção a um mestre, mas soa violento, aos nossos ouvidos, pregando, inclusive, a prática da decapitação. O guerreiro e seus hábitos contrastam com frases de grande beleza, como: "É essencial [em termos de propósito e disciplina] tornar a mente pura e serena". Para aterrissar, novamente, no solo: "Enfrente a situação". Ou contrariando — para a surpresa dos executivos — um valor quase inestimável: "Dinheiro é algo que podemos pegar emprestado, mas um bom homem não é fácil de se encontrar". Para os bem-sucedidos: "Durante épocas de felicidade, o orgulho e a extravagância são perigosos". E para os não tão bem-sucedidos: "Ter coragem é cerrar os dentes e avançar, independentemente da situação". E, finalmente, sob a influência do zen-budismo: "A coisa mais importante de sua vida é o objetivo que você persegue no presente momento". Livros como Hagakure, no fim das contas, não nos trazem respostas prontas, mas reforçam valores, quando surgem as dúvidas e as questões... [Comente esta Nota]
>>> Hagakure
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Garanhão
Harold Robins
Record
(1971)
R$ 10,00



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record
(1995)
R$ 10,00



Sofrer sem Nunca Deixar de Amar
Luzia Santiago
Canção Nova
(2002)
R$ 10,00



Manual de Serviços do Garçom
Aristides de Oliveira Pacheco
Senac Sp
(2007)
R$ 10,00



Tempo de Amar
Amy Sohn
Arx
(2006)
R$ 10,00



Giovanni
James Baldwin
Victor Civita
(1974)
R$ 10,00



Levanta-te e Vai à Grande Cidade
Serviço de Animação Bíblica
Paulinas
(2010)
R$ 10,00



Os Estupradores
Harold Robins
Record
(1991)
R$ 10,00



Nova Consciência de Brasil
Emílio Garrastazu Médici
Secretaria de Imprensa
(1970)
R$ 10,00



O Guia dos Gurus
Jimmie T. Boyett; Joseph H. Boyett
Elsevier
(1999)
R$ 10,00





busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês