Digestivo nº 454 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 19/2/2010
Digestivo nº 454
Julio Daio Borges

+ de 1500 Acessos




Imprensa >>> Eike Batista no programa de Charlie Rose
Quem lê sobre Eike Batista nos jornais e nas revistas, anunciando que vai ser tornar "o homem mais rico do mundo", pensa que ele está de gozação. Mas não foi o que pareceu a quem o assistiu no programa de Charlie Rose — quando, simplesmente, isso ficou óbvio até para o apresentador. Com 100 bilhões de dólares em dez anos, Eike, naturalmente, será o homem mais rico do globo. Ele não quis confirmar, preferiu dizer que está "servindo a seu país"... Depois de um presidente que mal fala o português (dizem que "de propósito"), foi, no mínimo, surpreendente encontrar um brasileiro que se desembaraça tão bem em inglês. Eike Batista parecia um native speaker fazendo piadas, respondendo instintivamente e ganhando a intimidade de um entrevistador cuja atitude mais o aproxima de um Larry King (do que de um David Letterman ou Jay Leno). Não seria estranho se o "inglês perfeito" fizesse parte de uma estratégia para conquistar, pela mídia, a elite global. Porque Eike Batista não falava, apenas, como "o homem mais rico do Brasil", falava como um empreendedor globalizado — uma postura diferente no que se costumava chamar de "empresariado"... Fazendo muitas deferências a seu pai (que o ensinou a "pensar grande") e à sua mãe (que lhe ensinou "disciplina"), Eike praticamente refez sua trajetória desde a época de trader de commodities, passando pelas minas de ouro (inclusive, recapitulando problemas na Rússia e na Grécia) e desembarcando, mais recentemente, nos poços de petróleo do Brasil (100% de acerto, até agora, nas perfurações). Crê que o seu legado será deixar, ao País, uma infraestrutura de primeiro mundo. Charlie Rose lembrou, obviamente, do megaporto do Rio, da reconstrução do Hotel Glória e da vontade, quase obsessiva, de equiparar a Cidade Maravilhosa, novamente, a São Paulo. Eike sorriu, inclusive quando se falou em "Luma", e, depois de ser campeão mundial num esporte em que simplesmente resolveu competir, ainda não pensa em se candidatar a nenhum cargo político, mas quer ser o maior filantropo do mundo (foram devidamente evocados Bill Gates e Warren Buffett). Charlie Rose, seduzido como poucas vezes em seu programa, aproveitou para consultar o "oráculo": Estados Unidos? "Perderam muito tempo com produtos financeiros e se descuidaram das indústrias de base". América Latina? "Só Brasil, Chile e Colômbia; a Argentina se rendeu ao populismo, como quase todos os outros; Uruguai e Paraguai estão fora do meu radar". China? "Ainda vai produzir metade do PIB mundial; mas é para os chineses — para os orientais; não é para nós". Brasil? "Em 2000, eu decidi que arrumaria o meu país para os meus filhos...". Se o B dos BRICs — e da capa da Economist — precisava de um bilionário, com desejo de ser o nº 1, Eike Batista é "o cara". [Comente esta Nota]
>>> Brazilian Businessman Eike Batista
 



Música >>> O tal Baile do Simonal, em DVD
Conforme previsto, tanto o documentário Ninguém sabe o duro que dei (de Cláudio Manoel) quanto a biografia Nem vem que não tem (de Ricardo Alexandre) estão promovendo, desde o ano passado, um revival de Wilson Simonal. Evidentemente, o "ano Simonal" coincidiu com uma entressafra nas carreiras de seus filhos, Max de Castro e Wilson Simoninha, que vêm orquestrando iniciativas como este Baile do Simonal (agora em DVD). O ocaso da gravadora Trama — que tentou lançá-los nacionalmente, na década dos 2000 — permitiu que Max e Simoninha saíssem do guarda-chuva de João Marcelo Bôscoli e André Szajman e assumissem um projeto com maior identidade. O Baile do Simonal atende à necessidade de "releitura" do repertório de Wilson Simonal, que, além de ter ficado "fora de catálogo" na era do CD, acabou desconhecido pelas novas gerações. É chocante observar — no show que deu origem a este DVD — que maioria dos artistas, mesmo os veteranos, têm de recorrer ao teleprompter, uma vez que as letras caíram no oblívio, ainda que as melodias sejam reconhecíveis... Por ser uma iniciativa da gravadora EMI, duas ausências, no mínimo, são notáveis: Jorge Ben Jor (mesmo que, segundo o livro de Alexandre, tenha virado as costas para Simonal nos anos 90); e Marcos Sacramento (o único que poderia reproduzir, fielmente, o swing original — porque os mais velhos não têm voz e os mais novos, simplesmente, não sabem como...). Lulu Santos abre com uma gravação, em estúdio, de "Zazueira". Parece OK, mas melhor é o seu depoimento, articulado, no making of. Seu Jorge não parece sóbrio em "País Tropical" e, portanto, não acrescenta nada ao clássico. Samuel Rosa está, igualmente, OK, com "Carango", e, ainda, Fernanda Abreu, com "A Tonga da Mironga do Kabuletê". Max de Castro deveria ter evitado "Meu Limão, Meu Limoeiro", que soa quase afônica na comparação. Diogo Nogueira, por seu lado, surpreende em "Está Chegando a Hora". Roberto Frejat vence pela simplicidade, na radiofônica "Vesti Azul". E Maria Rita alcança um dos pontos altos com "Que Maravilha" (embora continue não sabendo se vestir, como diria Paulo Francis). Os Paralamas soam dispensáveis, apesar do esforço no gogó, assim como Sandrá de Sá. A Orquestra Imperial ataca de "clown" e Ed Motta — que posa sempre de connaisseur — quase não interage com a plateia para não se perder na letra (boba) de "Lobo Bobo". Caetano Veloso, pós-separação de Paula Lavigne, surge inacreditavelmente humilde, para cantar a sua "Remelexo". O resto não merece comentário. Se o resultado do Baile é mais de "baixos" que de "altos" — principalmente se formos comparar com as versões originais —, o making of talvez justifique a aquisição do DVD, pelos depoimentos nos ensaios. Simonal termina, novamente, injustiçado: pela decadência das "novas" vozes da música brasileira (que não o conheceram e que, desgraçadamente, não puderam ser influenciadas por ele). [Comente esta Nota]
>>> O Baile do Simonal
 



Além do Mais >>> Hagakure, o Livro do Samurai
Hagakure, o chamado Livro do Samurai, uma compilação de Yamamoto Tsunetomo, com organização de William Scott Wilson, terminou associado à Arte da Guerra (pela mesma editora Conrad). Talvez porque a "sabedoria" tenha mais apelo, hoje, quando associada ao mundo dos negócios. Toda arte é inútil, como gostava de divulgar Oscar Wilde, mas, num País como o nosso, fica cada vez mais difícil justificar a aquisição de um livro completamente inútil. Hagakure não é "estruturado" como A Arte da Guerra. Não tem um "objetivo" claro; é resultado de uma coleção de máximas, compiladas a partir da oralidade. Assim, há muita repetição e, por vezes, uma anedota não nos diz nada, como se não fizesse mesmo sentido. Um dos "mantras" — se é que podemos abusar da linguagem deste modo — se refere à necessidade do samurai de se preparar, diariamente, para a morte. Como na filosofia ocidental, "aprender a morrer" talvez seja o supremo aprendizado. Ao contrário daquele best-seller sobre o "monge", o "executivo", em Hagakure, pode ser comparado ao guerreiro — e fica mais fácil entender os "conselhos" dessa forma. O "protagonista" de Hagakure — num outro esforço de aproximação — tem grande respeito pela servidão, pela devoção a um mestre, mas soa violento, aos nossos ouvidos, pregando, inclusive, a prática da decapitação. O guerreiro e seus hábitos contrastam com frases de grande beleza, como: "É essencial [em termos de propósito e disciplina] tornar a mente pura e serena". Para aterrissar, novamente, no solo: "Enfrente a situação". Ou contrariando — para a surpresa dos executivos — um valor quase inestimável: "Dinheiro é algo que podemos pegar emprestado, mas um bom homem não é fácil de se encontrar". Para os bem-sucedidos: "Durante épocas de felicidade, o orgulho e a extravagância são perigosos". E para os não tão bem-sucedidos: "Ter coragem é cerrar os dentes e avançar, independentemente da situação". E, finalmente, sob a influência do zen-budismo: "A coisa mais importante de sua vida é o objetivo que você persegue no presente momento". Livros como Hagakure, no fim das contas, não nos trazem respostas prontas, mas reforçam valores, quando surgem as dúvidas e as questões... [Comente esta Nota]
>>> Hagakure
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO PENAL - VOLUME 2 - PARTE ESPECIAL
JULIO FABBRINI MIRABETE
ATLAS
(2003)
R$ 9,50



VENTO NOTURNO
CHARLES DICKENS
CLUBE DO LIVRO
(1975)
R$ 7,00



BIBLIORAMA BRINCANDO E APRENDENDO
SILVIO NAKANO
A D SANTOS
(2006)
R$ 10,00



COMISSÃO COORDENADORA DE ESTUDOS DO NORDESTE - ESTUDO 01
ARENA (ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL)
SENADO FEDERAL
(1971)
R$ 19,82



ISTO É 2030 - MÉDIUNS
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
TRÊS
(2008)
R$ 9,00



DETECÇÃO DE BATIMENTOS CARDÍACOS UTILIZANDO FPGA
ALEXANDRE TOMAZATI OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



REVOLUÇÕES DE INDEPENDÊNCIAS E NACIONALISMOS NAS AMÉRICAS
MARCO A. PAMPLONA; MARIA E. MADER ORG - VOL 2
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 15,00



CULTURA E OPULÊNCIA DO BRASIL
ANDRÉ JOÃO ANTONIL
PROGRESSO
(1955)
R$ 29,70



ATLÂNTIDA: O GENE
A. G. RIDDLE
GLOBO ALT
(2015)
R$ 9,00



CONHECIMENTO QUE CONDUZ À VIDA ETERNA
NAO CONSTA
WATCHTOWER
(1995)
R$ 4,90





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês