Digestivo nº 464 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
>>> Viagem no Tempo Expansão da Consciência Temporal de Colin Bennett pela Ediouro (1987)
>>> Fraternidade Rosacruz ( O enigma da vida e da morte) de Max Heindel pela Edição do Autor
>>> A L'Ombre des Monastères Thibétains de Jean M. Riviére pela Victor Attinger (1956)
>>> O Espirito Consolador de Padre V. Marchal pela Pensamento (1930)
>>> Los Misterios Rosacruces de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Rosa Cruz de Krumm Heller pela Kier (1944)
>>> Los Raja y Hatha Yogas de Ernesto Wood pela Schapire (1949)
>>> Autodefensa Psiquica de Dion Fortune pela Luiz Cárcamo (1979)
>>> Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna de J. Van Rijckenborgh pela Lectorium Rosicrucianum (1975)
>>> Jesus (La Mision de Cristo) de Eduardo Schuré pela Victor Hugo (1944)
>>> Amor e Sabedoria de Emmanuel de Clovis Tavares pela Calvário (1970)
>>> Rosa Esoterica de Krumm Heller pela Kier (1938)
>>> Manual Informativo do Membro da Sociedade Teosófica de Armando Sales pela Sociedade Teosófica (1951)
>>> Cartas da prisão de Frei Betto pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Los Antiguos Simbolos Sagrados de Ralph M. Lewis F.R.C. pela Suprema Gran Logica de Amorc (1950)
>>> El Hijo de Zanoni de Sévaka pela Mexicana (1975)
>>> Em Busca da Verdade de Ruth Montgomery pela Record (1967)
>>> Recolecciones de un Místico ( La Fraternidad Rosacruz) de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Enseñanzas de un Iniciado de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Principios Rosacruces de H. Hogar y los Negocios pela Gran Logica Suprema de Amorc (1929)
>>> Cristificacion Lecciones de Cultura Superior del Alma de R. Swinburne Clymer pela Kier (1946)
>>> Astrodiagnosis guia para la Curacion de Max Heindel pela Kier (1946)
>>> Misterios de las Grandes Operas de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Libertadores da América a Maçonaria e a Emancipação dos povos Americanos de A. Tenório D'Albuquereque pela O Malhete (1959)
>>> Filosofia Rosacruz en perguntas y Respuestas de Max Heindel pela The Rosicrucian
>>> Mensagens de vida de Carlos Augusto pela Celd (1995)
>>> O Espírito de Cornélio Pires de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1966)
>>> Filigranas de Luz de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1986)
>>> Gabriel Delame sua vida seu apostolado e sua obra de Paul Bodier pela União Espírita Francesa (2001)
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
DIGESTIVOS

Quinta-feira, 10/6/2010
Digestivo nº 464
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos




Artes >>> A Linguagem das Coisas, de Deyan Sudjic
Na alardeada guerra entre imagens e palavras, é raro encontrar um homem de letras que entenda profundamente de artes plásticas; ou, na via oposta, um artista plástico que maneje, com habilidade, as ferramentas da expressão escrita. Deyan Sudjic, diretor do Design Museum de Londres, é uma dessas raras exceções, tendo produzido um livro que fala de objetos, até de moda e de luxo - num tom diametralmente oposto ao das revistas de fofoca - em profundidade. A Linguagem das Coisas, pela editora Intrínseca, não se rende só à estética, à publicidade e ao consumo - frequentes nesse tipo de "literatura" -, evoca a história, os costumes e - imprescindíveis no nosso tempo - a técnica e a tecnologia. Enquanto a crítica de arte no Brasil parou em Andy Warhol e no século XX, Sudjic abre o texto com a aquisição de seu MacBook e desvenda, por exemplo, as origens do "desenho" do iPhone, de Jonathan Ive (a calculadora Braun, de Dieter Rams). Consegue, com admirável ironia, pensar o luxo, além da futilidade, do desperdício e da pobreza de espírito: "Luxo era a trégua que a humanidade encontrava para si da luta diária pela sobrevivência". Ou: "Para certos objetos, o conceito de luxo é usado para criar a aura antes propiciada pela arte". Ou, ainda: "O luxo contemporâneo depende da descoberta de novas coisas para torná-las difíceis". Encerrando com Thorstein Veblen: "Só os que estão seguros de sua riqueza se sentem à vontade vivendo sem exibir suas posses". E Sudjic não se intimida nem com o establishment da moda, começando por: "Moda não é arte. Mas nunca antes se esforçou tanto para sugerir que poderia ser". Cutucando, também, a sociedade do espetáculo: "Inevitavelmente, o processo de oferecer uma dieta de espetáculo constante é sujeita à lei dos rendimentos decrescentes". Sem deixar passar os "artistas" contemporâneos: "A arte é de uma eficiência extraordinária em transformar tela, fibra de vidro, carne de tubarão ou videoteipe em matéria-prima de leilões". Para concluir com ninguém menos que Frank Lloyd Wright: "Os motores de locomotiva, os motores de guerra, os navios a vapor tomam o lugar que as obras de arte antes ocupavam na história. Hoje temos um cientista ou um inventor no lugar de um Shakespeare ou de um Dante". E, nas suas próprias palavras: "Diz-se sempre que a verdadeira arte do mundo moderno é a engenharia". (Alguém falou aí na Apple e em Steve Jobs?) A Linguagem das Coisas tem pouco mais de 200 páginas, mas é denso como a gramatura de seu papel (150g/m2). Sua edição lembra um coffee table book, também pelo peso, pela capa dura e até pelo assunto. Mas o volume de Deyan Sudjic pode enganar na aparência, mas não engana no conteúdo: é, além de atualíssimo, pertinente e, de forma inédita, profundo. Talvez sua principal mensagem seja a de que, justamente, também na nossa sociedade a aparência esconde muito. [Comente esta Nota]
>>> A Linguagem das Coisas
 



Literatura >>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Talvez mais que um escritor, Borges fosse um leitor. Possivelmente, o maior leitor do século XX. A impressão, em seus escritos, é a de que leu tudo e que, embora vítima de cegueira progressiva, alcançou uma espécie de clarividência em vida. Como entregou sua existência à literatura, esta parece que escolheu-o como seu porta-voz. Ler Borges, ouvir Borges ou, ainda, ler as transcrições das falas de Borges é tomar contato com a melhor tradição da literatura. Borges conseguiu ser a literatura em pessoa. E seus contos podem ser tomados como verdadeiros ensaios literários. Não é diferente neste Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos (1975), que a Companhia das Letras acaba de reeditar. Conforme sugere o título, o volume reúne prefácios que Borges escreveu para obras ou autores que conhecia intimamente, ou para alguns contemporâneos (ninguém é perfeito). Logo, Prólogo... é Borges no seu elemento, falando de literatura, como o leitor de maior autoridade do seu tempo. Nesta coleção de prólogos, estão naturalmente as obsessões, como Cervantes (obsessão comum a quase todos os autores de língua espanhola e à maioria dos romancistas em qualquer língua): "As frases truncadas do realismo de nosso tempo lhe teriam parecido uma grosseria indigna da arte literária". Carlyle — também uma leitura de Nietzsche —, ainda que seu gosto aristocrático chocasse a futura correção política: "A história do mundo é a biografia dos grandes homens" (alguém falou aí em povo?). Também Emerson (outro preferido de Nietzsche, e de Harold Bloom), Gibbon, e, para sempre, Kafka: "Sua mais indiscutível virtude é a invenção de situações intoleráveis(...) Preferia ter escrito uma obra feliz e serena, não a uniforme série de pesadelos que sua sinceridade lhe ditou". Somos brindados, ainda, com análises do Bartleby, de Melville, Folhas de Relva, do imenso Whitman, e até Valéry. Sem contar, a tentação de "obras de amigos" como Adolfo Bioy Casares. Quem ama a literatura, no nosso século, terá Borges para sempre como guia. E este Prólogos é mais uma oportunidade de retomar essa rica tradição. [1 Comentário(s)]
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos
 



Imprensa >>> O mensalão, 5 anos depois, pelo Valor Econômico
Enquanto os jornalões se perdem em "reformas gráficas" que aprofundam, ainda mais, sua crise de identidade ("alguma coisa" entre papel e internet), e numa miríade de colunistas reforçam a cacofonia e o embotamento de quem, justamente, não sabe o que quer (falta de visão e estratégia), o Valor Econômico, depois de provocar a extinção definitiva da Gazeta Mercantil (1920-2009), completou uma década e produziu a melhor análise do mensalão, 5 anos depois. Por muito tempo negado, e juridicamente considerado "suposto" pelo mainstream, o mensalão de fato existiu e, o Valor sugere, era de amplo conhecimento do presidente Lula. Tanto que a cúpula do governo federal — o Valor revela — estava se preparando para o impeachment. Por incrível que pareça, foi Fernando Henrique Cardoso, representante máximo da oposição, quem negociou uma solução com Márcio Thomaz Bastos, então ministro da Justiça de Lula, numa longa noite de cafezinhos e muita água, servidos por dona Ruth. FHC não queria ir para a rua — ao contrário dos anos 90: não havia minissérie da Globo, nem clamor popular — e temia uma "divisão" que pudesse tornar o País ingovernável. Pela lei — depois da confissão bombástica de Duda Mendonça, na CPI dos Correios — Fernando Henrique queria a eleição de 2002 anulada e o candidato em segundo lugar, José Serra, empossado. A fim de preservar as instituições, contudo, reconsiderou. O Valor também destaca que o depoimento arrasador do marqueteiro Mendonça teve o dedo do falecido senador Antonio Carlos Magalhães... Revisitar o lamentável episódio do mensalão é, particularmente, útil num ano de eleição. Servindo, ainda, para relativizar a popularidade, aparentemente incontrastável, do presidente Lula, numa era de BRICs, capas da Economist e da Time. Infelizmente, para a oposição (e talvez para o Brasil), os prognósticos, até o momento, repetem o quadro de "popularidade insuficiente" dos candidatos do PSDB (contando com um "efeito surpresa" que muito provavelmente não se realizará), tendo como esteio, ainda, as ideias, a coragem e o que restou da autoridade do mesmo FHC. Se o presidente Lula "deu a volta por cima", depois de chegar ao fundo do poço, a oposição e/ou o PSDB não se reinventaram no mesmo período — o que pode privar o Brasil da alternância de poder, tão necessária, nos próximos 8 anos... [Comente esta Nota]
>>> Como Lula superou o mensalão
 



Música >>> Ronnie James Dio (1942-2010)
A imprensa, na sua eterna falta de assunto, preferiu associar Ronnie James Dio ao símbolo do heavy metal — aquele sinal feito com as mãos, indicando dois chifres — do que analisar qual teria sido seu legado para o rock em geral e, particularmente, para esse estilo. Dio encarou, pelo menos, dois desafios de monta, como vocalista. Primeiro, um guitarrista que saía da segunda melhor formação do Deep Purple para formar seu próprio conjunto; estamos falando de Ritchie Blackmore e do Rainbow. Depois, um guitarrista, um baixista e um baterista que viram sua banda à beira do abismo, após a saída de seu legendário vocalista; estamos falando do que restara do Black Sabbath, agora sem Ozzy Osbourne. Dio não só fez a glória do Rainbow, reinterpretando clássicos como "Mistreated", como fez a glória da segunda encarnação do Sabbath, ajudando a forjar clássicos como "Neon Knights", "Heaven and Hell" e "Die Young" (entre outros). Sem contar sua carreira solo, com álbuns também clássicos como Holy Diver (1983) e The Last in Line (1984). Obviamente, Dio não foi nenhum santo. Terminou acusado de adulterar o volume dos vocais na mixagem final de Live Evil (1982), seu "ao vivo" com o Sabbath, ofuscando o resto da banda e inutilizando o disco. E, já nos anos 90, recusou-se a "abrir" a reunião histórica do Sabbath com Osbourne, sendo substituído, com louvor, por Sabbath ("versão Vinnie Appice") mais Rob Halford. Dio — como praticamente todos os conjuntos de rock depois — não resistiu ao canto da sereia da "volta", reunindo-se ao "seu" Black Sabbath (antes da reunião com Ozzy), para um disco medíocre, Dehumanizer (1992), mas para uma turnê até que razoável (que, inclusive, passou pelo Brasil). Dio ainda voltaria com sua própria banda, para Holy Diver Live (2006) — antecipando, desta vez, a linha nostálgica do Somewhere Back in Time do Iron Maiden —, também com passagens pelo Brasil, mas já literalmente sem voz, conforme atesta o YouTube. O Heaven & Hell — na verdade o Black Sabbath "versão Dio" (impedido de usar o nome por... Ozzy Osbourne) — seria o canto do cisne do vocalista que começou cedo, mas que se consagrou, relativamente, tarde. Seus vocais impressionantemente musculosos, para alguém de sua estatura, e guturais, influenciaram toda a posterior linhagem do heavy metal "mais rápido" e "mais pesado" do final dos anos 80, início dos anos 90 (Sepultura incluso). Mesmo criativamente pouco inspirado e afônico, Dio morreu "em combate" — o que parece ser o destino de quase todos os ídolos do rock que, a exemplo de Mick Jagger e, sim, de Ozzy Osbourne, não desistem jamais. ;-) [1 Comentário(s)]
>>> Ronnie James Dio
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TUTELA CAUTELAR E TUTELA ANTECIPADA:TUTELAS SUMÁRIAS DE URGÊNCIA 8599
JOSE ROBERTO DOS SANTOS BEDAQUE
MALHEIROS
(2003)
R$ 60,00



ATLAS GEOGRÁFICO MUNDIAL - VOL. 7 - ÁSIA E OCEANIA 1
EDITORIAL SOL 90
SOL 90
R$ 11,00



EM FAVOR DO HOMEM
PAULO EVARISTO, CARDEAL ARNS
AVENIR (RJ)
(1979)
R$ 22,82



FRANKLIN DÓRIA
PEDRO CALMON
BARÃO DE LORETO
(1981)
R$ 4,01



BAHÚ VELHO (ATENÇÃO A DESCRIÇÃO) - 1019
VIRIATO CORRÊA
COMPANHIA NACIONAL
(1927)
R$ 20,00



JUNG E A INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS
JAMES A HALL
CULTRIX
(1993)
R$ 32,31
+ frete grátis



ATRAVESSANDO A RUA
RICHARD SIMONETTI
IDE
(1987)
R$ 9,20



RESPONSABILIDADE CIVIL FACE AOS DANOS AMBIENTAIS NO SÉCULO XXI
MÁRCIA NOGUEIRA PIEMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



FORA DE ORBITA
THOMAS BLOCK
RECORD
R$ 6,00



MODELOS FIAT GUIAS DE INJECÇÃO A GASOLINA
MIGUEL DE CASTRO
PLÁTANO
(1994)
R$ 51,70





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês