Digestivo nº 99 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
>>> Rhyme and reason
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
Mais Recentes
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
>>> Revista Conexão Geraes: Seguridade Social Ampliada n6 ano 4 de Taysa Silva Santos; Soraya Magalhães Pelegrini; Matheus Thomaz da Silva pela Crssmg (2015)
>>> Revista Conexão Geraes: A Dimensão Técnico-Operativa no Serviço Social n3 ano 2 de Kênia Augusta Figueiredo; Elaine Rossetti Behring; Ana Cristina Brito Arcoverde pela Crssmg (2013)
>>> Revista Conexão Geraes: Expressões socioculturais n5 ano 3 de Carlos Montano; Cézar Henrique Maranhão; Yolanda Demétrio Guerra pela Crssmg (2014)
>>> Revista Conexão Geraes: Relatório de Gestão n8 ano 6 de Luana Braga; Rosilene Tavares; Marisaura pela Crssmg (2017)
>>> Revista Conexão Geraes:30 Horas Lei é Para Cumprir n7 ano 5 de Ivanete Boschetti; Ricardo Antunes; Marisaura dos Santos Cardoso pela Crssmg (2016)
>>> Revista Conexão Geraes: Direito à Cidade n4 ano 3 de Maria Lúcia Martinelli; Duriguetto; Joviano Mayer pela Crssmg (2014)
>>> Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial de Ministério da Saúde pela Sas (2004)
>>> Ensaios Ad Hominem 1: Tomo 3 - Política de J. Chasin pela Ad Hominem (2000)
>>> Revista Histórica de Contagem 102 Anos de Ciro Carpentieri Filho pela Fundac (2013)
>>> O Brasil Desempregado de Jorge Mattoso pela Perseu Abramo (1996)
>>> Caderno do Plano de Manejo Orgânico de Mapa pela Secretaria de Cooperativismo (2014)
>>> Manual de Arborização Capa Verde de Cemig pela Cemig
>>> Manual de Arborização de Cemig pela Cemig (1996)
>>> Mata Atlântica: Mapa da Área de Aplicação da Lei n 11.428 de Ibge pela Ibge
>>> MG Biota v. 11 n 1 de Biologia Floral; aposematismo pela Ief (2018)
>>> MG Biota v. 10 n. 2 de Anfíbios pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 1 de Germinação; Capões de Mata pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 3 de Recuperação de Áreas Degradadas pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 6 n. 1 de Cerrado; Vale do Jequitinhonha pela Ief (2017)
>>> Informe Agropecuário 244 de Áreas Degradadas pela Epamig (2008)
>>> Informe Agropecuário 285 de Déficit Hídrico pela Epamig (2015)
>>> Informe Agropecuário 287 de Agricultura Orgânica e Agroecologia pela Epamig (2015)
>>> Contos de Amor e Morte de Arthur Schnitzler; George Bernard Sperber (trad.); Wolfgang Bader (apr.) pela Companhia das Letras (1999)
>>> Um Jovem Americano de Edmund White; Augusto de Oliveira (trad.) pela Siciliano (1995)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 18/9/2002
Digestivo nº 99
Julio Daio Borges

+ de 2700 Acessos




Imprensa >>> Nine Eleven
Uma semana e um ano nos separam do 11 de setembro. O caráter oficialesco das cerimônias, neste primeiro aniversário, roubou toda a singularidade do evento. O acontecimento que deveria ter aberto uma fissura na História acabou absorvido por jornais, revistas e livros como mais uma data qualquer. O grande momento ficou para trás, muito atrás. Foi quando o racionalismo, a lógica e a moderna inclinação cientificista foram postos de lado, porque simplesmente não davam conta da catástrofe. Durou alguns dias, ou algumas horas, dependendo do tempo que cada um demorou para arranjar explicações minimamente satisfatórias. Foi quando a humanidade novamente se aproximou das grandes tragédias fundadoras da tradição ocidental. Poderia ter nos ensinado muito, mas infelizmente caiu na vala comum do "processamento de dados", do jogo de "causa e conseqüência", do populismo e da demagogia de políticos e aproveitadores de ocasião. Devolveu-nos a falsa segurança e a crença ingênua de que o mundo caminha para uma época melhor. Em Nova York, a grande sensação não foi a leitura da interminável lista das vítimas dos atentados no Ground Zero, mas sim os altares improvisados que a própria população montou nas esquinas, nas ruas e nos metrôs da cidade. Isso provavelmente a televisão não mostrou, até porque lá havia fotos que a mídia inteira, enojada, suprimiu convenientemente dos noticiários. Diante das verdadeiras imagens dos escombros, dos retratos e das mensagens aos mortos, dos objetos e dos restos do World Trade Center não havia como se confortar com os discursos empolados, com a demonização vingativa do oriente ou com a pretensão acintosa de quem se compara ao arquiteto do universo, apontando arbitrariamente caminhos para bilhões de pessoas. Embora a distância (que se estabeleceu na linha do tempo), de atos tão brutais, proporcione a tranqüilidade e a serenidade necessárias para se sobreviver, rouba, na mesma proporção, qualquer esperança de que o mundo efetivamente se transforme. [Comente esta Nota]
>>> Especial 11 de setembro
 



Música >>> Espírito de porco
Muito espanto por causa da saída de Nando Reis dos Titãs do Iê-Iê-Iê. Ainda que eles não tenham sido os mesmos há mais de dez anos, os fãs lamentam o que então parecia inevitável. É fato incontestável que a trajetória ascendente de "Cabeça Dinossauro" (1986) e "Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas" (1987), a mesma que culminou com "Õ Blésq Blom" (1989), vinha descendo a ladeira desde "Tudo ao Mesmo Tempo Agora" (1991). Na época, os Titãs se deixavam seduzir pelo modismo do "grunge" de Seattle e se submetiam à produção (que acreditavam salvadora) de Jack Endino, o mesmo que se consagrara ao lançar o Nirvana de Kurt Cobain. Na tentação fácil de regredir ao "puro rock" e de deixar para trás toda a influência dos ritmos brasileiros, a musicalidade tão arduamente conquistada foi sacrificada (em nome da santíssima trindade: guitarra, baixo e bateria e das letras que ficaram presas numa espécie de "adolescência" [farta em palavrões e terminologia chula]). Não por acaso, Arnaldo Antunes, o verdadeiro "desafinado", abandonaria o barco no álbum subseqüente, para se dedicar à carreira de compositor (seduzindo Marisa Monte, Maria Bethânia e Zélia Duncan, nesta ordem) e também de intérprete (nunca com o mesmo sucesso, obviamente). Pode-se dizer que Nando Reis já vinha botando as "asinhas para fora" desde o "Mais" (1991), da mesma Marisa Monte, em que assinava simplesmente a composição mais importante do álbum: "Diariamente", cuja versificação seria repetida exaustivamente por hordas de jovens admiradores da diva. O último espasmo de inteligência dos Titãs, porém, ocorreria em 1997, no "Acústico", que reuniria novamente o octeto e remeteria às suas canções mais criativas até o momento. Paulo Miklos - mais conhecido com o ator do "Invasor" (2002), de Beto Brant - ascendia como cantor, enquanto que Sérgio Britto e Branco Mello, outrora "apagados", assumiam muitas vezes o comando. Nando Reis ainda gravaria dois discos solo e veria o seu sol brilhar com Cássia Eller, sua discípula mais dedicada, para fortalecido optar pelo afastamento. Desde a morte trágica de Marcelo Fromer que os seguidores do Titãs se perguntam se ainda vale à pena. Ao que parece, os Titãs (ou os seus remanescentes) ainda acham que vale. [Comente esta Nota]
>>> Nando Reis abandona os Titãs
 



Literatura >>> Um homem de Oz
Veio a calhar a idéia da José Olympio de (re)publicar "Aqui está Nova York", ensaio de E.B. White, em tradução de Ruy Castro. Afinal nos arredores do 11 de setembro o texto de White soa assustadoramente premonitório, como diz a orelha e frases como esta: "de todos os alvos, Nova York tem uma espécie de clara prioridade". Ou então: "Na mente de qualquer pervertido que enlouqueça, Nova York deve exalar um encanto irresistível". Mas o ensaio não é nem de longe um exercício de clarividência sobre o holocausto que se abateria sobre a cidade, é, na verdade, um misto de celebração e de nostalgia, afinal, E.B. White voltava à metrópole que escolhera para morar duas ou três décadas antes. Estamos falando de um manuscrito forjado em 1949, quando White foi especialmente convidado por Roger Angell (então seu enteado) para preencher as belas páginas da revista "Holiday". À insinuação por parte de Angell de que seria "divertido" reencontrar Nova York anos depois, e registrar suas impressões a respeito dela, White respondeu: "Escrever nunca é divertido". Ponto. Ao lê-lo, porém, a impressão é outra; há, além do mestre do estilo, uma poesia inebriante, que permanece encantando leitores através dos tempos. Claro, o ensaio caminha para a desilusão e para o enfado, à medida que as páginas avançam. A dádiva da solidão e a dádiva da privacidade (no primeiro parágrafo) cedem lugar à árvore, que, se um dia morrer, com ela tudo mais perecerá (no último). O que interessa, contudo, é o passeio, o vagar ou, nas próprias palavras de E.B. White, a vadiagem. Até porque quem nunca mandou às favas o trabalho e os compromissos diários para se perder, de vez em quando, nas ruas e ver a sua cidade respirar, nunca chegou a conhecê-la de fato. [Comente esta Nota]
>>> Aqui está Nova York - E.B. White - 55 págs. - José Olympio
 



Além do Mais >>> Perturbador e cosmogônico
Quase cem anos nos separam do lançamento de "Os Sertões", de Euclides da Cunha. Um clássico perante o qual muitos dos brasileiros ainda permanecem analfabetos. Grosseiramente, é possível classificar os escritores como de síntese ou de análise, cabendo a Euclides a segunda classificação. Barroco por excelência, doente desde o nascimento, não podia compor uma obra que não fosse marcada pela exuberância e pelo exagero - como que para compensar o emprego de funcionário público, o casamento com a esposa infiel, as crises advindas da tuberculose. Sua vida não podia ter tido desfecho mais trágico e melancólico: o duelo contra o amante da mulher, Dilermando, que terminou fulminando-o. Antes que a culpa recaia sobre o assassino, por ter calado um escritor de gênio, há hoje indícios de que Euclides sofria de desequilíbrios mentais (quando resolveu partir para o enfrentamento homem a homem). Apesar de sua realização descomunal em literatura, a posteridade não o eximiu de todos os pecados. Acredita-se que os seus descendentes o tenham imitado justamente nos pontos em que sua obra mais falha: na desmedida ambição cientificista; no desejo (frustrado) de dar conta do Brasil; e no objetivo (no caso dele, atingido) de fazer frente a toda a tradição épica ocidental. Assim como Machado, pelo lado da economia e da contenção verbal, Euclides deixou um modelo que inspirou pelo menos um livro fundamental: "Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa. Durante as festividades do centenário, contudo, a classe dos jornalistas foi a que mais arrolou para si os feitos euclidianos - esquecendo-se de que o autor foi também engenheiro, geógrafo, historiador, romancista e poeta. A relativa bonomia do século XX (descontando os períodos e focos bélicos) privou a humanidade de criadores viscerais como Euclides da Cunha. Afinal, se Wittgenstein tinha razão, a vida só ganha sentido perante a morte. Num tempo em que a última virou uma abstração, a primeira só poderia acabar em impostura (ainda mais no "melhor país do mundo"). [Comente esta Nota]
>>> Euclides da Cunha
 



Cinema >>> Le Mal
A velha história dos bebês trocados na maternidade. Não é o tema principal, mas o ponto de partida para o filme de Claude Chabrol: "A teia de chocolate" ("Merci pour le chocolat" [2000]). Parte do 1º Festival de Cinema Francês, organizado pela Pandora Filmes, começa como drama e termina como policial. É o típico longa europeu de fim de século (XX): tenso, morno e com um cast bastante simplificado. Roteiro: durante um almoço informal, moça descobre que pode ser filha de um renomado pianista; apesar das negativas da mãe, insiste em abordá-lo e conquista a sua confiança quando revela preparar-se para um concurso... de piano (!). A dúvida, não esclarecida até o final, sobre a paternidade move três quartos do filme. O pianista, de meia idade, sente-se rejuvenescido pela presença da possível filha e toma-a como aluna. A moça, que o tinha em alta conta, encontra a situação ideal para aperfeiçoar-se no instrumento. Seria, portanto, perfeito se tratasse dos relacionamentos entre gerações de artistas. Ainda mais com Chopin e Liszt como pano de fundo. Acontece que a esposa do artista, a fria Isabelle Huppert, revela-se uma mulher perversa e uma mente maligna. É aí que "A teia de chocolate" desanda: quem se encanta com as notas e os acordes não quer saber de suspeita de assassinato... Enfim, vale apesar do desfecho melancólico. Aos estetas, sobretudo pela presença de Anna Mouglalis, candidata a beldade na França, uma morena que lembra muito Patrícia Pillar (candidata a primeira-dama). A ambientação é bastante atual: carros Mercedes-Benz Classe A, moderna arquitetura de interiores, laboratórios de última geração (a mãe da moça é médica). E as paisagens da Suíça, para completar. Pensando bem: quem liga para o enredo com tanto cartão postal para olhar? [Comente esta Nota]
>>> Merci pour le chocolat
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor na boca do túnel
Edilberto coutinho
tempo brasileiro
(1992)



Metadologia da Pesquisa Juridica
Eduardo C B Bittar
Saraiva
(2002)



Consolidação das Leis do Trabalho Constituição Federal e Legislação
Rideel
Rideel
(2011)



Antologia Poética de Lêdo Ivp - Coleção Prestigio
Walmir Ayala
Ediouro
(1991)



Formaturas Infernais
Meg Cabot
Galera
(2009)



Amar é Servir
Isabel Lins
Construir
(2003)



Administração
Peter F Drucker
Pioneira
(1975)



Terra Espetacular
Seleções do Readers Digest
Readers Digest
(1997)



As Fúrias Invisíveis
Ricardo Ramos
Círculo do Livro



Galileu - Pensamento, Vida e Obra
Vários Autores
Ct
(2011)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês